browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Esfera de Cristal descoberta dentro de pirâmide submersa no Triângulo das Bermudas (Atlântida)

Posted by on 25/09/2019

A peça de cristal de quartzo foi apresentada em poucas oportunidades, desaparecendo após ser exposta ao escrutínio público, ignorando-se até agora seu paradeiro e o de seu descobridor e proprietário, o Dr. Raymond Brown. Quem teve a oportunidade de contemplar a peça, mencionou que ela possui poderes incríveis, que a esfera de cristal parecia manifestar poderes dependendo do observador, no entanto, exceto por esses testemunhos e um livro escrito sobre a descoberta, poucas informações novas surgiram nesses anos e quem vos escreve acha que a esfera nunca mais voltara à tona novamente, estando escondida, e nós gostaríamos de saber onde.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Ray Brown e a esfera de cristal de Atlântida encontrada no interior de um templo dentro de uma pirâmide submersa na região do “Triângulo das Bermudas”.

Fonte: https://cronicasubterranea.blogspot.com/ e https://www.crystalinks.com/

Por Débora Goldstern

Hoje, o Underground Chronicle quer voltar a um tópico que já foi desenvolvido em nosso artigo: The Lost Technology of Atlantis, onde recontamos uma fabulosa descoberta, feita por um naturopata natural de Mesa, no Arizona, e mergulhador norte americano, Dr. Raymond Brown, que no final dos anos 60 encontrou uma incrível e misteriosa joia de cristal, uma relíquia de cristal de quartzo em formato de uma perfeita esfera, descoberta no interior de uma pirâmide submersa, que alguns assumem ser do tempo da perdida Atlântida.

A peça de cristal de quartzo foi apresentada em poucas oportunidades, desaparecendo após ser exposta ao escrutínio público, ignorando-se até agora seu paradeiro e o de seu descobridor e proprietário, Raymond Brown. Quem teve a oportunidade de contemplar a peça, mencionou que ela possui poderes incríveis, que a esfera de cristal parecia manifestar poderes dependendo do observador, no entanto, exceto por esses testemunhos e um livro escrito sobre a descoberta, poucas informações novas surgiram nesses anos e quem vos escreve acha que a esfera nunca mais voltara à tona novamente, estando escondida, e eu gostaria de saber onde.

No entanto, o destino queria dar um novo sinal da existência dessa relíquia e da pirâmide dentro da qual a esfera foi encontrada, repousando em um pedestal com formato de duas mãos, no interior de um templo que o Dr. Raymond Brown encontrou na pirâmide submersa, assim, poderíamos descobrir seu status atual, graças aos esforços do site Project Camelot, que na entrevista com o atual proprietário do Crânio de Cristal, Anna Mitchel Hedges, forneceu novos dados sobre a misteriosa esfera de cristal.

Como pode ser visto no vídeo, antes de morrer, Raymond Brown deu a esfera a quem foi seu professor que o aconselhou a não mais mostrá-la a ninguém. Outro fato importante é que o o crânio de cristal de Hedges conseguiu localizar a esfera desaparecida, um fenômeno estranho, já que o crânio de cristal ficou totalmente branco (foto à esquerda) em contato com a esfera e, por sua vez, essa adquiriu um tom dourado. Nesta fotografia, fornecida à equipe do Projeto Camelot, é observada a incrível interação entre as duas peças, presume-se, de cristal.

Em anexo, como contribuição final, além dos vídeos correspondentes, algumas passagens de um dos poucos livros que trataram da história dessa esfera, encontrados por Raymond Brown. Este livro (1) é o A Pirâmide Submersa no Triângulo das Bermudas, de Marcus Silverman, datado de 1984.

Existe apenas uma grande pirâmide submersa na região do Triângulo das Bermudas?

Em 1967, Robert Brush sobrevoou a região das Bahamas com seu avião, a cerca de cem quilômetros da costa sul da Flórida, nomeada em homenagem aos conquistadores espanhóis quando suas terras foram descobertas num dia “florido” da Páscoa. Quando o piloto sobrevoou as ilhas de Bimini e Andros, de repente ele percebeu algo através da água que chamou sua atenção, porque além de ser piloto de aviação, Brush também estudava arqueologia subaquática e procurava tesouros perdidos na região do Caribe.

O avião descreveu uma ampla curva no ar e voou várias vezes sobre o mesmo ponto, ao norte da ilha de Andros, assegurando a realidade material de que havia uma forma submersa de uma figura geométrica piramidal, atribuível apenas à ação da mão do homem, e não ao capricho da natureza.

Nessas latitudes e nas áreas próximas à costa, a água é geralmente transparente como vidro, permitindo ver o que está embaixo da água.  Quanto à profundidade do mar, ela varia de 200 metros a poços que abrem subitamente e atingem profundidades superiores a seis mil metros.  Surpreendido por sua descoberta, Robert Brush tirou várias fotografias que, ao retornar, mostrou ao francês Dimitri Rebikoff, especializado em fotografia subaquática e, portanto, capaz de ratificar a veracidade da descoberta. Mais tarde, as fotografias foram examinadas pelo professor Manson Valentine, do Museu de Ciências de Miami, que lecionara na Universidade de Yale e era um profundo conhecedor de civilizações pré-colombianas.

Especificamente, o que foi que Robert Brush fotografou? Qual foi a importância, a importância que motivou a aderência entusiasmada e determinada de Rebikoff e Valentine (J. Manson Valentine, 1902-1994), a ponto de conduzir uma expedição de pesquisa e prospecção ao Grande Banco das Bahamas? Os integrantes da expedição compartilharam a opinião de Pierre Carnac, visível no título de sua obra? A história começa em Bimini (e, portanto, na famosa área conhecida como “Triângulo das Bermudas”)? Possivelmente, havia algo relacionado ao que um ano depois, em 1968, o Dr. Raymond Brown descobriria na mesma área das Bahamas, quando ele estava na região do Caribe com uma equipe de caçadores de tesouros subaquáticos.

A região do Mar do Caribe é famosa pelo grande número de naufrágios em séculos passados dos galeões espanhóis que empreendiam o retorno à Espanha carregados com seus tesouros de prata e ouro e especiarias que levavam para o reino de Castela como dízimo pagos pelos vice-reis e governadores estabelecidos no Novo Mundo.

Os navios empreendiam o retorno à Espanha reunidos em uma grande esquadra, a fim de se protegerem da onda de ataques de navios piratas ingleses que navegavam em busca de saquear os tesouros que trafegavam pelas águas do Mar do Caribe. O grande número de galeões espanhóis carregados de tesouros que afundaram na região do Caribe foi chamado “La Fleet de la Plata”, e a carga armazenada por seus barris era conhecida como “quinto do rei”, por ser a quinta parte da riqueza coletada anualmente pelos vice-reis espanhóis no Novo Mundo.

Um grande número desses navios carregados de tesouros naufragou na área do Caribe, alguns por causa dos inúmeros recifes existentes e outros devido a tempestades violentas. Ainda hoje o fundo dos mares na região é semeado com os tesouros de muitos galeões espanhóis abarrotados de prata que ainda não foram recuperados. Em 1968, o Dr. Brown estava nas Bermudas, trabalhando com uma equipe de recuperação de tesouros perdidos no fundo do mar. Em uma das descidas, ele descobriu os restos de uma cidade subaquática e, em outras explorações, como um peixe, ele encontrou uma “pirâmide submersa”.

No relatório feito posteriormente pelo próprio Brown, ele descreveu a existência de uma “pirâmide subaquática” composta de pedras polidas que se encaixavam perfeitamente uma na outra. Ele desceu em torno da construção, voltando ao topo da pirâmide, que parecia truncada e no topo da qual ficava uma espécie de pequeno templo. Ele entrou por uma abertura que dava acesso ao interior do templo e se viu em uma sala em cujo centro, em um suporte de pedra, duas mãos de metal seguravam uma pequena esfera feita de puro cristal que, quando examinada, era cristal de quartzo. Passando por um corredor estreito, Brown finalmente chegou a uma pequena sala retangular com um teto em forma de pirâmide. O que foi surpreendente foi que o recinto não continha algas ou corais crescendo nas suas paredes internas. Elas estavam completamente impecáveis de tão limpas.

Além disso, embora Brown não levasse nenhuma lanterna, ele conseguia ver tudo perfeitamente no interior da sala. Era muito brilhante e bem iluminada, mas nenhuma fonte de luz direta era visível. A atenção de Brown foi atraída para uma haste metálica brilhante com cerca de 3 polegadas (7,5 cm) de diâmetro pendurada no ápice do centro, e no final estava anexada uma gema vermelha multifacetada, que ficava acima de um determinado ponto.  Diretamente abaixo dessa haste e da gema vermelha, no centro da sala havia um suporte de pedra esculpida, encimado por uma placa de pedra com as pontas roladas.

No prato, repousava um par de mãos de metal em posição de oferenda perfeitamente esculpidas de cor de bronze, em tamanho natural, que pareciam enegrecidas e queimadas, como se tivessem sido submetidas a um tremendo calor. Aninhada nessas mãos, e situada cerca de 4 pés (1,20 metros) diretamente abaixo do ponto com a gema vermelha pendente da haste do teto, havia uma esfera perfeita de cristal com cerca de 3 pés (90 cm) de diâmetro.

Brown primeiro tentou soltar a haste do teto e a pedra preciosa vermelha, mas nenhuma das duas se mexeu.  Voltando à esfera de cristal, encontrou-a facilmente separada dos suportes de mão de bronze, retirou-a de seu repouso e deixou a pirâmide com ela. Ao partir, Brown sentiu uma forte presença e ouviu uma voz de algum lugar dizendo para ele “nunca mais voltar àquele local”.

Em 1970, dois anos após suas descobertas, os “especialistas” avaliaram a peça em torno de vinte mil dólares. Era uma esfera geometricamente perfeita de cristal. Foi encontrada submersa na região entre a ilha de Andros e a ilha de Bimini.  Temendo que seu prêmio incomum pudesse ser confiscado como tesouro de salvamento pelo governo dos EUA, Brown não revelou mais a existência da misteriosa esfera de cristal ou suas experiências até 1975, quando ele exibiu o cristal pela primeira vez em público.

Ele exibiu o cristal apenas meia dúzia de vezes, mas cada vez as testemunhas presentes viram ou foram sensíveis a fenômenos estranhos diretamente associados ao objeto. No fundo da forma cristalina, observa-se três imagens de pirâmides, uma em frente à outra, em tamanhos decrescentes. Alguns indivíduos, entrando em um estado de consciência meditativo ou de ondas cerebrais alfa, eram capazes de ver claramente uma quarta pirâmide, em primeiro plano das outras três.

O significado da imagem pode ter sido sugerido pela psíquica Elizabeth Bacon, de Nova York. Em uma leitura da esfera misteriosa, ela recebeu a mensagem de que o objeto já pertencera a Thoth, o deus egípcio da sabedoria e do conhecimento que supostamente enterrou um cofre secreto de conhecimento (As Tábuas de Esmeralda de Thoth) perto das três grandes pirâmides de Gizé no início dos tempos.

Pode-se ver isso como o “um” sendo o ‘cristal que guarda os registros’ e ‘três’ como terceira dimensão. ‘Subterranean’ é uma metáfora para o mar da criação, inconsciência coletiva, matriz da nossa realidade, Hall of Records (Salão dos Registros), etc. 

A descoberta é sensacional, e foi discutida em uma conferência na Flórida, e mesmo relatada nos jornais locais da Flórida

Outro relatório veio juntar-se àqueles que testemunharam a existência de uma ou mais pirâmides submersas pelas águas do Mar do Caribe na região do chamado Triângulo das Bermudas; o de um marinheiro dedicado à pesca, capitão Don Henry. De fato, quando ele estava em seu barco de pesca, ocupado localizando grandes cardumes de peixes, ele detectou através da sonda acústica algo que no gráfico do radar foi transformado em perfis correspondentes a uma pirâmide submersa de cúspide truncada. 

A sua altura, calculada no gráfico, era semelhante à pirâmide de Quéops, em Gizé, com cerca de 137 metros de altura e uma base com cerca de 150 metros de lado. O conhecido psíquico e vidente norte americano Edgard Cayce, famoso por sua revelação dos significados do Livro dos Mortos egípcio, profetizou – assim como falou em muitas de suas palestras – em estado hipnótico, que em 1968 seriam descobertas ruínas arqueológicas pertencentes à civilização de Atlântida.

Persistência do conhecimento atlante 

A esfera perfeita de cristal de quartzo encontrada pelo Dr. Raymond Brown no templo da pirâmide submersa lembra as esferas usadas pelos adivinhos, os espelhos de obsidiana usados ​​pelos maias, bem como o pássaro que tinha um espelho na cabeça e nas asas que Montezuma II  (seu governo teve início em 1502 e terminou em 1520) aparece em um códice florentino. Esferas de cristal, com água perfeitamente parada em uma tigela, serviriam para focalizar fatos futuros e, assim, ser capaz de perceber o futuro e o passado. No caso do que foi descoberto pelo Dr. Raymond Brown, este investigador revelou que tinha sido capaz de verificar os poderes misteriosos da esfera de cristal. Assim, exibida em uma exposição e oferecida livremente ao toque de outras pessoas, quando tocada pela mão de um paciente, este recuperou sua saúde. Mas, curiosamente, quando tocado novamente, em outra ocasião, por uma pessoa diferente, esta pessoa assumiu a doença da pessoa anterior.

Acreditando na palavra de Raymond Brown, a esfera de cristal possui propriedades surpreendentes, dignas de investigação profunda. Em uma ocasião, ela foi roubada, mas o mais extraordinário é que, no dia seguinte, sem que ninguém soubesse como, ela apareceu novamente no mesmo ponto em que estava quando fora levada. Sabe-se que o ladrão, que havia sido identificado (vendia antiguidades), nunca voltou para casa, e nunca mais se teve notícias dele novamente. Desapareceu para sempre e todas as pesquisas sobre seu paradeiro foram infrutíferas.

Quais seriam então os poderes misteriosos dessa esfera de quartzo de cristal? Suas pirâmides internas seriam repetidas indefinidamente como um ponto de fixação para alcançar a hipnose daqueles que a fitavam?  Conhecido é o efeito hipnótico produzido pelos motoristas que dirigem à noite, quando a interminável linha branca se destaca no escuro da estrada. Esse fenômeno também ocorre em galinhas. Se um desses pássaros for preso, apoiando o bico em uma linha desenhada com giz branco no chão e mantendo-a por alguns momentos ainda nessa posição, a galinha acaba hipnotizada pela linha de giz. Quando liberada, mantém sua imobilidade até que alguém a mude de posição.

Agora, no caso da esfera de cristal de quartzo descoberta pelo Dr. Brown, suas faculdades repousam não apenas em seu poder de captura hipnótico, mas também em sua poderosa força magnética, de efeitos extraordinários, sem dúvida aumentada por ter permanecido sob a cúpula da pirâmide, e submersa na água, talvez por milhares de anos,  que cobria o templo em que foi descoberta. No relato do Dr. Brown, há detalhes desconcertantes:

“A superfície da pirâmide parecia um espelho… As pedras eram perfeitamente polidas e o trabalho era fantástico. Contornei a cúspide três vezes. Durante a terceira volta, descobri uma abertura. Nas minhas voltas anteriores, eu não tinha visto nada e estava observando essa estrutura de perto. Não sei explicar por que, a princípio, não havia abertura e depois ela surgiu. Meu primeiro pensamento foi que, se houvesse uma abertura, deveria haver uma porta. Mas não havia porta, nada que pudesse ser aberto”.

Ao longo de seu extenso relato, o Dr. Brown está fornecendo um grande número de detalhes concretos, como a descrição do templo dentro do qual ele se encontrou quando transpôs a abertura na pirâmide. O altar em que as duas mãos de bronze estavam situadas – mas cujas palmas pareciam ser de ouro – segurava a esfera de cristal de quartzo. Ou o cilindro de cerca de oito centímetros de diâmetro que descia da abóbada piramidal do teto e cuja extremidade tinha uma pedra vermelha colocada como ponta de lança apontada para a esfera de quartzo, que emitia seu próprio brilho radiante. 

A sala do templo tinha sete assentos ao redor do altar com a esfera de cristal, um dos quais era mais alto que os outros, talvez reservado para o indivíduo de mais alto nível na hierarquia. A sala estava claramente iluminada, sem ser visível a fonte de luz que iluminava tudo. Também estava limpa, embora ocupada por água. Singularmente, nem mesmo um grão de areia, nem algas, nem poeira de plâncton haviam sido introduzidos através da abertura.  Nenhum organismo aderiu às faces da pirâmide, que eram lisas e perfeitamente polidas.

A história toda é incrível e fantástica, incluindo a voz que, sem a presença de ar para obter a transmissão auditiva, recomenda que o intruso (nesse caso o próprio Dr. Brown) do mundo subaquático saia dessa área e nunca mais volte. Foi assim que o Dr. Brown, dono da esfera de cristal, retornou à superfície e se encontrou com seus companheiros, que também fizeram descobertas não menos surpreendentes: os restos de uma cidade submersa, próxima do local onde estava o Dr. Raymond Brown, possivelmente pertencente à lendária Atlântida .

Na surpreendente história do Dr. Brown, é apontado que ele nunca mais retornou à área das Bahamas, mas que o local da descoberta esta entre as ilhas de Andros e Bimini. Na sua opinião, embora não tenha sido possível detectar novamente a solução da descoberta portentosa, provavelmente porque o movimento subaquático das areias cobriu a pirâmide novamente, chegará o dia em que as areias serão removidas e novamente a pirâmide submersa do triângulo das Bermudas será visível. 

Em uma entrevista, ele declarou que nunca mais retornaria à área de sua descoberta, já que seus parceiros de mergulho naquela ocasião, ignorando a mesma voz que ele havia falado com ele, haviam retornado e todos haviam perecido em várias circunstâncias diferentes, prova patente que o aviso da voz misteriosa deveria ser levado à sério.

Consequentemente, a história do Dr. Brown exorta o leitor interessado e atencioso a algumas considerações, sem duvidar da descrição de uma realidade que não seja a realidade considerada racional, e chegará o dia em que as areias serão removidas e novamente a pirâmide submersa do triângulo das Bermudas será visível. 

Já vimos que a descoberta do Dr. Raymond Brown não foi a única. O famoso autor de Without a Trace, Charles Berlitz, em sua obra sobre o famoso Triângulo das Bermudas – ou “cemitério de navios perdidos” – mencionou a existência de uma pirâmide submersa na mesma área, mas não conseguiu especificar exatamente sua localização. , nem forneceu detalhes sobre suas características.

A esfera geomântica

A existência da pirâmide submersa descoberta pelo Dr. Ray Brown foi confirmada em abril de 1977 por um telegrama fornecido pela agência France Presse, que também especificava que a pirâmide tinha uma altura de cerca de duzentos metros. Lembre-se de que a pirâmide submersa localizada pela sonda acústica do capitão Don Henry tinha uma altura de cerca de 140 metros (curiosamente, a mesma que a Grande Pirâmide Egípcia) e uma base de 180 metros de lado. 

As notícias, transmitidas pelo próprio Don Henry a Charles Berlitz, levaram o pesquisador a fazer uma expedição ao Triângulo das Bermudas para provar uma descoberta tão única, que veio confirmar a descoberta feita pelo Dr. Ray Brown. Na opinião de Berlitz, mesmo que qualquer afirmação categórica seja prematura, tudo sugere que, pelo menos, uma parte dos restos da antiga civilização atlante se encontram no fundo do mar da área das Bahamas. No entanto, antes de continuar, voltemos à pesquisa que já foi feita pelo Dr. Ray Brown e deduzimos de suas respostas outras realidades mais ocultas.

Viagem ao passado

“Vivemos na superfície do nosso ser”, disse Williams James, referindo-se à nossa vida prática que requer apenas o trabalho funcional do pensamento e que é o destinatário dos estímulos dos nossos cinco sentidos. Contudo, do ponto de vista deles, essa é apenas a epiderme de nossa natureza superior, uma vez que existe em nós, em estado latente, o poder de “conhecer” por outros meios que não os puramente sensoriais e intelectuais; Por exemplo, existem assuntos que podem retroceder no acidente imediato e, portanto, conhecer o futuro e o passado remoto. Com base nessas premissas, procedimentos cognitivos supra-sensoriais foram aplicados para desvendar o mistério da esfera de cristal de quartzo encontrado pelo Dr. Brown no interior do templo da pirâmide submersa.

Em outra ocasião, uma pesquisa foi realizada com o Dr. Brown, que respondeu a trinta e duas perguntas sobre sua importante descoberta.  Algumas delas foram extraordinárias. Salienta, por exemplo, sua cautela ao mostrar a esfera acima mencionada, que até hoje foi exibida ao público apenas cinco vezes. O Dr. Ray Brown não conseguiu indicar a localização exata da pirâmide submersa. A razão é que, nas condições de excitação em que ele estava, não lhe ocorreu identificar o local exato da descoberta. Em suas próprias palavras, a pirâmide está localizada “muito perto da língua do grande oceano”, apontando diretamente para as Ilhas Bari, a cerca de trinta quilômetros da borda do poço da trincheira. É muito longe de qualquer ilha importante. De um lado, a ilha de Andros, e o local habitável mais próximo é a ilha de Bimini.

O Dr. Brown nunca pode explicar como ele se encontrou dentro da pirâmide. Foi como um sonho ou uma visão que se tornou realidade. Uma realidade diferente do que geralmente percebemos pelos nossos cinco sentidos. Como o Dr. Albert Leprince disse muito correta e astutamente, nos erros dos clarividentes: “Nossa tradicional educação social,  científica, filosófica, religiosa, etc. Ela nos encheu de preconceitos poderosos, isto é, quanto é necessário para nos estagnar na negação do nome dos princípios”.

Essa educação nunca colocou em nós algo que nos predispõe a estarmos receptivos para entender o inédito. Para nossas mentes, é um mundo novo. Vamos, portanto, respeitar devido à sua natureza; quero dizer: vejamos como é e evitemos cair na fantasia de vê-lo de outra maneira do que realmente existe. Com o que eu queria demonstrar, a inércia de nossa educação e a abordagem ao uso de nossos sentidos como mensageiros de todas as informações direcionadas ao nosso cérebro nos permitem tolerar, como possível, outras possibilidades de percepção.

Um dos fatos mais sugestivos da história do Dr. Brown talvez tenha sido a voz sem som de palavras audíveis que o aconselhou a nunca mais voltar à área da pirâmide.  Porque de nenhuma maneira a voz poderia alcançá-lo através das águas, tinha que ser realmente uma comunicação telepática.

  • De onde veio a linguagem mental e quem era o interlocutor e seus colegas?
  • O mundo subaquático da área do triângulo é ocupado por seres inteligentes além de nós?
  • Quem são eles?
  • Como eles podem ser nomeados?
  • Qual é o seu modo de vida?

Perguntas para as quais apenas as habilidades paranormais podem dar uma resposta satisfatória, uma vez que a mente está livre de seus preconceitos e limitações sobre o que é a realidade. Segundo o próprio Dr. Brown, o cristal de quartzo perfeitamente esférico que ele encontrou na pirâmide submersa tem propriedades incomuns. Por exemplo, suas propriedades eletromagnéticas aumentam muito se forem descobertas. Quando foi encontrado, estava sob uma cúpula da pirâmide, o que parece indicar que dentro da pirâmide o vidro esférico condensa as suas propriedades e, estando fora, derrama sua força para fora. Segundo Brown, também existe uma relação entre a atividade da esfera de cristal de quartzo e o ciclo lunar.

Pirâmides e catedrais

Segundo o próprio Brown, cerca de trinta metros da pirâmide submersa, e o restante até a base, estava encoberto pela areia do fundo do mar. Curiosamente, as superfícies da pirâmide estavam perfeitamente limpas, sem o menor traço de algas ou incrustações orgânicas do oceano. Outro detalhe surpreendente é que a câmara do templo em que o Dr. Brown penetrou também era muito limpa e sem o menor traço de areia. A pirâmide apareceu com suas faces resplandecentes, totalmente brancas, como se o material usado em sua construção fosse de uma brancura muito pura, ou após a construção tivesse sido feito o cuidadoso polimento de suas faces.

piramidedecristal2

O tamanho das pirâmides descobertas são quase o tamanho das pirâmides de Quéops. Esta notícia foi sensacional, e foi discutido em uma conferência na Flórida, e mesmo relatada nos jornais locais da Flórida . Os jornalistas então presentes, tomaram um monte de fotos e dados computadorizadas de alta resolução, que mostram duas pirâmides tridimensionais perfeitamente lisas, sem estarem cobertas e com sua superfície livre de detritos ou algas ou rachaduras. FONTE

Sem dúvida, a “pirâmide submersa”, antes de afundar no oceano, quando se encontrava na superfície da Terra, deveria se parecer com uma joia brilhando à luz do sol e uma atração fascinante pela clareza da lua, especialmente em períodos de lua cheia. Precisamente, a cor branca de sua massa de pedra cristalina correspondia à cor lunar, a mesma cor branca cerúleo, lívida ou prateada que corresponde à Lua e a ÍSIS. Antes de sua descoberta, o Dr. Ray Brown comenta uma experiência terrível que mudaria sua personalidade e a sua vida. Após a experiência que sofreu, ele se sentiu como um homem diferente e, como se estivesse predestinado a eventos relacionados à sua descoberta.

Noa anos 1960, ele estava realizando pesquisas subaquáticas com uma equipe na área de Bahamas, precisamente na mesma área em que mais tarde descobriu a esfera de cristal de quartzo de propriedades únicas e a pirâmide submersa. Ele ignorou enquanto estava submerso fazendo seu trabalho feito pelo homem, perto de um banco de areia. Quando de repente e com o susto que se seguiu, viu as hélices do navio que lavravam a água do mar e que, de um momento para outro, o alcançariam. O pânico tomou conta dele. Instintivamente, ele se encontrou cerca de quinze metros debaixo d’água. Quando se recuperou do pânico, sentiu uma sensação de tranquilidade e paz profundas. Foi uma paz imensurável. Ele experimentou a sensação de que seu corpo não estava respirando mas que ainda estava vivo.

Embora ele tivesse evitado as hélices do navio, ele não conseguiu evitar o golpe de um barco esportivo que, quando cruzou seu caminho, causou o impacto que o submergiu quinze metros de profundidade. Foi esse impacto que causou esse sentimento de total abandono, tranquilidade e paz. Pelo que se segue da história dessa experiência narrada prolificamente pelo próprio Ray Brown, ele se viu como alguém fora de seu corpo e, no entanto, permaneceu consciente de quanto eles capturam seus sentidos. Você pode ver, ouvir e sentir, mas se desdobrou para fora do seu corpo material. Eles se tornam testemunhas de si mesmos. Você pode se ver no corpo atual, ouvir o que aqueles que olham para sua parte física falam e até se vê fora do corpo.

A abrangência da região conhecida como o “Triângulo das Bermudas”, onde muitas anomalias eletromagnéticas e espaço temporais acontecem. Bimini e a Ilha de Andros estão localizadas na ponta perto de Miami.

Algo assim foi o que aconteceu com o Dr. Ray Brown. Ele explicou: «Olhei para baixo e observei um pequeno peixe brilhante. Fiquei intrigado com aquele peixinho lindo e era como se algo dentro de mim focasse minha atenção nele. O peixinho não falou comigo com palavras que eu poderia repetir, mas era algo como “Olá, eu sei quem você é”. Foi extremamente reconfortante”. Brown então se refere a essa nova sensibilidade como que o desaprovou de desfrutar de sua consciência total, permitiu que ele se confundisse com tudo ao seu redor e com as mais diversas formas de vida. Encontramos essas histórias no testemunho de outras pessoas que viveram experiências semelhantes na fronteira entre a vida e a morte e nas quais um fio fino separava suas vidas da morte. O retorno à vida corporal física mantivera a lembrança de sua experiência com total clareza.

Por esse motivo, o Dr. Ray Brown, quando foi ajudado por seus colegas de equipe, ouviu as palavras daqueles que tentaram salvá-lo repetindo que ele já havia morrido. Uma vez recuperado da experiência, encontrou-se na cama do hospital, como se voltasse à vida. Na sua opinião, essa experiência mudou totalmente o curso subsequente de sua vida e o senso de interpretação da existência que havia prevalecido até então. E, como ele insistia repetidamente, foi uma experiência de vida tão extraordinária que lhe permitiu, mais tarde, a descoberta do cristal de quartzo, bem como a descoberta da pirâmide submersa. O que ele quis dizer com tal afirmação?

Possivelmente, pode-se inferir de tais afirmações que a experiência anterior despertou em sua personalidade faculdades desconhecidas que até então permaneciam ocultas, mas latentes em sua natureza, mas que, uma vez surgidas, era fácil provocar ou repetir como reflexo condicionado. Era como se de repente ele tivesse despertado nele uma nova maneira de ver e sentir à vida, penetrando em outras dimensões do que consideramos normal e único. Foi essa nova visão que lhe permitiu descobrir e ver a pirâmide submersa e que lhe foi concedido o favor ou a distinção de assumir a posse da esfera geomântica do cristal de quartzo que ele se lembra tanto em sua descrição daquela que os antigos egípcios colocaram no topo do ápice da pirâmide.

Na segunda ocasião em que o pesquisador relata sua permanência no interior da câmara da pirâmide em que descobriu a esfera geométrica perfeitamente entalhada, ouviu as palavras sem voz que lhe falavam: “Você veio, agora tem o que procurava. Agora vá embora e nunca mais volte”. Quando ele voltou à superfície com a esfera geomagnética, ficou surpreso que seus outros companheiros de equipe haviam encontrado outras peças demonstrativas da existência das ruínas arqueológicas no fundo subaquático daquela área e que também coincidiram na descoberta da cidade subaquática . Além disso, “a voz” recomendara que eles nunca mais voltassem àquelas profundezas. Mas nenhum deles, exceto o Dr. Brown, obedeceu ao conselho. Assim, um por um, eles estavam perdendo suas vidas no mar quando visitaram a cidade subaquática novamente. De toda a equipe, apenas o Dr. Ray Brown respeitou a recomendação.

As ruínas submarinas encontradas do que seriam uma cidade seriam finalmente a perdida, mas nunca esquecida Atlântida? Parece que eles tomaram os dados de sonar e com sucesso reconstruíram uma imagem 3D da estrutura existente no fundo do oceano ao largo da costa de Cuba. Isto é completamente sólido e muito convincente.

Ele nunca mais quis investigar naquela área correspondente à área do triângulo das Bermudas. Eu realmente senti um grande horror. O que ele “viu” no fundo do mar foi a existência, além da pirâmide submersa, de inúmeros edifícios que se assemelhavam à arte egípcia e às construções pré-colombianas da América do Sul. Mas as faces dessas pirâmides, diferentemente das sul-americanas, eram completamente lisas e sem nenhum sinal ideográfico em suas paredes, e também não tinham nenhum tipo de inscrição impressionante. Certamente, o Dr. Ray Brown não pôde examinar essas construções em detalhes, embora tenha notado a forma de suas estruturas.

Da singularidade de toda a história, possivelmente a coisa mais surpreendente dentre tantos detalhes extraordinários é a evidência de que o mergulhador foi observado durante todo o mergulho. A entrada da pirâmide era invisível, e mesmo assim alguém que estava ciente de toda a evolução de Brown fez aparecer a entrada para o interior da pirâmide que, de outra forma, não ofereceria ao mergulhador mais do que a forma externa de seu volume e arquitetura. mas ele teria mantido o mistério de sua câmara interna, com o arranjo das 7 cadeiras (lembre-se de que 7 é um número sagrado e fundamental na Criação), e ele não teria tido a oportunidade de contemplar as duas mãos do metal desconhecido (resquício de Atlântida?).

É a hipótese sustentada da existência na área do triângulo das Bermudas de um portão espacial, um arco ou entrada, buraco ou espaço aberto na parede de uma dimensão diferente que, existindo nas mesmas energias da natureza, é tão verdadeira que uma curvatura traçada entre tempo e espaço, permitiria, em determinadas circunstâncias, penetrar em uma dimensão diferente espaço-temporal? Talvez, como cortinas entre cujas dobras haja buracos que de repente permitiam o trânsito para outros mundos paralelos desconhecidos, mas reais?

Mundos diferentes, mentes diferentes

Como explicar que em 1940 o grande vidente Edgard Cayce profetizou a descoberta dos muros, calçadas e blocos de pedras subaquáticas de Bimini? Edgard Cayce previu: “Os sistemas pelos quais os atlantes fabricaram e obtiveram energia serão encontrados na parte submersa do antigo continente, que fica parcialmente perto da Flórida, especificamente em Bimini, onde um dos templos está localizado”. Para a revelação do vidente, não se pode deixar de pensar se o templo referido por Edgard Cayce correspondia à pirâmide submersa descoberta pelo Dr. Ray Brown, e se um de seus sistemas de obtenção de energia também não seria a descoberta do Esfera de quartzo única, esculpida com maestria pelas mãos de um artífice, uma vez que não é possível à natureza oferecer quartzo perfeitamente esférico.

Embora Cayce não tenha feito referência ao cristal de quartzo, ele mencionou um equivalente semelhante para obter energia, chamando pedras atômicas àquelas que, de acordo com sua visão, capturavam energia solar refletida pelo espelho da Lua. As pedras em questão estavam localizadas dentro de uma cúpula em forma de pirâmide, e na parte superior a pirâmide possuía estrias ou aberturas deslizantes que, por meio de observatórios astronômicos, permitiam distribuir energia em todas as direções, de acordo com a preferência. do manipulador. Curiosamente, a descrição detalhada das pedras atômicas, nomeadas para o vidente, eram realmente cristais cilíndricos esculpidos em várias facetas. De acordo com Cayce, A parte superior foi esculpida por uma lapidação de gemas e servia para concentrar a energia dentro do cilindro de vidro. A multiplicidade de usos do cristal vista por Cayce foi interpretada como uma descrição ingênua dos raios laser, desconhecidos na época de Cayce.

[1] Este material foi fornecido a mim pelo meu amigo Xentor Xentinels , a quem agradeço por sua contribuição.


{N.T.: Nos registros de um antiquíssimo Templo budista em LHASA, no TIBET, há para ser visto uma antiga inscrição caldéia inscrita cerca de 2.000 anos a.C. (ou mais antiga ainda…) onde se pode ler:

Quando a estrela Baal caiu sobre o lugar onde agora é só mar e céu, as sete cidades com suas portas de ouro e seus templos transparentes tremeram e balançaram como as folhas de uma árvore na tempestade. E eis que um dilúvio de fogo e fumaça surgiu a partir dos palácios, a agonia e os gritos da multidão preencheram o ar. Eles procuraram refúgio em seus templos e cidadelas e o sábio Mu, o hierático sacerdote de Ra-Mu, se levantou e lhes disse:

“Será que eu não previ tudo isso”?

california-mega-earthquake-terremoto-2018

E as mulheres e os homens em suas roupas brilhantes e elegantes, usando suas pedras preciosas se lamentavam:

“Mu, salve-nos.”

E Mu respondeu:

“Vocês morrerão junto com os seus escravos e suas riquezas materiais e de suas cinzas surgirão novas nações. E se eles (a civilização ATUAL) também se esquecerem que são superiores, não por causa do que eles usam ou possuem, mas do (bem e a Luz) que eles colocarem para fora de si mesmos, a mesma sorte  vai cair sobre eles!”

As chamas e o fumo sufocaram as palavras de Mu. A terra das sete cidades e seus habitantes foram despedaçados e engolidos para as profundezas do oceano revolto em poucos dias”.}

Deus é a Verdade e a Luz é Sua sombraPlatão


Mais informações sobre ATLÂNTIDA-AGHARTA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

2 Responses to Esfera de Cristal descoberta dentro de pirâmide submersa no Triângulo das Bermudas (Atlântida)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.