Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

África em Rebelião: uma ‘Segunda Libertação’ Anticolonial está no horizonte ?

Após uma série de golpes, um país após o outro está se movendo para expulsar os vestígios de antigos impérios…[Europeus]. A África é o berço da civilização humana e o continente mais rico do planeta em termos de recursos naturais. Mas, segundo o capitão Ibrahim Traore, presidente de Burkina Faso, as gerações mais jovens não conseguem entender por que, apesar de suas imensas riquezas, a África  continua sendo a região mais pobre do mundo.

África em Rebelião: uma ‘Segunda Libertação’ Anticolonial está no horizonte ?

Fonte: Rússia Today

Em todo o continente africano, vimos revoltas e rebeliões armadas de líderes militares anticolonialistas que buscaram recuperar sua soberania das potências imperialistas européias, particularmente da França.

Guiné, Burkina Faso, Mali e Níger são apenas alguns dos países que compõem o coletivo das ex-colônias francesas na África Ocidental. Eles serviram por muito tempo como a principal fonte de recursos naturais para a França e outras potências europeias. 

O Níger fornece 15% do urânio necessário para os reatores nucleares franceses. Burkina Faso é um importante exportador de ouro, enquanto a Guiné é um ponto de entrada e saída crucial para o comércio entre a França e suas ex-colônias. O Mali é outro grande exportador de ouro e tem sido um campo de batalha onde o governo lutou contra vários grupos islâmicos armados.

O mapa da África Ocidental começou a mudar radicalmente em 2021. Como dominós, os regimes pró-franceses começaram a cair para levantes militares, começando com Mali em maio de 2021 e o golpe liderado por Assimi Goita, que imediatamente exigiu que os militares franceses deixassem o país

A República Centro-Africana também expulsou as tropas francesas em junho de 2021. Isso foi seguido pelo golpe militar na Guiné por Mamady Doumbouya, um ex-legionário francês, em setembro de 2021.

Um ano depois, Traore tornou-se o presidente mais jovem do mundo após tomar o poder em Burkina Faso e expulsou os militares franceses em janeiro de 2023. Finalmente, a rebelião militar no Níger em 26 de julho liderada por Abdourahamane Tchiani, agora assumindo a presidência, também expulsou as forças francesas e proibiu a exportação de urânio para a França.

O caso de Burkina Faso e Traore é particularmente interessante. Durante sua recente viagem a São Petersburgo para a cúpula Rússia-África, Traore fez um discurso no qual chamou a Rússia de parte da família africana. Ele condenou o saque do continente pelas potências europeias e encerrou com o slogan “Pátria ou morte! Nós venceremos!” – ecoando as palavras de Ernesto Che Guevara e o lema nacional de Cuba.

Muitos compararam Traore a Thomas Sankara, o líder revolucionário de Burkina Faso de 1983 a 1987, também chamado de “Che Guevara africano”. Sankara também expulsou as forças francesas, nacionalizou os recursos do país e implementou políticas socialistas de redistribuição, antes de ser assassinado em um golpe pró-francês.

Então, o que a França e seus parceiros [do Hospício ocidental] provavelmente farão agora? Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha já cortaram toda a ajuda ao Níger e seus aliados em resposta à proibição das exportações de urânio para a França. 

Em 30 de julho, a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), uma confederação que inclui muitas das ex-colônias da França, emitiu um ultimato ao Níger – Tchiani tinha uma semana para renunciar ou uma intervenção militar começaria com o apoio da França. A Nigéria, um importante aliado francês na região e líder da CEDEAO, foi escolhida como plataforma de lançamento para uma possível intervenção militar. 

No entanto, o senado da Nigéria rejeitou a exigência do altamente impopular presidente Bola Tinabu de autorizar uma ação militar contra seu vizinho. O ultimato expirou e o Níger passou a fechar seu espaço aéreo para qualquer aeronave comercial.

Os presidentes de Burkina Faso e Mali responderam que qualquer intervenção militar no Níger equivaleria a uma declaração de guerra contra eles. Mas os estados africanos também têm um ás na manga – sua longa amizade com a Rússia desde os tempos da URSS.

Delegações de 49 países africanos participaram da recente cúpula África-Rússia em São Petersburgo. O presidente russo, Vladimir Putin, declarou apoio à batalha da África contra o neocolonialismo, afirmando que Moscou cancelou  um total de US$ 23 bilhões em dívidas africanas e confirmando que mais de 50.000 toneladas de grãos serão entregues gratuitamente ao continente.

A amizade entre os povos da África e da Rússia remonta ao século XVIII. A história de Abram Gannibal, o general africano a serviço do exército russo e bisavô do lendário poeta Alexander Pushkin, está entre as partes mais fascinantes da tradição das relações russo-africanas. 

Trazido como uma criança escrava para Pedro, o Grande, de Constantinopla, ele foi libertado da servidão e educado no palácio do czar. Ele ascenderia não apenas para se tornar um oficial militar de alto escalão no exército russo, mas também tutor de um jovem Alexander Suvorov, o famoso general que derrotou o Império Otomano em duas guerras, entre outras realizações.

No crepúsculo da disputa pela África, apenas uma nação permaneceu independente no meio do mar de conquistas coloniais europeias – a Etiópia. A tentativa de invasão e subjugação italiana terminou em um fracasso catastrófico para os colonizadores da bota, com a Rússia fornecendo assistência crucial à nação etíope lutando por sua soberania e independência. 

A União Soviética tornou-se o “arsenal dos oprimidos” para muitas jovens nações da África que buscavam sua independência de seus senhores coloniais, pois as armas e munições produzidas na URSS eram entregues às muitas forças revolucionárias e anticoloniais da região, como o O MPLA em Angola, o ANC na África do Sul, o PAIGC e o seu líder Amílcar Cabral na Guiné-Bissau, e muitos outros. A memória desta solidariedade ainda está fresca na memória de muitos africanos, jovens e idosos.

O apoio e a admiração pela Rússia ecoam por todo o continente africano, além das ex-colônias da França. Durante a manifestação de massa dos Combatentes da Liberdade Econômica da África do Sul, o líder do grupo, Julius Malema, condenou as ações da França no continente e proclamou: “Nós somos Putin e Putin somos nós! E nunca apoiaremos o imperialismo contra o presidente Putin!” 

Um verdadeiro senso de mudança parece estar varrendo a África [e grande parte do planeta], para bem longe dos antigos colonizadores europeus e em direção a um novo mundo multipolar.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *