Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Europa está prestes a Entrar em Colapso, no Próximo ‘Inv(f)erno’

Tenho observado com horror a escalada da situação econômica na Europa desde meados de fevereiro. Em 21 de fevereiro, ainda sem ter ocorrido a invasão da Rússia, publiquei um pequeno tópico no Twitter detalhando o pior cenário econômico que se apresentava para a Europa se a guerra entre a Rússia e a Ucrânia estourasse, como de fato aconteceu.

A Europa está prestes a Entrar em Colapso, no Próximo ‘Inv(f)erno’

Fonte: The Epoch Times – Por Tuomas Malinen

A previsão teve 10 etapas:

  1. O Ocidente provavelmente responderia com sanções;
  2. A Rússia responderia fechando o gás para a Europa;
  3. Isso levaria a um aumento maciço dos preços da energia na Europa, empurrando o continente para uma recessão com altas pressões inflacionárias (estagflação);
  4. A inflação atingiria dois dígitos dentro de dois a três meses;
  5. Os mercados de ativos flutuariam fortemente primeiro, depois cairiam;
  6. A inflação desenfreada forçaria o Banco Central Europeu a aumentar as taxas de maneira rápida e interromper o Programa de Compra de Emergência Pandêmica (PEPP) e a flexibilização quantitativa (QE);
  7. O setor bancário/financeiro europeu desmoronaria;
  8. Os rendimentos dos títulos soberanos [dívida dos governos] explodiriam;
  9. A zona do euro iria se desfazer;
  10. A Europa cairia em uma depressão econômica com desemprego em massa.

Atualmente, após sete meses, os preços da energia dispararam em mais de 10 vezes, os mercados de ativos flutuaram e o Banco Central Europeu (BCE) interrompeu o PEPP e o QE (mais ou menos). A inflação na zona do euro foi de 9,1% em agosto e não mostra sinais de desaceleração. Portanto, provavelmente chegaremos a dois dígitos já, talvez no próximo mês. Então, de forma ameaçadora, já “verificamos” os números 1, 2, 3, 4 e 6 da previsão do “pior caso”.

O que esperar nos próximos meses COM A CHEGADA DO INV(F)ERNO?

Os ‘swaps de inadimplência‘ do Credit Suisse, um gigante bancário suíço rotulado como um banco “global sistemicamente importante (G-SIB)“, atingiram níveis não vistos desde 2009.

Os rendimentos dos títulos de 2 anos do governo alemão estão atualmente sendo negociados cerca de 100 pontos-base mais altos do que as taxas de swap EUR OIS de 2 anos, que refletem as taxas do BCE nos próximos dois anos. 

Não vimos tal divergência desde o auge da crise da dívida europeia em 2012. Isso está levando a uma enorme “crise de garantias” nos bancos, já que o valor das garantias mais usadas (títulos soberanos) em relação às taxas de depósito é colapso.

Uma crise bancária está se formando

Os rendimentos dos títulos italianos de 10 anos estão flertando com a marca de quatro por cento que se acredita representar a ‘linha na areia’ para o governo italiano não ser capaz de cobrir suas finanças. 

O BCE tem usado recursos de dívidas vincendas de, por exemplo, Alemanha e Holanda para comprar dívida soberana da Grécia, Portugal e especialmente Itália. No final de julho , os títulos do BCE em títulos alemães, franceses e holandeses caíram US$ 19,3 bilhões, enquanto os títulos italianos aumentaram US$ 14,3 bilhões. 

Espera-se que o BCE aumente ainda mais suas compras nos próximos meses. No entanto, a questão é: será suficiente para evitar o início de outra crise da dívida?

A inflação na Itália está atingindo um recorde da era do euro, mais de 8%, e suas famílias e empresas estão sentindo o peso total dos preços crescentes da energia e das interrupções nos fluxos de gás russo para a Europa. 

De acordo com a modelagem do Fundo Monetário Internacional, se o mercado de gás europeu se fragmentar, o que significa que haveria interrupções no fornecimento de gás, o produto interno bruto italiano poderia encolher cerca de 6%. E

stamos muito perto desse ponto depois que a Rússia cortou seu fornecimento de gás para a Alemanha (a Itália ainda recebe gás russo). O governo italiano também já está trabalhando em um fundo de resgate para os pequenos credores. Os pequenos credores não são o verdadeiro problema, no entanto.

A Itália e, portanto, a Europa, está fechando em uma crise de dívida total

De acordo com um relatório da Equinor, um grupo de energia norueguês, as empresas de energia estão enfrentando uma aniquilação de US$ 1,5 trilhão em chamadas de margem por causa dos violentos aumentos de preços nos mercados de energia europeus. As empresas de energia são obrigadas a manter um depósito mínimo de margem em caso de inadimplência antes de fornecer a energia. Essas margens subiram com o aumento dos preços da eletricidade, que, embora longe de seus máximos, permanecem elevados. 

Recentemente, a Finlândia tornou-se o primeiro país europeu a assinar um “acordo ponte” para cobrir [resgatar] os acordos colaterais da Fortum, o maior produtor de energia da Finlândia. Outros governos provavelmente seguirão essa linha.

O preço da eletricidade continua muito alto e SUBINDO. Por exemplo, na Alemanha, o preço à vista é atualmente cerca de 10 vezes mais alto do que no verão de 2021. Muitas residências e empresas estão vendo seus preços de energia se multiplicarem por 10 ou mais em todo o continente.

Infelizmente, sem surpresa, o desmoronamento da economia europeia já está a caminho em um efeito cascata, ou dominó…..

Muitas indústrias europeias intensivas em energia estão a encerrar ou a reduzir fortemente a sua produção, como os produtores de aço, fundamental em qualquer pais, devido aos elevados preços da energia. Até mesmo bares no Reino Unido estão decidindo se fecham suas portas (efetivamente um “bloqueio de energia”) porque não podem pagar os atuais preços da energia elétrica. Ao mesmo tempo, a inflação no país pode chegar a 20% no próximo ano!

A inadimplência dos empréstimos comerciais está aumentando em todo o continente (veja, por exemplo, isto ), e uma ‘enxurrada’ de falências de empresas e famílias se aproxima – tudo devido ao peso do aumento maciço dos preços da eletricidade, disparada da inflação, aumento das taxas de juros, dos alimentos e uma recessão iminente, que vai repercutir seriamente no SISTEMA BANCÁRIO, num efeito cascata….

Assim, a Europa está atualmente entrando em uma depressão econômica, e não vai ficar por aqui. Como mencionei anteriormente, 10 dos 30 BANCOS G-SIBs globais residem na Europa ( PDF ). Para comparar, os Estados Unidos têm sete BANCOS G-SIBs, mas o colapso do mercado imobiliário de 2006-09, que levou a uma crise bancária nos Estados Unidos, quase derrubou o sistema financeiro global. 

Se a economia europeia desmoronar, o que parece provável no momento em que escrevo, seu setor bancário se seguirá o esmo caminho, levando consigo o sistema financeiro global e possivelmente a moeda comum europeia (euro) e o já fraco dólar.

Algo poderia ser feito para evitar tudo isso?

Acho que não podemos mais escapar da recessão europeia, que também está atrasada, mas ainda pode haver tempo para impedir que ela se transforme em enorme depressão. Embora impopular, a única coisa que poderia trazer alívio imediato é a retomada dos fluxos de gás da Rússia para a Europa, a normalização das relações europeias com o “urso russo”, o que exigiria a remoção das sanções dos países do [Hospício do] Ocidente, mas isto seria se opor aos servilismo dos lacaios do Hegemon do Tio Sam.

Mesmo que o armazenamento, os cortes de demanda e a oferta global pudessem reabastecer a oferta russa para a Europa, o que é muito improvável (veja mais, por exemplo, no meu boletim informativo ), os preços do gás natural provavelmente disparariam em todo o mundo. O aumento dos preços já levou a um “tsunami de desligamentos” nos Estados Unidos. Basta considerar o quão ruim a situação ficará se os preços do gás natural dobrarem ou triplicarem em relação aos níveis atuais.

Deve-se reconhecer que estamos aqui por causa de decisões de políticos [meros fantoches marionetes dos psicopatas que realmente governam desde os bastidores]. Primeiro, as políticas verdes [Green New Deal] tornaram a Europa fortemente dependente da energia russa. Em segundo lugar, a decisão do presidente russo Vladimir Putin de atacar a Ucrânia, a decisão dos líderes ocidentais de decretar duras sanções e a decisão do regime russo de responder a elas incendiaram a crise.

Em 1924, John Maynard Keynes advertiu contra o uso de sanções contra países, que “sempre correriam o risco de não serem eficazes e de não serem facilmente distinguidas de atos de guerra”. Em sua “magnum opus”, “The General Theory of Employment, Interest and Money”, ele também argumentou que uma economia globalizada acabaria por acabar com todas as guerras, porque seus custos econômicos se tornariam tão horrendos. Aos poucos e com um custo elevadíssimo estamos aprendendo essa lição.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *