Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XXXVIII)

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cavaleiros-templarios-gif.gif

Livro “The Real History Behind the Templars”, de Sharan Newman,  nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada. 

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templars

Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE TRÊS  – CAPÍTULO TRINTA E OITO

Quem eram os templários?

Embora existam alguns homens notáveis ??que se tornaram Templários, e ocasionalmente um dos Templários de base foi escolhido para aprovação por um cronista para a glória de sua morte, na maioria das vezes os Templários pareciam intercambiáveis. Isso foi intencional. Ao contrário dos cavaleiros seculares, eles não deveriam estar interessados ??em fama pessoal. Eles não eram apenas soldados, mas monges guerreiros. Suas vidas combinavam a disciplina de uma unidade do exército no campo de batalha com o rigor do horário monástico de oração oito vezes ao dia.

Regra dos Templários nos diz como deve ser a vida cotidiana de um monge guerreiro da ordem. É claro que havia uma grande diferença entre a vida daqueles que estavam de serviço nos reinos latinos e aqueles que nunca deixaram o Ocidente. Mas a Regra nos dá um padrão que todo Templário deveria seguir. É provável que, quando não estão ativamente na batalha, a maioria deles fez o possível para mantê-la.

Como eles se pareciam? Em primeiro lugar, ao contrário dos cavaleiros e cortesãos dândi do século XII, barbeados com longas madeixas encaracoladas, os Templários usavam cabelos curtos e barbas bem aparadas. A Regra Latina, escrita por monges regulares de clausura, deixa claro que eles não deveriam se vestir nos estilos mais recentes. Os monges desprezavam particularmente a moda dos rostris , ou sapatos com dedos longos e pontudos e cadarços, “que obviamente são uma moda pagã”. Suas roupas devem ser simples e úteis, sem peles ou babados. Como os monges, as roupas não eram suas, mas distribuídas pelo Draper, a quem foi dito para se certificar de que elas servissem para que nenhum irmão parecesse um tolo em algo muito longo ou muito curto.

Também como outros monges, os Templários faziam suas refeições juntos e em silêncio. Por causa da quantidade de energia extra que eles precisariam, eles podiam comer carne três dias por semana, exceto em alguns dias de festa. Eles podem tomar vinho antes de dormir, mas com moderação. Ao se deitarem, sempre deve haver uma luz acesa, “para que os inimigos sombrios não os atraiam para o mal”.

Muitas das regras foram elaboradas para garantir que os irmãos não tivessem chance de qualquer tipo de contato sexual, com homens ou mulheres. Eles sempre deveriam ir em pares, ou mais, mas, se parassem em uma estalagem, não deveriam entrar nos quartos um do outro. Essa regra me intriga porque a maioria das estalagens não tinha quartos privativos — alguém poderia muito bem ter sido convidado a dividir a cama com um estranho. Ou os monges que escreveram esta regra não saíram muito ou o dinheiro dos Templários estava indo para o melhor alojamento disponível.

Suas vidas diárias eram baseadas nas do mosteiro. Levantaram-se a meio da noite para as orações das Matinas. Ao amanhecer, rezavam as orações da Prime e depois ouviram a missa. Pararam para as outras seis orações, terminando com as Completas, após as quais não puderiam falar até as matinas seguintes.

Compreendia-se que poucos dos irmãos teriam o latim para recitar os salmos do Ofício Divino ou mesmo poder lê-los em francês. Então eles só precisavam ouvir o padre recitar e dizer o Pai Nosso treze vezes em cada uma das horas. Ao final de cada Ofício, os frades recebiam as ordens necessárias ou anúncios importantes.

Depois das Matinas, muito antes do amanhecer, os Templários não voltavam para a cama antes de verificarem seus cavalos e equipamentos, consertarem tudo o que fosse necessário e conversarem com seus escudeiros sobre quaisquer outros problemas. Então eles poderiam voltar para a cama até o sol nascer.

Em vez dos deveres monásticos usuais, como copiar manuscritos ou trabalhar no jardim, os Templários no campo passavam a maior parte do tempo livre cuidando de suas armaduras e cavalos. O cuidado dos cavalos era uma grande preocupação. O monge Odo de Deuil, que acompanhou Luís VII na Segunda Cruzada, ficou impressionado com a forma como os Templários mantinham seus cavalos alimentados, embora eles próprios estivessem famintos. 

A Regra dava orientações para alimentação e exercício dos cavalos e para o treinamento militar.  O Templo em Londres tinha um campo em frente à comenda templária que provavelmente era usado para justas e outros exercícios, de modo que não apenas os irmãos que serviam no Oriente deveriam permanecer em treinamento.

023
Uma imagem idealizada do século XIX de um Templário. (Art Resource, NY)

Como em um mosteiro ou um exército moderno, um Templário estava estritamente sob a autoridade do mestre. Ele tinha que pedir permissão para fazer quase qualquer coisa e era esperado que obedecesse a uma ordem instantaneamente, dizendo: “ De par Dieu ” – “Pelo amor de Deus”.

Uma concessão que os escritores das últimas seções da Regra tiveram que fazer foi sobre o jogo. Os jogos de azar eram a segunda recreação mais popular para os soldados medievais e, como os Templários haviam jurado castidade, o primeiro estava fora de questão. Assim, a regra número 317 deu limites ao que o Templário pode apostar. 

Parece que a ideia era deixá-los jogar sem arriscar nada. Por terem feito voto de pobreza, não tinham dinheiro, então estavam proibidos de apostar qualquer coisa valiosa, como uma sela. Em vez disso, eles podiam apostar com estacas de barraca ou pedaços de vela ou corda desgastada de uma besta. Eles não deveriam jogar xadrez ou gamão.

Esses homens cresceram em uma sociedade onde todos jogavam jogos de azar. O fato de que a Regra teve que se curvar um pouco para acomodar isso mostra o quão arraigada a vida cavalheiresca estava nos homens que escolheram se tornar Templários.

Havia uma grande diferença entre as vidas dos Templários no Oriente e no Ocidente. Com exceção da Península Ibérica, os Templários que viviam nas várias comendas Templárias espalhadas pela Europa e pequenas casas nunca viram combate. A vida deles era muito mais parecida com a dos monges que viviam no campo perto deles. Esses homens tinham duas tarefas principais: recrutar cavaleiros para enviar a Jerusalém ou Acre e trazer o dinheiro para sustentá-los.

Em Paris e Londres, especialmente, alguns Templários tornaram-se conselheiros financeiros dos reis. Mas ainda temos apenas alguns de seus nomes, nenhuma noção de quem eles eram. Acho que isso ocorre porque a maioria dos Templários não estava no mesmo nível social dos homens que os contrataram. 

Mesmo os cavaleiros que usavam o manto branco tendiam a vir da baixa nobreza. Os sargentos só precisavam ser nascidos livres para entrar na ordem. No final das contas, com poucas exceções, a nobreza considerava os Templários em Paris e Londres nada mais do que funcionários públicos.

É possível dar uma imagem de alguns dos Templários, principalmente a partir de cartas.

TEMPLÁRIOS INDIVIDUAIS

Uma das coisas incomuns sobre os Templários é que os homens poderiam se juntar à ordem por apenas um período limitado de tempo. Um dos que o fizeram foi um cavaleiro chamado Humberto de Beaujeu. Humberto era filho de Guichard, senhor de Beaujeu, na Borgonha, e Lucienne de Rochefort. A data de seu nascimento não é conhecida, mas muitos afirmam ser entre 1115 e 1120. Ele assinou com Luís VII para seguir a Segunda Cruzada. Ele ia viajar para a Terra Santa com seu sogro, Amadeus III de Saboia, mas uma noite teve uma visão que o avisava para ir sozinho. Não está muito claro qual desastre a visão esperava. Amadeus III, que também era tio de Luís VII, estava trazendo uma enorme força para a expedição. Amadeus e Luís compartilharam os desastres da viagem através da Anatólia e estavam entre aqueles que foram muito à frente, causando o massacre da retaguarda de Luis VII na Turquia. Mas o próprio Amadeus sobreviveu à cruzada e morreu de febre em Chipre.

Quando Humberto, viajando sozinho, chegou a Jerusalém, juntou-se aos Templários, embora fosse casado. Ou ele disse a eles que era solteiro ou se ofereceu para assinar um termo e mentiu sobre ter a permissão de sua esposa. Ele deve ter servido com eles apenas durante a cruzada, pois estava de volta à Borgonha em 1150. Ele pode ter acompanhado o Grão-Mestre Everard de Barres, que retornou ao Ocidente por volta dessa época.

O pai de Humbert, Guichard, havia entrado no mosteiro de Cluny, perto de Macon, na Borgonha, em 1137 e Humbert era aparentemente muito ativo na área, mantendo a paz e se livrando de bandidos e ladrões. Everard pode não ter querido que o senhor de Beaujeu deixasse os Templários. É sempre difícil perder um trabalhador entusiasmado. O abade do mosteiro, Pedro, o Venerável, era a favor de livrar a Terra Santa dos sarracenos, mas os saqueadores da Borgonha, embora de nome cristão, estavam muito mais próximos e representavam uma ameaça imediata para ele e seus monges.

O abade Peter escreveu a Everard, implorando-lhe que libertasse Humbert dos Templários para que ele pudesse continuar a proteger Cluny e a região circundante. Esta é outra razão pela qual penso que Humbert foi um Templário temporário. O abade de Cluny não teria sugerido fazer alguém revogar um voto monástico. Mas se Humbert tivesse prometido servir a ordem por um curto período de tempo e tivesse saído antes que o tempo acabasse, Pedro poderia ter considerado sua necessidade maior do que a dos Templários.

Ele aponta para o mestre que, enquanto todos os homens bons estavam lutando, os maus ficaram para trás para atacar os inocentes. Mas Humbert, “que recentemente voltou do exterior e voltou ao nosso bairro para cuidar da terra, para regozijo geral”, agora é capaz de proteger viúvas, órfãos e monges indefesos.

Então Humbert não permaneceu nos Templários. Ele ficou em Beaujeu, onde foi ativo na limpeza de criminosos de sua terra. Ele também era conhecido por suas batalhas com seu filho, Humberto IV, que provavelmente desejava que o velho tivesse ficado em Jerusalém. Sua briga foi finalmente resolvida pelo bispo de Lyon, que arbitrou sua paz:

Entre todas as desgraças que atingiram nossa região, deve-se colocar em primeiro lugar aquela agitação (tempestas illa), aquela guerra impiedosa que Humberto de Beaujeu e seu filho travaram um contra o outro, e que os homens quase se desesperaram de ver terminar… Finalmente] O pai recebeu o filho como seu herdeiro natural, e como o legítimo senhor depois dele de todo o seu feudo e domínio de Beaujeu, e jurou-o perante todas as testemunhas. O filho, por sua vez, o homenageou. E foi assim que, por nossa mediação, o jovem Humbert devolveu ao pai a maior parte da senhoria sobre a qual havia posto a mão.

O jovem Humbert morreu na Terceira Cruzada. Seu pai morreu por volta de 1192, no final dos anos setenta ou início dos oitenta. Espero que ele tenha sido corajoso até o fim.

Humbert é um bom exemplo de como os Templários não eram apenas homens que desistiram de famílias e do mundo. Não consegui encontrar nenhuma indicação de que ele tenha mantido contato com os Templários locais após seu retorno, mas isso pode ser devido à falta de registros. O fato de seu filho ter participado da próxima cruzada implica que Humbert acreditava na causa, embora o jovem Humbert não tenha seguido o exemplo de seu pai e se juntado aos Templários.

MAS em alguns casos, os Templários eram um assunto de família. Um dos doadores mais importantes para uma Comenda dos Templários em Richendes foi o senhor local, Hugo de Boubouton. Em 1136, ele e seu sobrinho, Bertrand, junto com muitos de seus amigos e vizinhos, deram aos Templários uma parcela bastante grande da terra. Para ter certeza de que ninguém contestou isso, eles tiveram o bispo de St. Paul Trois Châteaux, Pons de Grillon, testemunhando. Dois anos depois disso, Hugo, com sua esposa, filho e sobrinho, entre outros, deu mais terras ao Templo. No dia seguinte, Hugh tornou-se um Templário. Ele acabou se tornando o comandante de Richendes. 

O exemplo de Hugh parece ter inspirado seu filho, Nicholas. Em 3 de dezembro de 1145, tornou-se também templário, apesar dos protestos de sua mãe, que finalmente se convenceu a aceitar sua decisão. Ele deve ter sido filho único, pois ele deu o restante da propriedade da família para a ordem, pois, como ele citou, “Ninguém pode ser meu discípulo a menos que desista de tudo o que possui”.  Restou o suficiente para sustentar sua pobre mãe, Marchesa. É de se perguntar como ela passou o resto de sua vida, pois fica claro no documento que Nicholas sabia como sua decisão a havia prejudicado.

Neste caso, podemos sentir a profunda dedicação religiosa de Hugh e seu filho. Eles tinham posições e propriedades, mas abriram mão delas para lutar pela “causa” de Deus. Não há indicação do que motivou suas decisões, mas a devoção religiosa é óbvia. É uma das incógnitas tentadoras que torna a pesquisa histórica tanto excitante quanto frustrante. Imagino Hugo ficando no comando enquanto Nicolau partiu para Jerusalém, talvez para morrer em uma das batalhas da Segunda Cruzada ou em alguma escaramuça sem importância. Será que Hugh se arrependeu de ter encorajado seu filho? Sua esposa voltou a falar com ele? Não há como saber.

Talvez se tivéssemos mais dessas imagens pessoais dos Templários e suas famílias, não haveria tantos contos imaginários sobre as suas vidas e os seus feitos.


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *