Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Hydra’ sabe que estamos aqui para Eliminá-la

No espaço de sete anos, nossas “amadas” megacorporações se tornaram telas de propaganda da extrema esquerda. A Nike foi contra a América, a Gillette foi contra os homens, a NFL tornou-se gay e a Postmates lançou um “menu inferior” incentivando os clientes a aumentar o sexo anal pedindo certos alimentos. Estas não foram campanhas em offs. Elas foram transmitidas ao público em geral, vistas até por crianças. Algumas pessoas ameaçaram boicotes, mas os normies deram de ombros. Apenas profissionais de marketing tentando chamar a atenção, nada para se ver aqui, até agora.

A ‘Hydra’ sabe que estamos aqui para Eliminá-la

Fonte: TheCarousel.substack.com

A descontinuidade da Bud Light e uma exclusão sem precedentes dos tablóides

Mas então a Bud Light colocou um demente em sua icônica lata azul. Apenas um passo longe demais. A humilhação perfeita. O símbolo supremo da classe trabalhadora americana pintado com um influenciador homossexual performativo. Simplesmente não havia explicação capitalista possível.

Em nenhum mundo as elites gays e as donas de cachorro do Brooklyn beberiam Bud Light, e nenhuma pessoa de marketing razoável poderia pensar o contrário. Até meus amigos mais centristas, razoáveis e racionais me mandaram mensagens. “Uau… pensei que fosse uma piada de primeiro de abril… isso é insano!” Será lembrado como um ponto de inflexão monumental.

Mas enquanto a lata em si é a história maior e mais perturbadora, uma história menor revela a importância desse momento. O Daily Mail publicou, e depois retirou discretamente, um artigo de tablóide com fotos de paparazzi da executiva [Gênio] de marketing por trás da atrocidade.

Nenhuma fonte de mídia, esquerda ou direita, cobriu a exclusão da matéria. O Daily Mail não disse nada sobre isso, nenhuma retratação. Não é a existência do artigo que importa – houve outros publicados sobre ela, mas nenhum tão degradante. É que pessoas poderosas ficaram tão chocadas com a imprensa amarela tratando um executivo de marketing de Harvard como uma figura pública que exigiram uma retratação silenciosa.

She had a brief conversation with doormen at the building before making the walk to a nearby hotel, happily chatting to two men who met her at the door
O “Gênio” de marketing que destruiu a imagem do principal produto de seu empregador

A pessoa de marketing em questão é Alissa Heinerscheid [imagem à esquerda], nascida Gordon, uma WASP de Harvard (aparentemente eles ainda existem, e é isso que estão fazendo) com núpcias do New York Times e um apartamento em condomínio de US$ 7,5 milhões com vista para o Central Park. Ela não tem a menor ideia de como é um almoço líquido Bud Light-and-Parliaments quando tomado em uma porta traseira, num canteiro de obras ou campo de golfe par 3 – certamente + de 80% dos casos de consumo para esta terrível “cerveja”, se você ainda pudesse chamá-la assim.

Há apenas algo sobre o “Genio” do marketing da Bud. Uma qualidade pronta para TV. Aquele rosto comprido. Sua gargalhada gomosa. A maneira como seus dedos ossudos agarram o ar enquanto ela descreve, em uma chamada de Zoom, como a Bud Light está “morta na água” se ela, o “Gênio” de marketing não tomar medidas drásticas para alienar todos os seus clientes. Ela é horrível? Meio quente? Impossível dizer.

Mas o mundo pôde finalmente ver o que aqueles de nós que não temos a sorte de trabalhar no Big Marketing já vimos há muito tempo. A megera corporativa da Ivy League, “esposa do trabalho” do Hype Dad e co-controladora da “narrativa” de que tanto ouvimos falar.

Eu tenho trabalhado sob este arquétipo de uma década. Mestra da comunicação indireta, ela se senta silenciosamente no topo da cadeia alimentar. Suas armas são suspiros e carrancas. Figuras bege, fantasmagóricas — sempre bonitas, mas não tão bonitas, bem vestidas, mas não tão bem vestidas. Elizabeth Holmes foi uma delas, depois foi presa. O CEO Away que abusou de seus funcionários foi um deles. Eles, os “Gênios” de marketing, o surpreendem com sua vacuidade; eles sempre parecem um pouco melancólicos, um pouco tristes por estar falando com você, uma tática que faz com que os funcionários queiram agradá-los. “Seja gentil!” eles gritam, enquanto batem em você.

Eles absolutamente me odeiam e a todos como eu, primeiro porque qualquer homem branco sem as maneiras feéricas exigidas na Ivy League os assusta, e segundo porque a meritocracia – a meritocracia real, não a verificação de caixas – os aterroriza profundamente. Além de seu véu de cansaço performativo, eles não oferecem nada além de gerenciamento e, sempre que tentam “fazer alguma coisa”, você vê o que acontece, como com a Bud.

Sentindo que a própria Heinerscheid representava o rosto raramente visto de uma hidra todo-poderosa (que mal sabíamos que existia antes de 2016 e que agora parece literalmente comandar o mundo), o desavergonhado tablóide Daily Mail enviou paparazzi atrás dela em Manhattan enquanto ela tomava café e encontrava amigos no Central Park.

A peça de sucesso continha o tipo de investigação mesquinha geralmente reservada para celebridades caídas em desgraça e inimigos públicos: o condomínio de US$ 7,5 milhões, fotos nada lisonjeiras dela parecendo desmazelada e acima do peso em leggings surrados, ela foi vista com seu grupo de amigos tony “rindo e sorrindo apesar da vulcânica reação negativa que a empresa está enfrentando por causa de sua “genialidade acordada.”

Dar a ela o tratamento dos tablóides apresenta algo totalmente novo e profundamente populista. Paparazzi expondo um “ministro da propaganda”. Colocar a foto dela no jornal era uma coisa… mas segui-la até sua casa de $ 7,5 milhões? Aquele corte muito perto do osso. Não importa se a propaganda miserável e ‘acordada e transgênero’ dela nos segue até nossas casas todos os dias.

O establishment da mídia geralmente protege esses indivíduos sem conteúdo algum, porque são esses indivíduos que são parte de sua máquina de propaganda. Tão rápida e silenciosamente, o artigo desapareceu (embora uma versão dele ainda possa ser descoberta aqui, e graças ao Good Citizen por desenterrar isso).

Somos deixados para especular sobre os motivos – ameaças de litígio? Negociações nepotistas? Recompensas? – não sabemos. Mas a exclusão e o silêncio total da mídia me lembram da época em que publiquei uma lista dos “Piores Proprietários de Los Angeles” na Curbed. Ele foi excluído em 48 horas devido a ameaças legais de dentro da estrutura de poder centrada no setor imobiliário de LA. Curbed nunca comentou sobre isso e nenhuma outra publicação publicou a história, presumo, por medo. Quando você realmente tira sangue, eles não encenam um show sobre isso. Eles escondem o melhor que podem.

Um amigo me disse que é tudo um jogo de “política de jantar”. O proprietário globo-belga da Bud Light, AB InBev, tem um novo escritório em Chelsea, inundando os cantos de Manhattan com ainda mais profissionais de marketing. Os burgueses do marketing, com uma grande autoestima e narcisismo se veem como “artistas frustrados”, mas os verdadeiros artistas (os filhos e filhas da elite atual) não querem esses idiotas de bocas e ossos grandes em suas festas.

Na verdade, nunca conheci tantos comunistas hardcore do tipo DSA quanto na publicidade; manos bonitos de barba e óculos com barrigas flácidas e rostos fofos de ouriços aparecendo por trás da bagunça. As mulheres são alpinistas sociais naturais que entrarão neste show ou naquela festa, mergulhando suas trombas naquele doce néctar social; triunfante nas sessões de lanche de segunda-feira.

A teoria continua: esses grupos competem entre si por pontos legais adjacentes ao The New York Times, um ícone da propaganda do establishment, agora conferidos apenas por meio de atos de autoflagelação pela classe dominante cis branca, nobres lutando para demonstrar devoção à nova religião do rei.

A competição social pode muito bem ter dado origem à lata transgênero. a “genial” Heinerscheid pode realmente ter pretendido “atualizar” uma marca “naufragando” (também conhecida como a cerveja mais popular da América e líder disparada de mercado, até a “genialidade” de Heinerscheid causar um tsunami nas vendas) da única maneira que ela sabia. Ela simplesmente não sabia como, tendo aprendido em Harvard nenhuma habilidade e sem possuir qualquer talento real. O que estamos vendo pode ser menos conspiração e mais podridão somada à ignorância, arrogância e pura idiotice “genial”.

A posição precária da AB InBev vem do fato de que ela não pode demitir Heinerscheid. Não pode se desculpar. Não pode dedicar-se novamente à classe trabalhadora americana, essa massa deplorável de fanáticos cristãos e conservadores. As marcas globais já não conseguem se livrar de elos fracos, na medida em que transmitem as ideologias corretas. Este é o comunismo clássico – não há bom ou mau desempenho, apenas pessoas boas ou más, e nenhum bom “membro do partido” pode ser responsabilizado, mesmo quando o erro é espetacular. “Quatro pernas bom, duas pernas ruim.”

Em 2016, pouco antes de Trump, a Budweiser literalmente mudou seu nome para America no verão. Hoje, isso seria um crime de ódio. E a tentativa incrivelmente assustadora de Bud de sinalizar a América após a controvérsia da lata transgênero? Como a história excluída do Daily Mail, isso equivale a medidas corretivas subsequentes, provando que um verdadeiro golpe foi desferido no coração da Hydra.

Enquanto os “ministros da propaganda” [os “Gênios” de marketing] permanecerem escondidos, eles podem corromper e destruir toda a cultura popular que quiserem, até mesmo porque a desprezam. Mas uma vez que eles são revelados, eles podem achar um pouco mais difícil suspirar e fazer beicinho para concretizar as suas “geniais” ideias destrutivas.

As pessoas comparam a estrutura de poder das elites globais a uma Hydra. Corte uma cabeça, outras duas surgirão em seu lugar. Alguns entendem que identificar e expor nossos inimigos é uma perda de tempo, ou que inevitavelmente falharemos em encontrar os alvos certos. Melhor nos concentrarmos em nossa própria tenda, convertendo discretamente as elites que sentam-se ao nosso lado, movendo a montanha uma pedra de cada vez. Um processo, dizem-nos, “que pode levar muito tempo”.

Acredito que a luta pode ser agora, e é agora. Vamos nos ater à metáfora da Hydra: uma fera cuspidora de veneno com nove cabeças, uma imortal. Hércules a matou evitando o veneno, cortando as cabeças uma a uma enquanto seu amigo Iolaus queimava os tocos, e isso apesar de ser atacado por um caranguejo gigante enviado por Hera.

Somente através de um padrão metódico e consistente de evasão do veneno, mira na cabeça, corte e cauterização ele poderia finalmente alcançar e conquistar a cabeça imortal, que então enterrou sob uma rocha.

Temos os amigos, estamos mais conscientes, podemos desviar do veneno e só agora estamos aprendendo para onde mirar. Observe quais movimentos causam dano; identificar, balançar, cauterizar, repetir. Esta Hydra tem uma mandíbula de vidro. E sabe que estamos aqui para matá-la . . . de uma vez por todas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. Esse lixo é um TRAVECA e não cabe artigo definido “A” feminino para apontar esse excremento (todo ser que entende que buraco fecal é órgão sexual é nascido desse “órgão sexual”!), isso um pronome indeterminado é mais pertinente.
    Vc tem estudo suficiente para entender o poder gemátrico de vc invocar um artigo feminino para definir uma abominação degenerada, um lixo que sequer presta para ser o que nasceu sendo!
    Não invoque o mal em seu próprio trabalho, nunca invoque o mal como normalidade, pois está sendo soldado da desgraça total!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *