Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Arábia Saudita expressa apoio ‘Inabalável’ à Palestina

Riad disse que cooperará ativamente com os atores regionais em um esforço para trazer um “fim rápido” à violência entre o Hamas e Israel. A Arábia Saudita continua a apoiar os “direitos legítimos” dos palestinos, disse o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman (MbS) ao presidente palestino Mahmoud Abbas em um telefonema na segunda-feira, informou a mídia saudita.

Arábia Saudita expressa apoio ‘Inabalável’ à Palestina

Fonte: Rússia Today

A última escalada em Gaza, que eclodiu após um ataque surpresa a Israel pelo grupo militante Hamas no fim de semana, representa uma ameaça à segurança e estabilidade em todo o Oriente Médio, disse o príncipe herdeiro, segundo o Saudi Gazette.

O reino planeja realizar “esforços proativos” e colaborar com potências internacionais e regionais para evitar que o conflito entre Israel e o Hamas se espalhe para outras partes do Oriente Médio, disse Bin Salman, acrescentando que a sua nação também está a tentar trazer um “fim rápido” às hostilidades.

Ele enfatizou ainda a importância do direito humanitário e da abstenção de atacar civis, ao mesmo tempo que insistiu que a Arábia Saudita apoia os palestinos na sua busca por uma “vida digna… [a] realização das suas esperanças e aspirações”, bem como uma “paz duradoura”. ”, de acordo com o Diário Saudita.

Bin Salman também discutiu a situação em Gaza com o rei jordaniano Abdullah bin Al-Hussein e o presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi. Ambas as conversas centraram-se em grande parte na preservação da estabilidade regional e na prevenção da propagação do conflito, informou o meio de comunicação.

“A ocupação israelita está a utilizar bombas de fósforo branco, proibidas internacionalmente, contra os palestinianos no bairro de Karama, no norte de Gaza”

As declarações de Riad ocorreram em meio ao mais recente agravamento do conflito Israel-Palestina, após um ataque massivo a Israel pelo grupo militante Hamas, baseado em Gaza. Militantes dispararam milhares de foguetes contra Israel e lançaram um ataque transfronteiriço no fim de semana. Mais de 900 israelenses, incluindo mais de 100 militares, morreram no ataque inicial e nos confrontos seguintes, disseram as autoridades israelenses.

Israel respondeu com uma campanha de bombardeamento massivo contra Gaza, anunciando também um bloqueio total do enclave, cortando-lhe o fornecimento de combustível, energia, água e alimentos. O Ministério da Saúde de Gaza disse que pelo menos 510 palestinos foram mortos e 2.751 feridos em ataques aéreos israelenses até segunda-feira.

A ONU disse na terça-feira que iniciaria uma investigação sobre crimes de guerra cometidos durante a última escalada, acrescentando que possuía “evidências claras” de violações cometidas por ambos os lados.

Na segunda-feira, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, instou Israel e os militantes palestinos a absterem-se de mais violência e ofereceu os serviços de Ancara como mediador em quaisquer potenciais conversações de paz. Ele também disse que seu país poderia facilitar a troca de prisioneiros, se fosse solicitado.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *