Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Big Pharma é imune a processos legais por ‘Danos Colaterais’ que sejam causados por vacinas

Se você sofrer efeitos colaterais graves depois de receber a vacina da Covid , os advogados dizem que basicamente não há ninguém para culpar em um tribunal dos EUA. O governo federal concedeu a empresas [Big Pharma] como a Pfizer e Moderna  imunidade de responsabilidade caso algo de errado aconteça com suas vacinas. Você também não pode processar a Food and Drug Administration [FDA] por autorizar uma vacina para uso de emergência, nem pode responsabilizar seu empregador se ele exigir a inoculação como condição para voce manter seu emprego. Ou seja, o “camponês” não tem a quem recorrer, está “ferrado”

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Você não pode processar a Pfizer ou Moderna se tiver graves efeitos colaterais da vacina Covid. O governo provavelmente não irá compensá-lo pelos danos também

Fontes:  CNBC.Com

  • De acordo com a Lei PREP, empresas [Big Pharma] como a Pfizer e Moderna têm imunidade total de responsabilidade se “algo acidentalmente” der errado com suas vacinas.
  • Um programa governamental pouco conhecido oferece benefícios a pessoas que podem provar que sofreram lesões graves devido a uma vacina.
  • Esse programa raramente compensa, cobrindo apenas 29 reivindicações em quase 500 casos na última década.

Por MacKenzie Sigalos

Se você sentir efeitos colaterais graves depois de receber a vacina da Covid , os advogados dizem que basicamente não há ninguém para culpar em um tribunal dos EUA. O governo federal concedeu a empresas [Big Pharma] como a Pfizer e a Moderna imunidade de responsabilidade caso algo de errado aconteça com suas vacinas. 

?É muito raro que uma lei de imunidade geral seja aprovada”, disse Rogge Dunn, advogado trabalhista de Dallas. “As empresas farmacêuticas normalmente não oferecem muita proteção de responsabilidade sob a lei.”

Você também não pode processar a Food and Drug Administration [FDA] por autorizar uma vacina para uso de emergência, nem pode responsabilizar seu empregador se ele exigir a inoculação como condição para voce manter seu emprego.

O Congresso criou um fundo especificamente para ajudar a cobrir salários perdidos e despesas médicas do próprio bolso para pessoas que foram irreparavelmente prejudicadas por uma “contramedida coberta”, como uma vacina. Mas é difícil de usar e raramente compensa. Os advogados afirmam que ela compensou menos de 6% das reivindicações apresentadas na última década.

Imunes a processos judiciais

Em fevereiro, o Secretário de Saúde e Serviços Humanos Alex Azar invocou a Lei de Prontidão Pública e Preparação para Emergências . A lei de 2005 autoriza o secretário do HHS a fornecer proteção legal às empresas que fazem ou distribuem suprimentos médicos essenciais, como vacinas e tratamentos, a menos que haja “má conduta intencional” por parte da empresaA proteção legal às empresas dura até 2024.

Isso significa que, nos próximos quatro anos, essas empresas “não podem ser processadas por danos monetários em tribunal” por lesões relacionadas à administração ou uso de seus produtos para tratar, vacinar ou proteger a Covid .  O HHS recusou o pedido da CNBC para uma entrevista.

Dunn acredita que um grande motivo para a proteção sem precedentes tem a ver com a necessidade do cronograma acelerado [Warp Speed].

“Quando o governo disse: ‘Queremos que você desenvolva isso quatro ou cinco vezes mais rápido do que normalmente    faz’, provavelmente os fabricantes disseram ao governo: ‘Queremos que você, o governo, nos proteja de ações judiciais multimilionárias”, disse Dunn.

A vacina mais rápida já desenvolvida foi para caxumba.  Demorou quatro anos para ser desenvolvida e foi licenciada em 1967. A vacina Covid-19 da Pfizer foi desenvolvida e liberada para uso de emergência em oito meses – um fato que alimentou a desconfiança pública na inoculação de vacinas contra o coronavírus nos EUA.

Aproximadamente 4 em cada 10 americanos dizem que “definitivamente” ou “provavelmente” não tomarão a vacina, de acordo com uma pesquisa recente do Pew Research Center . Embora seja menor do que há dois meses, ainda aponta para uma enorme lacuna de confiança nas vacinas.

Mas as grandes {Big Pharma] farmacêuticas como a Pfizer continuam a tranquilizar o público de que nenhum atalho foi tomado. “Esta é uma vacina que foi desenvolvida sem economizar”, disse o CEO Dr. Albert Bourla em uma entrevista ao “Squawk Box” da CNBC na segunda-feira. “Esta é uma vacina que está sendo aprovada por todas as autoridades do mundo. Isso deve dizer algo”.

A imunidade legal concedida às empresas farmacêuticas não as protege apenas contra processos judiciais. Dunn disse que ajuda a reduzir o custo das imunizações. “O governo não quer que as pessoas processem as empresas que fabricam a vacina Covid. Porque então, os fabricantes provavelmente cobrariam do governo um preço mais alto por pessoa por dose”, explicou Dunn.

A Pfizer e a Moderna não retornaram o pedido da CNBC para comentar suas proteções legais.

Alguém é responsável se “ALGO” der errado ?

Lembre-se de que os fabricantes de vacinas não são os que aprovam seus produtos para distribuição em massa. Esse é o trabalho de agencias de governo como a FDA. O que levanta a questão: você pode processar o governo dos Estados Unidos se tiver uma reação extraordinariamente ruim a uma vacina?

Novamente, a resposta é NÃO.

“Você não pode processar o FDA por aprovar ou desaprovar uma droga”, disse Dorit Reiss, professora da Faculdade de Direito Hastings da Universidade da Califórnia. “Isso é parte de sua imunidade soberana.”

A imunidade soberana veio do rei, explica Dunn, referindo-se à lei britânica antes da Revolução Americana. “Você não poderia processar o rei. Portanto, a América tem imunidade soberana e até mesmo cada estado tem imunidade soberana.” Existem exceções limitadas, mas Dunn disse que não acredita que elas forneçam um caminho legal viável para responsabilizar o governo federal por um ferimento ou graves danos colaterais à saúde causado pela vacina da Covid .

Trazer trabalhadores de volta ao escritório em um mundo pós-Covid também acarreta um maior medo de responsabilidade para os empregadores. Advogados em todo o país dizem que seus clientes corporativos estão entrando em contato com eles para perguntar se podem exigir que os funcionários sejam imunizados com as vacinas.

Os clientes da Dunn que dirigem negócios atendendo clientes pessoalmente ou no local estão mais interessados ??em exigir uma vacina da Covid para a equipe. “Eles veem isso como um ponto de venda”, disse Dunn. ?É particularmente importante para restaurantes, bares, academias e salões de beleza. Meus clientes nesse segmento da indústria de serviços estão empenhados em torná-lo obrigatório, como ponto de venda para seus clientes.” 

Embora isso seja em parte uma tática de relações públicas, esta legalmente dentro dos direitos do empregador impor tal requisito.  Exigir uma vacina é uma regra de saúde e segurança no trabalho, e os empregadores podem fazer isso”, disse Reiss. Existem algumas exceções notáveis. Se a força de trabalho for sindicalizada, o acordo coletivo de trabalho pode exigir uma negociação com o sindicato antes de exigir uma vacina.

As leis antidiscriminação também fornecem algumas proteções. De acordo com a Lei dos Cidadãos Americanos com Deficiências, os trabalhadores que não desejam ser vacinados por razões médicas podem solicitar uma isenção. Se tomar a vacina é uma violação de uma crença religiosa “mantida com sinceridade”, o Título VII da Lei dos Direitos Civis de 1964 poderia fornecer uma maneira de recusar  tomar a vacina.

Caso nenhuma dessas isenções se aplique, os funcionários podem ter algum recurso legal se sofrerem efeitos colaterais debilitantes após uma inoculação da Covid exigida pelo trabalho. Os advogados dizem que as reclamações provavelmente seriam encaminhadas para os programas de compensação do trabalhador e tratadas como lesão no trabalho.

“Mas existem limites ou limites significativos para os danos que um funcionário pode recuperar”, disse Dunn. Ele acrescentou que provavelmente seria difícil provar isso.

Os protocolos de vacinação obrigatória, no entanto, podem não acontecer até que o FDA aprove formalmente as vacinas e conceda à Pfizer e BioNTechou Modernauma licença para vendê-las, o que levará mais vários meses de dados para mostrar sua segurança e eficácia.

“Uma autorização de uso de emergência não é uma licença”, disse Reiss. “Há uma questão legal sobre se você pode exigir uma observação de emergência. A linguagem da lei é um tanto confusa sobre isso.”

50 mil por ano

O governo criou uma maneira de as pessoas recuperarem alguns danos caso algo dê errado após a imunização. Além da imunidade legal, a Lei PREP instituiu o  Programa de Compensação de Lesões por Contramedidas (CICP) , que oferece benefícios a indivíduos elegíveis que sofram lesões graves de uma das empresas Big Pharma protegidas.

O programa governamental pouco conhecido existe há uma década e é administrado por uma agência sob o HHS. Esse fundo normalmente lida apenas com vacinas que você provavelmente nunca tomaria, como as vacinas contra o H1N1 e o antraz .

Se um caso de compensação por meio do CICP for bem-sucedido, o programa fornece até $ 50.000 por ano em salários perdidos não reembolsados ??e despesas médicas do próprio bolso. Não cobrirá taxas legais ou qualquer coisa para compensar a dor e o sofrimento.

Também é limitado ao benefício por morte de US$ 370.376, que é o máximo que um membro sobrevivente da família recebe no caso de uma vacina Covid ser fatal.

Mas especialistas especializados em legislação de vacinas dizem que é difícil navegar. “Este programa de compensação do governo é muito difícil de usar”, disse Reiss. “O padrão de compensação é muito alto.”

Também preocupante para alguns advogados de lesões por vacina é o fato de que o CICP rejeitou a maioria dos pedidos de indenização feitos desde o início do programa, há 10 anos. Das 499 reivindicações apresentadas , o CICP compensou apenas 29 reivindicações , totalizando mais de US$ 6 milhões.

“As pessoas prejudicadas por uma vacina da Covid merecem uma compensação rápida e generosa. A Lei PREP não faz isso”. – Dorit Reiss – PROFESSOR DA HASTINGS COLLEGE OF LAW DA UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA

David Carney, vice-presidente da Vaccine Bar Association, disse que o CICP pode negar uma reclamação por uma série de razões. “Uma razão pode ser que os registros médicos não apoiam  uma alegação de lesão”, disse Carney, que regularmente lida com casos de lesões por vacina. 

“Temos que litigar muitas questões realmente complexas … e fornecer uma base médica para o motivo da lesão.”Provar que uma lesão foi um resultado direto da vacina da Covid-19 pode ser difícil, de acordo com Carney. “Não é tão simples quanto dizer. ‘Ei, eu fiz um tratamento com Covid e agora estou com um ferimento.’ Há muito ônus da prova aí”. 

Também existe um estatuto rígido de um ano , o que significa que todas as reclamações devem ser feitas dentro de 12 meses após o recebimento da vacina.“As pessoas que são prejudicadas por uma vacina da Covid merecem uma compensação rápida e generosa”, disse Reiss. “A Lei PREP não faz isso.”

Os advogados dizem à CNBC que faria mais sentido que os ferimentos por vacinas da Covid fossem encaminhados por outro programa do HHS, chamado Programa Nacional de Compensação de Lesões por Vacinas , que lida com reivindicações para 16 vacinas de rotina . Conhecido coloquialmente como “tribunal de vacinas”, o programa pagou cerca de 70% das petições julgadas pelo tribunal de 2006 a 2018.

E desde que começou a considerar reivindicações em 1988, o VICP pagou cerca de US$ 4,4 bilhões em compensação total . Isso supera os cerca de US$ 6 milhões em benefícios pagos do CICP ao longo da vida do programa. O VICP também lhe dá mais tempo para registrar sua reclamação. Você tem três anos a partir da data do primeiro sintoma para solicitar a compensação.

“O VICP permite a recuperação de danos morais, honorários advocatícios, despesas médicas e salários perdidos, se houver”, disse Michael Maxwell, advogado que atua nas áreas de contencioso empresarial e danos pessoais. “Segundo o CICP, são apenas salários perdidos e despesas médicas do próprio bolso. Só isso, a menos que haja uma morte.”

As vacinas Covid-19, no entanto, não estão na lista de vacinas elegíveis. Reiss disse que a melhor solução seria mudar o livro de regras do VICP para adicionar vacinas da Covid à sua lista de vacinas cobertas. “Isso exigirá uma mudança legislativa. Espero que a mudança legislativa aconteça.”


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento infantil e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

0 resposta

  1. Pandemia fabricada. Vacinas inócuas. Bilhões e bilhões de faturamento e o povão se submetendo a tudo. Possivelmente não haverá efeitos colaterais, pois acredito que essas vacinas são inócuas, acredito que todos esses números foram manipulados. Todos os anos temos números estatisticamente proporcionais de mortes por gripes em geral e isso não mudou em 2020. Números de infectados dá para manipular tranquilamente, mas números de registros de óbitos não. É só pesquisar nos sites de registros oficiais para se verificar que está tudo dentro da normalidade. Agora, se querem de fato reduzir a população aí sim essas vacinas poderão ser eficazes para isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *