A Terceira Guerra Mundial agora é inevitável – veja por que ela não pode ser evitada

Se você tem a “sensação” de que os Globalistas estão realmente pressionando pela Terceira Guerra Mundial atualmente, você não está sozinho. Nos últimos meses, houve vários casos de autoridades europeias e norte-americanas insinuando a possibilidade de um novo recrutamento militar, a UE falou abertamente sobre mandar soldados para a Ucrânia, funcionários da OTAN declararam inequivocamente que NÃO aceitarão uma derrota da Ucrânia para os russos e o Kremlin alertou mais uma vez que as armas nucleares estão sobre a mesa se as tropas ocidentais entrarem na guerra.

A Terceira Guerra Mundial agora é inevitável – veja por que ela não pode mais ser evitada

Fonte: Alt-Market.us – De autoria de Brandon Smith

Funcionários judeus khazares, como o secretário de Estado Antony Blinken, que controlam o governo dos EUA afirmou recentemente que a Ucrânia irá aderir à OTAN, uma das linhas vermelhas na areia para a Rússia.

Depois, há Israel e Gaza. Avisamos meses atrás num artigo  ‘É uma armadilha! A onda de repercussões enquanto o Oriente Médio trava a “última guerra”’  que a guerra em Gaza se expandiria para um conflito multifrontal que provavelmente incluiria o Irã.

Também avisei que seria benéfico para Israel se o Irã entrasse na guerra porque isso forçaria os EUA a envolverem-se diretamente como um estado lacaio dos interesses dos judeus khazares sionistas. É certo que o Irã já se envolveu em ataques por procuração contra Israel através do Líbano, mas o ataque direto de Israel à “embaixada” ou estação diplomática iraniana na Síria basicamente garante que o Irã se comprometerá agora diretamente com ataques contra alvos israelitas.

Por outras palavras, tal como na Primeira Guerra Mundial, a situação está diariamente sendo agravada pelas elites políticas, apesar do fato de o público em geral no Ocidente se opor cada vez mais à participação no conflito. Os globalistas querem enviar-nos para uma guerra global, é parte de sua agenda de despopulação planetária, gostemos ou não. Todas as decisões que tomaram até agora tornam impossível uma resolução pacífica de qualquer conflito por eles mesmos criados.

Uma graça salvadora que talvez seja nova em toda a história da geopolítica é que o público ocidental está muito mais desperto e consciente do fato de que não é necessariamente o seu “dever” lutar cegamente quando o seu governo os apela a fazê-lo. As redes sociais também proporcionaram uma plataforma para as pessoas expressarem amplamente as suas preocupações e dúvidas sobre a guerra, enquanto no passado os opositores sentiam-se isolados.

Obviamente, parte disto baseia-se puramente no medo – uma grande percentagem da Geração Z [de Zumbis] não está equipada mental, intelectual ou fisicamente para ir para a guerra, razão pela qual mais de 70% dos potenciais recrutas militares hoje são rejeitados antes mesmo de chegarem ao campo de treino.

Estes são muitos dos mesmos jovens ignorantes e mentalmente controlados que afixam bandeiras ucranianas nos seus perfis nas redes sociais e mergulham de cabeça na retórica anti-russa, mas agora que se deparam com a possibilidade de terem de se sacrificar pela Ucrânia, estão furiosos e aterrorizados.

No entanto, há também um grande contingente de homens capazes (e na sua maioria conservadores) com formação e aptidão para o combate que ainda não querem nada com a Ucrânia. A razão é simples:  eles sabem que os governos ocidentais de extrema esquerda e os globalistas querem usá-los como bucha de canhão para se livrarem deles. Uma vez esgotados na guerra, não restará ninguém que se oponha à tomada de poder pela esquerda em casa e no planeta inteiro.

Para a maioria de nós na América, a Ucrânia é irrelevante e estamos cansados ​​das intermináveis guerras dos sionistas judeus khazares no Oriente Médio. Seja de esquerda ou de direita, não temos interesse em lutar pelo “Povo Eleito” e seu “deus”. Mas isso não terá grande importância, pelo menos em termos de prevenção de uma guerra global.

Fomentando o medo na Europa

A guerra com a Rússia dependerá mais do envolvimento europeu do que do envolvimento dos EUA.  Embora os EUA tenham sido, de longe, o maior fornecedor de armamentos à Ucrânia e especialmente para Israel, acredito que o objetivo final dos globalistas seja integrar as tropas europeias na frente ucraniana, o que seria uma declaração automática de guerra global.

A base para a mobilização de tropas da Europa é a propaganda da “teoria do dominó”. Ouvimos um pouco disso aqui na América, mas nem de longe no mesmo nível que a população da UE. Os governos afirmam que o objetivo da Rússia é limpar a Ucrânia como um caminho para invadir o resto da Europa. Esta é a mesma afirmação usada como justificação para a guerra dos EUA no Vietnam: “Se deixarmos um país cair nas mãos do inimigo, todos os países vizinhos também cairão”.

Tanto a liderança ucraniana como a da OTAN sugerem que a guerra deve continuar na Ucrânia para a conter. Não houve qualquer discussão séria sobre diplomacia, o que é totalmente bizarro tendo em conta os riscos envolvidos. Uma proposta de paz deveria ter sido apresentada no momento em que a guerra começou e deveria ter havido esforços contínuos para chegar a um acordo. Em vez disso, mesmo as conversações de paz limitadas foram frustradas pelos marionetes europeus em cargos públicos antes de realmente começarem.

É muito mais provável que um recrutamento militar na Europa tenha sucesso, dada a natureza socialista da população e o fato de apenas uma pequena percentagem de civis estar armada para se defenderem. Mesmo com um movimento de protesto público, tenho poucas dúvidas de que os governos da UE conseguirão assegurar uma força suficientemente grande para enviar para a Ucrânia e intensificar a guerra contra uma Rússia armada até os dentes e com o maior arsenal atômico do planeta.

De acordo com as evidências, é claro que algumas tropas da OTAN já foram enviadas para a Ucrânia e estão lá há algum tempo. Como observei em artigos anteriores, as estratégias utilizadas durante o primeiro contra-ataque ucraniano eram demasiado avançadas para que as tropas e a liderança ucraniana pudessem avançar sem ajuda externa. As táticas anti-blindagem, em particular, eram muito familiares; semelhante em execução às táticas usadas pelas forças especiais dos EUA e da Grã-Bretanha. Não é de surpreender que, assim que as taxas de recrutamento de mercenários estrangeiros diminuíram, o ímpeto da Ucrânia fracassou.

Os russos provavelmente estão bem conscientes desta situação, mas enquanto grupos mais pequenos de soldados puderem ser enviados sob o disfarce de forças mercenárias, não há muito que possam fazer a respeito. É o inevitável desdobramento aberto dos batalhões da OTAN que é motivo de maior preocupação.

Não há base para a narrativa do dominó. Nem uma única vez a Rússia indicou, desde o início do conflito, que pretende invadir a UE. Na verdade, Putin afirmou há muito tempo que a guerra na Ucrânia tem como objetivo proteger os separatistas da região de Donbass da represália ucraniana e sobre a contínua escalada do armamento da OTAN.

Deixando de lado as minhas suspeitas sobre as ligações de Putin aos globalistas, se olharmos para a guerra a partir de uma análise básica de custo/benefício, não há realmente nada que a Rússia possa ganhar ao ameaçar a Europa.

Depois, há o problema da logística. Se a Rússia está supostamente em dificuldades na Ucrânia, como poderia ter os meios para lutar numa frente alargada contra o poderio militar combinado da Europa e dos EUA? O único resultado final seria uma guerra nuclear, que ambos os lados perderiam. Mas se você olhar a situação de forma objetiva, existe um pequeno grupo de pessoas que tem muito a ganhar

Ataques ao interior russo aceleram

Ataques menores contra suprimentos e infra estrutura russos, bem como contra civis, aumentaram no mês passado. O ataque terrorista em Moscou (que a inteligência dos EUA atribui ao ISIS) resultou na morte de pelo menos 140 pessoas e os ataques de drones estão ameaçando os depósitos e refinarias de petróleo, juntamente com outros recursos. No grande esquema da guerra, estes ataques são inconsequentes, mas conduzirão, sem dúvida, a um bombardeamento extensivo de cidades ucranianas e à desativação adicional da infra-estrutura ucraniana. A energia, a água e outros serviços públicos serão destruídos e resultará numa crise de recursos.

Em comparação com a invasão do Iraque pelos EUA, a Rússia conseguiu manter um número muito baixo de baixas civis na Ucrânia. Mas cada novo ataque em solo russo instiga uma retaliação russa maior. E talvez este seja o objetivo – fazer com que os russos destruam um centro populacional ucraniano maior, dando assim à OTAN uma desculpa para enviar tropas para a região.

Irã e o imperativo do petróleo

No Oriente Médio, o principal motor do envolvimento internacional é o petróleo. Todos nós sabemos disso. Mas o acesso ao petróleo não é o objetivo final da guerra em Gaza, apenas um mecanismo para envolver os EUA e países, como o Irã visados por Israel.

Vou reiterar aqui que não me importa qual lado iniciou a luta ou até onde o conflito supostamente remonta na história. Isto é irrelevante. O que sei é que o Hamas iniciou esta guerra em particular matando civis em Israel e não se deve começar uma guerra a menos que esteja disposto a aceitar as consequências. Dito isto, considero suspeito que as medidas defensivas de Israel tenham sido tão inúteis em 07 de outubro que eles ficaram completamente inconscientes da incursão do Hamas até que fosse tarde demais.

Em qualquer caso, a conflagração certamente trará outros elementos militares maiores. O Irã vai entrar na briga agora, não há como evitar. Isto poderá acontecer primeiro sob a forma de guerra econômica, e o Estreito de Ormuz é o alvo mais provável. Fechar 30% do tráfego petrolífero mundial seria desastroso para o Ocidente. Assim, a entrada da América no conflito de interesse de Israel também está garantida.

O fator inflação, as eleições nos EUA e como os globalistas se beneficiam

‘Dementia’ Joe Biden tem lutado nos últimos três anos para manipular os preços do petróleo para baixo, despejando reservas estratégicas no mercado. Ao manter artificialmente os preços do petróleo baixos, ele mantém os preços da energia baixos e, ao manter os preços da energia baixos, reduz o crescimento do IPC.

Os ataques ucranianos aos depósitos de petróleo russos ajudaram a aumentar os preços do gás no mês passado, exatamente porque o petróleo russo ainda está sendo comprado pelos países ocidentais através de canais secundários. Não se pode simplesmente cortar um dos maiores fornecedores de energia do mundo sem enormes efeitos nos preços da gasolina na bomba. E estes ataques estão revelando quão sensível é o mercado petrolífero à menor ameaça ao abastecimento.

Qualquer grande conflito no Oriente Médio selará o acordo e os preços dos combustíveis explodirão. A inflação não será apenas a sentença de morte da presidência de Biden (assumindo que as eleições presidenciais ainda aconteçam), será a sentença de morte dos esquerdistas e globalistas em geral, A MENOS que consigam adiar uma calamidade econômica maior até que tenham um bode expiatório, ou, até que possam iniciar uma guerra massiva.

Esse bode expiatório será Trump e os conservadores, ou a Rússia e os BRICS (ou ambos). Se Trump substituir Biden em 2025, então um colapso será rápido e garantido e será atribuído aos movimentos conservadores. Se Biden permanecer em um colapso, será mais lento, mas ainda assim sofrerá um forte impacto depois que a culpa puder ser atribuída às guerras crescentes.

Depois, há o cenário de globalistas garantirem uma guerra ANTES das eleições nos EUA ocorrerem. Talvez com a intenção de impedir ou atrasar a votação. Talvez com a intenção de criar caos suficiente para que a votação possa ser fraudada, ou dar a impressão de que foi fraudada, desencadeando agitação civil. Talvez com a intenção de declarar a lei marcial.

Obviamente, é aqui que os globalistas se beneficiam; quer impedindo os conservadores de tomarem o poder, quer envolvendo os conservadores numa calamidade global pela qual eventualmente serão culpados. Tenha em mente que qualquer oposição conservadora/independente ao establishment globalista pode agora ser acusada de “conluio russo”.

Qual é o valor disso? Bem, é uma estratégia antiga para demonizar os lutadores pela liberdade – se eles forem vistos pelo público como concidadãos que lutam pelos seus direitos, então poderão ser tratados como heróis. Mas, se forem pintados como ativos estrangeiros e terroristas que procuram desestabilizar a sociedade, então o público vê-os como vilões. É apenas mais uma vantagem que explica porque é que os globalistas parecem tão empenhados em criar uma guerra mundial o mais rápido possível.

Acredito que a razão pela qual o sistema está pressionando tanto para a Terceira Guerra Mundial é, em parte, devido às próximas eleições e também porque a sua agenda covid falhou. Os bloqueios da Covid e o sistema de passaporte de vacinas foram a sua grande jogada para criar um ambiente autoritário permanente com a capacidade de esmagar grupos conservadores que se recusaram a submeter-se. E não importa como você o faça, eles não conseguiram o que queriam. A guerra mundial é o Plano B natural.

É importante compreender que todas as crises criadas pelos globalistas têm como objetivo destruir os que pensam na liberdade e são livres. O verdadeiro alvo não é a Rússia ou o Irã; eles são MEIOS periféricos. Estes eventos são concebidos para criar um ambiente propício à tirania, funcionam como cobertura para o colapso econômico planejado e funcionam como cobertura para a guerra REAL contra aquelas pessoas que ainda defendem a liberdade.

Poderíamos dizer que a Terceira Guerra Mundial já começou, pelo menos em termos econômicos.  Também duvido muito que o fim do jogo para os globalistas seja uma troca nuclear mundial; por que passar décadas construindo uma enorme rede de controle apenas para vaporizar tudo em segundos? Penso que o perigo da guerra cinética está aumentando vertiginosamente e que os cidadãos dos EUA e da Europa serão diretamente afetados. Será necessário um movimento de resistência considerável para mudar o caminho que somos forçados a seguir, e as coisas vão piorar muito antes de melhorarem.

Uma resposta

  1. Interessante que em nenhum momento o autor do texto critica a expansâo territorial de Magogue (Russia) e suas invasôes a Georgia e Ucrania. Para o autor do texto, é tudo culpa do ocidente. Será que essa pessoa em algum momento consegue pensar de acordo com a verdade? Se conseguisse, seria liberta, pois “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará´” (João 8:32). O fato do autor do texto apoiar Magogue (Russia), e ser contra Israel,a “Embaixada” Annunnaki na terra, já demonstra de que lado ele está, e não é do bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth