Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Aumenta a Repressão da Elite à Liberdade de Expressão em todo o mundo

Desde a América do Norte à Austrália e à Europa, as elites procuram a censura, as invasões de privacidade e a acusação de pensamentos errados como “pré-crime”… Os líderes das nações, representantes de organizações internacionais e Oligarcas pseudo filantropos afirmam estar empenhados em criar sociedades livres e abertas. O CEO da Meta, [o khazar] Mark Zuckerberg, diz que o Facebook possui verificadores de fatos independentes, está “aberto a todas as perspectivas” e não “interfere nas eleições”. 

Aumenta a Repressão da Elite à Liberdade de Expressão em todo o mundo

Fonte: Public substack – Authored by Michael Shellenberger

E, em resposta a perguntas de um colega do Public, um representante da Open Society Foundations de [do khazar] George Soros insistiu que a “filantropia apoiava a liberdade de expressão”.

“Em resposta ao seu esforço para confundir qualquer tentativa de abordar o discurso de ódio como um ataque frontal à própria liberdade de expressão”, disse o porta-voz de Soros, “talvez  as palavras do Secretário-Geral da ONU  ajudem a iluminar uma distinção crucial: ‘Abordar o discurso de ódio não significa limitar ou proibir a liberdade de expressão.’”

Mas estas palavras são um véu fino que cobre um ataque agressivo à liberdade de expressão em todo o mundo, da Austrália à América do Norte e à Europa, onde a Lei dos Serviços Digitais, que exige que as empresas de Internet “resolvam qualquer risco que representem para a sociedade, incluindo a saúde pública, bem-estar físico e mental”, entra em vigor hoje.

Uma  nova investigação de grande sucesso  da Sky News da Austrália descobriu que o Meta-Facebook tem pago a ativistas para servirem como verificadores de fatos neutros enquanto, na realidade, usa o seu poder para censurar os seus inimigos políticos.

O contexto é que neste outono, os australianos votarão numa eleição nacional especial, o referendo da Voz Indígena Australiana, sobre a possibilidade de conceder poderes políticos especiais aos povos nativos. O Facebook está financiando aqueles que são a favor do referendo para censurar os seus oponentes. “Uma auditoria das verificações de fatos do RMIT Voice mostrou que as 17 verificações do Voice entre 3 de maio e 23 de junho deste ano tinham como alvo opiniões ou pontos de vista anti-Voice”, descobriu Sky News.

A Meta permitiu que o Royal Melbourne Institute of Technology (RMIT) censurasse opiniões desfavorecidas, mesmo sabendo que “era uma violação das regras que Zuckerberg estabeleceu para se distanciar das responsabilidades de verificação de fatos”, informou a  SkyNews .

A RMIT, que é uma universidade técnica respeitada como o MIT dos Estados Unidos, “usou os poderes que o Facebook lhe deu para estrangular a página da Sky News Australia no Facebook com falsas verificações de fatos várias vezes este ano, violando o Código de Princípios da IFCN endossado pela Meta e impedindo milhões de Australianos de ler ou assistir ao jornalismo da Sky News Australia.”

Como é que os “verificadores de fatos” abusaram dos seus poderes? Ao difamar os seus inimigos políticos como racistas.

“Os verificadores de fatos empregados pela RMIT levaram a inúmeras violações de código”, relata a Sky News, “incluindo um verificador de fatos que usou a sua conta nas redes sociais para rotular o líder da oposição Peter Dutton como um racista fomentador do medo pelas suas opiniões sobre o Voice”.

Quanto à Open Society Foundations de Soros, a sua porta-voz habilmente inseriu um apelo à censura alargada na sua resposta às nossas perguntas.

Depois de dizer: “Abordar o ‘discurso de ódio’ não significa limitar ou proibir a liberdade de expressão”, o porta-voz disse: “Significa  evitar que o ‘discurso de ódio’ se transforme em algo mais perigoso , particularmente o incitamento à discriminação, à hostilidade e à violência, que é proibido pelas leis internacionais” [ênfase acrescentada]. 

“Evitar que o discurso de ódio se transforme em algo mais perigoso” é precisamente a justificação para a censura que os políticos na Irlanda e na Escócia estão a fazer para poderem invadir as casas das pessoas e confiscar os seus telefones e computadores, como descreveu ontem o repórter irlandês Ben  Scallan .

Considere a lógica distorcida. A polícia irlandesa deve invadir as casas das pessoas para garantir que os seus materiais de ódio não se transformam em algo que possa ser ilegal. Trata-se de um movimento totalitário no sentido de a polícia impor o “pré-crime”, conforme retratado no aterrorizante thriller de ficção científica  “Minority Report” com Tom Cruise.

Entretanto, a ONU está agora a construir um “exército digital” de ativistas da censura em todo o mundo para travar uma guerra contra o pensamento errado, ou o que chama de “desinformação mortal”.  Segundo a ONU, a “desinformação” é “mortal” e representa uma ameaça “existencial”. O esforço da ONU corresponde ao esforço da OMS, que vê o discurso do qual discorda como uma espécie de agente patogénico.

Na Alemanha, um tribunal ordenou que o escritor americano CJ Hopkins fosse preso ou pagasse 3.600 euros por comparar os confinamentos da COVID com os nazistas.

O governo alegou que Hopkins estava promovendo o nazismo quando, obviamente, fazia o oposto.  Embora alguns possam ficar ofendidos com a comparação, ela deixa claro que Hopkins tem uma visão negativa, e não positiva, do nazismo.

Nos Estados Unidos, uma organização sem fins lucrativos chamada Center for Countering Digital Hate, cujo antigo diretor de comunicações trabalhou para a Agência Central de Inteligência, liderou com sucesso um boicote contra o X, anteriormente denominado Twitter, por não fazer mais censura.

Como resultado, a receita de publicidade para X caiu de 60 a 70%, de acordo com as notícias.

Em suma, as elites ocidentais, tanto governamentais, como empresariais e [as pseudo] filantrópicas, estão adotando os tipos de táticas totalitárias que ficaram famosas pela Stasi da Alemanha Oriental, pelo governo chinês e pelos regimes distópicos retratados em filmes como Minority  Report e em livros como “1984” de George Orwell. Por que é assim? E como podemos revidar?

Estamos a aproximar-nos do fim do início do nosso movimento, que envolveu arrancar a máscara que esconde a verdadeira agenda das elites censuradoras do mundo. Os líderes das nações, os representantes das organizações internacionais, incluindo as Nações Unidas, e os oligarcas, pseudo filantropos que dizem estar empenhados na criação de sociedades livres e abertas, na realidade, não o estão. Muito pelo contrário, estão a interferir nas eleições e a violar tanto a Primeira Emenda como a Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas. Podemos detê-los, mas precisaremos da sua ajuda.


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores. Como a receita de anúncios foi  “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.


“O medo é a emoção predominante das massas que ainda estão presas no turbilhão da negatividade da estrutura de crença da (in)consciência das massas. Medo do futuro, medo da escassez, do governo, das empresas, de outras  crenças religiosas, das raças e culturas diferentes, e até mesmo medo da ira divina. Há aversão e medo daqueles que olham, pensam e agem de modo diferente (os que OUVEM e SEGUEM a sua voz interior), e acima de tudo, existe medo de MUDAR e da própria MUDANÇA.” – Arcanjo Miguel


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *