Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Derrota da Ucrânia e a falha fatal do ‘Hospício Ocidental’

Podemos ver pelas declarações cada vez mais incoerentes dos (ir)responsáveis ​​ocidentais que estão francamente em pânico com a capitulação iminente da Ucrânia para a Rússia: é a surpresa que, em sua infinita arrogância, eles não esperavam. Qual a importância da peça da Ucrânia no tabuleiro do xadrez geopolítico das potências ocidentais? Em Abril passado, o Presidente da PolôniaMateusz Morawiecki, revelou a mentalidade num discurso televisivo quando disse: “Se perdermos a Ucrânia, perderemos o mundo durante décadas. A derrota da Ucrânia poderá ser o início do fim da era de ouro do Ocidente.”

A Derrota da Ucrânia e a falha fatal do Hospício Ocidental

Fonte: Alex Krainer

Aliás, a sua declaração foi posteriormente retocada na maioria dos meios de comunicação das PRE$$TITUTA$ à serviço do establishment, fazendo parecer que ele disse “…perderemos a paz durante décadas”.

Em algumas línguas eslavas a palavra “Mir” significa mundo e paz, mas Morawiecki não estava falando em perder a paz, mas sim no fim da primazia do Ocidente nos assuntos mundiais. Do ponto de vista da oligarquia ocidental, os riscos dificilmente poderiam ser maiores na Ucrânia. Sendo tão poderosos e sofisticados, eles deveriam estar vencendo essa luta, certo?

Bem, a mera arrogância não vence combates no campo de batalha, especialmente quando em sua arrogância voce despreza e não reconhece os méritos e capacidades do seu inimigo, algo que Napoleão e depois Hitler, também cometeram em relação à Rússia…e sabemos o resultado.

Temos pólvora seca para dois dias…

Após dois anos de Operação Militar Especial da Rússia, é agora claro que o urso russo está vencendo todo o zoológico ocidental [inclusive os veados e gazelas] e que a Ucrânia está agora verdadeiramente quebrada. Tudo isto apesar das sanções comerciais nucleares e totais contra a Rússia e do total apoio à Ucrânia por parte dos seus aliados ocidentais, tanto em termos de ajuda financeira, humanitária, inteligência e militar. A OTAN praticamente se desarmou para fornecer armas e munições à Ucrânia.

Em novembro passado, o deputado da União Democrata Cristã (CDU) da Alemanha, Johann Wadephul, afirmou à mídia que a capacidade de combate das Forças Armadas Alemãs foi seriamente enfraquecida pela escassez causada pelo fornecimento contínuo de material e munições a Kiev:

“Unidades de tropas cruciais alemãs só pode durar no máximo dois dias em uma batalha. E isso é uma descoberta catastrófica no geral.”

É provável que outros países da OTAN não estejam em melhor situação, independentemente da conversa fiada juvenil sobre como a Ucrânia destruiu 50% do poder militar da Rússia, recuperou 50% do território detido pela Rússia, tudo por cêntimos por dólar dos orçamentos de defesa do Ocidente, etc.

O Ocidente pode gastar mais que a Rússia na proporção de 10 para 1?

Um dos pontos de discussão que tem circulado entre os verdadeiros crentes do Ocidente é que podemos gastar mais do que a Rússia por um fator de 10 por 1 em despesas militares. Isso pode muito bem ser verdade, mas o que essas despesas podem realmente comprar é uma questão diferente. Na verdade, precisaríamos gastar dez vezes mais que a Rússia apenas para acompanhar o ritmo deles – por pouco. Uma das grandes deficiências das forças armadas ocidentais é a aquisição de munições.

Tal como o New York Times noticiou em Setembro passado, a Rússia está produzindo pelo menos sete vezes mais munições do que os EUA e os seus aliados ocidentais juntos, e produz-nas a cerca de 1/10 do custo dos fabricantes ocidentais. Por exemplo, embora o custo por cartucho de um cartucho russo de 152 mm seja de cerca de 600 dólares, a OTAN deve orçar entre 6.000 e 8.000 dólares por cada cartucho de 155 mm.

A Rússia não só está muito à frente em termos de volumes de produção de material militar, mas também em termos de inovação tecnológica de armamentos, na sua qualidade e eficácia global. Seu arsenal abrange uma grande variedade de armamentos, desde mísseis hipersônicos ultra-sofisticados teleguiados com precisão, os complexos de defesa aérea mais eficazes do mundo e drones baratos, mas mortais, até o material básico, como artilharia de campanha e ampla munição para mantê-lo disparando 24 horas por dia, 7 dias por semana, durante meses a fio. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos e a OTAN ainda dependem de sistemas de armas legados que eram de última geração na década de 1990, mas que hoje estão em grande parte obsoletos.

Sistemas de produção de armas e munições orientados para fins versus sistemas orientados para o lucro: não são páreo

Numa análise soberba e importante que faz referência à recente Estratégia Industrial de Defesa Nacional (NDIS) do Departamento de Defesa dos EUA, o ex-analista de assuntos militares e da Marinha, Brian Berletic, dissecou muitas das razões pelas quais o Ocidente combinado está agora claramente perdendo a corrida em armamentos, não apenas contra a Rússia, mas também contra a China. Ele aponta o principal diferencial: enquanto a indústria de defesa da Rússia é orientada para um propósito de defesa e ataque, a do Ocidente é orientada para maximizar o lucro.

O Complexo Industrial Militar ocidental está inteiramente estruturado em torno de objetivos de lucro que criaram um sistema perverso de incentivos que tornou a sua produção ineficaz em mais de uma forma. Para começar, os empreiteiros privados de armas ocidentais têm perseguido agressivamente os lucros, levando-os a eliminar o armazenamento de materiais necessários e a reservar capacidades de produção para além dos requisitos normais de aquisição. Como resultado, não têm capacidade para aumentar rapidamente a produção em resposta às exigentes necessidades de “segurança nacional”.

Na cama com os “inimigos”

Os motivos de lucro também incentivaram as indústrias ocidentais de “defesa” a externalizar grande parte da sua produção de componentes críticos para países onde o custo da mão-de-obra é mais baixo. Em muitos casos, essas nações são os adversários estratégicos dos Estados Unidos. Por outras palavras, os EUA tornaram a sua “segurança nacional” dependente dos seus inimigos designados. No ano passado, o CEO da Raytheon, Greg Hayes, admitiu que a Raytheon depende de vários milhares de fornecedores na China. 

Por exemplo, a sua subsidiária de motores Pratt & Whitney e a especialista em sistemas de aviação Collins Aerospace têm cerca de 2.000 funcionários diretos na China. Hayes admitiu que, “se tivéssemos de sair da China, demoraríamos muitos e muitos anos a restabelecer essa capacidade, quer a nível interno, quer noutros países amigos”. Talvez o mais importante seja o fato de os fabricantes de armas ocidentais terem reduzido a sua força de trabalho e reduzido o investimento na sua formação e educação.

A malignidade não diagnosticada

Mais uma vez, estas não são questões pequenas e marginais: os riscos dificilmente poderiam ser maiores! Ao mesmo tempo que se esforçam por manter uma posição geoestratégica dominante no mundo, as potências ocidentais canibalizaram a sua própria capacidade de impor e defender essa posição. A conclusão inevitável é que existe uma falha profunda e sistêmica no modelo ocidental de governança… em alguns casos “acordada”.

Durante gerações, todos nós fomos educados para adorar no altar da busca desenfreada do capital privado pelo lucro, para o maior benefício dos seus acionistas. Isto foi promovido na academia por muitos dos nossos economistas mais exaltados, como Murray Rothbard, Von Mises ou Milton Friedman todos os três judeus khazares], que defenderam o caso no seu ensaio de 1970 intitulado “A Responsabilidade Social das Empresas é Aumentar os seus Lucros” (PDF). Também foi glorificado em filmes de Hollywood, como no personagem Tony Stark, também conhecido como “Homem de Ferro”.

A motivação do lucro deve moldar o desenvolvimento da produção e distribuição de bens e serviços nas nossas economias, excluindo quaisquer outras considerações, caso contrário alguém gritará, SOCIALISMO! O que é pior, até nos permitimos ficar convencidos de que a busca desenfreada dos indivíduos pelos seus próprios interesses leva de alguma forma auto magicamente ao melhor resultado possível para toda a sociedade.

Acontece que essas ideias eram ilusões egoístas da classe proprietária que incubaram a falha fatal no seu sistema, tornando-o frágil e fraco. A falha tornou-se uma doença maligna não diagnosticada porque permitiu que os interesses que possuem o nosso Complexo Industrial Militar e outras indústrias chave (os grandes bancos, as grandes tecnologias, as grandes empresas agrícolas e as grandes indústrias farmacêuticas) se tornassem extremamente ricos. Eles também ficaram profundamente enraizados nas redes de poder da sociedade. Como tal, cresceram e resistiram totalmente a qualquer redução dos seus privilégios extraordinários, mesmo quando se torna claro que estão levando as suas nações à destruição, como verdadeiros vampiros sanguessugas extraindo até a última gota de energia dos EUA.

Eles não têm mais Alternativas…

No seu livro, “Hora de começar a pensar”,  Edward Luce  referiu-se a uma sessão de estratégia de 2011, realizada na Universidade de Defesa Nacional por 16 oficiais militares norte-americanos de alta patente. Eles concluíram o seguinte [isso há 13 anos]:

A janela para a hegemonia da América está fechando-se. Estamos em um ponto agora onde ainda temos escolhas. Em 2021, não teremos mais escolhas. … Os EUA são demasiado dependentes das suas forças armadas e deveriam reduzir drasticamente a sua ‘pegada global’, encerrando todas as guerras, nomeadamente no Afeganistão, e fechando bases [são cerca de 800] militares em tempos de paz na Alemanha, Coreia do Sul, Reino Unido e outros lugares… Tudo isto é um meio para atingir um fim, que é restaurar a vitalidade econômica da América. … Nosso objetivo número 1 deveria ser restaurar a prosperidade da América. Como tal, recomendamos que o Pentágono reduza o seu orçamento em pelo menos 20%… a maior parte das poupanças seria gasta em prioridades civis, como as infra-estruturas, a educação e a ajuda externa. … Ninguém aqui pensa que a política nesta cidade vai mudar da noite para o dia; tudo o que estamos dizendo é que estaremos em apuros se eles não o fizerem. Não se trata de ideologia; trata-se de compreender onde estamos como país.

Na verdade, isso foi em 2011, há mais de 12 anos. É claro que o aviso foi ignorado e nenhuma correção de curso foi permitida. A malignidade consumiu a prosperidade da América para prosseguir desventuras militares autodestrutivas em todo o mundo. Na natureza, esses tipos de malignidades esgotam e matam seus próprios hospedeiros. Está agora a tornar-se claro para um número crescente de pessoas no Ocidente que esta é a trajetória das nossas sociedades ocidentais depravadas em sua permissividade e que as nossas classes proprietárias só conhecem uma forma de enfrentar desafios complexos: pressionando cada vez mais forte o pedal do acelerador [e emitindo mais dólares].

…mas nós podemos  (temos escolhas)!!!

Para o resto de nós, realmente teremos que reconstruir melhor a partir das ruínas que eles deixaram para trás. Só que devemos fazê-lo de uma forma muito diferente daquela que eles planejaram para nós. Este deve ser o amanhecer para o pensamento, a criatividade e a união no amor e na fé em nós mesmos. Eu deixaria por isso mesmo, mas muitas vezes surge a pergunta: o que podemos  fazer?

Aprenda a verdade e fale-a – aberta e corajosamente. Rejeite o medo e as mentiras que eles estão lançando em nossa direção. Não aceite a manipulação pela POLARIZAÇÃO, o DEI-Divide et Impera. Recuse-se a alimentar qualquer ideia de que temos de lutar contra algum inimigo externo para endireitar o nosso mundo, de que os russos ou os chineses são nossos inimigos. É como disse Napoleão Bonaparte : as guerras acontecem quando o seu governo lhe diz quem é o inimigo. As revoluções acontecem quando você descobre por si mesmo.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *