Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Agenda Globalista: Cidades-Prisão de ’15 minutos’ e o Fim da Propriedade Privada

“Voce não terá nada e será feliz”: Como regra geral, considero que sempre que o público examina qualquer agenda específica promovida pelos globalistas via políticas de governo e, a sua primeira resposta é reagir indignado, tal como um psicopata narcisista faria quando está tramando alguma coisa e é apanhado. “Como você ousa” questionar as intenções deles e sugerir que elas possam ser nefastas.

Agenda Globalista: Cidades-Prisão de ’15 minutos’ e o Fim da Propriedade Privada

Fonte: Alt-Market.us

Como você ousa sugerir que eles são outra coisa senão amorosos e benevolentes?

Nossos “líderes” sempre quiseram o melhor para nós, certo?

Eles só querem que nossas vidas se tornem mais seguras, mais confortáveis ​​e mais convenientes – Isto é o que realmente motiva o elitista médio, certo?

Obviamente que os fatos contam-nos uma história muito diferente, e fico perplexo quando alguém tenta argumentar que as coisas são diferentes hoje em comparação com há 100 anos, há 300 anos ou há 1000 anos. Pois não há nada de novo sob o sol. Sempre haverá tiranos psicopatas tentando obter cada vez mais poder e esses tiranos sempre mentirão para o público, alegando que são boas pessoas e tendo os “nossos melhores interesses” em suas mentes doentias.

Quando isso não funciona mais e os cidadãos mais conscientes permanecem céticos e críticos, os tiranos atacam, acusando o público de “teoria da conspiração”. O objetivo disso é zombar e envergonhar os pensadores livres e levá-los ao silêncio – você não quer se destacar, certo? Por que correr o risco de ser excluído da sociedade? Por que arriscar se tornar um meme?

Esta tática está enraizada na noção de que as pre$$tituta$ dos meios de comunicação corporativos e os funcionários governamentais representam o mainstream e, portanto, representam a maioria, e a maioria representa a realidade. Nada disso é verdadeiro ou relevante, é claro. Somente os fatos importam

O sofisma não tem sentido. As opiniões não têm sentido. A verdade deveria ser o objetivo, e se não for o objetivo de alguém, então ele deve ser um fornecedor de mentiras e não deve ser levado a sério. Existem apenas dois caminhos a seguir, não há meio-termo.

Admito que há algum valor na acusação de “teoria da conspiração” porque sempre que o sistema a utiliza, é um sinal claro de que se está demasiado perto do alvo e agenda e que eles estão ficando nervosos. 

Eles poderiam simplesmente tentar delinear qualquer evidência que possam ter para provar que sua posição está errada, mas na verdade não fazem isso. Em vez de debater os seus argumentos e provas, eles tentam miná-lo como um crítico válido e inocular o público contra as suas ideias antes que as pessoas tenham a oportunidade de ouvi-las. Este é o comportamento de vilões, não de líderes benevolentes e atenciosos.

Menciono esta dinâmica porque existe uma agenda acima de todas as outras que é agressivamente defendida pelas pre$$tituta$ dos meios de comunicação social, e qualquer pessoa que a questione remotamente é automaticamente perseguida como um “maluco da conspiração” ou é um “negacionista”.  Estou, naturalmente, falando da agenda das alterações climáticas.

Desmenti  completamente  a ideia das alterações climáticas provocadas pelo homem em  artigos anteriores  e não vou perder mais tempo com isso aqui. Em vez disso, quero examinar o objetivo final das políticas relativas às alterações climáticas – a solução definitiva, que NÃO é salvar o planeta, mas sim dominar a população.

Os nomes usados ​​para a “reinicialização” das alterações climáticas variam, mas é frequentemente referida pelos globalistas e pela ONU como Agenda 2030 ou Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Estes programas apresentam uma fachada de ambientalismo, mas estão TODOS enraizados na economia e em ganhar dinheiro. 

Isto é, todos os esforços em matéria de alterações climáticas existem para destruir a indústria e o comércio e estabelecer uma parceria governo/empresa para dominar a produção. As alterações climáticas são um Cavalo de Tróia para introduzir o autoritarismo e controle total, até sobre o que voce come.

Acredito que um dos aspectos mais importantes da Agenda 2030 para os globalistas é algo chamado “Cidade dos 15 Minutos”um projeto que envolve centenas de presidentes de câmaras de cidades dos EUA, da Europa e da Ásia, trabalhando em estreita colaboração com grupos como o WEF-Fórum Económico Mundial. Qualquer menção a esta ideia de forma negativa e as pre$$tituta$ da  mídia irrompe  de raiva e  também de zombaria , como se não fosse uma questão real digna de debate.

O establishment pinta um quadro interessante das Cidades de 15 Minutos – Um futuro utópico em que tudo o que você precisa está a apenas uma curta caminhada e o transporte privado é supérfluo (ou proibido). Você pode até morar em um megacomplexo, parecido com um shopping gigante onde você também trabalha. Você poderia passar meses dentro de um quilômetro quadrado de espaço, sem nuncae precisar [ou ser autorizado a] sair para nada.

Não é nenhum erro que esta ideia tenha sido fortemente promovida durante os tirânicos lockdows e confinamentos pandêmicos covid-19. O público foi inundado pela propaganda do medo sobre um vírus com uma taxa de sobrevivência de 99,8% e esse medo tornou subitamente pensável a ideia impensável de ficar em casa o tempo todo. 

Os “especialistas” da comunicação social [mais pre$$tituta$ à serviço do poder] continuam a chamar a ligação entre os confinamentos covid-19 e os confinamentos climáticos como uma teoria da conspiração, mas  a ideia  é abertamente admitida nos  livros brancos da ONU e do WEF.

Algumas pessoas argumentam que a maioria das cidades já são “Cidades de 15 Minutos”, com necessidades todas atendidas a poucos passos de suas casas. Essas pessoas não entendem o que realmente é uma Cidade de 15 Minutos

Como apenas analisam, observam e aceitam as inúmeras descrições dos criadores do projeto, não percebem que não se trata apenas de conveniência ou acesso próximo, trata-se de mudar todos os aspectos de nossa atual filosofia e estilo de vida. Não se trata de ganhar comodidades, trata-se de fazer uma série de sacrifícios para apaziguar os deuses das emissões de carbono.

A Cidade de 15 Minutos é mais como uma receita, contendo todos os ingredientes das alterações climáticas e das agendas de bloqueio covid numa única visão distópica orwelliana abrangente. Inclui a remoção completa de todos os veículos motorizados, remoção de transportes e estradas privadas, cidade inteligente e monitoramento de IA do uso de eletricidade de cada pessoa, monitoramento do consumo de produtos e da “pegada de carbono”, vigilância biométrica dentro de uma paisagem urbana compacta e empilhada, o conceito de sociedade sem dinheiro, equidade e culto de inclusão, ‘acordada’, controle populacional, etc.

É o ponto culminante, o fim do jogo; uma enorme prisão sem grades, pelo menos no começo, as grades, literalmente, virão logo depois. Um lugar onde você está condicionado a se acostumar com limitações artificiais de privacidade, sem liberdades civis, sem propriedade privada e sem opções de trabalho ou mobilidade [direito de ir e vir quando quiser]. Você está vinculado à uma pequena porção de terra e a terra é propriedade do estado (ou de um conglomerado). Se você quiser uma comparação histórica, o mais próximo que posso encontrar é o sistema feudal da Europa Medieval.

Dentro destas cidades você é um mecanismo de trabalho, nada mais. Você nunca poderá possuir sua própria propriedade e, portanto, possuir seu próprio trabalho. Tudo o que você tem é dado a você pelo Estado e pode ser tirado pelo Estado se você o desafiar. Poderá conseguir deixar a aldeia ou comunidade a que está ligado durante algum tempo, mas isso mudará com o aumento das restrições ao movimento do público de acordo com os ditames da ideologia climática e mais controle sendo imposto.

Contanto que você seja produtivo e completamente submisso, você receberá as coisas de que precisa para sobreviver, mas nunca para prosperar. No caso de um sistema feudal tecnocrático, você não teria quaisquer garantias de que o Estado precisaria dos seus serviços. Pelo menos na Europa feudal, o camponês era visto como um recurso valioso devido à população limitada. Num mundo onde muitas pessoas são consideradas “excesso populacional” e comedores inúteis e hackeaveis, você poderia facilmente ser substituído e expulso da cidade para passar fome e morrer alhures.

Em 2016, o WEF-Fórum Econômico Mundial publicou um documento intitulado  “Bem-vindo a 2030. Não possuo nada, não tenho privacidade e a vida nunca foi melhor”.  O artigo pretendia promover um conceito chamado “economia da partilha” [Das Partes “Interessadas], que foi apresentado publicamente pela primeira vez à imprensa em Davos. O artigo descreve um futuro “hipotético” em que um sistema comunista acabou com toda a propriedade privada em nome de salvar o planeta das alterações climáticas provocadas pelo homem. 

Os benefícios para a plebe hackeável? Bem, como são todos os sistemas comunistas, a grande mentira é que você trabalhará menos e a maioria das coisas será de graça. É assim que os ideais coletivistas têm sido vendidos à população durante gerações e NUNCA funciona da forma que o sistema afirma porque a intenção é a escravização completa do indivíduo.

Os psicopatas do WEF, como Klaus Schwab e seu consultor favorito, Yuval Noah Harari, tem vindo a promover a economia partilhada há anos, mas quando esta se tornou popular e foi amplamente criticada como distópica, as pre$$tituta$ dos meios de comunicação mais uma vez acionaram o interruptor da “teoria da conspiração” e atacaram qualquer pessoa que expusesse as implicações entrelinhas.

Várias plataformas publicaram o artigo em 2016, mas muitas o retiraram desde então (a Forbes parece ter apagado a cópia publicada, por exemplo). Estão fingindo que a agenda nunca existiu, provavelmente porque o artigo contém algumas confissões reveladoras, incluindo uma alusão ao conceito da Cidade de 15 Minutos. Do artigo:

“ Minha maior preocupação são todas as pessoas que não moram em nossa cidade. Aqueles que perdemos no caminho. Aqueles que decidiram que era demais, toda essa tecnologia. Aqueles que se sentiram obsoletos e inúteis quando os robôs e a IA assumiram grande parte do nosso trabalho.  Aqueles que ficaram chateados com o sistema político e se voltaram contra ele. Eles vivem diferentes tipos de vida fora da cidade. Alguns formaram pequenas comunidades auto-suficientes. Outros apenas ficaram em casas vazias e abandonadas em pequenas aldeias do século XIX.

De vez em quando fico irritado com o fato de não ter privacidade real. Nenhum lugar onde eu possa ir e não estar sendo registrado. Sei que, em algum lugar, tudo que faço, penso e sonho fica registrado. Só espero que ninguém use isso contra mim”

Por outras palavras, os globalistas imaginam um futuro onde os pensadores livres descontentes e as pessoas substituídas pela IA fossem párias, arranhando e eliminando uma existência sem sentido nas terras devastadas do velho mundo. Para permanecerem no seio do novo mundo, ser-vos-á exigido que renunciem a toda a sua liberdade, até mesmo à liberdade de pensamento. Tenha em mente que este artigo pretende ser uma promoção “positiva” da economia partilhada e das cidades relacionadas com o gueto de 15 Minutos. No entanto, este trecho parece mais uma ameaça.

É importante compreender que estas cidades compactas não foram concebidas para o seu conforto. Elas não serão projetadas para que você possa ter todas as comodidades que tem hoje ao seu alcance, ao mesmo tempo que proporcionam “sustentabilidade”. É assim que os globalistas tentam vendê-la, mas não será assim. Em vez disso, estas cidades serão concebidas para melhor CONTROLAR a TODOS, para que possam ser forçados a fazer os sacrifícios que dizem ser necessários para que a sustentabilidade seja possível.

Elas são erroneamente chamadas de “comunidades descentralizadas”, mas são exatamente o oposto – são totalmente centralizadas, como uma gaiola de hamster onde você é o animal de estimação. A filosofia central por trás delas é a dependência e submissão total. Se você mora em um lugar construído especificamente para eliminar sua capacidade de se sustentar, então você é um escravo. Embora, sem dúvida, até a escravatura possa parecer nobre se as pessoas estiverem convencidas de que as suas correntes são necessárias para o bem do planeta.


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *