Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XXXVII)

Livro “The Real History Behind the Templars”, de Sharan Newman,  nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada. 

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE TRÊS  – CAPÍTULO TRINTA E SETE

Marguerite Porete

A mística belga Marguerite Porete pode parecer uma pessoa estranha para se incluir em um livro sobre os Templários. Ela nunca foi para a Terra Santa. Ela pode nunca ter conhecido um Templário. Mas o destino deles afetou o dela da maneira mais desastrosa possível.

Marguerite fazia parte de um grupo de leigos conhecidos como Beguines. O movimento foi mais forte nos Países Baixos, mas alcançou toda a Europa. Os beguines viviam nas cidades em casas comunais, trabalhavam fora ou pediam esmolas e reuniam seus bens para o bem comum. 

Suas crenças religiosas variavam de um desejo completamente ortodoxo de viver uma vida religiosa semimonástica a revelações profundamente místicas, às vezes heréticas. Embora o movimento tenha sido condenado no Concílio de Viena, sobreviveu até o século XX. Algumas de suas casas, ou beguinarias, foram transformadas em museus.

Muitos místicos beguines eram reverenciados localmente e aceitos pela hierarquia da Igreja. Marguerite não era uma delas. Ela vagava, pregando sua crença no Espírito Livre (outro movimento herético condenado no Concílio de Viena ) e explicando às pessoas que a alma pode alcançar a união com Deus sem a orientação do que ela chamou de “a pequena igreja”.

Agora, em primeiro lugar, ninguém deveria pregar publicamente sem permissão do bispo local e as mulheres não tinham permissão para pregar, pelo menos não fora da família. Marguerite não só o fez, como também escreveu um livro sobre suas experiências místicas, O Espelho das Almas Simples . O livro foi condenado e queimado pelo bispo de Valenciennes em 1306. Destemida, Marguerite submeteu o livro a três estudiosos da Universidade de Paris, cada um dos quais disse que o livro não continha nada herético.

Os mestres da universidade aparentemente estavam ganhando bastante reputação por decidir questões de religião. Filipe, o Belo, foi até eles várias vezes em suas tentativas de justificar a prisão e os julgamentos dos Templários. Então Marguerite deve ter se sentido segura na aprovação deles enquanto continuava com seu trabalho.

No entanto, em 1308, o confessor de Filipe, Guillaume de Paris, que também era o inquisidor papal, conseguiu uma cópia de O Espelho das Almas Simples. A essa altura, ele ficou frustrado com a falta de entusiasmo do Papa Clemente V em condenar os Templários. Ao contrário dos mestres da universidade, Guillaume encontrou várias passagens heréticas no livro de Marguerite. Ele a trouxe a Paris para ser interrogada.

Marguerite, que havia falado o que pensava para todo mundo durante anos, recusou-se a dizer qualquer coisa aos inquisidores. Após um ano e meio de prisão sem se defender, ela foi condenada em 9 de junho de 1310 e queimada na fogueira no dia seguinte. 

Isso foi menos de um mês depois que o arcebispo de Sens ordenou a queima de cinquenta e quatro templários. Foi sugerido que “por causa de seus atos de intolerância contra os Templários, o rei da França enfureceu o Papa”. Filipe pode ter esperado que Clemente estivesse pronto para seguir o rei em todas as coisas, mas pode ter se preocupado que a queima tenha levado o papa longe demais.

Portanto, Filipe e Guillaume precisavam de um exemplo de um verdadeiro herege, alguém que havia ridicularizado abertamente a autoridade da Igreja. Marguerite foi uma escolha perfeita. Ela era um espírito livre em muitos aspectos, não ligada a um convento ou a uma família importante. E seu trabalho pode ser visto como decididamente heterodoxo.

Mas ela teria sido queimada se o caso dos Templários não estivesse indo tão mal? Eu suspeito que não. É mais provável que seu livro tenha sido queimado e ela tenha sido trancada em algum lugar. Por outro lado, Marguerite também representou um interesse crescente entre os leigos letrados em compreender a fé por conta própria. 

Essa independência ameaçava a estabilidade de toda a sociedade, não apenas a da Igreja. As várias reformas na Igreja nos duzentos anos anteriores enfatizaram as devoções pessoais. Muitas pessoas estavam tentando entender as crenças que haviam sido ensinadas. Marguerite era uma das mais vocais, mas não estava tão sozinha quanto se sentia.

Prova disso é que, embora todas as cópias de The Mirror of Simple Souls fossem entregues e destruídas, várias pessoas as guardaram. É um testemunho de seu trabalho que foi traduzido para o inglês, italiano e latim (!). Claramente suas experiências místicas tocaram uma ampla gama de pessoas. 

Será que Marguerite caiu em uma armadilha preparada para os Templários ou ela e os Templários foram apanhados em um pânico geral por parte dos que estavam no poder? Eles foram acusados ??de heresia por causa de provas válidas ou porque essa era a acusação mais provável de ser levada a sério, dado o clima da época?

Eu honestamente não sei. Mas é algo para se pensar.


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *