browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Antártida: Base Alien descoberta no Lago Vostok e sua estranha anomalia magnética (2)

Posted by on 09/09/2019

A inspiração para escrever este artigo começou no verão de 1996, quando uma série de mensagens de e-mail começou a aparecer em minha caixa, sugerindo a possibilidade de que “alguém” ou “alguma coisa” estivesse clandestinamente removendo todos os mapas recentes da Antártica. Intrigado com as declarações eletrônicas, liguei para a Penn-Oh-West Maps em Pittsburgh para verificar a disponibilidade das projeções de mapas da Antártica. A resposta do lojista foi surpreendente: “Desculpe senhor. Todos os nossos novos mapas de Polo Sul estão em ordem pendente.  Deve haver algum tipo de problema com o USGS.”

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Antártida: Vostok, o Lago das “Sombras” e estranha anomalia magnética

Por Scott Corrales – do site GreyFalcon – Fonte: https://www.bibliotecapleyades.net/antarctica/antartica09.htm

“Dúvida dos fatos reais, como devo revelá-los, é inevitável; no entanto, se eu suprimisse o que pareceria extravagante e incrível, não restaria nada”.  – HP Lovecraft


O artigo do professor DeLaurier discutiu a existência de uma estrutura tão vasta que desafiava a imaginação – um pedaço quase cilíndrico de um objeto medindo 65 milhas de comprimento por 65 milhas de diâmetro a uma profundidade impressionante de 80 milhas. A enorme estrutura havia sido detectada por equipamentos sísmicos localizados em Alert, uma das estações de alerta precoce à distância EUA-Canadá (DEW) no deserto do Ártico.

Estudos mostraram que o objeto, que abrangia o manto e a crosta terrestre, era a fonte de algum tipo de perturbação magnética – semelhante à situação encontrada na região do lago Vostok na Antártida, 30 anos depois – afetando o campo magnético na instalação Alert e “induzindo uma forte fluxo de eletricidade.”

Fontes oficiais não forneceram muita informação adicional sobre a situação do mistério da anomalia magnética existente na região do Lago Vostok, e a controvérsia e inúmeras teorias grassa em toda a Internet, enquanto centenas de diferentes opiniões se chocam sobre a natureza do que foi descoberto neste local remoto e esta sendo mantido em segredo fechado pelos governos.

Algumas pessoas acreditam que existe uma base construída sob o gelo antártico para abrigar até 2 milhões de pessoas. Pensa-se que, no final da Segunda Guerra Mundial, os nazistas se mudaram para a Antártida e finalizaram a construção de uma base subterrânea. Foi desenvolvida para ser ocupada principalmente por homens da elite da S.S.. À medida que os aliados se aproximavam cada vez mais de Berlim, Hitler também teria sido transferido para esta base da Antártida.

Diz-se que a localização desta base é sob o Lago Vostok . Este lago, do tamanho do lago Ontário, fica a cerca de 2 km abaixo do gelo da superfície. Ele contém formas de vida que não são conhecidas em nenhum outro lugar do planeta e está a uma temperatura relativamente confortável entre 50 e 65 graus Fahrenheit (10º e 18º C). Nada mal, considerando que a temperatura da superfície é de -60 graus F negativos (-51º C).

Em 1998 a NASA e o JPL estavam envolvidos em uma operação científica para explorar o Lago Vostok. Seu objetivo declarado era treinar astronautas para futuras missões nas luas congeladas de Júpiter. Parece que em 1998 as chances de qualquer nave tripulada chegar a Júpiter durante a vida dos homens treinados não seriam muito prováveis.

Em fevereiro de 2001, todos os trabalhos científicos e de perfuração no lago Vostok foram interrompidos abruptamente. A NASA e o JPL declararam que estavam desocupando a área e abandonando suas pesquisas. Eles apenas se levantaram e se afastaram de bilhões de dólares em equipamentos. Por quê? Porque eles estavam preocupados em danificar o meio ambiente natural.  Desde quando a NASA tem alguma consciência ‘Verde’? No entanto, eles não deixaram a base sem vigilância.

Muitos ficaram ponderando a importância das recentes visitas a Antárctica por altos funcionários e indivíduos proeminentes de governos que oferecem explicações das mais intrigantes para as suas viagens para o continente gelado. Em 9 de Novembro, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, pousou na Antártica. Ainda mais misterioso foi a evacuação médica do astronauta Buzz Aldrin para fora da Antártida, depois de uma visita surpresa, aparentemente para tornar-se “a pessoa mais velha a chegar ao Pólo Sul com a idade de 86 anos.” FONTE

Quando eles saíram, a nefasta agência de “segurança nacional”, a NSA entrou imediatamente.

Muitos outros eventos estranhos aconteceram na mesma época. Airlifts de emergência extraordinários e sem precedentes foram feitos para evacuar pessoal doente e mortos durante os meses do inverno de seis meses. Os cientistas descobriram estranhas anomalias magnéticas maciças sob o gelo no lago Vostok. Três desses mesmos cientistas morreram em ‘acidentes’ antes de poderem sair da Antártica.  Outro técnico aparentemente “ficou louco” e foi evacuado para a Nova Zelândia. Isso ocorreu, coincidentemente, logo depois que esse homem até então lúcido e racional divulgou publicamente notícias de avistamentos de grandes OVNIs na Base McMurdo.

O que poderia ter acontecido que provocou todas as pesquisas no local?

Um site acredita que uma civilização de Marte está lá embaixo. É provável que essa seja a base nazista que foi construída na guerra.

OVNIS SOBREVOANDO BASES NA ANTÁRTICA

Em declarações públicas oficiais, a Argentina e o Chile defendem solidamente a existência de imagens coloridas de OVNIs tiradas sobrevoando as suas estações científicas localizadas na Antártica. Além das notícias da imprensa anteriores, o Secretário da Marinha da Argentina confirmou estes detalhes:

“Em 3 de julho de 1965, um objeto voador gigante em forma de lente foi visto, rastreado e fotografado na base científica da Argentina, em Deception Island, na Antártica. O tenente Daniel Perisse, CO, confirmou pelo rádio que o grande OVNI pairava alternadamente, depois acelerava e manobrava em velocidades tremendas. Enquanto era rastreado pelo teodolito e observado através de binóculos, o objeto desconhecido causava forte interferência nos variômetros usados ​​para medir o campo magnético da Terra, além de ser registrado em fitas magnetográficas. Fotos coloridas foram tiradas através de um teodolito por um membro de um grupo visitante da base científica chilena.”

ufos-montanha-antartica

“Um dia ensolarado em Dezembro de 1995, Brian e sua tripulação de voo do Hércules C-130 estavam em uma missão desde a Estação McMurdo para o Pólo Sul. Eles estavam voando sobre as montanhas Trans Antárticas próximos à geleira Beardmore quando todos eles viram discos (UFOs) prateados brilhantes voando rapidamente e parando várias vezes ao redor dos picos das montanhas, mas nunca passando por cima da própria geleira”… FONTE

Também confirmando esses eventos, o Ministro da Defesa chileno desde Santiago acrescentou novas informações transmitidas pelo CDR. Mario Janh Barrera, CEO da base chilena:

“Em 18 de junho, um OVNI semelhante havia manobrado sobre a nossa área, e foi visto por todo o pessoal. Durante a observação de 3 de julho, o objeto estranho causou forte interferência de rádio, bloqueando temporariamente suas tentativas de relatar o OVNI às bases inglesa e argentina”.

Parece que algo GRANDE está acontecendo lá embaixo, acima, na superfície e abaixo do gelo, mas o quê?

Nas montanhas da loucura

O ritmo de encolhimento das geleiras da Antártica tem se acelerado. Especialmente nos últimos cinco anos, o encolhimento foi rápido. A Antártica é um continente, uma enorme área coberta de gelo. À medida que sua cobertura de neve desaparece, o que esse continente pode revelar? Estátuas do tipo Ilha de Páscoa? Ruínas do tipo Stonehenge?

Esta terra mais longínqua do hoje sul do planeta tem sido uma lousa em branco que convida a especulações. No estranho romance de Edgar Allan Poe, a Narrativa de Arthur Gordon Pym de Nantucket, o aventureiro descobre que, além de uma certa latitude, o clima começa a ficar mais quente na terra do gelo eterno!

Isso ecoa reivindicações em um livro posterior, The Hollow Earth , do Dr. Raymond Bernard. Dumbrova, um explorador russo, é citado como se referindo que,

“A memorável descoberta de 12 de dezembro de terras livre de gelo até então desconhecidas além do Polo Sul pelo capitão Sir George Hubert Wilkins”.

F. Amadeo Giannini confirmou “extensão indeterminável da terra sem gelo” no Pólo Sul em seu livro suprimido de 1959, Worlds Beyond The Poles .

Com base no trabalho anterior de Poe, HP Lovecraft contou uma história fantástica no seu, At The Mountains Of Madness. Uma expedição antártica encontra uma cidade perdida ciclópica que data de antes dos tempos pré-cambrianos. Dois exploradores que investigam hieróglifos estranhos em cavernas subterrâneas encontram pinguins albinos cegos, com 1,80 metro de altura. É desenterrada a evidência de uma civilização alienígena há muito desaparecida, que se retirara para a região polar. No subsolo, uma descoberta final deixa louco um dos exploradores e os dois escapam por pouco de perderem suas vidas.

Piramide-Antartica-antiga-civilização

A descoberta das ruínas de uma antiga civilização encontrada na Antártida, anterior ao dilúvio, com esqueletos gigantes e restos de uma avançadíssima tecnologia poderá ser revelada em breve

Mas pari passu com histórias tão fantasiosas surgiu outra prosa polar que não é definitivamente ficcional. Com tais relatos, é incerto onde o fato termina e a ficção começa. O guia essencial para várias literaturas intrigantes em relação a Antartida é Joscelyn Goodwin ‘s Arktos: O mito polar (1993). A história menciona uma expedição antártica alemã à terra da rainha Maud em 1938-1939, (a expedição do capitão Ritscher) que descobriu “um grupo de colinas baixas salpicadas de muitos lagos e completamente livres de gelo e neve”.

Um incidente chave posterior foi a rendição, em 1945, em Mar del Plata, Argentina, de um submarino alemão, o U-530. Este fato histórico também é coberto no livro Reich of the Black Sun por Joseph P. Farrell .

O Grande Almirante Karl Dönitz teria declarado, em 1943, que:

“a frota submarina alemã se orgulha de ter construído para o Führer, em outra parte do mundo, uma Shangri-La em terra, uma fortaleza inexpugnável”.

Mais tarde, nos julgamentos de Nuremberg, o almirante Dönitz se gabava da existência de “uma fortaleza invulnerável, um oásis paradisíaco no meio do gelo eterno”.

Em 2003, uma equipe da Operação Especial de Seals da Marinha dos EUA viajou para a Antártida para investigar uma estrutura perfeitamente octogonal de oito lados descoberta por um radar de penetração no solo próximo ao Glaciar Beardmore, a cerca de 93 milhas da Estação McMurdo Americana. FONTE

Em 1946, o governo dos EUA procedeu com urgência ao lançamento de uma expedição militar à Antártica: a “Operação Highjump”. A operação foi comandada pelo contra-almirante Richard E. Byrd . A expedição “cercou o território reivindicado alemão de Neuschwabenland (Nova Terra da Suábia)”. Após o reconhecimento aéreo de Byrd e outros, nos quais quatro embarcações de escolta desapareceram, e inúmeros soldados pereceram, o “projeto” foi interrompido abruptamente.

“Byrd foi devolvido a Washington DC, interrogado, e seus registros pessoais e operacionais permanecem classificados até hoje …”  (Farrell, op. Cit.)

Mas, antes da aparente repressão, surgiram relatos curtos, por exemplo, no jornal chileno El Mercurio, de Santiago. Farrell, em seu livro, reproduz um photostat do artigo, datado de 5 de março de 1947, por Lee van Atta, que havia acompanhado Byrd. Uma parte do artigo é traduzida da seguinte maneira:

Byrd me anunciou hoje que é necessário que os Estados Unidos efetuem medidas defensivas contra aeronaves inimigas vindos das regiões polares do sul e norte. O almirante explicou ainda que não tinha a intenção de assustar ninguém, mas a amarga realidade é que, no caso de uma nova guerra, os Estados Unidos estariam em posição de serem atacados por aeronaves que poderiam voar com velocidade fantástica de um polo para outro .

Outras partes do artigo El Mércurio:

  • O almirante Richard E. Byrd alertou hoje que é necessário que os Estados Unidos adotem medidas de proteção contra a possibilidade de invasão por aeronaves hostis originárias das regiões polares.
  • Byrd: “A pressão fantástica com a qual o mundo está lidando agora é uma lição objetiva aprendida durante a exploração antártica que está terminando”.
  • O almirante declarou a necessidade de permanecer “em estado de alerta e vigilância como a melhor proteção contra a invasão”.
  • Os comentários de Byrd são enigmáticos: eles alertam para a necessidade de se defender contra futuras tecnologias de armas ou contra algo já presente na sua época?

O editor da revista iconoclasta Ray Palmer comentou as descobertas feitas por Byrd, citando-o como tendo afirmado:

“Nós penetramos em uma terra desconhecida e misteriosa que não aparece nos mapas de hoje”.

Mais uma vez, a afirmação é relativamente mundana ou tem um significado mais profundo. Volte agora às notícias de que o encolhimento das geleiras da Antártica está se acelerando. Um pontinho na tela do radar para muitos; evidência de problemas ambientais para alguns; repleto de significado potencial para outros: algo está cozinhando ali no gelo, que esta derretendo nas montanhas da loucura?

O Mapa de Piri Reis de 1.513 mostra a Antártida SEM SUA COBERTURA DE GELO

Em 1929, durante as reformas do antigo Palácio Imperial no que hoje é Istambul (anteriormente Constantinopla), foi encontrado um mapa de pergaminho pintado, desenhado em pele de gazela, datado no mês de Muharrem, no ano muçulmano de 919 (1.513 dC ) e assinado por um almirante da marinha turca, Piri Ibn Haji Memmed , conhecido como Piri Re’is.

O misterioso e incrível Mapa de Piri Reis: Em 9 de novembro de 1929, enrolado em uma prateleira empoeirada do famoso Museu Topkapi, em Istambul, na Turquia, dois fragmentos de mapas foram encontrados. Tratava-se das cartas de um almirante turco, Piri Reis, célebre herói (para os turcos) e pirata (para os europeus), que nos deixou um extraordinário livro de suas memórias intitulado Bahrye, onde ele relata como preparou estes espantosos mapas. FONTE

A pesquisa mostrou que se tratava de um documento genuíno  elaborado em 1513 por Piri Reis no século XVI. Sua paixão era cartografia. Sua alta patente na marinha turca permitiu-lhe um acesso privilegiado à Biblioteca Imperial de Constantinopla. 

O próprio comentário de Piri Re’is indica que alguns de seus mapas de origem eram cópias de mapas da época de Alexandre, o Grande (332 aC).  A controvérsia O mapa de Piri Reis mostra a costa oeste da África, a costa leste da América do Sul e a costa norte da Antártica.

O litoral norte da Antártica é perfeitamente detalhado. O mais intrigante, no entanto, não é como Piri Reis conseguiu desenhar um mapa tão preciso da região antártica 300 anos antes do continente gelado ter sido “descoberto” oficialmente, mas que o mapa mostra a costa da Antártida sem sua atual cobertura de gelo.

As evidências geológicas confirmam que a data mais recente em que a Terra da Rainha Maud poderia ter sido mapeada em um estado sem gelo é em torno de 4.000 aC. Em 6 de julho de 1960, a Força Aérea dos EUA respondeu em documento oficial às indagações feitas pelo Prof. Charles H. Hapgood, do Keene College, especificamente ao seu pedido de avaliação cartográfica do antigo Mapa de Piri Reis.


6 de julho de 1960
Assunto: Mapa do Almirante Piri Reis

PARA: Prof. Charles H. Hapgood
Keene College
Keene, New Hampshire

Prezado Professor Hapgood,

Sua solicitação de avaliação de certas características incomuns do mapa de Piri Reis de 1513 por esta organização foi revisada.

A alegação de que a parte inferior do mapa retrata a costa da princesa Martha da terra da rainha Maud, na Antártica e na península de Palmer, é razoável. Achamos que essa é a interpretação mais lógica e provável e correta do mapa.

Os detalhes geográficos mostrados na parte inferior do mapa concordam muito com os resultados do perfil sísmico feito no topo da calota de gelo pela Expedição Antártica Sueco-Britânica de 1949. Isso indica que o litoral foi mapeado antes de ser coberto pela calota de gelo. A calota de gelo nesta região tem agora cerca de um quilômetro de espessura.

Não temos ideia de como os dados neste mapa podem ser reconciliados com o suposto estado do conhecimento geográfico em 1513.

Harold Z. Ohlmeyer

Tenente-Coronel, Comandante da USAF


A ciência oficial e as línguas de inúmeros “acadêmicos eruditos” vem dizendo o tempo todo, como papagaios de pirata, que a calota de gelo que cobre a Antártica tem milhões de anos. O mapa de Piri Reis mostra que a parte norte desse continente foi mapeada antes que o gelo o cobrisse. Isso deve fazer pensar que ele foi mapeado milhões de anos atrás, mas isso é impossível, pois a humanidade também e de acordo com os mesmos “eruditos” não existia naquela época.

Ophir (Hebrew: אוֹפִיר) É um porto ou uma região mencionada na Bíblia, muito famoso pela sua riqueza em metais preciosos… OURO. Todos os povos que habitavam as Américas do Sul e Central em épocas passadas descenderam da mesma raça humana. Da raça humana que se desenvolveu outrora no país do Sol, “Ophir”. Essa terra, já há muito desaparecida, situava-se entre a África e a América do Sul, ligando entre si os dois continentes… FONTE

Estudos adicionais e mais precisos provaram que o último período de condição sem gelo na Antártica terminou cerca de 6.000 anos atrás. Ainda há dúvidas sobre o início desse período sem gelo, que foi colocado por diferentes pesquisadores entre 13.000 e 9.000 aC. A questão é:

  • Quem mapeou a Terra da Rainha Maud da Antártida há cerca de 6 mil anos?
  • Qual civilização desconhecida tinha a tecnologia ou a necessidade de fazer isso?

Para desenhar seu mapa, Piri Reis usou várias fontes diferentes, coletadas aqui e ali ao longo de suas jornadas, algumas conforme ele mesmo alegou, do tempo de Alexandre, o Grande, ou seja quase dois mil anos antes do tempo do próprio Piri Reis. Ele próprio escreveu notas no mapa que nos dão uma imagem do trabalho que ele estava fazendo no mapa. Ele diz que não era responsável pela pesquisa e cartografia originais. 

Seu papel era apenas o de um compilador que usava um grande número de mapas de diferentes origens. Ele diz então que alguns dos mapas-fonte foram desenhados por marinheiros contemporâneos, enquanto outros eram cartas de grande antiguidade, que datam do século IV aC ou mesmo antes.

Em seu livro, Impressões digitais dos deuses , Graham Hancock apresenta fortes evidências de que a Antártica foi mapeada há muito tempo por pessoas desconhecidas, quando as temperaturas eram muito mais quentes. Ele cita vários mapas antigos, como o desenhado por Oronteus Finaeus em 1531, reproduzido aqui. Especialistas examinaram o original e sua idade foi verificada. Foi fabricado nos anos 1500 – três séculos antes da Antártida ter sido vista, muito menos documentada. O mapa é surpreendentemente preciso, representando cadeias de montanhas sem gelo, um Polo Sul que está quase no local correto e o Mar de Ross, como seria sem a plataforma de gelo. Você pode até ver Ross Island. 

Como alguém poderia desenhar esse mapa mais de 200 anos antes de o capitão James Cook navegar até o sul do Círculo Antártico?

A resposta de Hancock é que ela foi realmente mapeada há muito, muito tempo, talvez milhares de anos antes, e Finaeus apenas copiou seu mapa dessas fontes antigas, como Piri Reis.

O Dr. Charles Hapgood , em seu livro Maps of the Ancient Sea Kings (1979), disse que:

Parece que informações precisas foram passadas de pessoa para pessoa. Parece que os mapas devem ter se originado com um povo desconhecido e foram repassados, talvez pelos minóicos e fenícios, que foram, por mil anos e mais, os maiores navegadores do mundo antigo.

Temos evidências de que eles foram coletados e estudados na grande Biblioteca de Alexandria (Egito) e suas compilações foram feitas pelos geógrafos que lá trabalhavam.

É provável que Piri Reis tenha possuído mapas, uma vez localizados na Biblioteca de Alexandria, a mais conhecida e importante biblioteca dos tempos antigos.

 

“Na expedição científica NAZISTA ao continente da Antártida de 1938-39, os alemães nazistas descobriram os restos de uma antiga base de uma civilização extraterrestre e mantiveram essa descoberta em absoluto segredo, porque a revelação de sua existência revolucionaria e transformaria toda a nossa realidade. Eles descobriram o que agora chamamos de ruínas pré-adamitas, e este é um grupo de ALIENS que mostrei uma imagem que se parece fisicamente com os faraós. Eles têm os torsos muito estranhos. Eles têm formas estranhas, costelas estreitas e quadris largos. Eles definitivamente não parecem que são iguais a humanidade atual”. FONTE:

Segundo a reconstrução de Hapgood, cópias desses documentos e algumas das fontes originais foram transferidas para outros centros de aprendizado, e entre eles para Constantinopla (Turquia). Então, em 1.204, ano da quarta cruzada, quando os venezianos entraram em Constantinopla, esses mapas começaram a circular entre os marinheiros europeus.

A maioria desses mapas – continua Hapgood – eram do Mediterrâneo e do Mar Negro. Mas mapas de outras áreas sobreviveram. Isso incluía mapas das Américas e mapas dos oceanos Ártico e Antártico. Torna-se claro que os antigos viajantes viajaram de polo a polo.

Por mais inacreditável que possa parecer, as evidências indicam que alguns povos antigos exploraram a Antártica quando suas costas estavam livres de gelo.

É claro também que eles tinham instrumentos de navegação para determinar com precisão as longitudes que eram muito superiores a qualquer coisa possuída pelos povos dos tempos antigos, medievais ou modernos até a segunda metade do século XVIII. […]

Em 1953, um oficial da Marinha turca enviou o mapa de Piri Reis ao Departamento Hidrográfico da Marinha dos EUA. Para avalia-lo, M.I. Walters, o engenheiro-chefe do Bureau, pediu ajuda a Arlington H. Mallery, uma autoridade em mapas antigos, que já havia trabalhado com ele.

Após um longo estudo, Mallery descobriu o método de projeção usado. Para verificar a precisão do mapa, ele fez uma grade e transferiu o mapa de Piri Reis para um globo: o mapa era totalmente preciso. Ele afirmou que a única maneira de traçar um mapa com tanta precisão era o levantamento aéreo: mas quem, há 6 mil anos, poderia ter usado “aviões” para mapear a Terra?

Concepção artística de como seria a Biblioteca de Alexandria

O Escritório Hidrográfico não podia acreditar no que viu: eles foram capazes até mesmo de corrigir alguns erros nos mapas atuais com base nas informações contidas no mapa  !!!!!  A precisão na determinação das coordenadas longitudinais, por outro lado, mostra que, para desenhar o mapa, foi necessário o uso da trigonometria esferóide, um processo supostamente desconhecido até meados do século XVIII.

A maneira como o mapa de Piri Reis mostra a terra da rainha Maud, suas costas, rios, cordilheiras, planaltos, desertos, baías, foi confirmada por uma expedição britânico-sueca à Antártica (como disse Olhmeyer em sua carta a Hapggod); os pesquisadores, usando sonar e sondagens sísmicas, indicaram que aquelas baías e rios etc. estavam embaixo da calota de gelo, com cerca de 1,6 km de espessura. Charles Hapggod , em 1953, escreveu um livro chamado “Crosta móvel da Terra: uma chave para alguns problemas básicos da ciência da terra”, onde ele elaborou uma teoria para explicar como a Antártica estava sem gelo até o ano 4.000 aC.

A teoria resumida é a seguinte:

  • A razão pela qual a Antártica estava livre de gelo e, portanto, muito mais quente, pode ser encontrada no fato de que, ao mesmo tempo, sua localização não era o pólo sul. Na época retratada no mapa o continente estaria localizado a aproximadamente 2.000 milhas mais ao norte. Hapgood diz que isso “o colocaria fora do Círculo Antártico em um clima temperado ou frio.
  • A razão pela qual o continente se mudou para a sua localização atual deve ser encontrada em um mecanismo chamado “deslocamento da crosta terrestre”. Esse mecanismo, que não deve ser confundido com as placas tectônicas ou com a deriva continental, é aquele em que a litosfera, toda a crosta externa da Terra “pode ​​ser deslocada às vezes, movendo-se sobre o corpo interno macio, da mesma forma que a pele de um corpo. a casca da laranja, se solta, pode deslocar-se sobre a parte interna da laranja em uma única peça “.

Essa teoria foi enviada a Albert Einstein , que respondeu a Hapgood em termos muito entusiasmados. Embora os geólogos não parecessem aceitar a teoria de Hapgood, Einstein parecia ser tão aberto quanto ao constatado por Hapgood:

Em uma região polar, há uma deposição contínua de gelo, que não é simetricamente distribuída ao redor do pólo. A rotação da Terra atua nessas massas depositadas assimetricamente e produz um momento centrífugo que é transmitido à crosta rígida da Terra.

O momento centrífugo constantemente crescente produzido dessa maneira, quando atingir um certo ponto, produzirá um movimento da crosta terrestre sobre o resto do corpo da terra …
~ Prefácio de Einstein à “crosta móvel da Terra”

De fato, o próprio Piri Reis admitiu que baseava seu mapa em mapas muito mais antigos; e esses gráficos mais antigos foram usados ​​como fontes por outros que desenharam mapas diferentes, mas ainda com grande precisão. Impressionante também é o mapa “Portolano de Dulcert”, mais antigo ainda, do ano 1339, onde a latitude da Europa e do norte da África é perfeita, e as coordenadas longitudinais do Mediterrâneo e do Mar Negro são aproximadas em meio grau.

Um gráfico ainda mais surpreendente é o “gráfico de Zenon”, do ano 1380. Ele mostra uma grande área no norte, subindo até a Groenlândia; Sua precisão é espantosa.

“É impossível”, diz Hapgood, “que alguém do século XIV tenha encontrado as latitudes exatas desses lugares, sem mencionar a precisão das longitudes …”

Outro mapa gráfico surpreendente é o desenhado pelo turco Hadji Ahmed , no ano 1559, no qual ele mostra uma faixa de terra, cerca de 1600 km. ampla, que une o Alasca e a Sibéria. Essa ponte natural foi então coberta pela água devido ao final do período glacial, que subiu o nível do mar. Oronteus Fineus foi outro que desenhou um mapa de incrível precisão. Ele também representou a Antártica sem calota de gelo, no ano 1532. Existem mapas mostrando a Groenlândia como duas ilhas separadas, como foi confirmado por uma expedição polar francesa que descobriu que há uma calota de gelo bastante grossa que une o que na verdade são duas ilhas.

Outro mapa surpreendente é o desenhado pelo turco Hadji Ahmed , no ano 1559, no qual ele mostra uma faixa de terra, cerca de 1600 km. ampla, que une o Alasca e a Sibéria.

Quando os seres humanos deveriam viver de maneira primitiva, alguém “colocava no papel” toda a geografia exata da Terra. E esse conhecimento comum de alguma forma se desfez em pedaços, reunidos aqui e ali por várias pessoas, que haviam perdido o conhecimento antigo, e apenas copiavam o que podiam encontrar em bibliotecas, bazares, mercados e em todos os tipos de lugares.

Hapggod fez uma divulgação que surpreendentemente levou mais longe nessa estrada: ele descobriu um documento cartográfico copiado por uma fonte mais antiga esculpida em uma coluna de pedra, na China, no ano 1137. Ele mostrava o mesmo alto nível de tecnologia dos outros mapas ocidentais, o mesmo método de grade, o mesmo uso da trigonometria esferóide. Tem tantos pontos em comum com os ocidentais que faz pensar mais do que razoavelmente, que tinha que haver uma fonte comum:

“poderia ser de uma civilização perdida, talvez a mesma que foi perseguida por milhares de anos até agora?

Resumo: O mapa de Piri Re’is é frequentemente exibido em casos que tentam provar que a civilização já foi avançada e que, através de alguns eventos desconhecidos, estamos apenas agora obtendo alguma compreensão desse misterioso declínio cultural.

A civilização mais antiga conhecida, os sumérios na Mesopotâmia, apareceram do nada por volta do ano 4.000 aC, com uma civilização pronta: escrita, agricultura, forma de governo, sacerdócio, bibliotecas, código de leis, etc… mas não têm patrimônio cultural náutico ou marítimo. Eles, no entanto, falam com reverência de pessoas ancestrais que eram como os “deuses” e eram conhecidos como os Nephilim . Aqui está um resumo de algumas das descobertas mais incomuns sobre o mapa: 

  • O exame minucioso do mapa de Piri Reis mostra que os navegantes sabiam a circunferência exata da Terra dentro de 80 quilômetros.
  • O litoral e a ilha mostrados na Antártica devem ter sido navegados em algum período anterior a 4.000 aC, quando essas áreas estavam livres de gelo desde a última Era Glacial.
  • Pensa-se que o mapa seja um dos primeiros “mapas do mundo” a mostrar as Américas
  • Os primeiros estudiosos sugeriram que ele mostrava latitudes precisas das costas da América do Sul e da África – apenas 21 anos após as viagens de Colombo! (E lembre-se, Colombo NÃO descobriu a América do Norte – apenas as ilhas do Caribe!)
  • Escrito pela mão de Piri Re’is esta como ele havia feito o mapa a partir de uma coleção de mapas antigos , complementada por gráficos desenhados pelo próprio Colombo. Isso sugere que esses mapas antigos estavam disponíveis para Colombo e poderiam ter sido a base de sua expedição.
  • A  origem do “centro” do mapa é projetado a partir de coordenadas no que é hoje Alexandria – o centro da cultura, do conhecimento antigo, do oculto, do esoterismo, da filosofia e lar da maior e mais antiga biblioteca do mundo até sua destruição pelos invasores romanos.

Em 1912, um grupo de místicos alemães fundou uma sociedade secreta ocultista chamada de a Sociedade Thule . Nome inspirado, talvez, pela obra de Friedrich Nietzsche, a Sociedade Thule traçou sua ordem de volta à antiga ilha de Thule.

Como a Atlântida, essa civilização avançada supostamente perecera quando a ilha afundou no oceano, deixando seus descendentes arianos presos em um continente do sul povoado criaturas racialmente inferiores. Felizmente, alguns dos segredos de Thule estavam acessíveis aos membros da Sociedade Thule, e eles esperavam usar seus conhecimentos para restabelecer a supremacia ariana em todo o mundo.

A Sociedade Thule tornou-se uma fonte confiável dos recrutas radicais que ajudariam Adolf Hitler a formar o Partido Socialista Nacional dos trabalhadores alemães, o Partido Nazista, e sua terminologia continua aparecendo em revistas modernas de supremacia branca como Thule.

A conexão do nazismo aos espaços místicos do Ártico e da Antártida foi revisada após a Segunda Guerra Mundial, quando o editor do livro “Flying Saucers from Other Worlds” Ray Palmer escreveu um artigo ligando o Ártico ao fenômeno relativamente novo dos avistamentos de OVNIs.

Por mais estranho que pareça para aqueles de nós criados com o conceito da existência de seres extraterrestres, as primeiras discussões sobre os OVNIs freqüentemente supunham que discos voadores e sua raça eram os aviões de guerra experimentais de nazistas dissidentes, escondidos em uma parte ainda não detectada do globo. O Ártico rapidamente se tornou um dos principais candidatos a esse mito: afinal, se você fosse Adolf Hitler, onde se esconderia? América do Sul? Ou a morada tradicional dos místicos racialmente superiores?

Claramente (de acordo com Palmer), os UFOs nazistas eram baseados em algum lugar do Ártico. Na verdade, eles provavelmente estavam escondidos dentro do buraco polar gigante da abertura para o mundo do interior da Terra descrito por pessoas como Edgar Allen Poe. Essa teoria da conspiração recebeu um impulso com a publicação de um “registro secreto” supostamente mantido pelo almirante Byrd durante seu voo transártico em 2 de fevereiro de 1947.

De acordo com o registro secreto, Byrd foi forçado a pousar no interior da Terra por discos voadores nazistas e foi depois interrogado por alienígenas arianos, que o convenceram a entrar em uma conspiração para proteger seu paraíso secreto no interior da Terra. Existem diferentes versões dessa história, algumas das quais também incluem uma operação militar americana secreta destinada a exterminar uma colônia nazista na Antártica, mas em todas elas podemos ver os vestígios das lendas polares anteriores.

Embora a maioria dos escritores de ficção especulativa tenha preferido OVNIs alienígenas à variedade nazista, as regiões polares continuaram a aparecer em histórias de conspirações governamentais e naves espaciais e raças ocultas de extraterrestres.

No filme de 1982 “The Thing, de John Carpenter , por exemplo, os pesquisadores da Antártica tropeçam em um OVNI congelado no gelo, e aprendem tarde demais uma das regras mais importantes da sobrevivência da Antártida: nunca descongele um OVNI que você encontra escondido no gelo. No filme X-Files , os intrépidos agentes do FBI Mulder e Scully fazem uma descoberta semelhante quando se deparam com um OVNI enterrado na Antártica, embora, sendo as estrelas de uma série de TV em andamento, eles consigam sobreviver um pouco mais do que os pesquisadores em The Thing.

Em 1950, um excepcional artefato foi descoberto na propriedade da família Manjon, próximo a La Paz, na região de Tiahuanaco e do lago Titicaca, na cidade de Chua, Bolívia. O objeto era um vaso de cerâmica de barro cozido com inscrições sumérias, proto-sumérias, proto-semíticas ou proto-hebraicas e caracteres de culturas locais. O arqueólogo boliviano Max Portugal-Zamorra ficou sabendo da existência do vaso em 1959 e foi até o sítio arqueológico. Através da mediação do general Armando Escobar Uria, a família Manjon aceitou trocar a sua propriedade por um pedaço de terra em outro bairro e Zamorra pode trabalhar livremente no local. FONTE

Os aspectos tropicais das lendas sobre o Ártico aparecem com muito menos frequência na ficção especulativa moderna. No entanto, Lost, a nova série de TV que dobrou de gênero e estreou na temporada passada, poderia ser uma retribuição às histórias milenares do Ártico Hiperbóreo . Lost segue os sobreviventes de um acidente de avião que os deixou presos em uma misteriosa ilha tropical patrulhada por ursos polares e monstros invisíveis.

Um antigo sinal de socorro fala de uma “rocha negra”, e bunkers de concreto escondidos na selva fornecem evidências de uma possível conspiração do governo. Enquanto isso, os sobreviventes temem lançar uma jangada no mar aos ventos do sul, por medo de se deslocarem para a Antártica. Depois de revisar as poucas informações que os sobreviventes reuniram sobre a ilha, os teóricos da conspiração provavelmente concluíram que eles já estavam na Antártida e seria melhor ficarem parados.

Independentemente de Lost ter ou não alguma coisa a ver com o Ártico, parece provável que as Regiões Polares continuem a desempenhar um papel importante na psique da humanidade e na ficção especulativa.

Embora grande parte do romance do Ártico seja agora ofuscada pelas regiões da Antártida e seus mistérios, do espaço ainda mais remotas (e, portanto, ainda mais misteriosas), o Ártico fornece não apenas um local terrestre para plotagens especulativas, mas uma tradição bem estabelecida para os autores se basearem.


Bibliografia / Leitura adicional

  • McGhee, Robert. O Último Lugar Imaginário: Uma História Humana do Mundo Ártico. Toronto: Key Porter Books, 2004.
  • Poe, Edgar Allen. A narrativa de Arthur Gordon Pym, de Nantucket. Ed. Richard Kopley. Nova York: Penguin: 1999.
  • Pratt, David. Explorando a Teosofia.
  • Shelley, Mary. Frankenstein. Nova York: Alfred A. Knopf Inc, 1992.
  • Spufford, Francis. Talvez eu esteja em algum momento: o gelo e a imaginação inglesa. Nova York: St. Martin’s Press 1997.
  • Vaughan, Richard. O Ártico: Uma História. Stroud: Alan Sutton, 1994.

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK 


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.