browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

FRAUDE: Injeções mRNA da Pfizer-BioNtech e Moderna, científica e legalmente, NÃO SÃO VACINAS

Posted by on 11/02/2021

Você sabia que as vacinas de mRNA Covid-19 NÃO SÃO VACINAS na definição médica científica e legal do que é uma vacina?  As duas injeções mRNA da Pfizer-BioNtech  e Moderna não impedem que você pegue a infecção pelo vírus Covid, nem evitam a sua propagação. As duas injeções mRNA  são terapias genéticas realmente experimentais. Enquanto as  injeções de mRNA da Moderna e da  Pfizer são rotuladas como “vacinas” e as agências de notícias e líderes de políticas de saúde as chamam assim, as patentes reais para as injeções da Pfizer e da Moderna as descrevem com maior veracidade como uma “terapia genética”, e não vacinas .

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

FRAUDE: Injeções mRNA da Pfizer-BioNtech e Moderna, cientifica e legalmente, NÃO SÃO VACINAS – São Terapias Experimentais Genéticas

Fonte:  Humans Are Free

Você sabia que as vacinas de mRNA Covid-19 NÃO SÃO VACINAS na definição médica científica e legal do que é uma vacina?

Eles não impedem que você pegue a infecção, nem evitam a sua propagação. São terapias genéticas realmente experimentais .

Moderna admite: mRNA Jabs são um ‘sistema operacional’ projetado para programar humanos

Discuti este fato preocupante em uma recente entrevista com o biólogo molecular Judy Mikovits, Ph.D . Enquanto as injeções de mRNA da Moderna e da Pfizer são rotuladas como “vacinas” e as agências de notícias e líderes de políticas de saúde as chamam assim, as patentes reais para as injeções da Pfizer e da Moderna as descrevem com mais veracidade como “terapia genética”, não vacinas .

Definição de ‘VACINA’

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças [CDC] dos EUA(1), uma vacina é “um produto que estimula o sistema imunológico de uma pessoa a produzir imunidade a uma doença específica, protegendo a pessoa dessa doença”.

A imunidade, por sua vez, é definida como “Proteção contra uma doença infecciosa”, o que significa que “Se você for imune a uma doença, pode ser exposto a ela sem ser infectado”.

Nem a Moderna nem a Pfizer-BioNtech afirmam ser este o caso para suas “vacinas” mRNA COVID-19. Na verdade, em seus ensaios clínicos, eles até mesmo especificam que nem mesmo farão testes de imunidade.

Ao contrário das vacinas reais, que usam um antígeno da doença que se está tentando prevenir, as injeções Covid-19 da Moderna e da Pfizer-BioNtech contêm fragmentos de mRNA sintéticos encapsulados em um composto carregador de nanolipídeo, cujo único propósito é diminuir os sintomas clínicos associados ao S-1 proteína de pike, não o vírus real.

Na verdade, a injeção de mRNA da Moderna e da Pfizer-BioNtech [fraudulentamente chamadas de vacina por todos os perpetradores da farsa covid-19] não conferem imunidade nem inibem a transmissibilidade da doença. Em outras palavras, o medicamento não foi projetado para impedir que você adoeça com SARS-CoV-2 [Covid-19]; eles só devem diminuir os sintomas de infecção se ou quando você for infectado.

Como tal, esses produtos [fraudulentamente chamadas de vacina por todos os perpetradores da farsa covid-19] não atendem à definição legal, científica e médica de ser uma vacina autêntica e, conforme observado por David Martin, Ph.D., no vídeo acima, “As ramificações legais desse ENGANO são imensas”.

No Federal Trade Commission Act215 Seção 41 do Código dos EUA

Conforme explicado por David Martin, o 15 US Code Section 41 do Federal Trade Commission Act (2) é a lei que rege a publicidade de práticas médicas. Esta lei, que dita o que você pode ou não fazer em termos de promoção, tem sido usada rotineiramente por muitos anos para encerrar empresas e profissionais de saúde alternativos.

“Se esta lei pode ser usada para fechar pessoas de boa vontade, que estão tentando ajudar outras”, diz Martin, “certamente deveria ser igualmente aplicada quando sabemos que práticas médicas enganosas estão sendo feitas em nome da saúde pública por grande laboratórios frmacêuticos.

De acordo com esta lei, é ilegal anunciar:

“… que um produto ou serviço pode prevenir, tratar ou curar doenças humanas, a menos que você possua provas científicas competentes e confiáveis, incluindo, quando apropriado, estudos clínicos humanos bem controlados, comprovando que as alegações são verdadeiras no momento em que são feitas. ”(3)

A Moderna admite: mRNA Jabs são um ‘sistema operacional’ projetado para programar humanos e não são vacinas.

O Que Constitui ‘O Bem Maior’?

Martin aponta a decisão da Suprema Corte de 1905 em Jacobson vs. Massachusetts(4),  que essencialmente estabeleceu que o benefício coletivo substitui o benefício individual. Para ser franco, argumentou que é aceitável que indivíduos sejam prejudicados por diretrizes de saúde pública, desde que beneficiem o ambiente coletivo.

Ora, se a vacinação é uma medida de saúde pública destinada a proteger e beneficiar o coletivo, então seria necessário …

  • a) garantir que o indivíduo vacinado fique imune à doença em questão; e
  • b) que a vacina iniba e impeça a transmissão da doença.

Somente se esses dois resultados puderem ser comprovados cientificamente, você pode dizer que a vacinação protege e beneficia o coletivo – a população como um todo. É aqui que encontramos problemas com as “vacinas”, ou injeção de mRNA da Moderna e da Pfizer-BioNtech [fraudulentamente chamadas de vacina por todos os perpetradores da farsa covid-19] .

Os arquivos da Moderna na SEC, que Martin afirma ter revisado cuidadosamente, especificam e enfatizam que sua tecnologia é uma “tecnologia de terapia genética”. Originalmente, sua tecnologia foi criada para ser um tratamento de câncer, então, mais especificamente, é uma tecnologia de quimioterapia e terapia genética.

Conforme observado por Martin, quem levantaria a mão para receber terapia genética de quimioterapia profilática para um câncer que você não tem e pelo qual talvez nunca esteja em risco?

Muito provavelmente, poucos aceitariam tal oferta, e por um bom motivo. Além disso, os governos e empregadores não seriam capazes de obrigar os indivíduos a receberem terapia genética de quimioterapia para um câncer que eles não têm. Simplesmente não seria legal em nenhum pais do mundo. No entanto, eles estão propondo que, se possível for, que toda a humanidade, ao receber as injeções de mRNA seja forçada a fazer terapia genética para COVID-19.

“Vacinas mRNA” COVID-19 – Um escandaloso caso de Propaganda Falsa

Agora, se a injeção de mRNA da Moderna e da Pfizer-BioNtech falsamente denominada de vacina COVID-19 realmente não é uma vacina, por que a chamam assim? Embora o CDC forneça uma definição de “vacina”, o CDC não é a lei real. É uma agência com poderes legais, mas não cria a própria lei.

Curiosamente, é mais difícil encontrar uma definição legal de “vacina”, mas houve alguns casos. Martin fornece os seguintes exemplos:

  • Código de Iowa – “Vacina significa um antígeno especialmente preparado administrado a uma pessoa com a finalidade de fornecer imunidade”. Novamente, as “vacinas mRNA” COVID-19 não reivindicam fornecer imunidade. Eles só foram concebidos para diminuir os sintomas se e quando você for infectado.
  • Código do estado de Washington – “Vacina significa uma preparação de um microorganismo vivo morto ou atenuado, ou fração dele …” Como as Big Pharma Moderna e Pfizer estão usando mRNA sintético, eles claramente não atendem a esta definição.
  • Sendo um sintético feito pelo homem, o mRNA usado não é derivado de nada que já tenha estado vivo, seja um microrganismo inteiro ou uma fração dele. O estatuto continua a especificar que uma vacina “após a imunização estimula a imunidade que nos protege contra doenças …”

Portanto, em resumo, “vacina” e “imunidade” são termos bem definidos que não correspondem aos pontos finais especificados nos ensaios de vacinas mRNA COVID-19. O desfecho primário nesses ensaios é: “Prevenção da doença COVID-19 sintomática”. Isso é o mesmo que “imunidade”? Não não é.

Existem Mais Problemas do Que Um

Mas há outro problema. Martin destaca que a “doença COVID-19” foi definida como uma série de sintomas clínicos. Além disso, não existe uma relação causal entre o SARS-CoV-2, o vírus e o conjunto de sintomas conhecido como COVID-19.

Como é isso, você pode perguntar? É realmente simples. Como a grande maioria das pessoas com teste positivo para SARS-CoV-2 não apresenta nenhum sintoma, não foi possível estabelecer uma relação causal entre o vírus e a doença clínica.

Aqui está outro problema: o desfecho primário nos testes da vacina COVID-19 não é um desfecho real do ensaio da vacina porque, novamente, os desfechos dos ensaios da vacina têm a ver com a redução da imunidade e da transmissão. Nenhum deles foi medido.

Além do mais, os principais desfechos secundários no ensaio da Moderna incluem “Prevenção da doença COVID-19 grave e prevenção da infecção por SARS-CoV-2”. No entanto, como ele próprio admite, a Moderna não mediu a infecção, afirmando que era “pouco prático” fazê-lo.

Isso significa que não há evidências de que essa terapia genética tenha um impacto sobre a infecção, para melhor ou para pior. E, se você não tiver nenhuma evidência, não poderá cumprir o requisito do Código dos EUA, que estabelece que você deve ter “evidências científicas competentes e confiáveis ​​… que comprovem que as alegações são verdadeiras”.

Por Que estão chamando a injeção mRNA de Vacinas?

Conforme observado por Martin, você não pode ter uma vacina que não atenda sequer a uma única definição do que é uma vacina. Portanto, novamente, o que motivaria essas empresas, agências de saúde dos Estados Unidos e funcionários de saúde pública como o Dr. Anthony Fauci a mentir descarada e enfaticamente ao afirmar que essas terapias genéticas são na verdade vacinas quando, claramente, essas injeções em DOSE DUPLA não são vacinas?

Se eles realmente o chamassem como é, ou seja, “quimioterapia de terapia genética”, a maioria das pessoas – sabiamente – se recusaria a tomá-lo. Talvez essa seja uma das razões para sua falsa categorização como vacinasMas também pode haver outras razões e agenda ocultas.

Aqui, Martin se desvia para conjecturas, pois não temos provas de suas intenções. Ele especula que o motivo pelo qual eles estão chamando essa tecnologia experimental de terapia genética de “vacina” é porque, ao fazer isso, eles podem contornar a responsabilidade por danos colaterais causados pelo “medicamento” mRNA..

“Eles estão mentindo. Seu próprio governo está violando suas próprias leis. Eles fecharam médicos em todo o país, uma e outra vez, por violarem o que é chamado de ‘práticas enganosas em reivindicações médicas’. Adivinhem? Eles estão fazendo exatamente isso.  ~ David Martin, Ph.D.

Enquanto os EUA estiverem em estado de emergência, coisas como testes PCR e “vacinas” COVID-19 são permitidas sob autorização de uso de emergência. E, enquanto a autorização de uso emergencial estiver em vigor, os fabricantes dessas terapias genéticas experimentais não são financeiramente responsáveis ​​por qualquer dano “colateral” advindo da aplicação de suas injeções de mRNA.

Isto é, desde que sejam “vacinas”. Se essas injeções NÃO forem vacinas, o escudo de proteção de  responsabilidade cai, porque não há escudo de responsabilidade para uma contramedida de emergência médica que é a terapia genética.

Assim, mantendo a ilusão de que COVID-19 é um estado de emergência, quando na realidade não é, os líderes governamentais estão oferecendo cobertura para essas empresas de terapia genética para que possam obter imunidade de responsabilidade aos graves danos colaterais [já registrados] pelo uso de suas injeções mRNA.

Protegidos Sob a cobertura de ‘Emergência’

Conforme observado por Martin, se os políticos dos governos suspendessem o Estado de Emergência pela pandemia [fake], de repente o uso do teste RT PCR estaria violando o estatuto do 15 US Code FTC Act, já que os testes PCR não são um teste de diagnóstico aprovado.

“Você não pode diagnosticar uma coisa [com algo] que não pode diagnosticar uma coisa”, diz Martin. “Isso é mais uma deturpação. Essa é uma prática enganosa de acordo com a Lei da Comissão de Comércio Federal. E eles são responsáveis ​​por práticas enganosas. ”

É importante ressaltar que não há isenção de responsabilidade em práticas enganosas – mesmo durante a decretação e vigência de um Estado de Emergência. Isso também se aplica a terapias genéticas experimentais. A única maneira de essas terapias genéticas mRNA desfrutarem de proteção contra responsabilidades é se forem vacinas desenvolvidas em resposta a uma emergência de saúde pública. Não existe imunidade de responsabilidade legal por terapias genéticas.

Propaganda e Lançamento de Vacinas Administradas pela mesma Empresa

Martin traz outro ponto curioso. O intermediário na “Operação Warp Speed” ​​é um empreiteiro de defesa da Carolina do Norte chamado ATI. Ele controla o lançamento da vacina. Mas a ATI também tem outro tipo de contrato com o Departamento de Defesa, a saber, gerenciamento de propaganda e combate à desinformação.

Portanto, a mesma empresa encarregada de manipular a mídia pre$$titute para propagar a propaganda do governo e censurar as controvérsias sobre a pandemia é a mesma empresa encarregada do lançamento de “vacinas” que estão sendo promovidas ilegalmente.

“Ouça”, diz Martin. “Esta é uma situação bastante simples. Eles estão mentindo. Seu próprio governo está violando suas próprias leis … Eles jogaram este livro [15 US Code Section 41] em mais pessoas do que podemos contar. Eles fecharam os médicos em todo o país, uma e outra vez, por violarem o que é chamado de ‘práticas enganosas em alegações médicas’ … Adivinhe? Eles estão fazendo exatamente isso[ao chamar de vacina as injeções duplas de mRNA da Pfizer e moderna].

Martin pede aos ouvintes que encaminhem seu vídeo ao procurador de justiça de cada estado, ao governador, aos representantes e qualquer outra pessoa que possa estar em posição de tomar medidas afirmativas para abordar e corrigir essa imensa e grave fraude.

Empreiteiros de defesa estão violando a lei da FTC e as empresas de terapia genética – que não são fabricantes de vacinas – estão conduzindo testes experimentais sobre a população sob práticas médicas enganosas.  Eles estão alegando que as injeções mRNA são “vacinas” sem prova clínica e devem ser responsabilizados por seu marketing e práticas médicas enganosas.

O CDC tem patentes sobre o Coronavírus

Por outro lado, o CDC parece estar afundado até o pescoço nessa pandemia de fraude e, portanto, é totalmente inadequado para investigar os efeitos colaterais dessas terapias experimentais com COVID-19. Conforme observado por Martin, é como ter um ladrão de banco investigando o seu próprio crime de assalto ao banco.

Detalhes sobre isso foram divulgados no documentário “Plandemic” , no qual Martin explicou como o CDC violou a lei – de uma forma ou de outra – relacionada ao patenteamento do vírus SARS de 2003. Martin é um analista de inteligência nacional e fundador do IQ100 Index, que desenvolveu a genômica linguística, uma plataforma capaz de determinar a intenção das comunicações.

Em 1999, a IBM digitalizou 1 milhão de patentes nos Estados Unidos, o que permitiu que a empresa de Martin conduzisse uma revisão de todas essas patentes, enviando-o para uma “trilha de buraco do coelho” proverbial de corrupção.


Você quer mesmo saber como esse coronavírus “surgiu na China” e se espalhou pelo mundo em pouco tempo? Ao pesquisar os arquivos de registros de patentes nos EUA on-line, foi descoberto o registro de uma patente de Coronavírus concedida para o C.D.C. –  Centers for Disease Control and Prevention [se trata do principal instituto nacional de saúde pública dos EUA. O C.D.C. é uma agência federal dos EUA sob o United States Department of Health & Human Services (HHS)] que tem sua sede em Atlanta, Geórgia. Assim emerge um fato indiscutível, o de que o “DONO” DESSE VÍRUS MORTAL E SEU CRIADOR é o PRÓPRIO C.D.C. (Centro de Controle e Prevenção de Doenças)

O coronavírus do surto atual não teve origem na China, mas FOI IMPLANTADO neste país asiático com a clara intenção de causar o maior dano possível aos chineses. A consequência natural, quando  [se já não descobriu] a China perceber que a eclosão do surto pode ter sido um ataque de BIOWEAPON ao seu território e contra seu povo, qual será o tipo de resposta a ser dada pela China aos [ir]responsáveis pela contaminação. Começamos a ano de 2020 com muitos que operam nas sombras desejando aumentar o caos no planeta.

PATENTE de criação de um CORONAVÍRUS fornecida ao CDC (Centers for Disease Control and Prevention)  US7220852B1 – SOBRE A CRIAÇÃO DE CORONAVÍRUS [SARS] ….

Na patente acima, do registro de um CORONAVÍRUS [uma BIOWEAPON], você encontrará 72 páginas de conteúdo para poder julgar esse letal “surto repentino e desconhecido de coronavírus” na ChinaLeia a patente nesse link primeiro, faça o download e compartilhe este artigo amplamente antes que os AGENTES do DEEP STATE a excluam. Mantenha-se sábio, com discernimento e saudável!


Em 2003, a Ásia sofreu um surto de SARS. Quase imediatamente, os cientistas começaram a correr para patentear o vírus. Por fim, o CDC conquistou a propriedade do SARS-CoV (o vírus responsável pela SARS) isolado de humanos.

Então, o CDC realmente possui todo o conteúdo genético desse vírus SARS. É patenteado sob a patente norte-americana 7776521. Eles também possuem patentes para métodos de detecção e para um kit para testar o vírus. A patente US 7279327,5 depositada pela University of North Carolina em Chapel Hill, descreve métodos para a produção de coronavírus recombinantes.

Ralph Baric, Ph.D., professor de microbiologia e imunologia famoso por sua pesquisa com coronavírus quiméricos, está listado como um dos três inventores, junto com Kristopher Curtis e Boyd Yount. De acordo com Martin, o Dr. Fauci, Baric e o CDC “estão no centro” de toda a história do COVID-19.

“Em 2002, os coronavírus foram reconhecidos como um mecanismo explorável para o bem e para o mal”, diz Martin, e “Entre 2003 e 2017, eles [Fauci, Baric e CDC] controlaram 100% do fluxo de caixa para construir o império em torno da indústria complexo de coronavírus. ”

Como o CDC Quebrou a Lei

A principal mensagem que Martin entrega em “Plandemic” é que há um problema distinto com a patente do CDC sobre o SARS-CoV isolado de humanos, porque, por lei, segmentos de DNA de ocorrência natural estão proibidos de serem patenteados. A lei afirma claramente que tais segmentos “não são elegíveis para patente simplesmente porque foram isolados”.

Então, ou o SARS-CoV foi feito pelo homem, o que tornaria a patente legal, ou é natural, tornando a patente nele ilegal. No entanto, se o vírus foi fabricado, ele foi criado em violação aos tratados e leis sobre armas biológicas. Isso inclui a Lei de Armas Biológicas Antiterrorismo de 1989, aprovada por unanimidade pelas duas casas do Congresso dos EUA e sancionada por George Bush Sênior, que declara(6) :

“Quem conscientemente desenvolver, produzir, estocar, transferir, adquirir, reter ou possuir qualquer agente biológico, toxina ou sistema de entrega para uso como uma arma, ou ajudar conscientemente um estado estrangeiro ou qualquer organização a fazê-lo, será multado nos termos deste título ou prisão perpétua ou qualquer período de anos, ou ambos. Há jurisdição federal extraterritorial sobre um delito sob esta seção cometido por ou contra um cidadão dos Estados Unidos. ”

Portanto, como observado por Martin no documentário, independentemente de qual cenário seja verdadeiro, o CDC violou a lei de uma forma ou de outra, seja ao violar as leis de armas biológicas ou ao registrar uma patente ilegal. Ainda mais chocante, em 14 de maio de 2007, o CDC entrou com uma petição no escritório de patentes para manter a patente do coronavírus em sigilo.

Agora, como o CDC possui a patente do SARS-CoV, ele tem controle sobre quem pode fazer investigações sobre o coronavírus. A menos que seja autorizado, você não pode olhar para o vírus, não pode medi-lo ou fazer testes com ele, já que eles possuem o genoma inteiro e todo o resto.

“Ao obter as patentes que impediam qualquer pessoa de usá-lo, eles tinham os meios, o motivo e, acima de tudo, o ganho monetário de transformar o coronavírus de um patógeno em lucro”, diz Martin.

Os Perigos da Terapia Gênica de “dupla injeção de mRNA” da Moderna e da Pfizer-BioNtech

Escrevi muitos artigos detalhando os efeitos colaterais potenciais e esperados dessas “vacinas” de terapia genética. Se tudo isso é novo para você, considere revisar  Como a vacina mRNA COVID-19 pode destruir seu sistema imunológico , Idosos morrendo após a vacina mRNA COVID rotulada como causas naturais ” e “Efeitos colaterais e lacunas de dados levantam questões sobre a vacina mRNA COVID” .

Na palestra acima, a Dra. Simone Gold – fundadora da America’s Frontline Doctors , que tem tentado contrariar a falsa narrativa em torno da HCQ-hidroxicloroquina – analisa os perigos descobertos durante os testes anteriores de vacinas contra o coronavírus e os riscos das terapias de genes de “dupla injeção de mRNA” atuais, incluindo anticorpos- aumento da imunidade dependente.

O aprimoramento imunológico dependente de anticorpos resulta em doenças mais graves quando você é exposto ao vírus selvagem e aumenta o risco de morte. O RNA sintético e o nanolipídeo em que está envolto também podem ter outros efeitos colaterais mais diretos.

Conforme explicado por Mikovits em nossa entrevista recente:

“Normalmente, o mRNA mensageiro não está livre em seu corpo porque é um sinal de perigo. O dogma central da biologia molecular é que nosso código genético, DNA, é transcrito, escrito no RNA mensageiro. Esse RNA mensageiro é traduzido em proteína ou usado em uma capacidade regulatória … para regular a expressão gênica nas células”.

“Então, pegar um RNA mensageiro sintético e torná-lo termoestável – evitando que ele se quebre – [é problemático]. Temos muitas enzimas (RNAses e DNAses) que degradam o RNA e o DNA livres porque, novamente, esses são sinais de perigo para o sistema imunológico. Eles literalmente causam doenças inflamatórias”.

Agora você tem PEG, PEGuilado e polietilenoglicol, e uma nanopartícula lipídica que permitirá que ele entre em todas as células do corpo e mude a regulação de nossos próprios genes com este RNA sintético, parte do qual na verdade é a mensagem para o gene sincitina …

A sincitina é o envelope endógeno do gammaretrovírus que é codificado no genoma humano … Sabemos que se a sincitina … for expressa de forma aberrante no corpo, por exemplo, no cérebro, onde essas nanopartículas lipídicas irão entrar, então você tem esclerose múltipla.

A expressão desse gene sozinho enfurece a microglia – literalmente inflama e desregula a comunicação entre a microglia cerebral – que são críticas para limpar toxinas e patógenos no cérebro e a comunicação com astrócitos.

Ele desregula não apenas o sistema imunológico, mas também o sistema endocanabinoide, que é o interruptor mais fraco da inflamação. Já vimos a esclerose múltipla como um evento adverso nos ensaios clínicos … Também vemos encefalomielite miálgica. Inflamação do cérebro e da medula espinhal … ”

Para piorar as coisas, o mRNA sintético também tem um envelope de HIV [isso mesmo, do vírus da AIDS] expresso nele, o que pode causar desregulação imunológica. Como discutimos em entrevistas anteriores, o SARS-CoV-2 foi projetado em laboratório com pesquisa de ganho de função que incluiu a introdução do envelope do HIV na proteína spike .

E se você está em um Grupo de Alto Risco para Efeitos Colaterais?

A hipótese de Mikovits é que aqueles que são mais suscetíveis a efeitos colaterais neurológicos graves e morte pelas “vacinas mRNA COVID-19 são aqueles que já foram injetados com XMRVs, borrelia, babesia ou micoplasma através de vacinas contaminadas, resultando em doença crônica, bem como qualquer pessoa com uma doença inflamatória como artrite reumatoide, doença de Parkinson ou doença de Lyme crônica, por exemplo, e qualquer pessoa com uma deficiência imunológica adquirida de quaisquer patógenos e toxinas ambientais.

O gráfico a seguir lista 35 doenças que podem torná-lo mais suscetível a efeitos colaterais graves ou morte por injeções de terapia genética mRNA COVID-19 da Moderna e da Pfizer-BioNtech.

Doenças associadas à infecção por Xmrv

Muitos dos sintomas de danos colaterais agora relatados são sugestivos de danos neurológicos. Eles têm discinesia grave (comprometimento do movimento voluntário), ataxia (falta de controle muscular) e convulsões intermitentes ou crônicas.

Muitos casos detalhados em vídeos pessoais nas redes sociais são bastante chocantes. De acordo com Mikovits, esses efeitos colaterais são causados ​​por neuroinflamação, uma resposta imune inata desregulada e / ou um sistema endocanabinoide interrompido.

Outro efeito colateral comum da “vacina mRNA Moderna e da Pfizer-BioNtech” que estamos observando são reações alérgicas, incluindo choque anafilático. Um provável culpado disso é o PEG (polietilenoglicol), ao qual cerca de 70% dos americanos são alérgicos.

Terapia Gênica Experimental é uma má [diabólica] ideia

Voltando ao ponto de partida, as injeções duplas de mRNA COVID-19 não são vacinas. São terapias gênicas experimentais falsamente comercializadas como vacinas, provavelmente para contornar a responsabilidade pelos graves danos colaterais. Os políticos dos governos de países onde a injeção dupla de mRNA da Moderna e Pfizer estão sendo usadas, as organizações de saúde globais e nacionais são todos cúmplices desse engano fraudulento e ilegal e devem ser responsabilizados criminalmente.

Faça a si mesmo a pergunta que Martin faz em seu vídeo: Você concordaria em fazer uma quimioterapia experimental com terapia genética com uma dupla injeção para um câncer que você não tem?

Se a resposta for não, então por que você consideraria fazer uma fila para uma terapia genética experimental para COVID-19 – um conjunto de sintomas clínicos que nem mesmo foram causalmente ligados à SARS-CoV-2?

Essas injeções duplas de mRNA da Moderna e da Pfizer-BioNtech não são vacinas. Elas não previnem a infecção, não a tornam imune e não evitam a transmissão da doença.

Em vez disso, as injeções duplas de mRNA da Moderna e da Pfizer-BioNtech alteram seu código genético, transformando você em uma fábrica de proteína viral que não tem botão de desligar. O que está acontecendo aqui é uma fraude médica inédita, monstruosa e de magnitude sem precedentes e realmente precisa ser interrompida antes que seja tarde demais para a maioria das pessoas que receberam as injeções duplas de mRNA da Moderna e da Pfizer-BioNtech.

Um dos vídeos Mais Poderosos que já vi

O vídeo a seguir de Barbara Loe Fisher é um dos vídeos mais poderosos que já vi sobre o assunto em pauta. Tenho esperança de que assistir a este vídeo irá inspirá-lo a assumir a causa e se juntar à luta pela liberdade e independência das “FALSAS” vacinas. Há uma guerra cultural e conluio entre muitas indústrias, a mídia pre$$titute, Big Pharma, gigantes de mídia social Big Tech e agências reguladoras federais e COM QUASE TODOS OS POLÍTICOS CORRUPTOS que resultam na supressão da verdade sobre questões vitais de saúde importantes.

Se essa supressão continuar, gradual, progressiva e fatalmente corroeremos nossos direitos individuais privados que nossos ancestrais lutaram tanto para conquistar. Por favor, dedique alguns minutos para assistir a este vídeo.

Proteja seu Direito de Consentimento Informado e Defenda Isenções de Vacinas

Com toda a incerteza em torno da segurança e eficácia das vacinas, é fundamental proteger o seu direito de fazer escolhas de saúde independentes e exercer o consentimento informado voluntário para a vacinação. É urgente que todos na América se levantem e lutem para proteger e expandir as proteções de consentimento informado sobre vacinas nas leis estaduais de saúde pública e de emprego. A melhor maneira de fazer isso é envolver-se pessoalmente com os legisladores estaduais e educar os líderes de sua comunidade.

Pense Globalmente, Aja Localmente

As recomendações da política nacional de vacinas são feitas em nível federal, mas as leis sobre vacinas são feitas em nível estadual. É no nível estadual onde sua ação para proteger seus direitos de escolha de vacina pode ter o maior impacto.

É fundamental que TODOS se envolvam agora na defesa do direito legal de fazer escolhas voluntárias de vacinas na América e em outros países, porque essas escolhas estão sendo ameaçadas por lobistas que representam empresas farmacêuticas, associações comerciais médicas e funcionários de saúde pública, políticos inescrupulosos que estão tentando persuadir os legisladores a retirar todas as isenções de vacinas das leis de saúde pública.

A inscrição no Portal de Advocacy gratuito da NVIC em www.NVICAdvocacy.org oferece acesso fácil e imediato aos legisladores estaduais em seu smartphone ou computador para que você possa fazer sua voz ser ouvida. Você será informado sobre os últimos projetos de lei estaduais que ameaçam seus direitos de escolha de vacina e obterá informações práticas e úteis para ajudá-lo a se tornar um defensor eficaz da escolha de vacina em sua própria comunidade.

Além disso, quando surgirem questões nacionais sobre vacinas, você terá as informações atualizadas e os itens de call-to-action de que precisa ao seu alcance. Então, por favor, como primeiro passo, inscreva-se no Portal NVIC Advocacy.

Por Dr. Joseph Mercola, autor de Fat for Fuel: A Revolutionary Diet to Combat Cancer, Boost Brain Power, and Increase Your Energy.

Sources and References:

Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo[uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”

 

One Response to FRAUDE: Injeções mRNA da Pfizer-BioNtech e Moderna, científica e legalmente, NÃO SÃO VACINAS

  1. Luis

    Eu quando era criança no inicio da juventude tomava vacinas.Mas a da H1N1 não tomei e essa do coronavirus pretendo não tomar.E vi agora a pouco que os estados no Brasil estão com estoque muito baixo de vacinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.