Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Pesquisadores descobrem que ‘Vacinas’ Covid Estão Ligadas ao Aumento da Mortalidade estimadas em 17 milhões de Mortes

Um novo relatório científico desafia a ideia de que as vacinas contra a COVID-19 preveniram mortes, depois de investigadores avaliarem a mortalidade por todas as causas em 17 países e descobrirem que as vacinas contra a COVID-19 não tiveram qualquer efeito benéfico na redução da mortalidade pelo vírus. Em vez disso, os investigadores descobriram que picos sem precedentes de mortalidade por todas as causas em cada país – especialmente entre a população idosa quando as vacinas contra a COVID-19 foram impostas – coincidiram com a implementação da terceira e quarta doses de reforço.

Os dados da pesquisa sugerem que as vacinas contra a COVID-19 não salvaram vidas, mas, em vez disso, resultaram em cerca de 17 milhões de mortes e aumentaram a mortalidade por todas as causas em 17 países.

Fonte: The Epoch Times

O relatório, publicado em 17 de setembro pela Correlation Research in the Public Interest, mas ainda não revisado por pares, quantificou a taxa de mortalidade por dose de vacina (vDFR) para todas as idades – que é a proporção de mortes induzidas por vacina inferidas em relação às doses de vacina administradas, em uma determinada população. 

Depois de analisar os dados de mortalidade, os investigadores calcularam uma toxicidade fatal média para todas as idades por injeção de vDFR de 1 morte por 800 injeções em todas as idades e países. Isto equivale a 17 milhões de mortes relacionadas com a vacina COVID-19 em todo o mundo, resultantes de 13,25 bilhões de injeções aplicadas até 2 de setembro de 2023.

“Isso corresponderia a um evento iatrogênico em massa que matou (0,213 ± 0,006) por cento da população mundial (1 morte por 470 pessoas vivas, em menos de três anos) e não evitou de forma mensurável nenhuma morte”, disseram os autores. Eles descobriram que o risco geral de morte induzido pelas vacinas contra a COVID-19 é 1.000 vezes maior do que o relatado anteriormente em dados de ensaios clínicos, monitoramento de eventos adversos e estatísticas de causa de morte obtidas de certidões de óbito.

Mortalidade por todas as causas é a taxa de mortalidade por todas as causas de morte para uma população em um período de tempo específico. Estes são os dados mais fiáveis ​​para detectar e caracterizar epidemiologicamente os eventos que provocam a morte e para medir o impacto a nível da população de qualquer aumento ou colapso nas mortes por qualquer causa.

“A mortalidade por todas as causas é um bom recurso para usar em análises médicas estatísticas, uma vez que não há ambigüidade sobre se alguém morreu ou não”, disse Stephanie Seneff, pesquisadora sênior do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), ao Epoch Times em um email. 

“É altamente perturbador que estes autores tenham encontrado uma tendência consistente entre 17 países, mostrando um aumento significativo na mortalidade por todas as causas, coincidindo com a ampla implementação da vacina contra a COVID. A sua estimativa de 1 morte para cada 800 injeções a nível mundial é alarmante”.

Seneff disse que suas investigações sobre possíveis mecanismos de lesão da vacina a levaram a acreditar que é plausível que essas injeções ainda EXPERIMENTAIS sejam “extremamente tóxicas” e não deveriam ter sido aprovadas pelas agências reguladoras.

Principais conclusões

Os pesquisadores conduziram uma análise de mortalidade por todas as causas usando dados do World Mortality Dataset para 17 países equatoriais e do Hemisfério Sul: Argentina, Austrália, Bolívia, BRASIL, Chile, Colômbia, Equador, Malásia, Nova Zelândia, Paraguai, Peru, Filipinas, Singapura, África do Sul, Suriname, Tailândia e Uruguai. Os países equatoriais não têm estações de verão e inverno, portanto não há variações sazonais nos seus padrões de mortalidade por todas as causas.

Estes países representam 9,1% da população global e 10,3 % das injeções de COVID-19 aplicadas em todo o mundo – com uma taxa de vacinação de 1,91 injeções por pessoa de todas as idades – e incluem quase todos os produtos e fabricantes de vacinas contra a COVID-19 em quatro continentes. Entre as principais conclusões do relatório de 180 páginas estão que :

  • Em todos os países incluídos na análise, a mortalidade por todas as causas aumentou quando as vacinas contra a COVID-19 foram distribuídas.
  • Nove dos 17 países não tiveram mortes excessivas detectáveis ​​após a declaração da pandemia pela Organização Mundial da Saúde em 11 de março de 2020 até o início da campanha de vacinação COVID-19.
  • Picos sem precedentes na mortalidade por todas as causas foram observados em janeiro e fevereiro de 2022, durante a temporada de verão dos países do Hemisfério Sul, coincidindo com ou após a implementação de vacinas de reforço em 15 dos 17 países estudados.
  • O excesso de mortalidade por todas as causas durante o período de vacinação que começou em Janeiro de 2021 foi de 1,74 milhões de mortes – ou 1 morte por cada 800 injeções – nos 17 países estudados.
  • A vDFR aumentou exponencialmente com a idade, atingindo quase 5 % entre aqueles com 90 anos ou mais que receberam uma quarta dose da vacina.
Em 25 de fevereiro de 2009, durante uma reunião [Council of Eugenics] da OMS, o judeu khazar Henry Kissinger declarou: “Uma vez que o rebanho (os bovinamente zumbis) aceita as vacinas obrigatórias, o jogo termina. Eles aceitarão qualquer coisa – doação forçada de sangue ou órgãos – para um bem maior, NÓS PODEMOS MODIFICAR GENETICAMENTE E ESTERILIZAR CRIANÇAS, para um bem maior – Controle as mentes das ovelhas e você controla o rebanho. Os fabricantes de vacinas devem ganhar bilhões. E muitos de vocês nesta sala são investidores. É uma grande vitória para todos. Nós reduzimos o rebanho e o rebanho nos paga pelos serviços de extermínio.

“Não há evidências nos dados concretos de mortalidade por todas as causas de um efeito benéfico do lançamento da vacina COVID-19. Nenhuma vida foi salva”, disse Denis Rancourt, codiretor de Pesquisa de Correlação no Interesse Público, ao Epoch Times. em um e-mail.

“Pelo contrário, a evidência pode ser entendida em termos de estar sujeito a uma substância tóxica. O risco de morte por injeção aumenta exponencialmente com a idade. A política de priorizar os idosos para a injeção deve ser encerrada imediatamente”, escreveu Rancourt, que tem doutorado em física.

Picos na mortalidade por todas as causas coincidem com as doses de ‘reforço'[de veneno]

Usando dados de mortalidade e vacinação do Chile e do Peru por idade e número de doses, os pesquisadores observaram picos claros na mortalidade por todas as causas em julho de 2021 a agosto de 2021, de janeiro de 2022 a fevereiro de 2022 e de julho de 2022 a agosto de 2022 entre grupos de idosos. O aumento da mortalidade por todas as causas observado em janeiro e fevereiro de 2022 em ambos os países coincidiu com a rápida implementação da quarta dose da vacina contra a COVID-19 no Chile e da terceira dose no Peru.

É improvável que o aumento da mortalidade por todas as causas (MCA) que coincide com a implementação e administração sustentada das vacinas contra a COVID-19 em todos os 17 países possa ser o resultado de qualquer outra causa que não as vacinas, disseram os investigadores.

No Chile e no Peru, a vDFR aumentou exponencialmente com a idade e foi mais significativa para as doses de reforço mais recentes, resultando em 1 morte por 20 injeções de dose de vacina para pessoas com mais de 90 anos na Austrália.

“A sincronicidade entre os muitos picos de ACM (em 17 países, em 4 continentes, em todas as faixas etárias idosas, em momentos diferentes) e as implementações rápidas de reforço associadas permitem esta conclusão firme sobre a causalidade e a quantificação precisa da toxicidade da vacina COVID-19”, escreveram os pesquisadores.

Os resultados noutros países refletiram o que foi observado no Chile e no Peru em todos os casos em que estavam disponíveis dados de mortalidade estratificada por idade e de vacinação específica por dose estratificada por idade. Em 15 países com dados de mortalidade suficientes, um aumento sem precedentes na mortalidade por todas as idades e por todas as causas durante ou próximo de Janeiro e Fevereiro de 2022 coincidiu ou foi imediatamente precedido por uma rápida implementação da terceira ou quarta doses de reforço, dependendo do país , e a administração continuada de doses não de reforço.

Os pesquisadores não encontraram evidências de que as vacinas COVID-19 evitaram a mortalidade

Os investigadores afirmaram que as suas descobertas são conclusivas e as associações observadas são numerosas e sistemáticas. Não conseguiram encontrar um único contra-exemplo que mostrasse que as vacinas contra a COVID-19 melhoraram a mortalidade por todas as causas.

“Se as vacinas prevenissem a transmissão, a infecção ou doenças graves, então deveria haver diminuições na mortalidade após a distribuição das vacinas, e não aumentos, como em todos os grupos etários idosos observados sujeitos a rápidas implementações de reforço. E a mortalidade não aumentaria apenas quando as vacinas fossem implementadas, onde não ocorre excesso de mortalidade antes da distribuição das vacinas, como documentámos aqui, em nove países em três continentes”, escreveram os investigadores.

De acordo com o relatório, dados de vários países como a Índia, a Austrália, o Canadá, Israel e os Estados Unidos mostram um fenômeno semelhante: picos anormais na mortalidade por todas as causas coincidindo com o lançamento de doses de reforço. Nos Estados Unidos, as mortes foram proeminentes na faixa etária dos 25 aos 64 anos em 21 estados, coincidindo com um “rápido aumento” nas vacinas administradas durante as campanhas de “equidade em vacinas” lançadas pelas agências reguladoras. 

Os investigadores estimaram que os Estados Unidos registaram cerca de 160.000 mortes em excesso durante um período em que foram administradas mais de 60 milhões de doses da vacina COVID-19.

Limitações potenciais

É importante observar que o relatório científico ainda não foi revisado por pares. Os artigos que são finalmente aceitos pela revisão por pares são frequentemente revisados ​​antes da publicação, indicando o potencial de melhoria. A revisão por pares é um processo de avaliação de submissões a um periódico acadêmico no qual um painel de especialistas aplica critérios rigorosos para validar os resultados antes de serem aceitos para publicação.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *