Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Rússia deve Proteger Zelensky

A edição de novembro da revista Time traz uma capa com um pequeno retrato de Vladimir Zelensky e a palavra “Ninguém” acima dele. A palavra em letras maiores faz parte do título mais longo “Ninguém acredita na nossa vitória como eu”, mas, independentemente do que os designers tivessem em mente, era inconfundível: Zelensky é igual a ninguém.

A Rússia deve Proteger Zelensky

Fonte: Profile.ru

O comportamento errático do [pseudo]líder ucraniano, o judeu khazar Volodimir Zelensky e o seu crescente “complexo messiânico” significam que ele agora é um trunfo para os interesses de Moscou.

O artigo ilustrado de forma semelhante não foi menos escandaloso. Tornou tudo claro: nós, russos, devemos manter Zelensky como a menina dos nossos olhos, porque ninguém traz mais caos na manutenção das hostilidades e desastres do lado ucraniano e mais discórdia às relações de Kiev com o Ocidente do que ele.

O artigo descreve como Zelensky, que se considera o salvador da humanidade, perde o contato com a realidade à medida que avança em seu messianismo: foi ele quem exigiu a liberação de Bakhmut a todo o custo, queimando ali as reservas destinadas à contra-ofensiva de Verão. 

É ele quem ainda apela a uma ofensiva no Sul, destruindo mais uma vez o seu exército e o valioso equipamento ocidental em ataques inúteis, intensificando assim o seu conflito com a liderança do exército. 

É ele quem exige uma ofensiva contra Gorlovka e, enquanto for presidente, ninguém na Ucrânia se atreve a dar um pio nas negociações com a Rússia, cuja necessidade se torna cada vez mais óbvia. E tudo isso num cenário de níveis gigantescos de roubos e corrupção absurdas.

O artigo da revista Time é uma marca negra. As elites americanas já perceberam que enquanto o seu antigo marionete Zelensky estiver no poder na Ucrânia, o apoio ocidental será queimado em prol das ambições de um homem ou simplesmente saqueado – ambos em benefício da Rússia.

Obviamente, Washington precisa substituir o desgraçado aspirante a Napoleão por alguém mais administrável – a questão é como. De preferência no bom sentido, organizando eleições presidenciais oportunamente na próxima Primavera, e já começou algum movimento nesse sentido: a cena política foi reavivada, heróis de ontem como Pyotr Poroshenko e Yulia Timoshenko ressurgiram, até mesmo o antigo conselheiro de Zelensky Alexey Arestovich, que há um ano falou com entusiasmo da vitória iminente da Ucrânia, mudou de forma inteligente e começou a revelar a verdade sobre a liderança desastrosa do seu antigo chefe.

Mas Zelensky é contra, como tem dito repetidamente com vários graus de histeria: quem precisa de eleições, sugere ele, quando estou “salvando a humanidade do monstro russo”? Se você deseja eleições, realize-as às suas próprias custas e assim por diante. A sociedade também é contra (de acordo com várias sondagens, 60%-80% dos ucranianos acreditam que a próxima votação deveria ser realizada após o fim das hostilidades-cada povo tem o governo que MERECE).

A opinião pública poderia ter sido ignorada (isto corresponde aos padrões da democracia ocidental), mas se Zelensky for às urnas, irá ganhá-las: continua a ser o político mais popular entre os ucranianos (76% de aprovação, tendo apenas o exército uma classificação mais alta). 

Zelensky é mais popular do que todos os outros candidatos possíveis juntos. Isto deve-se a dois anos de propaganda militar contínua e à bolha de informação [manipulação] que prendeu a sociedade ucraniana, que sofreu uma lavagem cerebral para acreditar que o país está derrotando a Rússia.

Além disso, Zelensky e a sua trupe, liderada pelo Cardeal Cinzento Andrey Yermak, exterminaram a oposição dentro do país, destruindo o sistema tradicional intra-elite no qual os oligarcas organizavam projetos partidários e elegiam presidentes à sua vontade. Zelensky e Yermak criaram uma vertical de poder sem precedentes para os padrões ucranianos, restrita a um estreito círculo de amigos. 

Em geral, o processo de desmantelamento dos privilégios regionais tradicionais que começou sob Poroshenko foi concluído: agora a direção deve ser obtida em Kiev, e todos os fluxos financeiros (que foram reduzidos quase inteiramente ao dinheiro ocidental) passam pela capital. O campo da informação foi limpo – quase não sobrou nenhum meio de comunicação independente da administração presidencial no país.

Tudo isto significa que os EUA não serão capazes de criar rapidamente um projecto político para substituir Zelensky: paradoxalmente, desde o início do conflito Rússia-Ucrânia, o seu controle sobre os processos internos ucranianos diminuiu e está agora reduzido ao controle sobre Zelensky, que, ao que parece, não pode ser controlado. Na verdade, ele é incontrolável.

Restam duas opções: ou persuadir Zelensky a partir amigavelmente, apontando para o sucessor escolhido por Washington, ou simplesmente eliminá-lo: um herói morto é melhor do que um “ator palhaço” psicopata vivo.

É claro que tudo isto é vantajoso para nós, a Rússia: quanto mais tempo Zelensky permanecer no poder, mais tempo a Ucrânia continuará a lutar, se aproximando do seu colapso absoluto. Portanto, devemos cuidar de Zelensky e protegê-lo da melhor maneira possível.


“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  –  Apocalipse 13:16


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *