Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Dissidência Climática’ da qual você não ouve falar porque é calada pelas principais instituições da sociedade

À medida que a administração Biden e os governos ocidentais (G-7, União Europeia) assumem compromissos massivos para descarbonizar rapidamente a economia global, o esforço persistente para silenciar os céticos das alterações climáticas intensifica-se – e os críticos continuam a recuar. Este Verão, o FMI cancelou sumariamente uma apresentação de John Clauser, um físico vencedor do Prémio Nobel que nega publicamente a existência de uma “crise” climática. O chefe da organização sem fins lucrativos à qual Clauser é afiliado, a CO2 Coalition, disse que ele e outros membros foram retirados do LinkedIn por suas opiniões dissidentes sobre as “Mudanças Climáticas”.  

Aqui está a dissidência climática da qual você não ouve falar porque é abafada pelas principais instituições da sociedade

Fonte: RealClear Wire – Autoria de John Murawski

Entretanto, uma importante revista académica retirou pesquisas publicadas que duvidavam de uma emergência climática após cobertura negativa nos meios de comunicação tradicionais . A medida foi criticada por outro proeminente dissidente climático, Roger Pielke Jr., como “um dos fracassos mais flagrantes da publicação científica que já vi” – críticas abafadas porque o acadêmico diz que foi bloqueado no Twitter (agora X) por repórteres na batida das mudanças climáticas. 

Os dissidentes do clima estão defendendo a sua posição enquanto o marionete Presidente (‘Dementia’ Joe) Biden, os funcionários das Nações Unidas e os defensores da ação climática nos meios de comunicação social e acadêmicos argumentam que a “ciência estabelecida” exige uma transformação social generalizada. Isso significa reduzir para metade as emissões de carbono dos EUA até 2035 e atingir zero emissões líquidas até 2050 para evitar a “ameaça existencial” das alterações climáticas induzidas pelo homem. 

Em resposta, no mês passado, mais de 1.600 cientistas, entre eles dois ganhadores do Nobel de Física, Clauser e Ivar Giaever, da Noruega, assinaram uma declaração afirmando que não há nenhuma emergência climática e que a defesa do clima se transformou em histeria em massa. Os céticos dizem que a transformação radical de sociedades inteiras está avançando sem um debate completo, baseado em afirmações científicas duvidosas amplificadas pelas pre$$tituta$ do jornalismo de massa.   

Muitos destes céticos climáticos rejeitam os cenários otimistas de prosperidade econômica prometidos pelos defensores de uma ordem mundial com emissões líquidas zero carbono. Dizem que as metas globais de redução de emissões não são alcançáveis ​​num calendário tão acelerado sem reduzir os padrões de vida e desencadear agitação política e civil a nível mundial.  

“O que os defensores da ação climática estão tentando fazer é assustar o público, para que pensem que precisamos [agir] rápido”, disse Steven Koonin, autor de “Unsettled: What Climate Science Tells Us, What It Doesn ‘t, e por que isso é importante.  

“É preciso equilibrar as certezas e incertezas das alterações climáticas – os riscos e perigos – com muitos outros fatores”, ele acrescenta. 

Nem todos estes dissidentes da histeria das mudanças climáticas concordam em todas as questões científicas e não falam numa só voz. Clauser, por exemplo, autodenomina-se um “negacionista do clima” e acredita que o clima é regulado pelas nuvens, enquanto Pielke, cientista político da Universidade do Colorado em Boulder, e Bjørn Lomborg, ex-diretor do Instituto Dinamarquês de Avaliação Ambiental, reconhecem que os humanos estão a afetando o clima, mas dizem que há tempo suficiente para se adaptarem. 

Os dissidentes concordam, no entanto, que o público e os funcionários governamentais estão recebendo um relato unilateral e apocalíptico que alimenta o medo, politiza a ciência, utiliza indevidamente a modelização climática e encerra o debate sem admitir contestações de nenhuma espécie.  

Dizem também que é um sinal preocupante para a integridade científica o fato de as opiniões contrárias serem regular e sistematicamente marginalizadas e diminuídas pelas agências de financiamento governamentais, fundações financiadoras, revistas acadêmicas e grande parte dos meios de comunicação social. 

Investigando as suas afirmações, a RealClearInvestigations revisou uma amostra de seus livros, artigos e entrevistas em podcast. Esta coligação frouxa de escritores e pensadores reconhece que o clima está aquecendo, mas normalmente atribuem tanta, se não mais, influência aos ciclos naturais e à variabilidade climática do que às atividades humanas, como a queima de combustíveis fósseis.  

Entre seus argumentos:  

• Não existe nenhuma crise climática ou ameaça existencial conforme expresso nas previsões catastróficas de ativistas do clima nos meios de comunicação social e acadêmicos. À medida que as temperaturas globais aumentam gradualmente, as sociedades humanas terão de fazer ajustamentos no próximo século, tal como as sociedades se adaptaram às alterações climáticas anteriores. Em geral, os humanos não conseguem controlar o clima, o que Pielke descreve como “a ideia fantasiosa de que as emissões são um botão de controle de desastres”. 

• As temperaturas globais estão a aumentar gradualmente, e têm estado assim há séculos, mas o grau de influência humana é incerto ou negligenciável. Os próprios céticos do clima não concordam sobre o quanto os humanos estão contribuindo para o aquecimento global através da queima de combustíveis fósseis, e quanto é causado pela variabilidade natural do El Niño e outros ciclos que podem levar séculos para se concretizarem. “A verdadeira questão não é se o globo aqueceu recentemente”, escreve Koonin, “mas sim até que ponto este aquecimento está sendo causado pelos seres humanos”

• A rápida substituição dos combustíveis fósseis por energias renováveis ​​e eletricidade até meados do século seria economicamente arriscada e poderia ter um efeito negligenciável no aquecimento global. Alguns dizem que os decretos de mitigação – como a eliminação progressiva do motor de combustão e a proibição dos fogões a gás [ou seja, petróleo e seus derivados] – não são susceptíveis de impedir as alterações climáticas porque os seres humanos desempenham um papel menor nas tendências climáticas globais. Outros dizem que a mitigação é necessária, mas não acontecerá sem tecnologias de substituição capazes. Não é realista, dizem eles, forçar as sociedades a depender da energia intermitente eólica e solar, ou apostar o futuro em tecnologias que ainda estão em fase experimental.   

• O impulso político global para acabar com a indústria dos combustíveis fósseis para chegar ao “zero líquido” e à “neutralidade de carbono” até 2050, conforme defendido pelas Nações Unidas e pela  administração Biden, eliminará milhões de empregos e aumentará os custos de energia, levando a uma depressão econômica prolongada e instabilidade política e civil. O resultado seria que as regiões em desenvolvimento pagariam o preço mais elevado, enquanto os maiores poluidores (China e Índia) e outras nações (como a Rússia e o Irã) simplesmente ignorariam o mandato de zero emissões líquidas.  Este poderia ser um caso em que a cura poderia ser pior que a doença.  

• Apesar do refrão comum nos meios de comunicação social, não há provas de que um planeta em aquecimento gradual esteja a afetar a frequência ou intensidade de furacões, tempestades, secas, chuvas ou outros fenômenos meteorológicos. O Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas das Nações Unidas manifestou pouca confiança em que tais eventos climáticos possam estar ligados às atividades humanas. Ainda assim, “é um campo fértil para os colhedores de cerejas”, observa Pielke .  

• Os acontecimentos climáticos extremos, como incêndios florestais e inundações, não estão a ceifar mais vidas humanas do que anteriormente. O número de mortes humanas é em grande parte causado pelo tempo frio, que é responsável por oito vezes mais mortes do que o tempo quente, e a mortalidade geral relacionada com o clima caiu cerca de 99% no século passado. “As pessoas estão mais seguras do que nunca contra desastres relacionados com o clima”disse o estatístico e autor Bjørn Lomborg . 

• A ciência climática foi sequestrada e politizada por ativistas radicais, criando uma cultura de autocensura que é imposta por um código de silêncio que Koonin compara à omerta da Máfia. No seu livro de 2023, “Climate Uncertainty and Risk”, a climatologista Judith Curry pergunta: “Quantos artigos céticos não foram publicados por conselhos editoriais ativistas? Quantos artigos publicados ocultaram resultados para evitar destacar descobertas que conflitam com as narrativas preferidas? Estou ciente de exemplos anedóticos de cada uma dessas ações, mas o número total é incognoscível.” 

• Slogans como “siga a ciência” e “consenso científico” são enganosos e falsos, mesmo porque os cientistas mão são “deuses” e são parte do problema. Não há consenso sobre muitas questões-chave, como a urgência de cessar e desistir da queima de combustíveis fósseis, ou a precisão das previsões dos modelos computacionais das futuras temperaturas globais. O aparente consenso sobre um desastre iminente é fabricado através da pressão dos pares, da intimidação e das prioridades de financiamento da investigação, com base na convicção de que “mentiras nobres”, “empreendedorismo consensual” e “defesa furtiva” são necessários para salvar a humanidade de si mesma. “Um dia serão escritas dissertações de doutoramento sobre o nosso atual momento de pânico apocalíptico”prevê Pielke .  

• O aquecimento do planeta é um fenômeno complicado que causará algumas perturbações, mas também trará benefícios, particularmente nos rendimentos agrícolas e no aumento da vegetação. Alguns céticos do clima, incluindo a Coligação CO², dizem que o CO² não é um poluente – é “alimento vegetal ”.  

Curry, ex-presidente de Ciências da Terra e Atmosféricas no Instituto de Tecnologia da Geórgia, expressa um tema comum entre os rejeitadores do clima: que eles são as vozes sensatas e racionais  num turbilhão de mania quase religioso.  

“Nos anos 1500, costumavam afogar bruxas na Europa porque as culpavam pelo mau tempo. Você tinha o povo pagão tentando apaziguar os deuses com sacrifícios”, disse Curry. “O que estamos fazendo agora é como uma versão pseudocientífica disso e não é mais eficaz do que outras [pseudo] estratégias”

O establishment das alterações climáticas admite ocasionalmente alguns destes pontos. Ninguém menos que uma autoridade como o recém-nomeado chefe do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas da ONU apelou à comunidade climática para arrefecer os seus jatos: “Se comunicarmos constantemente a mensagem de que estamos todos condenados à extinção, então isso paralisa as pessoas e impede-as de tomar as medidas necessárias para controlar as alterações climáticas”, disse Jim Skea recentemente à imprensa alemã. “O mundo não acabará se aquecer mais de 1,5 graus [centígrados]. No entanto, será um mundo mais perigoso.” 

Num depoimento perante a Comissão Orçamental do Senado, em Junho, Pielke disse que as alterações climáticas causadas pelo homem são reais e “representam riscos significativos para a sociedade e o ambiente”. Mas a ciência não pinta um cenário distópico e catastrófico de destruição iminente, acrescentou.  

“Hoje, existe um consenso geral de que o nosso ambiente midiático e o discurso político atuais estão repletos de desinformação”, testemunhou Pielke. “Se há apenas uma frase que você tira do meu testemunho hoje, é esta: você está sendo mal informado [manipulado].” 

Ainda assim, a esmagadora impressão transmitida é a de um desastre iminente, com a ameaça do aquecimento global retoricamente elevada em Julho pelo Secretário-Geral da ONU, António Guterres, para “ebulição global”. “Cientistas climáticos anunciaram em julho que o planeta está mais quente dos últimos 120 mil anos, uma afirmação antiga que é reciclada a cada poucos anos

Enquanto isso, três vice-presidentes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas alertaram sobre a fome em massa, a extinção e os desastres, dizendo que se a temperatura subir 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, “crianças com menos de 12 anos sofrerão um aumento de quatro vezes no número de desastres naturais durante a sua vida, e até 14% de todas as espécies avaliadas provavelmente enfrentarão um risco muito elevado de extinção.”  

Muitas destas previsões apocalípticas baseiam-se em modelos e simulações computacionais que Pielke, Koonin, Curry e outros consideraram totalmente implausíveis. O livro de Koonin sugere que alguns modelos de computador podem estar a “preparar os livros” para alcançar os resultados desejados, enquanto Pielke denunciou os cenários defeituosos como “uma das falhas mais significativas da integridade científica no século XXI até agora”. Curry escreve no seu livro que a principal inadequação dos modelos climáticos é a sua capacidade limitada de prever os tipos de flutuações climáticas naturais que causam eras glaciais e períodos de aquecimento, e que se desenrolam ao longo de décadas, séculos ou mesmo milênios.  

Outra crítica é o uso de modelos computacionais para correlacionar eventos climáticos extremos com tendências climáticas de várias décadas, na tentativa de mostrar que o tempo foi causado pelo clima , um ramo da ciência climática denominado estudos de atribuição climática. Este tipo de investigação é utilizado para reforçar as afirmações de que a frequência e intensidade das ondas de calor, inundações, furacões e outros acontecimentos climáticos extremos não poderiam ter acontecido sem as alterações climáticas. Um exemplo é a investigação recentemente citada pela BBC num artigo que alerta que se a temperatura global subir mais 0,9 graus centígrados, ondas de calor paralisantes que antes eram extremamente raras irão assar o mundo a cada dois a cinco anos.  

Uma questão surge: Será que o aquecimento do clima contribui para registos de calor e ondas de calor, como as que foram amplamente divulgadas em Julho como o mês mais quente de que há registro e consideradas uma prova contundente de que os humanos estão superaquecendo o planeta? 

Os Estados Unidos experimentaram ondas de calor extremas na década de 1930, e os recentes picos não são sem precedentes, dizem os dissidentes do clima. Pielke, no entanto,  admite que os dados do IPCC sinalizam que o aumento dos extremos de calor e das ondas de calor é virtualmente certo, mas argumenta que os impactos sociais serão geríveis.   

Koonin e Curry dizem que os picos de calor global em Julho foram provavelmente causados ​​por uma multiplicidade de fatores, incluindo uma enorme explosão vulcânica subaquática do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha’apai no ano passado que aumentou o vapor de água na atmosfera superior em cerca de 10%, um fato relevante porque o vapor de água atua como uma das causas do aumento do efeito estufa.  Outro fator é o efeito de aquecimento do El Niño-Oscilação Sul, que recentemente passou para uma fase ativa .  

Koonin diz que as emissões de gases com efeito estufa são uma tendência gradual em que as anomalias climáticas se desenrolam e, embora seja tentador confundir tempo com clima, seria um erro atribuir as ondas de calor de Julho à influência humana.  

“A anomalia é a maior que já vimos, mas não é inédita”, explicou Koonin em um podcast . “Agora, qual é a verdadeira questão: por que aumentou tanto? Nada a ver com o CO² – o CO² é… a base sobre a qual este fenômeno ocorre.” 

A dissidência climática acarreta o risco ocupacional de ser considerado propagandista e fantoche das “Grandes Petrolíferas”. Pielke foi um dos sete acadêmicos investigados por um congressista dos EUA em 2015 por supostamente não ter relatado o financiamento de interesses em combustíveis fósseis (ele foi inocentado). Uma resenha do New York Times sobre o livro de Lomborg de 2020, “False Alarm”, descreveu-o como “poluição mental”. 

Os defensores do clima consideram o ceticismo climático tão perigoso que Ben Santer, um dos principais cientistas climáticos do mundo, cortou publicamente relações com o Laboratório Nacional Lawrence Livermore há dois anos, depois de o centro de investigação federal ter convidado Koonin para discutir o seu livro cético, “Unsettled”. Santer, um “genial” beneficiário de uma bolsa MacArthur, disse que permitir que as opiniões de Koonin permanecessem incontestadas minava a credibilidade e a integridade da investigação científica sobre o clima. Por razões semelhantes, o FMI adiou a apresentação de Clauser em Julho para que pudesse ser remarcada como debate.  

Outra crítica: os cientistas forçam arbitrariamente os fatos a enquadrarem-se numa narrativa catastrófica prescrita, muitas vezes ignorando explicações alternativas plausíveis e fatores relevantes. Foi isso que o cientista climático Patrick Brown disse que tinha de fazer para ser publicado na prestigiada revista Nature, atribuindo os incêndios florestais às alterações climáticas e ignorando outros fatores, como a má gestão florestal e o fato surpreendente de que mais de 80% dos incêndios florestais são provocados por seres humanos. Brown confessou publicamente esse truque em um artigo recente no The Free Press.  

“Este tipo de [falso] enquadramento, com a influência das alterações climáticas considerada de forma irrealista e isolada, é a norma para trabalhos de investigação de alto perfil”, escreveu Brown. “Quando eu já havia tentado me desviar da fórmula, meus artigos foram imediatamente rejeitados pelos editores de periódicos renomados e tive que me contentar com veículos de menor prestígio.” 

Estas frustrações servem como um lembrete de que o mundo entrou no que as Nações Unidas e os defensores do clima chamam de década decisiva que decidirá quanto a temperatura da Terra aumentará acima dos níveis pré-industriais. Esta fase decisiva “está a desenrolar-se agora e irá intensificar-se durante os próximos anos”segundo investigadores da Universidade Rice. “Consequentemente, o que acontecer entre agora e o final da década de 2020, com toda a probabilidade, determinará fundamentalmente o fracasso ou o sucesso de uma transição energética acelerada.” 

Em resposta a este apelo à ação global, os líderes políticos na Europa e na América do Norte [o Hospício ocidental] prometem reestruturar as suas sociedades [por IMPOSIÇÃO] para funcionarem com energia eólica, solar e hidrogénio. Neste país, a Califórnia está entre uma dúzia de estados que tomaram medidas para proibir a venda de novos automóveis com motor a gasolina em 2035, enquanto estados como a Virgínia e a Carolina do Norte se comprometeram com redes elétricas livres de carbono até meados do século.  

No roteiro de emissões líquidas zero mais detalhado até à data, a Agência Internacional de Energia identificou em 2021 mais de 400 marcos que teriam de ser alcançados para alcançar um planeta com emissões líquidas zero até meados do século, incluindo a cessação imediata da exploração de petróleo e gás e perfuração e medidas de austeridade obrigatórias, como a redução dos limites de velocidade nas rodovias, a limitação das configurações de temperatura em residências particulares e o consumo de menos carne.  

No cenário líquido zero da IEA, o uso global de energia diminuirá 8% através da eficiência energética, mesmo que a população mundial aumente 2 bilhões de pessoas e a economia cresça impressionantes 40%. Neste cenário, todas as nações do mundo – incluindo a China, a Índia, a Rússia e a Arábia Saudita [todas do BRICS] – teriam de se comprometer com um futuro com emissões líquidas zero, gerando 14 milhões de empregos para criar uma nova infra-estrutura energética. 

Quase metade das reduções de emissões previstas terá de provir de tecnologias experimentais atualmente em fase de demonstração ou de protótipo, como o hidrogênio, a bioenergia, a captura de carbono e os reatores nucleares modulares. Lendo esta perspectiva estimulante, quase se poderia ignorar a advertência da AIE de que depender da energia solar e eólica para quase 70% da produção de eletricidade faria com que os preços retalhistas da eletricidade aumentassem em média 50% e destruiria 5 milhões de empregos, dos quais “muitos são bem pagos”. ,  

Uma crítica ao cenário da AIE publicada este ano pela Energy Policy Research Foundation, um grupo de reflexão especializado em petróleo, gás e produtos petrolíferos, alertou para “choques massivos de abastecimento” se os fornecimentos de petróleo forem artificialmente suprimidos para cumprir metas arbitrárias de zero emissões líquidas. O relatório afirmou ainda que “se o mundo continuar empenhado em alcançar o zero líquido, independentemente dos elevados custos – a recessão transformar-se-á numa depressão prolongada e, em última análise, imporá mudanças negativas radicais à civilização moderna”. (Divulgação: o relatório foi encomendado pela RealClearFoundation, controladora sem fins lucrativos da RealClearInvestigations.) 

As sociedades já ficaram aquém das suas metas de redução de emissões e é amplamente compreendido que acelerar a eliminação das emissões líquidas é um objetivo inatingível. A transformação das infra-estruturas energéticas existentes dentro de várias décadas exigiria a instalação diária do equivalente ao maior parque solar do mundo, de acordo com a Agência Internacional de Energia. 

A energia sem carbono representa apenas 18% do consumo global total e os combustíveis fósseis continuam a aumentar, de acordo com uma análise recente. A IEA informou este ano que os investimentos na exploração e perfuração de petróleo recuperaram para níveis anteriores à pandemia, enquanto a procura global de carvão atingiu um máximo histórico no ano passado. 

A nível mundial, as nações gastam mais em energia limpa do que em combustíveis fósseis, mas os combustíveis fósseis continuam a ser vitais para o crescimento econômico; por exemplo, a AIE observou que 40 gigawatts de novas centrais a carvão foram aprovados em 2022, o valor mais elevado desde 2016, quase todas na China.  

“Vivemos neste mundo de promessas exageradas e de ciência pop delirante”disse Vaclav Smil, cientista ambiental e analista político da Universidade de Manitoba, ao The New York Times no ano passado. “As pessoas não apreciam a magnitude da tarefa e estabelecem prazos artificiais que são irrealistas.” 

Um esforço governamental para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa através da redução da pecuária levou a protestos públicos nos Países Baixos, um conflito sobre recursos que a revista  Time prevê que se espalhará  por outros lugares: “Isto pode ser apenas o início de uma agitação global muito mais ampla em relação à agricultura. Os “cientistas” dizem que lidar com as alterações climáticas exigirá não apenas uma reforma gradual, mas também uma transformação rápida e generalizada do sistema alimentar global.”  

Os dissidentes climáticos dizem que o que aconteceu nos Países Baixos é uma antecipação da reação política que é inevitável quando as políticas de emissões líquidas zero começam a ser implementadas e as pessoas têm de viajar através das fronteiras estaduais para comprar um carro movido a gasolina. 

“A urgência é a parte mais estúpida de tudo – que precisamos agir agora com todas essas metas inventadas”, disse Curry. “O risco de transição é muito maior do que qualquer risco climático ou meteorológico concebível.” 

Para Koonin, estes desafios indicam que a narrativa climática catastrófica entrará em colapso quando colocada à prova da praticidade e da política. O caminho mais sensato, disse ele, é uma abordagem lenta e constante.  

“Haverá um exame profundo da ciência e das questões de custo-benefício”, disse ele. “Eventualmente faremos a coisa certa, mas isso levará cerca de uma década.” 


O autor John Murawski relata sobre a intersecção de cultura e ideias para  RealClearInvestigations.  Anteriormente, ele cobriu inteligência artificial para o  Wall Street Journal  e passou 15 anos como repórter do  News & Observer  (Raleigh , NC) escrevendo sobre cuidados de saúde, energia e negócios. Na RealClear, Murawski relata como as teorias acadêmicas esotéricas sobre raça e gênero têm moldado muitas áreas da vida pública, desde os currículos escolares de ensino fundamental e médio até as políticas locais de trabalho e a prática da medicina.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, belo, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *