Banqueiro Central no WEF: Terror pela Covid facilitou a Guerra Globalista contra o dinheiro

Khalid Humaidan, o principal banqueiro central do Bahrein com um sotaque britânico curiosamente elegante – quase como se ele fosse do Bahrein apenas no sentido étnico mais estrito da palavra, como se pudesse ter sido preparado para sua posição atual, muito, muito distante do seu país natal declarou que: “…a transição para dinheiro totalmente digital [CBDCs] não será um exagero, as pessoas estão acostumadas, estão engajadas nisso e as circunstâncias que ajudam são o aumento de adoção do CBDC por causa da Covid“.

Banqueiro Central no WEF: Terror pela Covid facilitou a Guerra Globalista contra o dinheiro

Fonte: Armageddon Prose

A primeira parte de uma discussão de dois dias no Fórum Económico Mundial (WEF) em Riad, Arábia Saudita, centrou-se na colaboração global, no crescimento e na energia para o desenvolvimento. Os líderes econômicos globais e figuras políticas seniores envolveram-se em discussões sobre várias questões prementes, como o crescimento inclusivo, o capital humano, a economia inteligente e as tensões geopolíticas regionais.

Durante a ‘Plenária de Abertura: Uma Nova Visão para o Desenvolvimento Global’, Kristalina Georgieva, Diretora-Geral do Fundo Monetário Internacional (FMI)destacou os fundamentos positivos para o crescimento que o mundo desenvolveu nos últimos anos, demonstrando resiliência aos choques econômicos“.

Entre os presentes estava Khalid Humaidan, o principal banqueiro central do Bahrein com um sotaque britânico curiosamente elegante – quase como se ele fosse do Bahrein apenas no sentido étnico mais estrito da palavra, como se pudesse ter sido preparado para sua posição atual, muito distante de seu país natal.

Humaidan, como executivo-chefe do Conselho de Desenvolvimento Econômico do Bahrein, é listado como um orgulhoso membro do Centro para a Nova Economia e Sociedade do WEF-Fórum Econômico Mundial .

(Os colonizadores do passado tiveram a decência de ser francos sobre a sua subjugação das populações nativas; os colonizadores de hoje instalam marionetas de carne castanha de origem local e preparadas mental e internacionalmente e depois celebram o seu respeito pela “Diversidade” [de seus marionetes] enquanto prosseguem uma agenda global homogeneizada de controle centralizado)

Na convenção do WEF, que termina dia 06 de maio, Humaidan revelou como ele e seus amigos banqueiros centrais aproveitaram o terror da pandemia COVID para induzir maior conformidade com a agenda de implantação dos CBDCs, espalhando o medo sobre a transmissão do vírus por meio de dinheiro físico, das CÉDULAS DE PAPEL:

“Acho que a transição para totalmente digital não será um exagero, as pessoas estão acostumadas, estão engajadas nisso e as circunstâncias que ajudam são as taxas de adoção do CBDC aumentadas por causa da Covid. Foi aqui que [os sistemas de pagamento] sem contato físico começaram a tornar-se uma espécie de necessidade, uma espécie de segurança, uma espécie de requisito, e  por causa disso há muito pouca resistência, a confiança já existe…

“Há menos uso de dinheiro […] A transição para totalmente digital não vai ser um exagero […] As pessoas estão acostumadas […] Suas taxas de adoção aumentaram por causa do COVID […] Há muito pouca resistência”: Khalid Humaidan, governador do Banco Central do Bahrein, ao WEF sobre CBDC

Ele também descreveu a normalização deliberada e árdua do CBDC até tal ponto que o próprio termo é abandonado e simplesmente se torna o novo normal  – o substituto digital evolutivo do dinheiro, não mais considerado algo novo:

“Provavelmente vamos parar de chamá-la de moeda digital do banco central [CBDC]. Será uma forma digital de dinheiro e, em algum momento, esperamos poder ser 100% digital.”

“Provavelmente vamos parar de chamá-la de moeda digital do banco central [CBDC]. Será uma forma digital de dinheiro e, em algum momento, esperamos poder ser 100% digital”: Governador do Banco Central do Bahrein, Humaidan no WEF.

Aqueles de nós com um instinto de sobrevivência, com discernimento e um mínimo de ceticismo saudável em relação às “autoridades” sabiam desde o início que o terror do vírus COVID seria aproveitado para a normalização do CBDC – sem mencionar a digitalização de todas as outras facetas da vida, sendo os menus dos restaurantes apenas uma delas, um exemplo mundano, mas pernicioso.

Portanto, não precisávamos que um lacaio do WEF nos dissesse que o céu é azul. Mas é interessante, não é, quão cada vez mais confortáveis ​​essas entidades estão dizendo em voz alta o que costumava ser a parte silenciosa e oculta?

Ben Bartee, autor de  Broken English Teacher: Notes From Exile , é um jornalista americano independente baseado em Bangkok com polegares oponíveis.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth