Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (Epílogo)

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cavaleiros-templarios-gif.gif

Livro “The Real History Behind the Templars”, de Sharan Newman,  nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan, ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada.

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templars

Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE QUATRO  – EPÍLOGO

Uma das muitas coisas que aprendi sobre a Ordem dos Cavaleiros Templários enquanto pesquisava para este livro é que, longe de estarem separados do mundo em que viviam, eles eram mais do que parte dele. Os Templários eram a ponte entre a Europa Ocidental e Jerusalém [eram muiiiito mais do isso]. 

Ao contrário de muitos outros monges, eles passaram sua infância em meio às constantes guerras que existiam entre os senhores feudais da Europa. Quaisquer que fossem suas razões para ingressar nas ordens militares, eles se tornaram exemplos para o resto de sua classe. Eles acreditavam no uso do poder pelo bem. Embora eles ainda lutassem e matassem, não era para ganho pessoal, mas para proteger os fracos e preservar o reino terreno de Deus.

Este era o ideal. Se eles nem sempre estavam à altura, ainda assim chegavam perto. Aqueles que lutavam finalmente tiveram uma maneira de usar suas habilidades na batalha e ainda alcançar a salvação.

Ao longo dos duzentos anos de existência dos Templários, a Europa mudou dramaticamente. No início do século XII, a sociedade era governada por famílias da nobreza e conexões familiares. Os conselheiros e apoiadores de um governante eram seus primos, sogros e irmãos. 

Seus inimigos às vezes eram os mesmos, mas ainda era tudo uma questão de parentesco. Um casamento, um nascimento ou uma morte poderiam mudar as fronteiras de um país. No início do século XIV, os governos, especialmente no norte da Europa, estavam se tornando mais centralizados e burocratizados.  Os conselheiros do rei eram mais propensos a não serem nobres que deviam suas posições à sua utilidade, e não aos laços familiares.

Os Templários e seus companheiros cavaleiros das ordens militares faziam parte de uma sociedade de fronteira. Havia como a cavalaria, vindo para salvar o dia, ou o pequeno grupo de guardas florestais que protegiam os colonos pioneiros americanos dos índios e dos malvados barões da terra. 

Eventualmente, o oeste selvagem dos EUA foi colonizado, os índios foram derrotados; os barões da terra tornaram-se governadores de estado. O mesmo aconteceu na Europa, só que a fronteira foi perdida e seus defensores saíram sem rumo.

Embora em 1307 ninguém soubesse que a Terra Santa estava perdida para sempre para os cruzados, ainda havia a sensação de que o dia dos Templários estava terminando. O pequeno bando de bravos cavaleiros seria substituído por exércitos pagos. O cavalheirismo se tornaria um jogo social em vez de um modo de vida.

Os Cavaleiros Templários não eram místicos ou mágicos. Eles não eram uma sociedade secreta, nem tinham sabedoria arcana desenterrada de tesouros escondidos. Aqueles que dizem que sim estão negando a verdadeira história desses homens. Eles não eram super-humanos, mas seres humanos piedosos, trabalhadores e imperfeitos que, à sua maneira, estavam tentando tornar o mundo melhor e salvar suas próprias almas.

O cronista árabe do século XIII, Ibn Wasil, pode ter escrito o tributo de que os Cavaleiros Templários mais teriam gostado. Na luta contra o exército francês de Luís IX, os mamelucos de al-Malik al-Salih foram os guerreiros mais corajosos e ferozes. “Eles lutaram furiosamente”, escreve ele. “Foram eles que se lançaram na perseguição do inimigo: eram os Templários do Islã!” 1

1- Ibo Wasil, em The Arab Historians of the Crusades , ed. e tr. Francesco Gabrieli (Dorset: Nova York, 1957) p. 294.”


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. Prezados Senhores,

    tentei acompanhar e colecionei o máximo de episódios que esse conceituado sitio publicou sobre o assunto. Infelizmente, não consegui reter muitos capítulos e minha pesquisa ficou incompleta.

    Poderiam os senhores, se não for muito pedir isso, divulgarem como conseguir o original do livro onde poderei localizar os capítulos que me faltam?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *