browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Antártida: Está 70º F mais quente que o normal no leste da Antártida, no LAGO VOSTOK. Os cientistas estão pasmos.

Posted by on 02/04/2022

O local mais frio do planeta, o continente gelado da Antártida, experimentou um episódio de clima quente na semana de 18 de março de 2022, absolutamente diferente de qualquer outro já observado, com temperaturas sobre a camada de gelo da Antártida oriental subindo de 50º a 90º F acima do normal. O calor quebrou recordes e chocou os cientistas. “Este evento é completamente sem precedentes e superou nossas expectativas sobre o sistema climático da Antártida”, disse Jonathan Wille, pesquisador que estuda meteorologia polar na Université Grenoble Alpes, na França, em um e-mail.

Antártida: Está 70º F (21,12º Celsius) mais quente que o normal no leste da Antártida, no Lago Vostok. Os cientistas estão pasmos.

Fonte: WaPo – Por Jason Samenow, Kasha Patel {Washington Post}

“A climatologia antártica foi reescrita”twittou Stefano Di Battista, pesquisador que publicou estudos sobre as temperaturas antárticas. Ele acrescentou que tais anomalias de temperatura teriam sido consideradas “impossíveis” e “impensáveis” antes delas realmente ocorrerem.

Partes do leste da Antártida viram as temperaturas pairarem 70 graus (40 graus Celsius) acima do normal por três dias e continuando, disse Wille. Ele comparou o evento à onda de calor de junho no noroeste do Pacífico, que os cientistas concluíram que teria sido “praticamente impossível” sem a mudança climática causada pelo homem. Gelo marinho sobre a Antártida encolheu para o menor volume já registrado

O que é considerado “quente” sobre os confins congelados e áridos do leste da Antártida é, obviamente, relativo. Em vez de temperaturas estarem nos habituais negativos entre -50 F ou -60 F graus (menos -45 C ou -51 graus Celsius), elas estiveram mais próximas de zero ou 10 graus (menos -18 graus Celsius ou -12 graus Celsius) – mas isso é uma enorme onda de calor pelos padrões daquela região da Antártida.

A temperatura média alta em Vostok – no centro da camada de gelo oriental – é de cerca de -63º (menos -53º Celsius) em março. Mas na sexta-feira, a temperatura saltou para zero Fahrenheit (-17,7º graus Celsius), o mais quente que esteve lá em março desde que os registros começaram há 65 anos. Ele quebrou o recorde mensal anterior por impressionantes 27º F (15º Celsius).

“Em cerca de 65 anos nos registros de recordes no Lago Vostok, entre março e outubro, nunca foram observados valores acima de -30° C”, escreveu Di Battista em um e-mail.

Vostok, é também um observatório meteorológico russo, a Estação Vostok que fica a cerca de 808 milhas do Pólo Sul e fica a 11.444 pés acima do nível do mar. É famoso por manter a temperatura mais baixa já observada na Terra : -128,6º F graus (menos -89,2º Celsius), definida em 21 de julho de 1983.

Temperaturas de pelo menos 50º F (32º Celsius) acima do normal se expandiram em vastas porções do leste da Antártida da Costa Adélie até grande parte do interior do manto de gelo oriental. Algumas simulações e  observações de modelos de computador sugerem que as temperaturas podem ter subido até 90º F (50º Celsius) acima do normal em algumas áreas.

A estação de pesquisa Concordia da Antártica Oriental, operada pela França e Itália e a cerca de 350 milhas de Vostok, subiu para 10º F graus (-12,2º Celsius), sua temperatura mais alta já registrada em qualquer mês do ano. As altas temperaturas médias em março estão em torno de -56º F (menos -48,7º Celsius).

Em uma estação meteorológica próxima, a temperatura atingiu 13,6º F (menos -10,2º Celsius) cerca de 67º F (37º Celsius) acima da média, de acordo com os pesquisadores da Universidade de Wisconsin na Antártida, Linda Keller e Matt Lazzara.

Keller e Lazzara disseram em um e-mail que uma temperatura tão alta é particularmente digna de nota, já que março marca o início do outono na Antártida, em vez de janeiro, quando há mais luz solar. Nesta época do ano, a Antártida está perdendo cerca de 25 minutos de luz solar por cada dia que passa rumo à escuridão do inverno.

Wille disse que as condições quentes sobre a Antártida foram estimuladas por um rio atmosférico extremo, ou um estreito corredor de vapor de água no céu, em sua costa leste. De acordo com modelos de computador, o rio atmosférico atingiu a terra na terça-feira entre as estações Dumont d’Urville e Casey e caiu uma quantidade intensa de chuva, potencialmente causando um evento de derretimento significativo na área.

A umidade da tempestade se difundiu e se espalhou pelo interior do continente. No entanto, um forte sistema de bloqueio de alta pressão ou “domo de calor” se moveu sobre o leste da Antártida, impedindo que a umidade escapasse. A cúpula de calor foi excepcionalmente intensa, cinco desvios padrão acima do normal. A umidade excessiva do rio atmosférico foi capaz de reter grandes quantidades de calor, enquanto as nuvens ricas em líquido irradiavam o calor para a superfície – conhecida como radiação de onda longa descendente.

Wille explicou que o ar quente é frequentemente transportado pelo interior da Antártida dessa maneira, mas não nessa extensão ou intensidade. “Isso não é algo que vimos antes”, disse ele. “Essa umidade é a razão pela qual as temperaturas ficaram tão altas.” Os modelos mostram que o rio atmosférico sairá do continente por volta de sábado, mas a umidade levará mais tempo para se dissipar. Temperaturas anormalmente altas na região podem durar até o fim de semana.

As temperaturas anormalmente altas causaram algum derretimento do gelo na região, de acordo com os modelos, o que é incomum, pois esta parte da Antártida não experimenta muito derretimento com frequência. Este evento de derretimento não afetará a estabilidade das geleiras naquela área.

“Este evento aconteceu em um local que não costuma ter derretimento. Obviamente, isso não significa que a partir de agora estamos preocupados com o derretimento”, disse Wille. “É mais como, ‘Oh, isso é estranho, isso pode acontecer mais no futuro e então isso pode ser ruim. ‘”

Ele disse que é difícil atribuir este evento às mudanças climáticas no momento, mas ele acredita que o aumento das temperaturas ajudou nas condições ideais para tal evento. A mudança climática está “carregando os dados” para mais situações como essa, disse ele. Wille e seus colegas estão estudando como as mudanças climáticas afetarão os padrões de circulação ao redor da Antártida e se os rios atmosféricos se tornarão mais comuns ou mais intensos.

RELACIONADOS:

“Acreditamos que eles se tornarão mais intensos porque é apenas física simples… mas os detalhes ainda estamos tentando descobrir isso. Seria muito difícil dizer que não há uma impressão digital de mudança climática em um evento como este”, disse ele. Keller e Lazzara sugeriram que mais estudos são necessários sobre a conexão das mudanças climáticas.

“Não podemos dizer se isso será uma nova tendência ou é apenas uma estranheza que ocorre ocasionalmente em um continente fascinante”, escreveram eles.

Sabe-se que as temperaturas variam muito na Antártida, e oscilações maciças são comuns. Contrastando com este período quente sobre o leste da Antártida, o Pólo Sul observado apenas observou seu período mais frio de abril a setembro já registrado no ano passado, com uma temperatura média de -78º F negativos (menos -61º Celsius).Pólo Sul registra a estação fria mais severa já registrada, uma surpresa em um mundo em aquecimento

Mas logo após esse período histórico de frio, a extensão do gelo marinho ao redor do continente encolheu em sua menor extensão apenas no mês passado .

Diferenças de temperatura do normal sobre o Ártico e a Antártida nos últimos dias.
Diferenças de temperatura do normal sobre o Ártico e a Antártida na semana de 18 de março de 2022.

Em meio a toda a variabilidade na Antártica, as impressões digitais das mudanças climáticas causadas pelo homem ainda são evidentes. Sua camada de gelo ocidental está perdendo massa, enquanto as partes ocidentais do continente e da península estão entre as regiões de aquecimento mais rápido da Terra. As temperaturas quentes do oceano ameaçam desestabilizar a geleira Thwaites da Antártida, uma laje do tamanho da Flórida que contribui com cerca de 4% do aumento anual do nível global da água do mar.

As temperaturas historicamente altas na Antártida seguem um pulso de calor excepcional no extremo oposto do planeta. Na quarta-feira, as temperaturas perto do Pólo Norte catapultaram 50 graus acima do normal, perto do ponto de fusão.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to Antártida: Está 70º F mais quente que o normal no leste da Antártida, no LAGO VOSTOK. Os cientistas estão pasmos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.