browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Grande Tempestade Geomagnética de maio de 1921

Posted by on 14/05/2020

O incidente começou em 12 de maio de 1921, há exatos 99 anos atrás, quando a mancha solar gigante AR1842, cruzando o sol durante a fase de declínio do Ciclo Solar 15, começou a brilhar intensamente. Uma explosão após a outra, lançou ejeção de massa coronal (CMEs) diretamente em direção à Terra. Nos três dias seguintes, a imensa energia dos CMEs abalaram o campo magnético da Terra. Cientistas de todo o mundo ficaram surpresos quando todos os seus magnetômetros subitamente diminuíram a escala, e então os incêndios começaram ao redor do mundo. À direita, uma Coronal Mass Ejection, CME gigantesca emitida pelo sol em 24082014.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Grande Tempestade Geomagnética de maio de 1921

Fonte:  https://spaceweatherarchive.com/2020/05/12/the-great-geomagnetic-storm-of-may-1921/

Foi em 12 de maio de 2020: há 99 anos, nesta semana, pessoas de todo o mundo acordaram com algumas manchetes incomuns em seus jornais diários.

“Serviço de telégrafo prostrado, cometa não é culpado” – declarou o Los Angeles Times em 15 de maio de 1921. “Perturbação elétrica é a pior de todos os tempos” – relatou o Chicago Daily Tribune. “Mancha solar creditada como causa da interrupção ferroviária” – interrompeu o New York Times.

jornais2

Eles não sabiam disso na época, mas esses jornais estavam cobrindo a maior tempestade solar do século XX. Nada como aconteceu desde então.

O incidente começou em 12 de maio de 1921, quando a mancha solar gigante AR1842, cruzando o sol durante a fase de declínio do Ciclo Solar 15, começou a brilhar. Uma explosão após a outra, lançou ejeção de massa coronal (CMEs) diretamente em direção à Terra. Nos três dias seguintes, os CMEs abalaram o campo magnético da Terra. Cientistas de todo o mundo ficaram surpresos quando seus magnetômetros subitamente diminuíram a escala, com suas canetas dos gravadores de gráficos presos inutilmente ao topo do jornal.

E então os incêndios começaram ao redor do mundo. Por volta das 02:00 GMT de 15 de maio, uma troca telegráfica na Suécia explodiu em chamas. Cerca de uma hora depois, aconteceu o mesmo no outro lado do Atlântico, na aldeia de Brewster, em Nova York. Chamas envolveram o quadro de distribuição na estação Brewster da Central New England Railroad e se espalharam rapidamente para destruir todo o edifício. Esse incêndio, juntamente com outro na mesma época em uma torre de controle ferroviário perto da Grand Central Station da cidade de Nova York, é o motivo pelo qual o evento às vezes é chamado de “New York Railroad Superstorm”.

mancha solar

Uma fotografia (Observatório Real de Greenwich) e esboço (Observatório Mount Wilson) da mancha solar AR1842 em 13 de maio de 1921. Fonte: “A tempestade solar extrema de maio de 1921: observações e um modelo complextopológico”

O que causou os incêndios? As correntes elétricas induzidas pela atividade geomagnética surgiram através das linhas telefônicas e telegráficas, aquecendo-as até o ponto de combustão. Correntes fortes interromperam os sistemas de telégrafo na Austrália, Brasil, Dinamarca, França, Japão, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Reino Unido e EUA. O Ottawa Journal (1921) relatou que muitas linhas telefônicas de longa distância em New Brunswick foram queimadas pela tempestade. Em algumas linhas de telégrafo nos EUA, as tensões atingiram até 1000 V.

Durante o pico da tempestade, em 15 de maio, cidades mais ao sul como Los Angeles e Atlanta pareciam Fairbanks, com as luzes do norte [Aurora Boreal] dançando no céu enquanto linhas telegráficas estalavam com correntes geomagnéticas. Auroras foram vistas nos EUA no extremo sul do Texas, enquanto, no Pacífico, foram vistas auroras vermelhas de Samoa e Tonga e por navios no mar que cruzavam o equador.

O que aconteceria se tal tempestade geomagnética ocorresse nos dias de hoje?

Os pesquisadores há muito que se deparam com essa pergunta – mais recentemente em um par de artigos publicados na revista Space Weather : ” A Grande Tempestade de maio de 1921: um exemplo de um evento perigoso do clima espacial“, de Mike Hapgood (Rutherford Appleton Laboratory, Reino Unido) e “Intensidade e Impacto da Nova York Railroad Superstorm de maio de 1921” por Jeffrey Love (US Geological Survey) e colegas.

O resumo acima é em grande parte resultado do trabalho da Hapgood. Ele pesquisou meticulosamente registros históricos, incluindo jornais científicos, recortes de jornais e outros relatórios de historiadores e astrônomos para criar uma linha do tempo momento a momento da tempestade.

aurorasightings

Locais onde as auroras foram avistadas em maio de 1921. O círculo vermelho mais à esquerda marca Apia, Samoa.

O “Cronograma” acaba sendo realmente importante. “Fui influenciado por minhas interações com especialistas em contingência civil”, diz Hapgood. “É fundamental que eles pensem que todo grande evento perigoso é diferente, e eles precisam adaptar e coordenar sua resposta de acordo. Traçar o cronograma de tempestades solares graves pode ajudá-los a se preparar”– possivelmente salvando vidas quando ocorrer o próximo evento Big One que esteja dirigido à Terra.

Os estudantes de clima espacial aprendem há muito tempo que o Evento de Carrington de 1859 foi a tempestade solar mais forte da história. No entanto, pesquisas históricas mostram que a tempestade de maio de 1921 pode ter sido tão intensa quanto este evento de 1859.

Como Hapgood, Jeffrey Love e seus colegas examinaram o passado e – bingo! – encontraram gravações antigas de gráficos magnéticos que não saíram de escala quando as CMEs de maio de 1921 chegaram. Estes vieram de observatórios magnéticos de baixa latitude na Austrália, Samoa, Espanha e Brasil. Usando os dados, a equipe de Love calculou o ” Dst ” (índice de tempestades com perturbações), uma medida da atividade geomagnética favorecida por muitos pesquisadores do clima espacial, oferecendo a melhor estimativa do tamanho da tempestade de maio de 1921. Alerta de spoiler: FOI grande .

DST

Estimativas de Dst de observatórios magnéticos na Austrália, Samoa, Espanha e Brasil. Fonte: Love et al (2019)

“A tempestade [de maio de 1921] atingiu um máximo estimado – Dst em 15 de maio de 907 ± 132 nT, uma intensidade comparável à do evento de Carrington de 1859 [- Dst = 900 nT]”, eles escreveram em seu artigo.

Hapgood observa muitas diferenças entre as duas tempestades, mas concorda que, no geral, “os dois eventos foram bem iguais. Maio de 1921 deve ser discutido ao lado do evento de Carrington como um exemplo concreto de um eventosevero do clima espacial”.

Então, o que aconteceria se a tempestade geomagnética de maio de 1921 acontecesse hoje? “Eu esperaria que ela causasse à maioria, se não todos, os impactos descritos norelatório da Academia Real de Engenharia de 2013, liderado por Paul Cannon”, diz Hapgood. 

“Isso pode incluir à interrupção massiva de energia elétrica e quedas de energia regionais por todo o globo, mudanças profundas nas órbitas dos satélites e perda de tecnologias baseadas em rádio, como a orientação via GPS, telefonia celular. A interrupção do GPS pode afetar significativamente os serviços de logística e emergência e a navegação aérea e marítima”.

É algo para se pensar no 99º aniversário de uma tempestade geomagnética de 100 anos ….


Nota de Thoth: O que é uma ejeção de massa coronal ou CME-Coronal Mass Ejection? A ANATOMIA DE UM FLARE SOLAR GIGANTE

Os choques resultantes ondulam através do sistema solar e podem interromper e derrubar satélites, destruir redes elétricas e de comunicações na Terra. Durante um FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol), enormes bolhas de gás superaquecido – chamado plasma – são ejetadas do sol. Ao longo de várias horas, bilhões de toneladas de material carregado energeticamente são levantadas da superfície do sol e aceleradas a velocidades superiores a um milhão de milhas por hora.

Isso pode acontecer várias vezes ao dia quando o sol está mais ativo. Durante os períodos mais calmos, as CMEs FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol) ocorrem apenas uma vez a cerca de cada cinco dias. O próprio plasma solar é uma nuvem carregada energeticamente de prótons e elétrons levados pelo vento solar.  SAIBA MAIS:

Viajando a cerca de um milhão de milhas por hora, a energia liberada por uma ejeção de massa coronal do sol pode atravessar a distância de 93 milhões de milhas para a Terra em apenas alguns dias. Uma aeronave à jato movendo-se tão rápido poderia levá-lo de Los Angeles a Nova York em 18 segundos.}


“E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória”.   Apocalipse 16:8,9


Matrix ,o SISTEMA de CONTROLE MENTAL: “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle mental e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …” 


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.