A Europa (o Jardim) está desaparecendo e se tornando num ‘Continente Perdido’

O antigo centro de gravidade do mundo está mudando e o “Velho Mundo” (agora Podre) está perdendo a sua relevância. A Europa continua a ser um importante foco estratégico para a Rússia, mas já não é o principal tema de discussão. Hoje, muitos vêem-no como um “continente (o Jardim) perdido”, onde a metade ocidental deixou de agir com base nos seus próprios interesses e tem dificuldade até em defini-los. Os Estados estão perdendo cada vez mais a sua autonomia e sucumbem à pressão dos EUA.

A Europa (o “Jardim”) está desaparecendo e se tornando num ‘Continente Perdido’

Fonte: Russia Today

A presença crescente da BESTA da OTAN/G-7 nas fronteiras ocidentais da Rússia preocupa o nosso país. Há sinais da transição do bloco liderado pelos EUA da hibernação para os preparativos para um grande confronto militar na Europa.

O caminho de crescente escalada e pressão sobre a Rússia é um beco sem saída: Moscou leva a sério a ameaça da BESTA da OTAN/G-7 e tem os meios para lidar com ela. A militarização dos Estados Bálticos, o reforço da influência do bloco no Mar Negro e perto da fronteira russa irão aumentar o número de episódios em que os nossos interesses colidem e manter-nos-ão em constante tensão.

A Rússia não tem planos agressivos contra os países bálticos – esta é uma ameaça inventada por Washington e Bruxelas. No entanto, se a BESTA da OTAN/G-7 escolher o caminho da escalada das tensões, Moscou não se esquivará deste desafio. Acredito que este caminho é uma missão tola para a Europa Ocidental – torna-se refém do desejo americano de isolar as principais economias da UE da Rússia.

A escalada cria uma série de fobias, elimina qualquer ímpeto à cooperação econômica e, em última análise, liga os Estados da Europa Ocidental à economia dos EUA, tornando-os muito menos competitivos e mais dependentes.

Como resultado, os americanos estão a “canibalizar” os europeus ocidentais sob o pretexto de proteger o continente europeu de uma ameaça russa imaginária. Acredito que os habitantes da Europa Ocidental não devem ficar cegos a esta inflação artificial de tensões por parte dos EUA – mas devem agir no seu próprio interesse.

A Rússia voltou agora a sua atenção para outras regiões do mundo e está desenvolvendo com grande vigor as suas relações históricas com os países da Ásia e de África. Até certo ponto, a Europa Ocidental está afastando-se da Rússia e a Rússia está afastando-se da Europa Ocidental.

Aceito que isto, como muitas coisas na história, é uma espiral. E com o tempo haverá um processo de retorno. Mas é óbvio que hoje a Europa Ocidental não é para a Rússia uma região muito importante ou que oferece muitas oportunidades. Pelo contrário, o que ouvimos hoje em dia são as declarações mais belicosas, mas não apoiadas por muita determinação política. Embora a Rússia continue a encarar as acções da Europa Ocidental contra o nosso país como uma ameaça, o foco da atenção de Moscou está deslocando-se para outras partes do mundo.

Ao mesmo tempo, os EUA continuam a ser a força mais ativa – num sentido destrutivo – nas relações internacionais, trabalhando constantemente para criar coligações ad hoc para usar contra os seus oponentes. Agora está agindo cada vez mais febrilmente, percebendo que o tempo não está do seu lado.

Em vez deste disparate, seria sensato que Washington aceitasse que processos objetivos demográficos, econômicos e sociais estão tornando a Ásia o principal centro de gravidade do mundo no novo século, e trabalhasse para garantir que as condições para a estabilidade e o desenvolvimento sejam mantidas. As ações dos americanos, infelizmente, mostram o contrário: estão exacerbando a percepção do seu próprio declínio, que seria menos agudo se se comportassem de forma mais construtiva.

A mudança do centro de gravidade da região atlântica para o Leste e Sul da Ásia é um processo objetivo. Moscou e Washington estão apenas indiretamente envolvidos nisso, mas a crescente influência dos países desta região não pode ser negada ou travada.

Neste contexto, as relações entre a Rússia e a China são notáveis ​​– embora tenha havido crises entre os nossos países no passado, as relações russo-chinesas estão agora no seu auge e são um dos pilares fundamentais de uma nova ordem internacional multipolar equilibrada. 

Já em meados da década de 1990, a Rússia e a China formularam uma visão comum do mundo do futuro. Foi consagrado na “Declaração sobre um Mundo Multipolar e a Formação de uma Nova Ordem Internacional” de 1997. E desde então, a compreensão russo-chinesa de como o mundo deveria ser evoluiu: com base na não interferência, no respeito pela soberania, nos interesses mútuos e no reconhecimento de que a cooperação entre países é possível independentemente da natureza do seu governo, da cultura e religião. Esta base de cooperação resistiu ao teste do tempo e a muitas crises internacionais nas últimas décadas e está levando as nossas relações russo-chinesas a um nível ainda mais elevado.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth