Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Ucrânia x Rússia: a Mudança de jogo de Kharkov

Guerras não são vencidas por psyops e propaganda. Pergunte à Alemanha nazista de Goebels. Ainda assim, tem sido uma aberração assistir a mídia das pre$$tituta$ da OTAN em Kharkov, regozijando-se em uníssono sobre “o golpe de martelo que nocauteia Putin”, “os russos estão em apuros” e várias outras tolices do gênero. Todo o inferno se soltou – virtualmente – sobre por que a contra ofensiva com sucesso ucraniano em Kharkov aconteceu. 

Ucrânia x Rússia: a Mudança de jogo por causa da contra ofensiva ucraniana/OTAN de Kharkov

Fonte: The Saker – Por Pepe Escobar

Mas os fatos não deixam de serem FATOS:

As forças russas se retiraram do território de Kharkov para a margem esquerda do rio Oskol, onde agora estão entrincheiradas. Uma linha Kharkov-Donetsk-Luhansk parece estar estável. Krasny Liman está ameaçada, cercada por forças ucranianas superiores, mas não letalmente.

Ninguém – nem mesmo Maria Zakharova [Diretora do Departamento de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa], o equivalente feminino contemporâneo de Hermes, o mensageiro dos deuses – sabe o que planeja o Estado-Maior Russo (EMR), neste caso e em todos os outros. Se eles dizem que sim, estão mentindo.

Tal como está, o que pode ser inferido com um grau razoável de certeza é que uma linha – Svyatogorsk-Krasny Liman-Yampol-Belogorovka – pode aguentar tempo suficiente com suas guarnições atuais até que novas forças russas sejam capazes de atacar e forçar os ucranianos de volta além da linha Seversky Donets.

Todo o inferno se soltou – virtualmente – sobre por que a contra ofensiva com sucesso ucraniano em Kharkov aconteceu. As repúblicas populares e a Rússia nunca tiveram homens suficientes para defender uma linha de frente com mais de 1.000 km de extensão. Todas as capacidades de inteligência da OTAN perceberam – e lucraram com isso.

Não havia forças armadas russas nesses assentamentos: apenas Rosgvardia [Guarda Nacional da Rússia], e estas não são treinadas para combater forças militares. Kiev atacou com uma vantagem de cerca de 5 a 1 em termos de homens. As forças aliadas recuaram para evitar o cerco. Não há perdas de tropas russas porque não havia tropas russas na região.

Indiscutivelmente, isso pode ter sido um caso isolado. As forças de Kiev dirigidas pela OTAN simplesmente não podem fazer uma repetição dessa operação em qualquer lugar em Donbass, ou em Kherson, ou em Mariupol. Todos eles são protegidos por unidades fortes e regulares do Exército Russo.

É praticamente certo que, se os ucranianos permanecerem em torno de Kharkov e Izyum, eles serão pulverizados pela massiva artilharia russa. O analista militar Konstantin Sivkov sustenta que “a maioria das formações prontas para combate das Forças Armadas da Ucrânia estão agora sendo aterradas (…)

As forças ucranianas administradas pela OTAN, abarrotadas de mercenários da OTAN, passaram 6 meses acumulando equipamentos e reservando recursos treinados exatamente para este momento de Kharkov – enquanto despachavam homens descartáveis ??para um enorme moedor de carne. Será muito difícil sustentar uma linha de montagem de ativos militares primários substanciais para conseguir algo semelhante novamente.

Os próximos dias mostrarão se Kharkov e Izyum estão conectados a um esforço muito maior da OTAN. O clima na UE controlada pela OTAN está se aproximando do Desperation Row [Linha do Desespero]. Há uma forte possibilidade de que esta contra-ofensiva em Kharkov signifique a entrada da OTAN na guerra para sempre, ao mesmo tempo em que exibe uma negação plausível bastante tênue: seu véu de – falso – sigilo não pode disfarçar a presença de “conselheiros” e “mercenários” em todo o espectro da guerra.

Descomunização como uma desenergização

A Operação Militar Especial (SMO), conceitualmente, não se trata de conquista de território per se: trata-se, ou foi, até então, de proteção de cidadãos russófonos em territórios ocupados, portanto, uma operação de desmilitarização cum desnazificação de todo o Donbass.

Esse conceito pode estar prestes a ser ajustado. E é aí que se encaixa o tortuoso e complicado debate sobre a mobilização total da Rússia. No entanto, mesmo uma mobilização parcial pode não ser necessária: o que é necessário são reservas para permitir que as forças aliadas das repúblicas separatistas cubram adequadamente as linhas de retaguarda/defesa. Os lutadores hardcore do tipo contingente Kadyrov [chefe dos chechenos] continuariam a jogar no ataque.

É inegável que as tropas russas perderam um nó estrategicamente importante em Izyum. Sem ele, a libertação completa do Donbass torna-se significativamente mais difícil.

No entanto, para o [hospício do] Ocidente coletivo, cuja carcaça se esconde dentro de uma vasta bolha de simulacros, é o pysops e a massiva propaganda que importa muito mais do que um pequeno avanço militar: assim, toda essa alegria [dentro dos muros do manicômio europeu/EUA] pela Ucrânia ser capaz de expulsar os russos de toda Kharkov em apenas quatro dias – enquanto eles tiveram 6 meses para libertar o Donbass, e não o conseguiram.

Assim, em todo o [hospício do] Ocidente, a percepção reinante – frenética e loucamente fomentada por especialistas em psyops – é que os militares russos foram atingidos por aquele “golpe de martelo” e dificilmente se recuperarão.

Kharkov foi muito bem cronometrado – já que o General Inv(f)erno está chegando; a questão da guerra na Ucrânia já sofria de fadiga da opinião pública pela exploração das pre$$tituta$; e a máquina de propaganda precisava de um impulso para turbo-lubrificar a linha de ratos multibilionária dos fabricantes de armamento do Complexo Industrial Militar.

No entanto, Kharkov pode ter forçado a mão de Moscou para vir a aumentar o dial da dor. Isso veio por meio de alguns mísseis Khinzals bem posicionados deixando seus silos em embarcações da marinha russa no Mar Negro e no Cáspio para apresentar seus “cartões de visita” às maiores usinas termelétricas no nordeste e centro da Ucrânia (a maior parte da infraestrutura de energia da Ucrânia está no sudeste).

Metade da Ucrânia repentinamente perdeu seu acesso à energia e água potável. Os trens pararam. Se Moscou decidir eliminar todas as principais subestações da Ucrânia de uma só vez, bastam alguns mísseis supersônicos para destruir totalmente a rede de energia ucraniana – acrescentando um novo significado à “descomunização”: a desenergização.

De acordo com uma  análise de especialistas , “se os transformadores de 110-330 kV estiverem danificados, quase nunca será possível colocá-los em operação (…) . Idade da pedra para sempre.”

O funcionário do governo russo Marat Bashirov foi muito mais pitoresco: “A Ucrânia está mergulhada no século XIX. Se não houver sistema de energia, não haverá exército ucraniano. O fato é que o General Volt veio para a guerra, que em breve, em dezembro, será seguido pelo General Moroz (“geada”).

E é assim que podemos estar finalmente entrando em território de “guerra real” – como na notória piada de Putin de que “ainda nem começamos nada”.

Uma resposta definitiva virá do Estado-Maior Russo (EMR) nos próximos dias.

Mais uma vez, um debate acalorado continua sobre o que a Rússia fará a seguir (o EMR, afinal, é inescrutável, exceto por Nikolai [Mestre Yoda] Patrushev). O EMR pode optar por um ataque estratégico sério do tipo decapitador em outro lugar – como mudar de assunto para pior (para a OTAN).

Pode optar por enviar mais tropas para proteger a linha de frente (sem mobilização parcial).

E, acima de tudo, pode ampliar o mandato da SMO – indo para a destruição total da infraestrutura de transporte/energia ucraniana, de campos de gás a usinas termelétricas, subestações e fechamento de usinas nucleares.

Bem, sempre poderia ser uma mistura de todos os itens acima: uma versão russa de “Choque e Pavor” – gerando uma catástrofe socioeconômica ucraniana sem precedentes. Isso já foi telegrafado por Moscou: “podemos reverter a Ucrânia para a Idade da Pedra a  qualquer momento e em questão de horas (itálico meu). Suas cidades receberão o inv(f)erno geral com aquecimento zero, água congelada, falta de energia e sem conectividade”.

Uma operação antiterrorista

Todos os olhos estão em saber se os “centros de decisão” – como em Kiev – podem em breve receber uma visita dos mísseis Khinzal. Isso significaria que Moscou já teve o suficiente. Os agentes siloviki certamente já sabem. Mas não estamos lá – ainda. Porque para um Putin eminentemente diplomático, o verdadeiro jogo gira em torno do fornecimento de gás para a UE, esse insignificante brinquedo da política externa americana.

Putin certamente está ciente de que a frente interna está sob alguma pressão. Ele recusa até mesmo a mobilização parcial da Rússia. Um indicador perfeito do que pode acontecer no próximo inverno são os referendos nos territórios libertados no Donbass. A data limite é 4 de novembro – Dia da Unidade Nacional, uma comemoração russa introduzida em 2004 para substituir a celebração da revolução de outubro (a data já existia na época imperial).

Com a adesão desses territórios à Rússia, qualquer contra-ofensiva ucraniana/OTAN na região se qualificaria como ato de guerra contra regiões incorporadas à Federação Russa. Todo mundo sabe o que isso significa.

Agora pode ser dolorosamente óbvio que quando o Ocidente coletivo está travando uma guerra – híbrida e cinética, com tudo, desde informações massivas de inteligência a dados de satélite e hordas de mercenários – contra você, e você insiste em conduzir uma Operação Militar Especial (SMO) vagamente definida, você pode ter algumas surpresas desagradáveis ao usar luvas de pelica.

Portanto, o status do Estado-Maior Russo (EMR) pode estar prestes a mudar: está destinado a se tornar  uma operação antiterrorista .

Esta é uma guerra existencial. Um caso de fazer ou morrer. O objetivo geopolítico/geoeconômico americano, para ser franco, é destruir a unidade russa, impor uma mudança de regime e saquear todos esses imensos recursos naturais do maior pais do planeta em área. 

Os psicopatas ucranianos não passam de bucha de canhão: em uma espécie de remake distorcido da História, os equivalentes modernos da pirâmide de crânios de Tamerlão cimentados em 120 torres quando ele arrasou Bagdá em 1401.

Se pode levar um “golpe de martelo” para o Estado-Maior Russo (EMR) acordar. Mais cedo ou mais tarde, as luvas – de pelica e outras – serão retiradas. Sair do SMO. E entrar numa Guerra. . . total.


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid WarRed Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *