Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

As Origens Sombrias do ‘Great Reset’ dos Psicopatas Idiotas do WEF de Davos

É muito Importante entender que não há sequer uma única ideia nova ou original na chamada agenda Great Reset do idiota khazar Klaus – Rothschild – Schwab para o mundo. Nem sua agenda da “Quarta Revolução Industrial” é sua alegação de ter inventado a noção de Stakeholder Capitalism [Capitalismo das Partes Interessadas] um produto da mente do idiota Schwab.

As Origens Sombrias do ‘Great Reset’ dos Psicopatas Idiotas do WEF de Davos

Fonte: Global Research

Klaus Schwab é pouco mais do que um astuto [e idiota] agente de relações públicas para uma agenda tecnocrática global, uma unidade corporativista do poder corporativo com o governo, incluindo a ONU, uma agenda cujas origens remontam ao início da década de 1970, e até antes. A redefinição de Davos do ‘Great Reset’ é apenas um plano atualizado para uma ditadura distópica global sob o controle da ONU que está há décadas em desenvolvimento. Os atores principais foram David Rockefeller e seu protegido, Maurice Strong.

No início da década de 1970, sem dúvida, não havia uma pessoa mais influente na política mundial do que o falecido e nefasto David Rockefeller, então amplamente conhecido como presidente do Chase Manhattan Bank.

Criando um novo paradigma

No final da década de 1960 e início da década de 1970, os círculos internacionais diretamente ligados a David Rockefeller lançaram uma deslumbrante variedade de organizações de elite e grupos de reflexão. Estes incluíam o Clube de Roma; o 1001: A Nature Trust, vinculado ao World Wildlife Fund (WWF); a Conferência do Dia da Terra das Nações Unidas em Estocolmo; o estudo de autoria do MIT, Limits to Growth; e a Comissão Trilateral de David Rockefeller.

O Clube de Roma

Em 1968, David Rockefeller fundou um think tank neo-malthusiano, The Club of Rome, junto com Aurelio Peccei e Alexander King. Aurelio Peccei, foi gerente sênior da montadora Fiat, de propriedade da poderosa família italiana Agnelli. Gianni Agnelli, da Fiat, era amigo íntimo de David Rockefeller e membro do Comitê Consultivo Internacional do Chase Manhattan Bank de Rockefeller.

Agnelli e David Rockefeller eram amigos íntimos desde 1957. Agnelli tornou-se membro fundador da Comissão Trilateral de David Rockefeller em 1973. Alexander King, chefe do Programa Científico da OCDE, também foi consultor da OTAN.[1] Esse foi o início do que se tornaria o movimento neo-malthusiano de “povo poluente”.

Em 1971, o Clube de Roma publicou um relatório profundamente falho, Limits to Growth, que previa o fim da civilização como a conhecemos devido ao rápido crescimento populacional, combinado com exploração e uso de recursos naturais como o petróleo e gás. O relatório concluiu que, sem mudanças substanciais no consumo dos recursos naturais, “o resultado mais provável será um declínio bastante repentino e incontrolável tanto na população quanto na capacidade industrial”.

Foi baseado em simulações de computador falsas por um grupo de cientistas da computação do MIT. Ele declarou a previsão ousada:

“Se as atuais tendências de crescimento da população mundial, poluição, industrialização, produção de alimentos e esgotamento de recursos continuarem inalteradas, os limites do crescimento neste planeta serão alcançados em algum momento nos próximos cem anos”. Isso foi em 1971.

Em 1973, Klaus Schwab, em sua terceira reunião anual de líderes empresariais [fantoches e lacaios] em Davos, convidou Peccei a Davos para apresentar Limits to Growth para CEOs corporativos reunidos. [2]

Em 1974, o Clube de Roma declarou corajosamente: “A Terra tem câncer e o câncer é o homem”. Então: “o mundo está enfrentando um conjunto sem precedentes de problemas globais interligados, como superpopulação, escassez de alimentos, esgotamento de recursos não renováveis ??[petróleo-nós], degradação ambiental e má governança”[3] Eles argumentaram que,

É necessária uma reestruturação ‘horizontal’ do sistema mundial… mudanças drásticas no estrato normativo – isto é, no sistema de valores e nos objetivos do homem – são necessárias para resolver crises energéticas, alimentares e outras, ou seja, mudanças sociais e mudanças nas atitudes individuais são necessárias para que a transição para o crescimento orgânico ocorra. [4]

Em seu relatório de 1974, Mankind at the Turning Point , o Clube de Roma argumentou ainda:

A crescente interdependência entre nações e regiões deve então se traduzir em uma diminuição da independência. As nações não podem ser interdependentes sem que cada uma delas renuncie, ou pelo menos reconheça limites, à sua própria independência e soberania. Agora é a hora de elaborar um plano mestre para o crescimento orgânico sustentável e o desenvolvimento mundial baseado na alocação global de todos os recursos finitos e um novo sistema econômico global. [5]

Essa foi a formulação inicial da Agenda 21 da ONU, Agenda 2030 e a Grande Redefinição de Davos de 2020.

David Rockefeller e Maurice Strong

De longe, o mais influente organizador da agenda de “crescimento zero” de David Rockefeller no início dos anos 1970 foi o amigo de longa data de David Rockefeller, um petroleiro bilionário chamado Maurice Strong.

O canadense Maurice Strong foi um dos principais propagadores da teoria cientificamente falha de que as emissões de CO2 feitas pelo homem de veículos de transporte, usinas de carvão e agricultura causaram um aumento dramático e acelerado da temperatura global que ameaça “o planeta”, o chamado “Aquecimento Global”.

Como presidente da Conferência da ONU em Estocolmo em 1972, Strong promoveu uma agenda de redução da população e redução dos padrões de vida em todo o mundo para “salvar o meio ambiente”. Strong declarou sua agenda ecologista radical:

“Não é a única esperança para o planeta que as civilizações industrializadas entrem em colapso? Não é nossa responsabilidade fazer isso acontecer?” [6]

Isso é o que está acontecendo EXATAMENTE agora, sob o patrocínio do WEF e sob o manto de uma pandemia global sensacionalista e fabricada em laboratório.

Strong foi uma escolha curiosa para liderar uma grande iniciativa da ONU para mobilizar ações sobre o meio ambiente, já que sua carreira e sua considerável fortuna foram construídas na exploração de petróleo, como um número incomum dos novos defensores da ‘pureza ecológica’, como David Rockefeller ou Robert O. Anderson do Aspen Institute ou John Loudon da Shell.

Strong conheceu David Rockefeller em 1947 como um jovem canadense de dezoito anos e, a partir desse ponto, sua carreira ficou ligada à rede da família Rockefeller.[7] Através de sua nova amizade com David Rockefeller, Strong, aos 18 anos, recebeu uma Posição chave da ONU sob o Tesoureiro da ONU, Noah Monod. Os fundos da ONU foram convenientemente administrados pelo banco dos Rockfeller, Chase Manhatan Bank. Isso era típico do modelo de “parceria público-privada” a ser implantado por Strong – ganho privado do governo público. [8]

Na década de 1960, Strong havia se tornado presidente do enorme conglomerado de energia e companhia petrolífera de Montreal conhecido como Power Corporation, então propriedade do influente Paul Desmarais. A Power Corporation também teria sido usada como um fundo político para financiar campanhas de políticos canadenses selecionados, como Pierre Trudeau, pai do protegido de Davos, o covarde idiota PM Justin Trudeau, de acordo com a pesquisadora investigativa canadense Elaine Dewar. [9]

Cúpula da Terra I e Cúpula da Terra do Rio

Em 1971, Strong foi nomeado Subsecretário das Nações Unidas em Nova York e Secretário Geral da próxima conferência do Dia da Terra, Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Cúpula da Terra I) em Estocolmo, na Suécia. Ele também foi nomeado naquele ano como curador da Fundação Rockefeller – que financiou o lançamento do projeto Estocolmo Dia da Terra.[10] Em Estocolmo, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) foi criado com Strong como seu chefe.

Em 1989 Strong foi nomeado pelo Secretário Geral da ONU para chefiar a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992 ou UNCED ( “Rio Earth Summit II” ). Ele supervisionou a elaboração das metas de “Ambiente Sustentável” da ONU, a Agenda 21 para o Desenvolvimento Sustentável que forma a base do Grande Reset de Klaus Schwab, bem como a criação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU. Strong, que também era membro do conselho do WEF de Davos, conseguiu que Schwab atuasse como um conselheiro-chave para a Cúpula da Terra do Rio.

Como secretário-geral da Conferência do Rio da ONU, Strong também encomendou um relatório do Clube de Roma, A Primeira Revolução Global, de autoria de Alexander King, que admitiu que a alegação de aquecimento global de CO2 era apenas um ardil inventado para forçar as mudanças por eles desejadas:

“O inimigo comum da humanidade é o homem. Na busca de um novo inimigo para nos unir, tivemos a ideia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e coisas do gênero seriam suficientes. Todos esses perigos são causados ??pela intervenção humana, e é somente através de atitudes e comportamentos alterados que eles podem ser superados. O verdadeiro inimigo, então, é a própria humanidade.” [11]

O delegado do presidente Clinton no Rio, Tim Wirth, admitiu o mesmo, afirmando:

“Temos que enfrentar a questão do aquecimento global. Mesmo que a teoria do aquecimento global esteja errada, estaremos fazendo a coisa certa em termos de política econômica e política ambiental”. [12]

Na cúpula do Rio Strong introduziu pela primeira vez a ideia manipuladora de “sociedade sustentável” definida em relação a essa meta arbitrária e delirante de eliminação de CO2 e outros chamados “Gases de Efeito Estufa”. A Agenda 21 tornou-se Agenda 2030 em setembro de 2015 em Roma, com a bênção do Papa, com 17 metas “sustentáveis”. Ela declarou, entre outros itens,

“A Terra, por sua natureza única e pelo papel crucial que desempenha na ocupação humana, não pode ser tratada como um bem comum, controlado por indivíduos e sujeito às pressões e ineficiências do mercado. A propriedade privada da terra também é o principal instrumento de acumulação e concentração de riqueza e, portanto, contribui para a injustiça social… no interesse da sociedade como um todo”.

Em suma, a propriedade privada da terra deve ser socializada para a “sociedade como um todo”, uma ideia bem conhecida nos dias da União Soviética e uma parte fundamental da Grande Reinicialização dos psicopatas do WEF de Davos.

No Rio, em 1992, onde foi presidente e secretário geral, Strong declarou:

“Está claro que os atuais estilos de vida e padrões de consumo da classe média abastada – envolvendo alto consumo de carne , consumo de grandes quantidades de alimentos congelados e de conveniência, uso de combustíveis fósseis , eletrodomésticos, ar condicionado doméstico e no local de trabalho e habitação suburbana – são não sustentável”.  [13] (ênfase adicionada)

Naquela época, Strong estava no centro da transformação da ONU no veículo para impor um novo “paradigma” tecnocrático global de forma furtiva, usando avisos terríveis de extinção do planeta e aquecimento global, fundindo agências governamentais com poder corporativo em um controle não eleit. de praticamente tudo, sob o pretexto de “sustentabilidade”. 

Em 1997, Strong supervisionou a criação do plano de ação após a Cúpula da Terra, The Global Diversity Assessment, um plano para a implantação de uma Quarta Revolução Industrial, um inventário de todos os recursos do planeta, como eles seriam controlados e como essa revolução seria alcançado.[14]

Nessa época, Strong era co-presidente do Fórum Econômico Mundial de Davos, de Klaus Schwab. Em 2015, com a morte de Strong, o fundador de Davos, Klaus Schwab, escreveu:

“Ele foi meu mentor desde a criação do Fórum: um grande amigo; um conselheiro indispensável; e, por muitos anos, membro do nosso Conselho de Fundação.” [15]

Antes de ser deixado na ONU por causa de um escândalo de corrupção no Iraque Food-for-Oil, Strong era membro do Clube de Roma, Administrador do Instituto Aspen, Administrador da Fundação Rockefeller e da Fundação Rothschild. Strong também foi diretor do Templo do Entendimento do Lucifer Trust (também conhecido como Lucis Trust) localizado na Catedral de São João, o Divino, na cidade de Nova York,

“onde os rituais pagãos incluem escoltar ovelhas e gado ao altar para bênção. Aqui, o vice-presidente Al Gore fez um sermão, enquanto os fiéis marchavam para o altar com tigelas de composto e minhocas…” [16]

Esta é a origem sombria da agenda Great Reset de Schwab e do WEF, onde devemos comer minhocas e não ter propriedade privada para “salvar o planeta”. A agenda é sombria, distópica e destinada a eliminar bilhões de nós “humanos comuns” e comedores inúteis.

Nota aos leitores: Por favor, clique nos botões de compartilhamento acima. Siga-nos no Instagram e no Twitter e assine nosso canal no Telegram. Sinta-se à vontade para republicar e compartilhar amplamente os artigos da Global Research.

F. William Engdahl é consultor de risco estratégico e palestrante, é formado em política pela Princeton University e é autor de best-sellers sobre petróleo e geopolítica. É pesquisador associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização (CRG).

Notas


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *