browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Verdade por trás das ‘Teorias da Conspiração’ derrubaria Governos e Deep State

Posted by on 09/07/2021

Se os americanos [e demais povos do planeta] conhecessem as verdades sobre o que há muito tempo é chamado de “Teorias da Conspiração”, os políticos americanos, o Estado -Deep State -Profundo e vários governos enfrentariam situações há muito atrasadas e que seriam bem merecidas. Eles não querem que você saiba que há alguma verdade por trás de quase todas as ‘Teorias da Conspiração’ 


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Verdade por trás das ‘Teorias da Conspiração’ derrubaria políticos, governos, globalistas, oligarcas, Deep State, et caterva

Por Kalbo para Allnewspipeline.com

Espalhe a palavra. Fique informado. Esteja preparado. Permaneça vigilante. Fique à frente da curva. Permaneça flexível. Tenha um plano de backup. “Siga o dinheiro”. Não caia na narrativa “Mainstream”. Determine quem se beneficia. A resistência é sempre maior quando você ultrapassa o alvo. Para revelar seu controlador, descubra quem você não pode criticar. 

(ANP: Esta história é um segmento, o primeiro, de uma série de várias partes sobre ‘a verdade por trás do que são chamadas de teorias da conspiração’ por Kalbo.)

O termo “Teoria da Conspiração” é usado por aqueles que estão no poder para difamar e denegrir qualquer questionamento de suas Atividades Criminais. É o equivalente a encerrar o debate chamando o partido da oposição de racista. Quando uma pessoa é pega traindo seu cônjuge ou em uma missão de trabalho, ela geralmente tenta esconder sua culpa com raiva ou ridicularizando o revelador. Para descobrir a verdade de qualquer coisa, procure perceber onde você recebe mais resistência … você agora está sobre o alvo, basta “cavar”. 

De acordo com a obra Twentieth century words (“Palavras do Século 20”), de John Ayto, o termo “teoria da conspiração” era originalmente neutro e somente adquiriu uma conotação pejorativa em meados dos anos 1960, insinuando que o defensor da teoria possuísse uma tendência paranoica de achar que os eventos são influenciados por alguma agência secreta, maliciosa e poderosa. Em seu livro Teoria da Conspiração na América, publicado em 2013, o professor da Universidade do Estado da Flórida, Lance DeHaven-Smith, afirma que a expressão “Teoria da Conspiração” foi inventada na década de 1960 pela CIA para desacreditar as teorias conspiratórias sobre o assassinato do ex-presidente norte-americano John F. Kennedy.

Abaixo estão segredos, vários crimes e acobertamentos que foram considerados e especialmente rotulados como “Teorias da Conspiração”.  Eu ofereço uma contra teoria para cada evento, apoiada por fatos revelados lentamente ao longo do tempo pelos envolvidos, documentos desclassificados, declarações de testemunhas suprimidas ou excluídas e evidências pouco conhecidas ou ocultadas.


“Teorias da Conspiração” que desvelaram grandes golpes

Assassinato / golpe removendo JFK : JFK foi assassinado em Dallas, Texas, em 22 de novembro de 1963. Ele foi baleado na cabeça e no pescoço.

Versão oficial: Lee Harvey Oswald atirou em JFK do 6º andar do Texas School Book Depository, agindo sozinho. Ele então fugiu, matou o oficial JD Tippit e se escondeu em um teatro, onde foi preso. Ele foi posteriormente morto por Jack Rubenstein (Ruby) enquanto estava sendo transferido para outra prisão. Jack Ruby fez isso devido à sua “raiva” pelo assassinato de JFK.

A verdade: Oswald estava trabalhando para a CIA como um agente de baixo escalão. Ele havia sido designado para os movimentos anti-Castro como seu disfarce. JFK desconfiava do poder da CIA e expressou seu desejo de “quebrá-la em mil pedacinhos”. JFK acabara de demitir Allen Dulles, o chefe da CIA, por causa da fracassada invasão cubana da Baía dos Porcos. LBJ [Lyndon Baines Johnson] era o vice-presidente e odiava os Kennedys. JFK odiava LBJ desde que LBJ forçou seu caminho para o Bilhete Democrata de 1960 para VP ao ameaçar revelar à imprensa que JFK tinha a doença de Addisons e era viciado em analgésicos e anfetaminas. JFK já havia expressado sua decisão à liderança do Partido Democrata de que não teria LBJ na chapa de 1964. LBJ também não gostava de ser o número 2 em qualquer situação.

O chefe do FBI era J Edgar Hoover. Ele estava andando devagar na repressão ordenada contra a Máfia por JFK e seu irmão Robert F. Kennedy [RFK], o procurador-geral. Isso ocorreu porque Hoover foi chantageado pela Máfia com provas da homossexualidade de Hoover. Hoover também temia ser demitido por JFK.

O assassinato foi referido como “O Grande Evento”, conforme revelado por E Howard Hunt, em um momento perto de sua morte em 2007. O Gerente de Projeto da CIA era George Bush Sênior. A CIA emprestou Oswald ao FBI para a operação.

Hoover cuidava de Oswald pessoalmente, encontrando-se com ele à noite, em locais isolados, sempre na imponente limusine preta do FBI. Oswald tinha medo de Hoover. Hoover designou Oswald para trabalhar no depósito de livros, um trabalho pelo qual Oswald não gostava e se sentia abaixo de sua posição. LBJ estava no controle total do ambiente político no Texas, tendo sido um congressista e senador do Texas desde 1937. LBJ tinha acumulado seguidores leais por meio de nomeações políticas, favores e distribuição generosa de dólares dos contribuintes.

LBJ estava enfrentando uma possível renúncia ou impeachment na época devido ao Escândalo Bobby Baker, que estava sob investigação pelo Comitê de Regras do Senado. LBJ também sabia que JFK o estava retirando da chapa como vice-presidente para as eleições presidenciais de 1964.

JFK havia começado sua campanha pela reeleição e estava em uma viagem de campanha a Dallas quando o assassinato ocorreu. Havia dois homens armados, Malcolm Wallace na janela do 6º andar e o outro na colina gramada atrás do muro baixo, vestido com um uniforme do DP de Dallas. O tiro na cabeça veio da colina gramada. Malcolm Wallace era o assassino pessoal de LBJ e matou pelo menos 5 outros homens sob as ordens de LBJ. A impressão digital de Wallace foi supostamente encontrada no “ninho de atirador” no 6º andar do Texas Schoolbook Depository.

A comitiva entrou em Dealey Plaza, JFK estava no carro da frente, o segundo carro era o do Serviço Secreto e o terceiro carro era e LBJ e LadyBird. Fotos da carreata, tiradas 30 segundos antes, e a um quarteirão da praça, mostram que LBJ se abaixou no chão da limusine, deixando LadyBird parecendo confusa.

George Bush Sr. foi fotografado do lado de fora do depósito de livros imediatamente após o evento. Ele também foi entrevistado pela Polícia de Dallas, o que foi registrado em um relatório policial.

Oswald estava fazendo uma pausa na hora do evento, bebendo um refrigerante no refeitório. Sendo um experiente agente da CIA, ele reconheceu que pode ter sido colocado por Hoover no depósito para ser feito de bode expiatório, já que ele conhecia essas táticas. Oswald também sabia que o melhor bode expiatório é um bode expiatório. Oswald então saiu e dirigiu seu carro, indo para casa. O oficial JD Tippit, com ordens de matar Oswald, estava esperando que Oswald fosse embora. Tippit o seguiu, eventualmente parando no trânsito. Tippit hesitou em atirar em Oswald, permitindo que Oswald reagisse atirando em Tippit e o matasse. Houve várias testemunhas disso, que então observaram Oswald caminhando para o cinema. Ele fez isso sem pagar os 10 centavos de entrada. O caixa chamou a polícia.

Más notícias para os conspiradores. Oswald ainda estava vivo e falando com a polícia. Jack Ruby, dono de um bar em Dallas, era uma fonte confidencial do FBI e servia como um canal para mensagens de Hoover para Oswald. Ruby e Oswald foram vistos conversando no bar no dia anterior ao Grande Evento. Jack Ruby foi designado para matar Oswald. Ruby atirou em Oswald quando ele estava sendo transferido para outra prisão. Não se sabe se o tiro no abdômen matou Oswald, pois esses ferimentos nem sempre são fatais. É possível que Oswald tenha sido “ajudado” a morrer enquanto estava na ambulância.

O encobrimento foi realizado pelo FBI assumindo a investigação e apreendendo todas as evidências do que foi apenas um crime estadual de homicídio. A autópsia foi realizada pela Marinha dos Estados Unidos, por um médico que nunca havia feito uma autópsia anteriormente. As fotos da autópsia foram encenadas e os ferimentos alterados ou ocultados para esconder evidências. As balas gastas foram plantadas, uma na maca do hospital. O rifle do depósito foi trocado. As fotos originais mostram um rifle WW2 Mauser 98, 8 mm. O rifle foi trocado por um rifle Mannlicher-Carcano de 6,5 mm. O pára-brisa da limusine de JFK foi substituído para esconder um buraco de bala.

A Comissão Warren foi criada para investigar / encobrir o evento. O chefe da investigação era Allen Dulles, o ex-chefe da CIA que JFK havia demitido meses antes. Gerald Ford foi nomeado para a comissão por LBJ e estava ciente do encobrimento. O presidente Nixon sabia da conspiração e escolheu Ford como seu novo vice-presidente depois que Agnew renunciou, porque então Nixon teria vantagem sobre  Ford. Mais tarde, Nixon usaria essa vantagem para pressionar Ford a perdoá-lo após sua renúncia em 1974.

LBJ usou o sistema de gravação que JFK instalou na Casa Branca. Há uma fita de uma conversa entre LBJ e Hoover no dia seguinte ao evento. Nele, eles discutem o evento, como está ocorrendo o encobrimento e como proceder a partir daqui. Ele está disponível na Biblioteca Presidencial Johnson.

Desconhecido para o público americano em geral e nunca mencionado nos livros de história é o fato de que um Grande Júri do Texas indiciou postumamente e considerou Lyndon Johnson culpado como co-conspirador; por meio de sua associação com Malcolm Wallace, Billie Sol Estes e Edward Clark; nos seguintes nove (9) assassinatos:

  • O assassinato de Henry Marshall (o Secretário da Agricultura)
  • A morte de George Krutelnik (um informante do FBI que trabalhava para Estes)
  • O assassinato de Ike Rogers e sua secretária
  • A morte de Harold Orr (um informante do FBI que trabalhava para Estes)
  • A morte de Coleman Wade (um informante do FBI que trabalhava para Estes)
  • O assassinato de Josefa Johnson (irmã do próprio LBJ!)
  • O assassinato de John Kinser (namorado de Josefa)
  • O assassinato do Presidente John Kennedy

Quem se beneficiou: Longa lista aqui … LBJ naturalmente. Seu escândalo Bobby Baker foi embora “para que o país pudesse se curar”. Hoover manteve o emprego até a morte, processando apenas os ocasionais mafiosos desfavorecidos. Dulles se vingou, a CIA permaneceu intacta e a Guerra do Vietnã foi acelerada para grande satisfação da indústria de defesa americana, o Complexo Industrial Militar e do alto escalão militar.

Navio USS Liberty: O USS Liberty foi um navio espião eletrônico da Marinha dos EUA que foi atacado pela Força Aérea e a Marinha de Israel durante a Guerra dos Seis Dias de 1967 entre Israel e Egito.

Versão Oficial: O ataque foi um caso de erro de identidade dos israelenses devido à “névoa de guerra”.

A verdade: LBJ era presidente e ainda gravava conversas e telefonemas com o sistema de fita instalado por JFK. Há uma gravação na Biblioteca Johnson que revela a traição de LBJ neste incidente.

A gravação começa com LBJ sendo informado de que o Embaixador de Israel está esperando para vê-lo. O encontro acontece, e o embaixador relata que seu governo quer afundar o USS Liberty para culpar o Egito [típico False Flag Attack – Ataque de Falsa Bandeira] e depois trazer os EUA para a Guerra dos Seis Dias, agora em andamento. LBJ, a princípio, fica furioso com a sugestão de matar marinheiros americanos, mas é lembrado pelo embaixador que LBJ deve sua presidência a Israel e eles estão aqui para cobrar. LBJ submete.

Assim que o ataque começa, o USS Liberty pede ajuda da frota. Por duas vezes a frota envia aeronaves para ajudar o Liberty, mas LBJ ordena que os aviões sejam chamados de volta. O primeiro recall foi solicitado por meio de canais e comunicações militares. Quando o almirante comandante enviou aeronaves pela segunda vez, LBJ ligou pessoalmente para o almirante por telefone e ordenou-lhe que devolvesse os aviões. Essa conversa também está gravada na biblioteca Johnson.

Assassinato de Robert [Bob] F. Kennedy: RFK foi morto em junho de 1972 em Los Angeles após um comício de campanha após as primárias presidenciais da Califórnia.

Versão oficial: RFK foi baleado por Sirhan Sirhan, um imigrante palestino, na cozinha do hotel. Não havia outros envolvidos.

A verdade: o revólver de 8 tiros e 22 cal de Sirhan havia disparado apenas 2 tiros. Havia 13 buracos de bala nas paredes e no teto da cozinha. RFK estava de frente para Sirhan, mas foi baleado atrás da orelha à queima-roupa. O tiro veio do guarda-costas de Kennedy ou de um assassino designado, com a cooperação dos guarda-costas. A sala estava lotada de repórteres e câmeras. Um fotógrafo estava agachado em cima da geladeira e fez um filme de todo o evento, desde a entrada de RFK na cozinha, até o momento em que a polícia / FBI apreendeu sua câmera. Todas as câmeras e fotografias foram apreendidas pela polícia e as imagens não foram divulgadas ao público.

RFK tinha sido o procurador-geral do governo de seu irmão JFK. A investigação do assassinato de JFK foi retirada do Departamento de Justiça, contornando RFK, e entregue à Comissão FBI / Warren, controlada por LBJ, Hoover e Dulles. Os assassinos estavam no controle da investigação de seu próprio crime.

RFK estava convencido de que LBJ tinha desempenhado um papel no assassinato de seu irmão, mas não foi capaz de provar isso. Há um vídeo de RFK perguntando a LBJ “Por que você matou meu irmão?”, Ao que LBJ o golpeia com um gesto de mão, ri e se afasta.

RFK concorreu ao Senado de NY e venceu em 1964. RFK então iniciou a corrida à presidência nas primárias de 1968, vencendo em muitos estados. Ele ainda precisava reunir votos de delegados abertos na Convenção Democrata para ganhar a nomeação democrata para a candidatura à presidencia dos EUA.

Se eleito presidente, RFK certamente teria levado adiante a apuração do assassinato de JFK.  Naqueles dias, havia muitas mortes estranhas acontecendo a qualquer pessoa ligada ao assassinato ou ao encobrimento do mesmo. As testemunhas estavam sendo eliminadas uma a uma.

Quem se beneficiou: Principalmente LBJ e seus co-conspiradores no assassinato de JFK. Richard Nixon se beneficiou por ter um oponente fraco na corrida presidencial em 1968, George McGovern, mas é improvável que Nixon tivesse qualquer parte ou conhecimento do plano para matar RFK.

A Morte de Vince Foster: Vince Foster era um advogado em Arkansas, que havia trabalhado com Hillary Clinton na Rose Law Firm. Ele serviu como vice-conselheiro da Casa Branca durante os primeiros seis meses do governo Clinton. Ele morreu em 20 de julho de 1993 de um “aparente suicídio”.

Versão oficial: Vince Foster dirigiu seu carro até o Ft Marcy Park, caminhou 100 metros até uma área espessa e deu um tiro na boca com um revólver 38.

A verdade: Vince Foster foi morto por ordem dos Clintons, quando ficou claro que ele não estava à altura da tarefa de ocultar a corrupção dos Clintons e planejava retornar ao Arkansas. Vince Foster tornou-se uma ameaça ambulante para os Clintons quando decidiu romper com seu controle direto. Vince Foster sabia onde muitos esqueletos de Clinton estavam enterrados e poderia testemunhar contra eles pressionado pela aplicação da lei.

Enquanto estava sentado em seu carro no estacionamento da Casa Branca, ele foi baleado no queixo e pescoço com uma pistola 22 com silenciador, quebrando-a pela janela do motorista. Ele foi então enrolado em um tapete, colocado em uma van e levado ao parque para ser descartado. No caminho para o parque, ele foi baleado na boca por uma pistola calibre 38 com silenciador. Seu carro foi levado para o parque com sangue ainda nos bancos e no painel. Seu corpo foi carregado no tapete através do mato e jogado fora. O tapete foi retirado de cena. A testemunha que encontrou o corpo, não viu nenhuma arma nas proximidades, mas horas depois, uma “pistola” foi deixada no local e colocada em sua mão.

A testemunha foi fortemente pressionada pelo FBI para mudar sua história. Nenhuma impressão digital foi encontrada no exterior da arma, mas duas impressões foram encontradas na parte inferior das alças removíveis. As impressões não foram identificadas como sendo de seu dono. O médico que respondeu à cena disse que viu uma pistola automática, não um revólver. Outra arma trocada? A “arma de queda” era preta, enquanto a própria arma de Foster era prata. A família Foster não conseguiu identificar a arma de queda como a arma de Vince.

Resíduos de pólvora foram encontrados nos óculos de Foster, que foram encontrados a 19 pés [5,70 metros] de distância do corpo. Provavelmente os óculos foram jogados ali depois de despejar o corpo e remover o carpete.

A residência do Embaixador Saudita ficava apenas a uma curta distância. Os guardas da residência não ouviram nenhum disparo de arma de fogo. Os sapatos de Foster não tinham grama ou sinais de que ele havia andado depois de sair do carro. Suas mãos tinham queimaduras de pólvora nas palmas (defensivas) em vez de no dorso dos dedos (ofensivas). Ele poderia ter estado consciente quando foi baleado pela segunda vez na van.

Seu escritório, uma cena de crime, foi esvaziado de todos os documentos pela equipe da Casa Branca. Dois dias depois, após de já ter sido revistado duas vezes, uma nota de suicídio datilografada foi encontrada na pasta de Foster. A nota foi rasgada em 28 pedaços, apenas 27 dos quais foram encontrados. Nenhuma impressão digital foi encontrada na nota de suicídio. A área de assinatura inferior direita era a peça que faltava.

O presidente Clinton ordenou que a Polícia do Parque investigasse o suicídio. A Polícia do Parque não havia investigado nenhum homicídio anteriormente. Crimes em propriedade federal são atribuídos ao FBI. Clinton tinha maior controle da Polícia do Parque do que do FBI.

A Polícia do Parque tratou o incidente como suicídio desde o início e, portanto, não o investigou como um possível assassinato, deixando de rastrear a arma, fazer a perícia de balas, investigar a quebra da janela do motorista (a reconstrução teria revelado um buraco de bala), e entrevistar o guarda da Divisão de Uniformes do Serviço Secreto que fez um registro em seu relatório de guarda, que havia um cadáver em um carro com uma janela quebrada do motorista estacionado no estacionamento da Casa Branca. As fotos da autópsia e os raios X do crânio de Foster sumiram.

Quem se beneficiou com a sua morte : Hillary e Bill Clinton conseguiram silenciar um possível elo fraco em seu sindicato do crime.


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda mantem o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.