As Armas Nucleares de Israel – o Último [e radioativo] Recurso

O que há de comum entre a memorável cena de abertura do filme “A soma de todos os medos” de 2002, baseado no romance homônimo de Tom Clancy (1947-2013), na qual um caça-bombardeiro Douglas A-4 Skyhawk israelense parte para uma missão de ataque nuclear contra tropas árabes armado com uma bomba atômica de queda livre durante a Guerra do Yom Kippur (“Dia do Perdão”) em outubro de 1973 e o recente ataque do grupo terrorista Hamas, exatamente cinquenta anos depois?

As Armas Nucleares de Israel – o Último Recurso

Fonte: Aereo.jor.br

“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  –  Apocalipse 13:16


A possibilidade de um ataque com armas dessa natureza, desta vez suscitada pela parlamentar israelense Revital “Tally” Gotliv, que clamou na rede social “X” (antigo “Twitter”) pelo uso por Israel de mísseis balísticos Jericho contra alvos na Faixa de Gaza, em mais uma demonstração explícita da existência de armas nucleares no arsenal das Forças de Defesa de Israel-IDF, que os judeus nunca admitiram ou negaram oficialmente a posse de tais artefatos atômicos.

As origens do poder nuclear israelense

Israel começou a investigar ativamente a opção nuclear desde os seus primeiros dias. Em 1949, a “Hemed Gimmel”, uma unidade especial do Corpo Científico das Forças de Defesa de Israel, iniciou um levantamento geológico de dois anos no deserto de Negev com o objetivo de descobrir reservas de urânio. Embora não tenham sido encontradas fontes significativas de urânio, as quantidades recuperáveis foram localizadas em depósitos de fosfato.

O programa deu mais um passo em frente com a criação da Comissão de Energia Atômica de Israel (IAEC na sigla em inglês) três anos depois. O seu presidente, Ernst David Bergmann, há muito defendia uma bomba atômica nacional como a melhor forma de garantir a soberania do povo israelense. Ele também era chefe da Divisão de Pesquisa e Infraestrutura do Ministério da Defesa (conhecida pela sigla EMET), que havia assumido os centros de pesquisa HEMED (entre eles o já mencionado “Hemed Gimmel”, agora renomeado “Machon 4”) como parte de uma reorganização.

Sob Bergmann, a linha entre a IAEC e o EMET tornou-se tênue a ponto de o Machon 4 funcionar essencialmente como o laboratório principal da IAEC. Em 1953, o Machon 4 não só tinha aperfeiçoado um processo para extrair o urânio encontrado no deserto do Negev, mas também desenvolvido um novo método de produção de água pesada, proporcionando a Israel uma capacidade nacional para produzir alguns dos materiais nucleares mais importantes.

Instalações na SUPERFÍCIE da usina nuclear de Dimona no Deserto de Negev, na Península do Sinai

Para o projeto e construção do reator, Israel procurou a ajuda da França. A cooperação nuclear entre as duas nações remonta ao início da década de 1950, quando começou a construção do reator francês de água pesada de 40 Megawatts e de uma fábrica de reprocessamento químico em Marcoule. A França era um parceiro natural de Israel e ambos os governos viam uma opção nuclear independente como um meio pelo qual poderiam manter um certo grau de autonomia no ambiente bipolar da Guerra Fria.

No outono de 1956, a França concordou em fornecer a Israel um reator nuclear de pesquisa de 18 Megawatts. No entanto, o início da Crise do Canal de Suez, algumas semanas depois, mudou dramaticamente a situação. Após o bloqueio do Canal de Suez pelo Egito, em julho daquele ano, a França e a Grã-Bretanha concordaram com Israel que os judeus deveriam provocar uma guerra com o Egito para fornecer às nações europeias o pretexto para enviar as suas tropas como forças de manutenção da paz para ocupar e reabrir a zona do canal.

Na sequência da crise de Suez, a União Soviética fez uma ameaça velada contra as três nações. Este episódio não só reforçou a visão israelita de que era necessária uma capacidade nuclear independente para evitar a dependência de aliados potencialmente não fiáveis, mas também levou a um sentimento de dívida entre os líderes franceses por não terem cumprido os compromissos assumidos com um parceiro.

Em 3 de Outubro de 1957, a França e Israel assinaram um acordo revisto apelando à França para construir um reator de 24 Megawatts (embora os sistemas de refrigeração e as instalações de resíduos tenham sido concebidos para lidar com três vezes essa potência) e, em protocolos que não foram confirmados no papel, uma fábrica de reprocessamento químico.

Este complexo foi construído e concluído em segredo, e fora do regime de inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica-AIEA, por técnicos franceses e israelenses em Dimona, no deserto de Negev, na Península do Sinai, sob a liderança do Coronel Manes Pratt.

Tanto a escala do projeto como o sigilo envolvido fizeram da construção de Dimona um empreendimento gigantesco. Uma nova agência de inteligência israelense, a Lekem, foi criada para fornecer segurança e inteligência ao projeto.

No auge da construção, cerca de 1.500 israelenses (alguns trabalhadores franceses) foram empregados na construção de Dimona. Para manter o sigilo, os funcionários aduaneiros franceses foram informados de que o maior dos componentes do reator, como o seu tanque, fazia parte de uma central de dessalinização de água com destino à América Latina.

Além disso, depois de comprar água pesada da Noruega com a condição de que não fosse transferida para um terceiro país, a Força Aérea Francesa transportou secretamente até quatro toneladas da substância para Israel.

Os problemas surgiram em maio de 1960, quando a França começou a pressionar Israel para tornar o projeto público e submeter-se a inspeções internacionais da AIEA do local, ameaçando reter o combustível do reator nuclear, a menos que o fizessem.

Numa reunião subsequente entre os dois governos, o francês ofereceu a venda de aviões de combate a Israel em troca da interrupção dos trabalhos na fábrica de reprocessamento e saiu da reunião convencido de que o assunto estava encerrado, mas nos meses seguintes Israel chegou a um acordo.

A França forneceria o urânio e os componentes já encomendados e não insistiria em inspeções internacionais. Em troca, Israel garantiria à França que não tinha intenção de fabricar armas nucleares, não reprocessaria qualquer plutônio e revelaria a existência das instalações ou que seria concluído sem a ajuda francesa. Os empreiteiros franceses terminaram os trabalhos no reator e na instalação de reprocessamento, o combustível de urânio foi entregue e o reator entrou em estado operacional em 1964.

Os Estados Unidos tomaram conhecimento da existência de Dimona depois que os sobrevoos do Lockheed U-2 “Dragon Lady” em 1958 capturaram a construção da instalação, mas ela só foi identificada como uma instalação nuclear dois anos depois. O complexo foi explicado de várias maneiras: uma fábrica têxtil, uma estação agrícola e um centro de pesquisa metalúrgica, até que David Ben-Gurion (1886-1973) declarou em dezembro de 1960 que o complexo de Dimona era um centro de pesquisa nuclear construído para “fins pacíficos”.

Na mesma época, a CIA publicou um relatório descrevendo as implicações de Dimona para a proliferação de armas nucleares, e a sua estação em Tel Aviv tinha determinado em meados daquela década que o programa de armas nucleares israelita era um fato estabelecido e irreversível.

Os inspetores dos Estados Unidos visitaram Dimona sete vezes durante os anos 1960, mas não conseguiram obter uma imagem precisa das atividades ali realizadas, em grande parte devido ao rigoroso controle israelense sobre o calendário e a agenda das visitas.

Os israelenses chegaram ao ponto de instalar painéis falsos nas salas de controle e colocar tijolos em elevadores e corredores que davam acesso a certas áreas das instalações. Os inspetores conseguiram reportar que não havia investigação científica clara ou programa de energia nuclear civil que justificasse um reator tão grande – prova circunstancial do programa de bombas nucleares israelense – mas não encontraram provas de “atividades relacionadas com armas”, tais como a existência de um centro de reprocessamento de plutônio.

Embora o governo dos Estados Unidos não tenha encorajado ou aprovado o programa nuclear israelense, também não fez nada para impedi-lo.

A produção israelense de armas nucleares

No início de 1968, a CIA publicou um relatório concluindo que Israel tinha iniciado com sucesso a produção de armas nucleares. Esta estimativa, no entanto, baseou-se numa conversa informal entre agentes do Gabinete de Ciência e Tecnologia da organização e cientistas nucleares norte-americanos, que em contatos com suas contrapartes israelenses concluíram que Israel era capaz de construir a bomba e que não se deveria esperar por um teste israelense para fazer uma avaliação final, porque esse teste nunca seria ser realizado [mas foi realizado, bem longe, em território da África do Sul, nas ilhas Marion e Prince Edward no sul do Oceano Índico].

Em meados da década de 1970, a inteligência norte-americana estimava que Israel tinha entre dez e vinte armas nucleares, estimativa que considerava apenas possíveis alvos israelitas, o que permaneceu até o início da década seguinte.

Apesar de dados ainda carecerem de confirmação, é amplamente divulgado que Israel tinha duas bombas em 1967, e que o seu governo ordenou que fossem armadas no primeiro alerta nuclear israelense durante a “Guerra dos Seis Dias” em junho daquele ano. Também é relatado que, temendo a derrota na já mencionada “Guerra do Yom Kippur”, os militares israelenses tinham mais de 25 bombas nucleares de vinte quilotons.

Israel poderia potencialmente ter produzido algumas dezenas de ogivas nucleares no período 1970-1980, e pensa-se que tenha produzido material físsil suficiente para construir de 100 a 200 ogivas atômicas em meados da década seguinte. Em 1986, descrições e fotografias de ogivas nucleares israelenses foram publicadas no The Sunday Times de uma fábrica subterrânea de bombas no reator nuclear de Dimona. As fotografias foram tiradas por Mordechai Vanunu, um técnico nuclear israelense demitido após ele ter denunciado o arsenal atômico de Israel.

A sua informação levou alguns especialistas a concluírem que Israel tinha um arsenal de 100 a 200 dispositivos nucleares naqueles tempos. Acredita-se que o governo israelense tenha conseguido produzir o máximo de até 400 ogivas nucleares até o fim dos anos 1990, com reservas de plutônio armazenadas para a confecção de mais dispositivos. Entretanto, de acordo com as estimativas mais atuais, do início de 2020, Israel tinha cerca de 300 kg de urânio altamente enriquecido e aproximadamente 980 kg de plutônio para armas nucleares.

Para fabricar uma ogiva nuclear, dependendo dos níveis técnicos e de outros fatores, são necessários de 12 a 18kg de urânio altamente enriquecido ou de 4 a 6kg de plutônio. Consequentemente, Israel possui material físsil nuclear equivalente a 180-270 ogivas. Com níveis mais elevados de enriquecimento, no entanto, é possível obter uma bomba a partir de 2 a 4kg de plutônio, caso em que esse mesmo estoque seria suficiente para um arsenal de 262-515 ogivas nucleares, que no caso das plataformas de lançamento terrestre são estocadas em locais diferentes destas.

Instalações israelenses de produção, montagem, estocagem e lançamento de armas nucleares

No Centro de Pesquisa Nuclear de Negev, em Dimona, é produzido todo o plutônio para as ogivas nucleares. Por sua vez, em Nahal Soreq acontece a pesquisa, projeto, desenvolvimento e construção delas, que são montadas em Yodefat e Rafael. Uma vez prontas são armazenadas em três locais: Tirosh, onde estão as ogivas para armas nucleares estratégicas, como os mísseis Jericho; em Eilabun, onde estão ogivas nucleares táticas e minas terrestres e, por fim, Kfar Zekharya, onde estão as bombas atômicas, sendo também uma base dos mísseis Jericho nucleares e instalação de armazenamento de bombas.

Os tipos de armas nucleares a serviço das Forças de Defesa de Israel

O fato de Israel ainda não ter oficialmente assumido a posse de armas nucleares dificulta qualquer informação mais detalhada acerca delas, inclusive com relação às designações de serviço. Sabe-se apenas que existem em vários formatos, desde “simples” minas terrestres (plantadas nas colinas de Golan no começo da década de 1980), passando por projéteis de artilharia a bombas de queda livre compatíveis com as aeronaves de ataque da Força Aérea das Forças de Defesa de Israel, baseadas em alguns poucos exemplares inertes das bombas Mk84, B43 e B61 fornecidos pelos aliados norte-americanos ao longo das décadas, indo até os mísseis balísticos da série “Jericho” até um (ainda) pouco conhecido míssil de cruzeiro lançado por submarinos da Marinha israelense.

Os mísseis balísticos Jericho

Jericho é a designação de uma série de mísseis balísticos desenvolvidos por Israel a partir de 1963, como resultado de um acordo com o fabricante francês Dassault, sendo uma referência à cidade bíblica de Jericó.

O primeiro míssil da série, Jericho I, foi identificado publicamente pela primeira vez como um sistema operacional de mísseis balísticos de curto alcance no final de 1971, embora tenha sido testado seis anos antes, identificado como MD-620. Tinha 13,4 metros de comprimento, 0,8 m de diâmetro e pesava 6,5 toneladas, possuindo alcance de 500 km, precisão de 1.000 m, e uma carga útil de 400 kg, na qual estava incluída uma ogiva nuclear de 20 quilotons.

Ainda que a cooperação francesa tivesse sido interrompida por um embargo de armas  no começo 1968, 12 desses mísseis já haviam sido entregues, tornando-se a base para a continuação do trabalho pela empresa Israel Aircraft Industries (IAI, hoje Israel Aerospace Industries) nas suas instalações em Beit Zachariah, que acabou transpondo alguns problemas iniciais no sistema de telemetria da arma ao incorporar alguma tecnologia norte-americana em um programa que consumiu próximo a US$ 1 bilhão até à década de 1980 e resultou em cerca de cem exemplares produzidos.

É de conhecimento público que durante a já mencionada “Guerra do Yom Kippur”, há exatos cinquenta anos, a então ministra Golda Meir (1898-1978) autorizou a prontidão de trezes armas nucleares, incluindo as ogivas nos mísseis Jericho I, alojados em cavernas escavadas em Sdot Micha, em Zekharia, sudeste de Tel Aviv, bem como bombas nucleares a serem lançadas por caça-bombardeiros McDonnell Douglas F-4 Phantom II baseados em Tel Nof, cujos pilotos eram selecionados dentre os melhores, passando a ser submetidos a sigilo estrito sobre suas atividades. Os Jericho I foram retirados de serviço na década de 1990.

O segundo artefato da série, Jericho II, originou-se em 1977, a partir da negação dos Estados Unidos em fornecer para Israel mísseis Pershing II como parte de um pacote de assistência militar em troca da devolução da Península do Sinai do controle israelense para o egípcio como parte de um acordo de paz mediado pelo governo norte-americano.

A segunda geração do míssil Jericho tem 14 metros de comprimento e 1,56 m de largura, com peso de lançamento de 26.000 kg. A sua carga útil de 1.000 kg pode ser constituída de alto explosivo ou uma ogiva nuclear com rendimento de 1 Megaton. O Jericho II é propulsado por um motor de propelente sólido de dois estágios, podendo ser lançado de um silo, de um vagão ferroviário ou de um veículo móvel, possuindo um sistema de orientação de terminal de radar ativo semelhante ao do Pershing II, para ataques muito precisos.

É considerado como tendo alcance mínimo de 1.500km, embora existam estimativas de que pode atingir alvos a até 3.500km de distância. Após uma série de lançamentos de testes nas décadas de 1980 e 1990, acredita-se que cerca de 90 mísseis Jericho II estejam em serviço na já mencionada base de Sdot Micha.

A mais recente versão dos mísseis Jericho, Jericho III, entrou em serviço em 2011, como um artefato de três estágios, com carga útil de até 1.300kg, que pode variar de uma única ogiva de 750kg (com rendimento entre 150 e 400 quilotons) ou três ogivas menores, independentes, de menor rendimento. Seu comprimento é 1,5m maior em relação ao do Jericho II, conservando a mesma largura, mas com peso máximo aumentado para 30.000kg. Seu alcance máximo estimado é superior a 5.000km, embora possa ser aumentado com ogivas menores.

Rafael Popeye Turbo, o controverso míssil nuclear de cruzeiro lançado de submarino

No início da década de 2000, a Marinha dos EUA observou o teste de uma versão do míssil ar-superfície Rafael Popeye (em serviço desde 1985) que atingiu um alvo a 1.500km de distância no Oceano Índico.

Era o “Popeye Turbo”, desenvolvido (tal como aconteceu com o já mencionado Jericho II) em resposta a uma negativa do governo norte-americano em vender para Israel a versão do Tomahawk lançada de submarino.

Embora naturalmente não existam dados confirmados acerca da ogiva desta versão alongada do “Popeye” (com 6.25m em relação aos 4.82m da versão original) acredita-se que possua 200 quilotons de potência como é comum nessa classe de armamento, que pode ser disparado a partir dos quatro tubos de 650mm dos submarinos da classe Dolphin, incluindo o novíssimo INS Drakon, lançado em agosto deste ano, cuja vela diferenciada acomoda silos para um míssil balístico lançado de submarino de tipo e características ainda envoltos no mais absoluto sigilo.

Submarino israelense classe Dolphin 2 da Marinha de Israel, capaz de lançar o míssil Popeye Turbo com ogiva nuclear

Autor Sérgio Santana: Bacharel em Ciências Aeronáuticas (Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL), pós-graduado em Engenharia de Manutenção Aeronáutica (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG). Colaborador de Conteúdo da Shephard Media. Colaborador das publicações Air Forces Monthly, Combat Aircraft e Aviation News. Autor e co-autor de livros sobre aeronaves de Vigilância/Reconhecimento/Inteligência, navios militares, helicópteros de combate e operações aéreas.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.309 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth