Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Guerra Contra a Mudança Climática’ está chegando… de novo

Na semana passada, um membro sênior do Parlamento do Partido Trabalhista do Reino Unido foi à televisão exigindo que o Reino Unido – talvez até o mundo inteiro – esteja em uma “posição de guerra” para combater as mudanças climáticas. Falando na principal revista política da BBC Newsnight, Barry Gardiner MP defendeu a unidade de propósito contra a “ameaça existencial” das mudanças climáticas“, segundo ele.

A ‘Guerra Contra a Mudança Climática’ está chegando… de novo

Fonte: Off-Guardian.org – Por Kit Knightly

“… se fosse uma guerra , não estaríamos discutindo se a estratégia trabalhista ou a estratégia conservadora era melhor, estaríamos trabalhando juntos para tentar vencer […] Bem, é uma guerra . É uma guerra pela ‘sobrevivência’ e as mudanças climáticas “ameaçam tudo” […] Então, na verdade, em vez de jogar jogos políticos partidários sobre quem está por cima, quem está por baixo, o que precisamos fazer é dizer vamos nos unir, vamos nos mobilizar em pé de guerra e isso é o que falta…”

Dois dias depois, exatamente os mesmos pensamentos foram expressos em uma coluna do Financial Times por Camilla Cavendish, ex-chefe da unidade de política de Downing Street de David Cameron e ex-aluna da Kennedy School of Government:

“A resposta é certamente invocar um espírito de guerra e fazer da luta contra a mudança climática um esforço conjunto contra um inimigo comum. Se houver vontade pública e política, a engenhosidade humana pode prevalecer, com notável rapidez. Na segunda guerra mundial, os Estados Unidos transformaram sua base manufatureira para produzir tanques e munições. A pandemia de Covid resultou na descoberta e desenvolvimento de [pseudo e mortais] “vacinas” em escala, “salvando” milhões de vidas”.

É interessante observar a comparação com a Covid, mas voltaremos a isso.

A campanha não está isolada no Reino Unido, na verdade, começou, é claro e óbvio, do outro lado do Atlântico, com o Inquirer publicando um artigo intitulado: “O [senil] presidente [‘Dementia’ Joe] Biden deveria se dirigir à nação e declarar guerra… às mudanças climáticas” em 16 de julho, que argumentou:Biden e seus assessores precisam pegar aquele megafone metafórico e ligar para as redes de TV para anunciar um discurso no horário nobre do Salão Oval que declarará uma emergência nacional – em essência, um estado de guerra – para combater as mudanças climáticas.

O próprio Joe Biden chamou a mudança climática de “ameaça existencial” em 27 de julho . A invocação da Guerra metafórica não é nenhuma novidade [o mesmo artifício foi usado com outros “refrões” de agendas do tipo “Build Back Better”, “The Great Reset“, “Quarta Revolução Industrial“, estas do idiota do WEF, Klaus Schwab.

“Guerra” é uma palavra muito importante no mundo da política e da propaganda, é claro. Tem – ou supõe-se que tenha – um efeito imediato na mente coletiva do público; uma conexão instantânea com gerações de memórias compartilhadas, que promove sentimentos de conformidade e solidariedade e traz à lembrança sacrifício.

Alguns estudos psicológicos ou grupos focais descobriram isso claramente décadas atrás e, como tal, a palavra “Guerra” é frequentemente usada para controlar narrativas e impor agendas.

Nas “democracias” ocidentais, a implantação da palavra GUERRA é um código para um acordo bipartidário, suprapartidário tentando criar uma falsa solidariedade entre as mesmas pessoas que elas encorajam a se odiar 90% do tempo, enquanto marcam qualquer dissidente como estranhos que são uma ameaça. para a segurança do grupo [ou “segurança nacional”].

Mais pragmaticamente, estar em guerra cria uma pseudo “emergência” que justifica, a supressão “temporária” dos direitos e liberdades humanos e permite o aumento dos poderes assumidos pelos [políticos corruptos do] Estado/governo.

Off Guardian – e outros – discutiram isso ad infinitum, além de certo ponto qualquer governo autoritário precisa existir em estado de guerra para evitar o seu próprio colapso, e assim são criados inimigos que, por sua natureza, podem permanecer para sempre nunca invictos.

Veja: “A Guerra às Drogas”, “A Guerra ao Terror”, “A Guerra ao Covid”, e sintomaticamente, agora, “a “A Guerra contra as mudanças climáticas.

Ou, mais propriamente, “a guerra contra a mudança climática… de novo”. Porque nem Barry Gardiner nem Camilla Cavendish são a primeira pessoa a expressar esse pensamento. Nem mesmo perto.

O então príncipe, agora rei Charles III, expressou exatamente o mesmo sentimento com as mesmas palavras em um discurso para a COP26 em novembro de 2021, artigos de opinião contemporâneos no Guardian concordaram com ele. Eles estavam, de fato, ecoando um relatório da University College London de maio de 2021 .

A CNN alertou que estávamos “perdendo a Guerra contra a mudança climática” em abril de 2019, plagiando exatamente a mesma manchete no The Economist de um ano antes, em agosto de 2018. Bill McKibben escreveu “Estamos sob ataque das mudanças climáticas – e nossa única esperança é mobilizar como fizemos na Segunda Guerra Mundial” para o New Republic em agosto de 2016 .

Venkatesh Rao escreveu “Por que resolver a mudança climática será como mobilizar para a Guerra” para a Atlantic em outubro de 2015 , repetindo os mesmos argumentos de um artigo da CNN quatro meses antes.

Inferno, em 2003, o The New York Times, membro da máquina de propaganda do establishment estava publicando editoriais “Depois do Iraque: declare Guerra ao aquecimento global” (Ah, lembram quando a Mudança Climática ainda não havia recebido sua reformulação de infalsificabilidade e ainda era conhecida apenas como “aquecimento global”?)

Essencialmente, a cada poucos meses eles exibem essa ideia de “declarar Guerra às mudanças climáticas”, quase não conseguem engajamento do público e depois voltam a jorrar alarmismo e expor a pornografia por um tempo antes de tentar novamente. Eles vêm fazendo isso há anos. Até agora não funcionou. …mas desta vez pode ser um pouco diferente.

Por que? Porque agora vivemos em uma sociedade pós-Covid. Considere, com exceção das pseudo “vacinas”, tudo causado pela Covid – os bloqueios, o colapso financeiro, lockdowns, mascaramento forçado, distanciamento social, desemprego, quebra de negócios, todo o “Great Reset” – foi originalmente concebido para ser uma “resposta” às mudanças climáticas.

Eles tinham um pacote de “soluções” pronto e esperando por uma “reação” pública que nunca veio por causa do clima. As pessoas simplesmente nunca se assustaram o suficiente com a ideia de que o mundo poderia ficar um pouco mais quente.

Pode-se argumentar que o fracasso repetido do aquecimento global em desencadear um pânico global é a razão pela qual eles recorreram a “Covid” em primeiro lugar, mas seja qual for a relação de causa e efeito, o fato é que a Covid lançou uma base pela “guerra contra a mudança climática” que nunca existiu antes.

  • “medidas anti-Covid” fornecem precedente tanto para o uso de “respostas” extremas quanto para sua aparente “eficácia”
  • Covid criou medo suficiente para aumentar a histeria climática ao vincular o ambientalismo a futuras “pandemias” em potencial
  • Covid (supostamente) “inspirou a cooperação [tirania] global” e “demonstrou o que podemos alcançar quando todos trabalhamos [nos ajoelhamos] juntos”
  • Os bloqueios da Covid (supostamente) “mostraram como o mundo pode se curar” reduzindo as emissões.
  • E, o mais importante, o lançamento da narrativa Covid demonstrou que, uma vez que as pessoas tenham investido sua virtude ou personalidade em uma história, você pode contar a elas quase tudo relacionado a essa história e elas serão incentivadas a acreditar em você – NÃO IMPORTA O QUÃO ABSURDO POSSA SER A “HISTÓRIA”.

Observamos anteriormente que vários artigos recentes “declarando guerra às mudanças climáticas” fazem referência à Covid, quase sempre como uma história de sucesso global.

Agora é lugar comum falar sobre como evitar desastres climáticos por meio da Covid. As Nações Unidas , o Conselho de Relações Exteriores e o Fundo Monetário Internacional [OS SUSPEITOS DE SEMPRE] publicaram artigos nos últimos dois anos com títulos quase idênticos, por exemplo:

O que a pandemia de coronavírus nos ensina sobre o combate às mudanças climáticas

Talvez o exemplo mais flagrante do uso de imagens da Covid para vender a mudança climática e o globalismo seja o chamado para criar uma “Organização Global pelo Clima”, do Dr. David King no Independent alguns dias atrás (grifo nosso):

“Em termos de crise de saúde, como a crise da Covid, temos uma Organização Mundial da Saúde e está sediada em Genebra e faz parte das Nações Unidas. Não temos uma “organização mundial de crise climática”. É disso que precisamos, para que todos os países do mundo possam se unir através de um órgão desse tipo, como fazemos quando há uma crise de saúde, todos nós contribuímos para o custeio da OMS. Precisamos de um sistema global que nos una para lutar contra essa ameaça externa ao nosso futuro administrável”.

Sabemos o que é isso, esse é o “pivô da Covid para o clima” que eles literalmente nos disseram que estava chegando .

O “Great Reset” teve um bom começo, mas eles ainda têm uma série de políticas divertidas que desejam introduzir (por exemplo, racionamento de alimentos, uso de insetos na alimentação, fim da propriedade – “voce não possuirá nada e será feliz” ). Em um mundo pós-Covid, eles esperam finalmente tornar a “mudança climática” assustadora o suficiente para que as pessoas implorem que reformulem completamente o mundo como eles bem entenderem.

A parte divertida é que ainda não parece que está pegando, para ser honesto.

Fora da câmara de eco das pre$$tituta$ da máquina de propaganda da mídia e dos sinalizadores de virtude, todos os mapas de temperatura “aterrorizantes”, os “especialistas” alertando que “milhões morrerão instantaneamente” se desligarem o ar condicionado, a nova frase da “fervura global” está sendo cumprida com um pouco de “meh”.

Infelizmente para eles, porque eles mesmos estabeleceram um prazo que nunca chegou. Todo ano que passa sem um colapso climático catastrófico, todo verão que as calotas polares não desaparecem, todo julho frio ou úmido fora de época é mais um prego no caixão de sua narrativa, mais alguns normies marionetes se desengajando da história.

Em 2018, a profeta das mudanças climáticas, a patética Greta, afirmou que o mundo acabaria em cinco anos se não acabássemos com as mudanças climáticas…. ela deletou o Twitter e o mundo continua existindo . . .

Provavelmente é por isso que a cobertura de “ondas de calor cerberus” e “fervura global” é fervorosa, quase febril. Há um elemento de desespero de mãos suadas infiltrando-se em cada tweet, cada manchete.

Eles estão ficando sem tempo.

O corolário sombrio disso é que em breve eles podem desistir de tentar persuadir as pessoas e começar a tentar forçá-las a aceitar a sua “Guerra” contra as mudanças climáticas….


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *