browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Crônica de Akakor: correlações e referências com outras culturas do mundo antigo (b)

Posted by on 07/11/2019

O mistério de uma antiga civilização subterrânea perdida da Amazônia que não existe “oficialmente” … que muitos exploradores MORRERAM tentando encontrar. Se a história da busca pela cidade perdida de Akakor e sua tribo Ugha Mongulala soa como o roteiro de ficção de um filme de Indiana Jones, é justamente porque ela foi usada como base para o quarto e último filme da série, “Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull” (O Reino da Caveira de Cristal). É uma história  envolta em muitos mistérios. Ela é contada em um polêmico livro, “A Crônica de Akakor”, que passamos a publicar em capítulos …

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A CRÔNICA DE AKAKOR – O LIVRO DA ÁGUIA (2)

Livro: “A CRÔNICA de AKAKOR” (Die Chronik von Akakor – 1978), por Karl Brugger, prefácio de Erich Von Daniken, tradução de Bertha Mendes.

Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/arqueologia/akakor

As observações destacadas entre {  } são edições/acréscimos do tradutor.


Capítulos anteriores:


CRÔNICA DE AKAKOR – Explicações suplementares, correlações e referências com outras culturas

A chegada dos descobridores espanhóis e portugueses

A chegada de Cristovão Colombo à América em 1492 iniciou os contatos entre os conquistadores europeus e os povos do Novo Mundo. Sua tradição era receber os estrangeiros com gentileza, então eles trataram os brancos barbados com grande respeito. Montezuma, o rei dos astecas se apresentou a Cortes dando-lhe alguns presentes preciosos. Atahualpa, o rei dos Incas, enviou uma delegação para saudar Pizarro. O líder dos Tupis até ofereceu sua própria filha como sinal de hospitalidade aos portugueses que desembarcaram na costa brasileira.

“Os nativos”, escreveu o navegador português Cabral , “são tão humildes e pacíficos que posso garantir a Vossa Majestade que não teremos nenhum problema em nos estabelecermos no país. Eles amam seus vizinhos tanto quanto amam a si mesmos, e sua linguagem é sempre amigável e acompanhada por um sorriso “.

Este comportamento, que aos olhos europeus era incomum, foi interpretado pelos espanhóis e portugueses como uma fraqueza. Pizarro, descrito por seus companheiros como servo fiel de seu rei, achava que os nativos deviam imediatamente entregar todo o ouro, que estava disponível em imensas quantidades. Durante os anos seguintes, os conquistadores europeus fizeram todo o possível para transformar essas intenções em atos. Em poucas décadas, eles destruíram três grandes impérios, assassinaram e escravizaram milhões de pessoas e até destruíram todos os registros escritos de civilizações que, em muitos aspectos, não apenas se igualaram às cidades da Europa, mas em alguns casos as superaram, como foi com a capital dos Aztecas, tENOCHtitlan, que era calçada e tinha rede de esgoto e fornecimento de água potável.

Um esboço do que teria sido TENOCHTITLAN, capital dos Aztecas, superior a qualquer cidade “civilizada” da Europa, chegou a ter cerca de 300 mil habitantes

Ela era uma grande cidade-estado no que é hoje o centro da atual  Cidade do México.  Foi fundada em 20 de junho de 1325, a cidade foi construída em uma ilha no que era então o Lago Texcoco, no Vale do México. A cidade foi a capital do império Azteca em expansão no século XV até ser capturada pelos espanhóis em 1521. No seu auge, era a maior  cidade das Américas pré-colombianas com cerca de 300 mil habitantes. Posteriormente tornou-se a sede do Vice  Reino da Nova Espanha. Hoje, as ruínas de Tenochtitlan estão no centro histórico da atual capital mexicana.  tENOCHtitlan foi um dos dois Mexica altepetl (cidades-estados ou organizações políticas) na ilha, sendo o outro Tlatelolco.


{Nota Thoth: Em lingua náhuatl o nome da capital Azteca TENOCHTITLAN, significava “Cidade de Enoch”, e a seguir citamos duas passagens bíblicas que consideramos colocam alguma luz sobre a origem deste nome e evidencia uma conexão dos povos das Américas com personagens bíblicos

“Portanto qualquer que matar a Caim, sete vezes será castigado. E pôs o Senhor um sinal na face de Caim {os seus descendentes, os povos peles vermelha das Américas, tem o mesmo sinal na face, são imberbes, caracteristica de todos os povos nativos das Américas}, para que o não ferisse qualquer um que o achasse.  –  Gênesis 4:15

E conheceu Caim a sua mulher, e ela concebeu, e deu à luz a Enoque; e ele edificou uma cidade, e chamou o nome da cidade conforme o nome de seu filho ENOCH; {TENOCHTITLAN} –  Gênesis 4:17 }


O Novo Mundo explodiu em chamas e um dilúvio de sangue, e foi devastado pelos navegadores que haviam sido recebidos como deuses pelos povos nativos. “Eles nos veneram como criaturas divinas”, escreveu o padre jesuíta Dom José ao rei espanhol. “Eles nos dão tudo o que queremos. Sim, e eles até conhecem a história do Salvador. Eu só posso imaginar que um dos doze apóstolos deve ter estado neste continente antes”. Segundo as tradições orais e escritas dos antigos povos americanos, os conquistadores espanhóis e portugueses deviam sua acolhida amistosa não a um viajante de apóstolo, mas aos deuses. Eles não fizeram mais do que bem ao povo e prometeram voltar um dia os nativos os confundiram com a chegada dos seus deuses.

Uma vez que, de acordo com os sacerdotes, “o tempo tinha executado o seu curso e os estrangeiros chegaram a bordo de navios poderosos que deslizavam em silêncio sobre a água e cujos mastros chegava até o céu”, os homens montados em cavalos, que eram desconhecidos nas Américas, as pessoas acreditavam que a profecia estava sendo cumprida. A raça do Sol Pai dos Incas e dos antigos Pais dos Ugha Mongulala havia retornado. Muito em breve, no entanto, os nativos perceberam que tinham sido vítimas de uma decepção cruel. Os supostos deuses se comportavam como demônios.

“Eles são quebradores de ossos, piores que animais”, como reza a Crônica de Akakor .

Os impérios Azteca , Inca e Maia foram destruídos; assim como todos os povos de pele vermelhas das pradarias da América do Norte foram dizimados, com eles também morreu a lenda do retorno dos antepassados ​​divinos. Apenas as tribos indígenas que vivem nas regiões inacessíveis da selva impenetrável e nas montanhas preservaram essa crença até hoje.

“Os nativos saíram ao nosso encontro como se estivessem nos esperando”, escreve o etnólogo brasileiro Orlando Vilas Boas em seu relato ao estabelecer contato com uma tribo arual em 1961. “Eles escoltaram a expedição para o centro da aldeia e nos ofereceram presentes. O comportamento dos índios deve estar relacionado a uma memória antiga que foi transmitida de geração em geração”.

As cidades brancas, o império da selva na Amazônia

A subjugação do Peru e a destruição das tribos indígenas da costa brasileira alteraram o curso da conquista do continente sul-americano. O caráter dos estrangeiros não constituía mais um mistério para os nativos. Agora eles estavam cientes de seus objetivos e da credibilidade de suas palavras, oferecendo resistência tenaz. O primeiro a experimentar a nova situação foi um companheiro de Pizarro, o aventureiro espanhol Francisco de Orellana que, em meio a grandes dificuldades, navegou pelo rio Amazonas até a sua foz. Assim, ele conseguiu atravessar o continente sul-americano pela primeira vez, e essa jornada foi descrita e documentada no registro de navegação de seu companheiro Gaspar de Carvajal. Segundo o relatório, Orellana encontrou comunidades fortemente estruturadas em ambos os lados do rio.

Viagem de Francisco Orellana pelo rio Amazonas. Rota da primeira viagem (1541-1542). CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Carvajal descreve edifícios para mercados, pescarias e cidades profusamente espalhadas e paliçadas levantadas a fim de impedir o desembarque dos espanhóis, bem como ruas abundantes, fortificações e edifícios públicos.As aldeias se seguiram tão freqüentemente que a região parecia a Carvajal como parte de sua Espanha natal:

“Nós estávamos movendo cada vez mais em áreas povoadas, e uma manhã, às oito horas, depois de ter negociado uma amarração no rio, vemos uma bela cidade que pelo cujo tamanho deve ser a capital de um império. Mais tarde, também observamos muitas cidades brancas, a apenas duas milhas da beira do rio”.

O relatório de Carvajal, uma testemunha inicial atesta a existência de um império altamente desenvolvido no interior da Amazônia, já que nem as fortificações nem as cidades brancas poderiam ter sido construídas pelos índios da selva. Somente os Incas, os Maias ou os Aztecas poderiam ser capazes de conquistas semelhantes. Desde que foi demonstrado que seus impérios eram limitados às áreas ocidentais do continente, apenas uma outra aldeia pode ser levada em conta: de acordo com a Crônica de Akakor, os povos Ugha Mongulala .

Cem anos depois, o jesuíta Cristóbal de Acuñaisso confirmaria os relatórios de seu predecessor. Descreve também os sinais da vida urbana: população densa, medidas defensivas e edifícios públicos “em que se vêem muitas roupas feitas com penas de uma infinidade de cores’. Na conclusão, Acuña resume as impressões que ele tirou do país em que ela viajava já há vários meses:

“Todas as aldeias ao longo deste rio são extraordinariamente razoáveis, vivazes e cheias de inventividade. Isso pode ser observado em tudo que produzem, seja em esculturas, desenhos ou pinturas de várias cores. As cidades são cuidadosamente construídas e ordenadas, embora tudo pareça indicar que elas dependem de cidades localizadas ainda mais para o interior. “

Segundo a Crônica de Akakor, os povos Ugha Mongulala governavam um enorme e vasto império que se estendia ao longo de quase todo o curso do rio Amazonas. Então vieram os Bárbaros Brancos com seu novo símbolo da cruz e induziram as Tribos Aliadas a quebrar sua fidelidade e acordos. A tragédia se repetiu rica, embora mais devagar e em etapas. É possível que os portugueses não sentissem piedade se deveriam converter os nativos ao catolicismo da “Santa igreja” de Roma ou libertá-los de seus luxos desnecessários. Mas eles viviam em um país sem qualquer centro político visível e estavam lutando contra forças naturais que pareciam resistir até mesmo à maquinaria mais moderna.

A variante transamazônica da estrada entre Manaus e Barcellos construída em 1971 no baixo rio Negro foi coberta em apenas um ano por vegetação tropical. Até os técnicos tinham dificuldade em localizar a direção aproximada da estrada. Não é surpreendente, portanto, que não haja mais sinais de “cidades brancas”, a floresta toma o que é seu muito repidamente.

A historiografia tradicional na Amazônia ignorou quase completamente os registros feitos por Gaspar de Carvajal , provavelmente porque o relatório sobre esses oito meses em regiões que têm mantido o seu mistério até agora refere-se, principalmente, à procura de alimento. As aldeias existiam única e exclusivamente como possíveis locais de pilhagem.

Um viajante evitaria as cidades brancas e ficaria feliz quando passasse por cidades pequenas e indefesas. Os contemporâneos de Carvajal focados precisamente a sua atenção em uma pequena seção: uma em que faz alusão a uma tribo de mulheres guerreiras com um capital de próprio ouro a partir de um conto de fadas. Esta parte do diário capturou a imaginação dos conquistadores ávidos, que de todos os lados avançaram para a região das terras altas do rio Orinoco para encontrar a tribo das mulheres Amazonas e sua capital lendária, o El Dorado, uma cidade quase toda de ouro, de acordo com a lenda.

As expedições militares empreendidas nos séculos XVI e XVII invariavelmente seguiam o mesmo curso. Forças espanholas e portuguesas, mercenários franceses e alemães sob o comando de vários comandantes; Todos eles vagaram por meses através de territórios inacessíveis. Eles tiveram que enfrentar os ataques de uma população guerreira, as condições naturais adversas e uma terra continuamente inundada e uma floresta impenetrável e cheia de armadilhas para o “civilizado” europeu. Os homens caíram derrotados pela fome, devoraram seus animais de carga e finalmente recorreram ao canibalismo.

“Pegamos o índio aprisionado e, quando chegamos à corrente, o matamos e o compartilhamos entre nós. Acendemos uma fogueira e comemos sua carne. Então vamos para a cama descansar durante a noite, mas antes fritaremos o resto da carne”.

O que precede faz parte de um relatório de Cristóbal Martín, soldado da força expedicionária do general von Hutten.

As bravas mulheres amazonas e o misterioso El Dorado nunca foram descobertos. De acordo com a Crônica de Akakor, os povos Ugha Mongulala lutaram contra os invasores estrangeiros por sete anos. Eles estavam esgotados. Eles destruíram Akahim e se retiraram para as residências subterrâneas. Nos séculos que se seguiram, El Dorado adquiriu um caráter peculiar. A fabulosa cidade do ouro parecia caminhar de um ponto a outro na selva brasileira com o fascínio e a inconstância de uma Fata Morgana. Áreas enormes seriam exploradas em busca da cidade indescritível, e inúmeras lendas seriam redescobertas ou inventadas. Mas o El Dorado havia desaparecido para sempre.

No início do século XX, sua suposta localização variou desde o Orinoco, na fronteira entre o Brasil e a Venezuela, até a selva do Mato Grosso. O explorador inglês Coronel Percy Fawcett afirmou ter descoberto pirâmides gigantescas nesta região. Ele estava tão firmemente convencido de sua existência que iria embarcar em numerosas e perigosas expedições. Em uma carta endereçada a seu filho, ele justificou a sua crença em uma cidade perdida:

“Há algo completamente verdadeiro. Um véu denso cobre a pré-história da América Latina. O explorador que conseguir encontrar as ruínas terá conseguido expandir nosso conhecimento histórico de uma maneira inimaginável”.

Como aconteceu com muitos daqueles que o precederam, Fawcett falhou devido a condições climáticas e geográficas de florestas tropicais: não iria retornar de sua última expedição no verão de 1943. Mas seu destino não impediu que outros exploradores corajosos continuarão a busca de um passado distante. Em 1944, o etnólogo brasileiro Pedro E. Lima descobriu uma estrada indiana {Inca} perfeitamente definida, que percorreu entre a região do nascimento do rio Xingu até a Bolívia. O especialista alemão em temas indianos Egon Schaden coletou as lendas dos índios brasileiros e as combinou para fazer uma magnífica apresentação do seu passado pré-histórico.

Os últimos dez anos viram um avanço decisivo na exploração arqueológica do Brasil. Durante a construção das  rodovias que cortam a Amazônia – duas estradas nacionais através da selva – os tratores e os trabalhadores na construção das rodovias repetidamente passavam através de campos de ruínas até então desconhecidos. O Serviço de Proteção ao Índio descobriu na região de Altamira {Pará} índios com pele branca e olhos azuis. No Acre, os colonos brancos foram atacados por índios que estavam bem – treinados, eram “de grande estatura, muito bonitos e de pele branca.”

Mas a descoberta mais surpreendente seria feita por um grupo de reconhecimento de um posto de fronteira brasileiro na área do Pico da Neblina, no norte do estado do Amazonas, na fronteira com a Venezuela: estabeleceu contato com uma tribo indígena em que as mulheres desempenhavam o papel predominante na sociedade, como as lendárias Amazonas. De acordo com a Crônica de Akakor, o reino de Akahim estava localizada nas encostas orientais do Pico da Neblina, a montanha mais alta do Brasil.

A extinção dos índios da selva

A existência das misteriosas Amazonas continua ainda no reino da lenda e do mito. A extinção dos índios da selva é, no entanto, real e causada por doenças e pela forma única de violência dos colonizadores brancos. Imediatamente após sua chegada, eles relegaram os índios a um nível inferior ao da escravidão. A tal ponto que a população indígena foi esmagada e suprimida de que eles não tinham outros meios de sobrevivência além de alimentar-se de vermes, ervas e raízes. Seus líderes foram assassinados pelos europeus sob torturas cruéis para controlar de uma vez por todas a resistência dos selvagens. Como o historiador espanhol Oviedo aponta :

“Cinco ou seis cães jovens foram soltos em cada um dos dezesseis caudilhos para treiná-los nesse tipo de caça humana. Como ainda eram jovens, apenas correram e latiram em torno dos índios. Mas quando eles pensaram que conseguiram reduzi-los com seus paus, foram então soltos dois buldogues experientes que imediatamente os esfolaram, os destriparam e devoraram como quisessem”.

Nem a declaração de independência dos vários estados nacionais da América do Sul após a vitória do patriota Simón Bolívar sobre os mercenários espanhóis produziu qualquer alívio para a população indígena. Uma pequena classe alta branca dirigia cada um dos países como se fosse um estabelecimento familiar. As revoltas da população indígena escravizada foram cruelmente reprimidas. Angelim, o líder do mais importante movimento social revolucionário brasileiro, morreu na prisão. O movimento que ele havia capitaneado, a Cabanagem, desintegrou-se sob o poder de fogo dos militares portugueses e britânicos. Dois terços da população amazônica foram massacrados.

Na Crônica de Akakor há referência apenas marginal a estas revoltas populares. Os exploradores dos  Ugha Mongulala assistiram com terror as atrocidades dos brancos bárbaros e o povo aproveitou o fluxo da luta para recuar em direção ao território central de Akakor. Mas a inesperada calma foi breve, e os índios interpretaram o último ato da tragédia que havia começado com a chegada de Colombo à América, uma saga de crime e violência.

O principal papel é representado pelos aventureiros, os buscadores e o infame rifle Winchester. Aqueles que se opõem ao genocídio, como o marechal brasileiro Rondón, criador do Serviço Brasileiro de Proteção aos Índios {FUNAI}, também desempenham um papel. Mas mesmo esta organização, fundada pela civilização branca para proteger os nativos, serviu em seu desenvolvimento para acelerar sua ruína. Desde a descoberta do Novo Mundo quinhentos anos antes, apenas a forma da ganância do poder dos conquistadores brancos mudou. O jornal londrino The Economist reportou ainda em sua edição de 15 de maio de 1968 sobre a situação dos índios brasileiros:

“A lista de crimes é infinita. A versão original da investigação dos resultados da pesquisa encomendada pelo ministro do Interior, Albuquerque Lima, pesa mais de 100 quilos. A versão reduzida ocupa vinte e um volumes com 55.115 páginas. Inclui os crimes contra o povo e a propriedade dos índios, desde assassinatos, prostituição e escravidão até problemas relacionados à venda de suas terras e seus artesanatos. Segundo o relator do governo, Jader Figueira , os crimes incluem o extermínio de duas tribos de Pataxi no estado da Bahia por meio da varíola transmitida em pedaços de doces. Em Mato Grosso, as Long Tapes foram exterminadas por bombardeios com aeronaves de baixa altitude; Funcionários do Serviço de Proteção dos Índios atiraram nos sobreviventes com metralhadoras. Da mesma forma, na alimentação fornecida aos índios foi misturada com arsênico e aos vírus tifoides”.

Desumanamente que uma classe age quando se trata de assuntos de interesse econômico, não se pode negar que ela é influenciada por convenções sociais. Os colonizadores europeus não eram mais do que meros representantes de uma pequena classe dominante da Europa. Eles podiam exterminar os índios com impunidade porque consideravam os selvagens como seres “inferiores”. E, ironicamente, a população do Novo Mundo contemplava os “estrangeiros barbados”, e apenas pela cor de sua pele, como seres superiores predestinados a governar. Uma única nação parece ter entendido o erro à tempo.

O legado dos Pais Antigos levou os Ugha Mongulala a considerar os recém-chegados como Bárbaros Brancos. Nenhum observador mais objetivo pode parar de concordar com essa caracterização. Os representantes da “civilização branca europeia” provaram não ser mais do que ladrões e assassinos desprezíveis, quando na realidade poderiam ter sido “deuses”.


O Brasil e o Terceiro Reich Alemão Nazista

A história do Terceiro Reich ainda tem muitas perguntas sem respostas. Nós conhecemos as considerações políticas de Hitler e os planos estratégicos de seus generais, mas ainda permanecem confusos a predileção do Führer pelas ciências ocultas e suas obsessões ocultistas, expressadas nas Sociedades Secretas criadas pelos nazistas, A Sociedade Thule, a Sociedade Vril e a Ahnenerbe. Também conhecemos a estrutura das batalhas e os terríveis resultados da Segunda Guerra Mundial. As decisões militares de Hitler, seus planos para conquistar o mundo e as ações de comandos secretos nas partes mais distantes do mundo continuam nas sombras assim como as pesquisas feitas por agentes nazistas na Amazônia e no Planalto Central brasileiro. Em retrospecto, é difícil saber o que influenciou a história do Terceiro Reich, mas uma coisa é certa: a imagem mística e ocultista de Hitler e seus seguidores mais próximos sobre o Universo ainda não foi suficientemente estudada. Por enquanto, vamos nos limitar aos dados históricos.

Até meados de 1939, a América Latina era bastante indiferente aos eventos políticos que se desdobravam na Europa. Somente quando as forças do Terceiro Reich invadiram a Polônia em 1939, e os planos de Hitler para a expansão mundial tornaram-se óbvios, os países da América do Sul seriam vistos envolvidos no turbilhão da guerra mundial {com foco na Europa, a origem dos povos brancos e bárbaros} que estava começando. A visita do comandante-em-chefe do Exército dos Estados Unidos, George C. Marshall , ao Rio de Janeiro em junho de 1939, influenciou o Brasil a se juntar ao campo aliado, apesar do grande número de descendentes de imigrantes alemães, na sua maioria nazistas.

“Na defesa dos Estados Unidos”, declarou o general, “o Brasil desempenha um papel essencial. A presença de forças hostis no território brasileiro e sua influência nas comunicações com a Europa e a África representariam uma perigosa ameaça para os Estados Unidos. Consequentemente, a costa entre Salvador e Belém deve ser protegida e defendida contra uma possível invasão”.

As considerações de Marshall foram bem recebidas por seus colegas brasileiros. Eles também temiam os desembarques alemães e solicitaram a construção de fortes fortificações ao longo da costa leste. Na conferência de 1939 no Panamá, o Brasil declarou-se disposto a disponibilizar bases estratégicas e aeroportos para os Estados Unidos para fins de defesa.

Em poucos meses, os primeiros bombardeios americanos desembarcaram em João Pessoa e Recife. Em janeiro de 1940, o presidente Vargas promulgou leis decisivas que previam a supervisão da colônia alemã pró-nazista. Em 7 de dezembro de 1941, o dia em que os japoneses atacaram Pearl Harbor, a decisão brasileira foi tomada, as relações com Berlim foram quebradas e o país se preparou para entrar na guerra.

No lado alemão, os esforços dos EUA no Brasil foram cuidadosamente anotados. O Almirante Canaris {Wilhelm Franz Canaris} considerou a estrita neutralidade do Brasil como um requisito necessário para o domínio dos submarinos alemães sobre o Atlântico Sul. O General Keitel {Wilhelm Bodewin Johann Gustav Keitel} contemplou a futura invasão da América do Sul como uma seqüência natural da expansão do Terceiro Reich. Rosenberg, diretor do Departamento de Relações Exteriores do Partido Nacional Socialista {Nazista}, sonhava com uma ocupação alemã do Brasil e a assunção do poder local por membros da colônia alemã dos descendentes dos imigrantes germânicos.

Na primavera de 1942, quando o marechal de campo Erwin Rommel parecia prestes a conquistar o norte da África em sua campanha vitoriosa, o Brasil foi o principal objeto de discussão em uma reunião do Comando Geral Alemão em Berlim. As Relações Exteriores, representados pelo Embaixador Ritter, desaconselharam uma ação militar direta em vista da possível solidariedade por parte de todos os países da América Latina. Keitel e Rosenberg sugeriram que um ataque massivo contra aquele país fosse montado. Depois de discussões veementes, Hitler decidiu por um ataque retaliatório para “punir o Brasil por seu alinhamento com os Estados Unidos e dissuadi-lo de futuras ações hostis”.

A operação secreta começou em Bordeaux no início de julho de 1942. Uma flotilha de submarinos partiu para o Atlântico Sul com o objetivo de afundar tantos navios brasileiros em “manobras livres” quanto possível. Em 15 de agosto de 1942, os submarinos U-507 {classe U-Boat} torpedearam o cargueiro brasileiro Baenpedi, nas proximidades de Salvador, e 24 horas depois, o cargueiro Araraquara. Sete dias depois, em 22 de agosto de 1942, o Brasil declarou guerra ao Terceiro Reich nazista.

O resultado final da Segunda Guerra Mundial não foi afetado pela luta na frente brasileira, que se limitou ao litoral norte, de Salvador a Belém, na foz da Amazônia, passando por Recife e pela imensa base aérea construída pelos EUA em Natal, no Rio Grande do Norte. Os submarinos que operam nesta área tinham o objetivo de cortar suprimentos aliados para a África e a Europa e impedir o desenvolvimento de poderosas fortificações defensivas aliadas ao longo da costa. Foi aqui que brasileiros e americanos colocaram esquadrões de bombas e um exército de 55 mil homens. De acordo com uma observação contida na História do Exército Brasileiro , sua missão consistia na “defesa contra uma possível invasão alemã da região de João Pessoa e Natal”.

Tão firmemente convencido estava o alto comando do exército brasileiro dos planos da invasão alemã que por volta de 1943-1944 o poder do efetivo do exército aumentou para 65.000 homens. A estratégica zona “Norte-Nordeste” só perderia importância após a vitória dos Aliados sobre o Afrika Korps de Rommel e o início dos planos para a reconquista da França.

Hitler realmente planejou conquistar o Brasil? Isso foi tecnicamente viável? Teve lugar?

Segundo o diário de guerra do coronel brasileiro José Maria Mendes, os militares brasileiros estavam convencidos dos planos de invasão alemã; caso contrário, seria impossível explicar as poderosas unidades armadas estacionadas ao longo da costa norte. O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Oswaldo Aranha, expressou a mesma opinião em uma discussão realizada em 1941 com o embaixador dos Estados Unidos, Jefferson Caffery :

“Estamos convencidos de que a Wehrmacht alemã tentará ocupar a América Latina. Razões estratégicas exigem que a invasão comece pelo Brasil “.

Navios brasileiros afundados por submarinos alemães

Historiadores militares alemães oferecem uma opinião bastante diferente. Em sua avaliação da estratégia do Terceiro Reich, eles consideram que os planos de invasão são meros sonhos da auto-realização de Rosenberg, tecnicamente impraticáveis ​​e nunca seriamente planejados. Essa corrente de pensamento não sabe como explicar um telegrama secreto enviado pelo secretário de Estado Weizsaecker ao Feldmark, o codinome da seção para Relações Exteriores da América do Sul. Nesse telegrama, Weizsaecker informou ao embaixador Ritter sobre as discussões internas entre a Wehrmacht e os Negócios Estrangeiros sobre as operações contra o continente brasileiro.

A referência ao continente confirma outras informações relacionadas aos planos de Hitler de estender seu poder à América Latina mais cedo ou mais tarde. De acordo com os protocolos da conferência de Munique de 29 de setembro de 1938, Chamberlain sugeriu ao Führer que ele enviasse colonos alemães para a Amazônia.

Os 2.000 soldados alemães em Akakor

De acordo com os dados históricos disponíveis não são suficientes para fornecer provas irrefutáveis de uma aterragem das forças alemãs no Brasil. Mas os relatos sobre a imagem mística que Hitler teve do Universo são extraordinariamente reveladores. Estes datam de 1920, quando o ex-pintor de casa conheceu o poeta Dietrich Eckart, que por três anos influenciou o futuro “Fuehrer do Grande Império Alemão”, com suas teorias sobre a origem das tribos germânicas em Thule, seres sobrenaturais de uma civilização desaparecida e o nascimento iminente de uma raça superior no coração da Alemanha. Ele foi um dos fundadores do Deutsche Arbeiterpartei ( Partido dos Trabalhadores Alemães, DAP), que mais tarde evoluiu. para o Partido Nazista (NSDAP). Ele foi uma influência fundamental em Adolf Hitler nos primeiros anos do Partido Nazista e participou do Putsch da Cervejaria de Munique em 1923. Ele morreu logo após o putsch e foi elevado durante a era nazista ao status de um grande pensador e escritor.  Em outubro de 1927, pouco antes de sua morte, Dietrich Eckart escreveu:

“Sigam Hitler. Ele vai dançar. Mas a melodia foi escrita por mim. Nós lhe demos a oportunidade de entrar em contato com eles. Não sofra por mim. Eu influenciei mais a história do que qualquer outro alemão”.

A “música” do mestre Dietrich Eckart foi tocada cedo demais. Em poucos anos, a sociedade secreta por ele fundada, a Thule, tornou-se uma sociedade secreta influente, e sob seus grupos de proteção cresceu Edelweiss, Waffen SS e a Associação Ahnenerbe (Legado dos Antepassados). As doutrinas mágicas e ocultistas que Eckart havia proposto levaram à criação de um estado terrorista que combinava uma ordem totalitária quase absoluta com a teoria mística de uma raça mestra ariana superior às demais.

Agente nazista Greiner e seus compatriotas tinham dezenas de ajudantes explorando a região na fronteira com a Guiana Francesa, com o objetivo de povoá-la para o Reich, em expedição ao rio Jari, feita em 1937/1938. FONTE

Provavelmente, o Terceiro Reich alocou mais fundos para o estudo das ciências ocultas que os Estados Unidos aplicaram à fabricação da primeira bomba atômica. As atividades das associações secretas do partido Nazista iam desde a busca das origens da “raça” ariana até o envio de grandes expedições aos lugares mais remotos do planeta, como aos Himalayas, à Antártida. Quando as forças alemãs tiveram que deixar Nápoles {Itália}, Himmler ordenou que o túmulo do último dos Hohenstaufen fosse enviado para a Alemanha. A organização Thule examinou o significado místico das torres góticas e estabeleceu numerosos contatos com os monges tibetanos. Quando os russos avançaram em direção a Berlim, encontraram centenas de tibetanos anônimos mortos {se suicidaram, eram membros de uma seita que praticava magia negra com e para o nazismo} caídos junto com os soldados alemães.

As operações na América do Sul das sociedades secretas alemãs não eram menos numerosas e bem fundamentadas. Já em 1938, um submarino alemão reconheceu o baixo Amazonas. Sua equipe fez uma investigação geográfica e estabeleceu contatos com a colônia alemã em Manaus. Ele também fez o primeiro filme histórico sobre a Amazônia, que ainda estava preservado nos arquivos de Berlim Oriental. O material fotográfico divulgado mostra que o interesse dos pesquisadores nazistas foi muito além da mera coleta de dados pessoais.

Nos dias de hoje, um cemitério de ex-nazistas empenhados em criar uma “pátria estrangeira” nas florestas tropicais da Amazônia a partir da qual se espalhar as crenças fascistas de Hitler foi descoberto no Brasil. As relíquias traem um plano insano na década de 1930 para ampliar a raça de mestres nazistas a milhares de quilômetros da Alemanha  O cemitério e outras ruínas que os nazistas fanáticos deixaram para trás são narrados em um novo livro intitulado ”The Guyana-Project” escrito por Jens Glüsing. Uma aventura alemã na Amazônia diz que os nazistas convictos acreditavam que estavam destinados a estabelecer um novo mundo nazista como pioneiros do oeste selvagem na América.

Há muito se sabe que os nazistas vagaram no pós-guerra para regiões remotas da América do Sul, para a Antártida, Tibete, Nepal, fazendo amizade com governos fascistas e ditaduras militares.  O filme “Meninos do Brasil”, de 1978, contou uma trama bizarra para clonar Hitler, que foi idealizada por Joseph Mengele em seu esconderijo na selva.  Mas a dureza da selva amazônica era uma escolha estranha de destino para a raça de arianos nazistas.

As “Pegadas” nazistas históricas são encontradas em meio à floresta amazônica em túmulos com suásticas, fotos encontradas em arquivos de volta para casa e nos restos de habitações.  Em uma ilha em um afluente do Rio Jary, no Brasil, o autor Jens Glüsing encontrou uma cruz de madeira de 3,50 metros decorada com suásticas que testemunhou ser de um dos exploradores nazistas que nunca retornou a Berlim. Ele contém a inscrição: “Joseph Greiner morreu aqui em 02.01.1936, uma morte provavelmente por febre amarela a serviço da obra nazista alemã de Pesquisa”.

Um cemitério de ex-nazistas empenhados em criar uma “ponte nazista” nas florestas tropicais da Amazônia a partir da expedição nazista “Guyana Project” (Rios Amazonas/Jary), quando por 17 meses, de 1935 a 1937, exploradores nazistas guiados por Schulz-Kampfhenkel, zoólogo de Berlim, documentarista e membro das S.S. de Hitler, percorreram as florestas próximas da fronteira do Brasil com a Guiana Francesa, no rio Jari. A cruz de madeira decorada com a suástica traz a inscrição: ”Joseph Greiner morreu aqui, de febre em 02 de janeiro de 1936, a serviço da pesquisa alemã”…  – Fonte: New York Times

Outra operação, documentada nos arquivos da Força Aérea Brasileira, foi a viagem do navio SS Carlina, em junho de 1943, de Maceió a Belém. Você só pode imaginar as ordens do cargueiro alemão audacioso. A força aérea brasileira pensou que estava transportando um carregamento de armas para agentes alemães secretos e atacou o navio sem sucesso. Mas essa explicação, vista retrospectivamente, parece improvável. Nunca houve uma colônia alemã na área de Maceió ou nas instalações das forças brasileiras.

Existem inúmeras referências sobre operações secretas do Terceiro Reich no Brasil. Testemunhas oculares afirmam ter observado o desembarque de submarinos alemães na costa do Rio de Janeiro. Um repórter da revista brasileira Realidade ainda descobriu em Mato Grosso uma colônia alemã, aparentemente composta exclusivamente por ex-membros da terrível S.S. De acordo com a Crônica de Akakor, 2.000 soldados alemães chegaram à capital dos Ugha Mongulala entre 1940 e 1945. O ponto de partida para esta operação secreta foi o porto de Marselha, na França ocupada.

Entre seus membros estavam

  • Jung de Rastatt
  • Haag de Mannheim
  • Schwager de Stuttgart
  • Liebermann de Roth

Mulheres e crianças acompanharam o último grupo. O contato foi facilitado por uma irmã missionária alemã da estação de Santa Bárbara. Uma investigação dos dados contidos na Crônica de Akakor forneceram evidências de que estes quatro soldados foram dados como mortos em 1945. De acordo com as informações recebidas das dioceses da Amazônia, a estação missionária de Santa Barbara foi atacada e destruída por tribos de índios selvagens no ano de 1936. Entre os numerosos mortos estavam várias freiras alemãs.

Levando em conta os preparativos técnicos que o desembarque de 2.000 soldados alemães teria exigido, os dados são insuficientes. Mas as operações dos comandos secretos alemães durante a Segunda Guerra Mundial podiam ser verificadas nos casos em que foram organizadas pela Abwehr. Os documentos sobre as atividades da divisão estrangeira do Partido Nacional Socialista ou associações secretas do tipo Ahnenerbe nunca foram registrados ou foram queimados. Tecnicamente, o desembarque de 2.000 soldados alemães poderia ter sido possível. A predileção de Hitler pelas ciências ocultas deveria tê-lo instado a estabelecer contatos com um “Povo Escolhido”, apesar de ele ter recusado qualquer aliança com o “Povo Eleito”, os judeus.

O biógrafo de Hitler, Rauschning , caracteriza o “Führer do Grande Império Alemão” da seguinte forma:

“Os planos e ações políticas de Hitler só podem ser compreendidos se conhecermos seus pensamentos mais profundos e se tiver experimentado sua convicção da relação mágica entre o homem e o Universo”.{isso só é possível aos praticantes de magia negra, como a maioria do membros da alta cúpula nazista praticava}

A TERCEIRA { PRÓXIMA} CATÁSTROFE UNIVERSAL

De acordo com os mitos e lendas dos povos latino-americanos, a história do homem começou com a criação do mundo pelos deuses. Primeiro eles criaram a Terra e o céu, e depois as plantas e os animais. O mais difícil foi a criação do homem. O livro Popol Vuh do Mayas conta que os deuses fizeram o homem do pó em primeiro lugar, em seguida, imagens de madeira e, finalmente, uma pasta de farinha de milho. Para os Miztecas de Anahuac, o homem saiu de uma árvore. De acordo com a Crônica de Akakor, os Padis Antigos transplantaram homens de planeta para planeta, um dos quais era a Terra.

O fim do mundo é descrito de maneira semelhante pelas tradições orais e escritas das antigas nações americanas. Para as nações da América Central, o cosmo que conhecemos é o quinto desde a criação do mundo: o sol da terra ou da noite, o sol do ar, o sol da chuva forte e o sol da água; o quinto sol, o sol dos quatro movimentos, os monstros desaparecem quando o crepúsculo despertar no Ocidente, encorajado pelo deus do mal Tezcatlipoca, quer mastigar o globo da Terra e mantê-lo em suas mandíbulas.

Então a raça humana se extinguirá. Mas um sexto sol nascerá, um novo mundo no qual os homens serão substituídos por planetas, isto é, por deuses. A tribo indígena dos Tupis aguarda um gigantesco dilúvio universal que destruirá tudo. De acordo com a Crônica de Akakor, os deuses retornarão depois que uma terceira catástrofe punir os Bárbaros Brancos.

Se considerarmos alguns mitos e lendas dos povos indígenas da América do Sul, o futuro da humanidade não está garantido. O mundo gira em círculos, cada um dos quais termina em uma catástrofe. De acordo com os sacerdotes dos Ugha Mongulala, só restam algumas luas, até 1981. De acordo com o calendário maia, a próxima contagem regressiva termina em 21 de dezembro de 2012, {a mesma data dos últimos 5.125 anos do Kali Yuga dos Vedas Indus}

Quais são as expectativas reais do homem para os próximos vinte anos?

O Clube de Roma pinta um quadro bastante pessimista. A produção de alimentos fica atrás da explosão populacional. O acúmulo de armas atômicas é suficiente para destruir a Humanidade trinta vezes seguidas e poluir a atmosfera por milênios. Nossa civilização esbanjou a capital da Terra de maneira tola nos últimos setenta anos. Muitas espécies de animais foram exterminadas para obter um falso benefício, muitas plantas desapareceram, os recursos minerais estão quase esgotados, a água esta acabando, a atmosfera foi saturada de venenos.

A humanidade vive com “dois corações”, complicada em milhares de dependências. Essa divisão de mentes pode ser observada em todos os lugares. Estadistas e políticos corruptos que se consideram realistas acreditam que o atual potencial militar exige paz se as nações desejarem ter um futuro. Os industriais continuam fazendo seus cálculos com base em material humano, produção e mercados. Os cientistas agem buscando seu próprio benefício pessoal, sempre defendendo seus feudos e dogmas. A religião, qualquer que seja, falhou estrondosamente em conduzir a humanidade para um patamar de consciência superior.

“Se a Humanidade não conseguir desenvolver um sistema universal viável para o mundo fragmentado de hoje”, afirma o Clube de Roma, “qualquer projeto para o futuro além dos próximos cinquenta anos não terá nada além de um mero interesse acadêmico”{ ou seja algo meramente intelectual}.

A Crônica de Akakor não fala da salvação da humanidade. Em um círculo que se fechou em 1981, em algum momento a história da humanidade chegará a um fim com uma “Terceira Grande Catástrofe”. Isto dará origem a uma nova era na qual homens, mulheres, animais e plantas viverão juntos pacificamente seguindo as leis da Natureza, o legado dos Pais Antigos.


Nomes das tribos indígenas mencionadas na Crônica de Akakor e sua provável designação de acordo com a nomeação pelo homem branco:

Tribos na região de Akakor

  • A tribo que vive na água – Amautas
  • A Tribo dos Comedores de Cobra – Nambicuara
  • A tribo dos caminhantes – Hóxis
  • A Tribo daqueles que se recusam a comer – Kampa
  • A tribo do terror demoníaco – Maniteneri
  • A Tribo dos Espíritos Malignos – Apurina

Tribos das florestas no rio Grande (Amazonas)

  • A tribo dos corações negros – Pianokoto-Tiriyo
  • A Grande Tribo da Voz – Arawak (Apiaka)
  • A Tribo da Glória que Cresce – Tukuna
  • A tribo onde a chuva cai – Jaminawa
  • A tribo que vive nas árvores – desconhecido
  • A tribo dos caçadores de antas – Kaxinawa
  • A tribo de rostos deformados – Aiwateri

Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.