Arábia Saudita ‘Ameaçou’ G-7 por causa dos Ativos confiscados da Rússia, afirmou a Bloomberg

Os EUA e o Reino Unido queriam confiscar os fundos soberanos congelados da Rússia. O Grupo dos Sete países (G-7) “provavelmente” abandonou o plano dos EUA de expropriar [roubar] os ativos congelados do banco central da Rússia devido a uma “ameaça velada” da Arábia Saudita, informou a agência judeu khazar Bloomberg.

Fonte: Rússia Today

Os EUA e o Reino Unido têm pressionado pela apreensão total de cerca de $ 280 bilhões de dólares em fundos soberanos russos, que o Ocidente congelou em 2022, como sanção por causa do conflito na Ucrânia. A UE, onde se encontra a maior parte dos ativos imobilizados da Rússia, mostrou-se relutante em ver o euro ameaçado pela possível reação negativa.

A Arábia Saudita “sugeriu em privado” que poderia vender os seus títulos em euro de dívida da UE se o G-7 avançasse com os planos de confisco dos fundos da Rússia, informou a Bloomberg na terça-feira, citando “pessoas familiarizadas com o assunto”.

Uma das fontes anónimas da agência descreveu a mensagem do Ministério das Finanças saudita como “uma ameaça velada”, enquanto outras duas disseram que Riad mencionou especificamente a dívida do tesouro francês.

Isto “provavelmente influenciou” o G-7 a não apreender os fundos russos congelados e a optar por transformar os juros que geraram em empréstimos a Kiev. Moscou condenou a medida como ilegal, com o ex-presidente Dmitry Medvedev sugerindo que poderia ser interpretada como uma causa para a guerra com a Europa.

Quando contactado para comentar, no entanto, o Ministério das Finanças saudita disse à Bloomberg que “nenhuma ameaça deste tipo foi feita”.

“A nossa relação com os países do G-7 e outros é de respeito mútuo e continuamos a discutir todas as questões que promovem o crescimento global e aumentam a resiliência do sistema financeiro internacional”, afirmou o ministério saudita.

Um responsável saudita disse ao meio de comunicação que fazer tais ameaças não era o “estilo” do seu governo e que o ministério poderia ter apenas delineado as “eventuais consequências” das apreensões dos ativos da Rússia ao G-7.

A Arábia Saudita possui cerca de 135 bilhões de dólares em títulos do Tesouro dos EUA e uma quantidade não especificada de títulos em euros. As autoridades da UE estavam menos preocupadas com o impacto na dívida francesa do que com os demais países que seguiriam o exemplo de Riad, disseram fontes da Bloomberg. 

Duas das fontes questionaram a credibilidade da alegada ameaça da Arábia Saudita, observando que não houve uma corrida às moedas do G-7 quando os fundos russos foram congelados pela primeira vez. O mesmo argumento foi apresentado por Daleep Singh, vice-conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, numa conferência em Maio. 

O congelamento de ativos soberanos russos em Fevereiro de 2022 foi um movimento com precedentes. Vários especialistas no Ocidente alertaram contra a tentativa de confisco dos fundos, observando que isso poderia minar a credibilidade do dólar, do euro e todo o sistema financeiro eminentemente (do Hospício) Ocidental. 

Curiosamente, embora a Arábia Saudita venha mantendo relações fortes com Moscou, também construiu laços com a Ucrânia. E, no entanto, é claro que, quando chega a hora, o príncipe herdeiro está firmemente ao lado da Rússia

A Bloomberg conclui observando que, seja qual for o motivo, a medida da Arábia Saudita sublinha a sua crescente influência no cenário mundial e a dificuldade do bloco do G-7 em angariar apoio das chamadas nações do Sul Global para a Ucrânia.

E os EUA deveriam saber: como lembrete, em Abril de 2016, o NYT informou que a Arábia Saudita ameaçou o então presidente Barack Obama de liquidar os 750 bilhões de dólares em títulos do Tesouro dos EUA que possuía na altura (uma medida que teria gerado uma quebra do mercado de t´titulos de governo… e do dólar) se fosse considerado responsável pelos ataques de 11 de setembro em N. York.

Então – tal como agora – os sauditas venceram (o que é engraçado, a Arábia Saudita reduziu pela metade as suas participações em títulos do Tesouro dos EUA até ao final de 2016). Mas o ponto principal aqui é duplo:

  1. Embora o petrodólar possa ou não estar morto, a sua alavancagem é uma pálida sombra do que já foi; na verdade, a única vantagem vai para aqueles que ainda possuem títulos dos EUA e podem ameaçar desfazer-se deles.
  2. Armar o dólar americano – por mais irrelevante que seja agora – contra a Rússia foi uma decisão catastrófica que irá repercutir durante anos e forçará o Fed a eventualmente comprar toda a dívida dos EUA que os antigos detentores de títulos do Tesouro dos EUA irão, de uma forma ou de outra, continuar vendendo, ainda discretamente, para não perderem dinheiro com a quebra do dólar, como a China vem fazendo, já tendo vendido cerca da metade de seus títulos do Tesouro dos EUA . . .

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth