browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Arábia Saudita, discretamente, está em Discussão para se Juntar ao BRICS ?

Posted by on 04/07/2022

É um momento muito curioso o discutido neste artigo da Newsweek, contendo enormes implicações geopolíticas, usando fontes identificadas da Arábia Saudita, em desdobramentos que estão acontecendo antes da visita do marionete senil Joe Biden ao Reino da Arábia Saudita. Essa é uma pressão geopolítica estratégica do líder saudita Mohamed Bin Salman (MbS) antes da reunião com Joe Biden; ou esta é uma possibilidade genuína que parece tão provável? 

Arábia Saudita, discretamente, está em Discussão para se Juntar ao BRICS ?

Fonte: The Last Refuge

Se for o primeiro, então Joe Biden está sendo geopoliticamente torrado pela Arábia Saudita por seus descréditos anteriores e hipocrisia ideológica em sua visita. Se for o último, bem, então as placas tectônicas do comércio internacional, bancos e economia estão prestes a mudar diretamente sob nossos pés americanos.

Temos monitorado de perto os sinais de uma clivagem global em torno do setor de energia. Essencialmente, os governos ocidentais seguem a agenda de mudança climática “Build Back Better” que para de usar carvão, petróleo e gás para alimentar seu motor econômico, enquanto o resto do mundo econômico em crescimento continua usando as formas mais eficientes e tradicionais de energia para alimentar seus economias.

Este artigo da Newsweek é exatamente sobre essa dinâmica com a Arábia Saudita agora potencialmente se juntando à equipe do BRICS.

NEWSWEEK  – A luz verde da Finlândia e da Suécia para se juntar à  OTAN  deve trazer a maior expansão da aliança militar ocidental liderada pelos EUA em décadas. Enquanto isso, o grupo de países G-7, formado por Estados da OTAN e aliados dos EUA, com o Japão, adotou uma linha mais dura contra a Rússia e a China.

No Oriente, no entanto, os blocos focados em segurança e economia, liderados por Pequim e Moscou, estão procurando novos membros, incluindo Irã e Arábia Saudita, dois influentes rivais do Oriente Médio e grandes produtores de petróçeo/gás cujo interesse em fortalecer a cooperação nessa nova frente pode têm um impacto significativo no equilíbrio geopolítico global.

Os dois órgãos em questão são a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e o BRICS. O primeiro foi estabelecido em 2001 como uma coalizão política, econômica e militar de seis membros, incluindo China, Rússia e os estados da Ásia Central do Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão, antes de recrutar os inimigos do sul da Ásia, a Índia e Paquistão em 2017, enquanto o último [o BRICS] é um agrupamento de potências econômicas emergentes originalmente compostas por Brasil, Rússia, Índia e China (BRIC) em sua criação em 2006, e incluindo a África do Sul em 2010.

Aqui está a cotação do dinheiro:

[…] “O convite da China ao Reino da Arábia Saudita para se juntar ao ‘BRICS’ confirma que o Reino tem um papel importante na construção do novo mundo e se tornou um ator importante e essencial no comércio e economia global”, falou Mohammed al-Hamed, presidente do Grupo de elite saudita em Riad, à Newsweek. “A Visão 2030 da Arábia Saudita está avançando em um ritmo confiante e global em todos os campos e setores.”

[…] “Esta adesão [ao BRICS], se a Arábia Saudita se juntar a ela,  equilibrará o sistema econômico mundial , especialmente porque o Reino da Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo e está no G20”, disse Hamed. “Se isso acontecer, isso apoiará qualquer movimento econômico e desenvolvimento no comércio e economia mundiais, e registrará um progresso notável nos aspectos sociais e econômicos, pois a Arábia Saudita deve ter parcerias com todos os países do mundo.” ( leia mais )

Isso seria essencialmente o fim do petrodólar e – em termos ainda mais conseqüentes – o fim da capacidade dos Estados Unidos de usar o peso da sua moeda do comércio internacional para manipular os governos estrangeiros. O sistema econômico global teria uma alternativa [aos psicopatas do hospício ocidental]. A fratura do mundo, criada como resultado do desenvolvimento energético, estaria garantida.

Lembre-se de que, no início de junho, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que “rápidas mudanças estão ocorrendo no sistema monetário global que podem [DECIDIDAMENTE VÃO] afetar o papel internacional do dólar”. { LINK }

A aliança ocidental (países em amarelo no mapa anterior) estaria perseguindo a política energética de [pseudo]mudança climática para alimentar suas economias, gradativamente abandonando o petróleo e gás. O resto do mundo (os países em cinza no mapa anterior) estaria usando o desenvolvimento de energia tradicional e mais eficiente à base de hidrocarbonetos. A clivagem global em torno do uso de energia estaria completa.

Esta não é uma grande conspiração, já esta em curso ‘lá fora‘, com profunda possibilidade geopolítica ou probabilidade de mau presságio como resultado da emoção ocidental míope dos psicopatas do hospício ocidental. Não, este é apenas um resultado previsível de eventos criados no ocidente que levaram países específicos a uma conclusão natural com base em seus melhores interesses e decidiram não mais aceitar a agenda ocidental.

Você pode debater os motivos dos líderes [marionetes] ocidentais que estruturaram as sanções contra a Rússia e se eles sabiam que esse resultado aconteceria como consequência de seu esforço, mas o resultado nunca esteve realmente em dúvida. Pessoalmente, acredito que esse resultado é o que o Ocidente pretendia. As pessoas dentro do Fórum Econômico Mundial não são estúpidas – ideológicas, sim, mas não estúpidas. Eles sabiam que essa clivagem/divisão global aconteceria.

Para um mergulho profundo no BRICS, conforme previsto pelo CTH, { VEJA AQUI }.  A conclusão é que as sanções econômicas e financeiras punitivas de 2022 pela aliança das nações ocidentais contra a Rússia foram exatamente a razão pela qual os BRICS se reuniram em primeiro lugar.

As grandes corporações multinacionais e interferência de grandes oligarcas no controle dos governos são o que a assembléia do BRICS previu quando se reuniu pela primeira vez durante o governo Obama.  Quando as corporações multinacionais executarem a política do governo ocidental, haverá um problema.

No quadro geral, a assembléia do BRICS é essencialmente de líderes que não querem corporações e bancos multinacionais administrando os seus governos e ditando o que seus países podem ou não fazer, usando agendas como mudanças climáticas, e um liberalismo completamente disruptivo no âmago da sociedade ao imporem ideologias de gênero, Transumanismo, Transgênero, apoio aberto ao movimentos como a agenda LGBTQ+, o wokism e a agenda do WEF como o “Great Reset”. Os líderes do BRICS querem que seus governos administrem seus países; e sim, isso significa qualquer forma de governo que exista em sua nação, mesmo que ele seja comunista.

Os líderes do BRICS estão alinhados como anticorporativistas e antisubmissão. Isso não torna necessariamente esses líderes governamentais melhores administradores, significa simplesmente que eles querem tomar as suas próprias decisões e não querem que as corporações e oligarcas psicopatas e suas entidades, como o WEF e Grupo Bilderberg se tornem mais poderosas do que já são. Como resultado, se você realmente resume tudo ao denominador comum, o que você encontra é que o grupo BRICS é o elemento oposto à assembléia do Fórum Econômico Mundial-WEF e suas agendas de mais controle e submissão.

A equipe do BRICS pretende criar uma opção alternativa para todas as outras nações que se sentem pressionadas pelos psicopatas do hospício ocidental. Uma alternativa às atuais plataformas comerciais e financeiras ocidentais operava com o uso do dólar como moeda. Talvez muitas nações usem ambos os mecanismos financeiros dependendo de suas necessidades.

O objetivo do grupo BRICS é simplesmente apresentar um mecanismo alternativo de comércio que lhes permita realizar negócios independentemente da opinião das corporações multinacionais e oligarcas da ‘aliança [hospício] ocidental‘.

A equipe do BRICS, especialmente se a Arábia Saudita, Irã e Argentina forem somados criando o BRICS+, seria de fato um contrapeso ao controle do comércio e das finanças ocidentais.  Essa clivagem global está se movendo de uma possibilidade para uma probabilidade. Se a Arábia Saudita se juntar ao BRICS, a fratura se torna quase certa.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.