Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Roteiro para uma reeleição ‘Constitucional’ de Trump ainda é possível

A esta altura, parece que a certeza da presidência Biden-Harris é uma conclusão precipitada.  Apesar das inúmeras alegações de fraude eleitoral apresentadas pela equipe jurídica de Trump, o democrata Joe Biden foi oficialmente reconhecido pelo Colégio Eleitoral como o presidente eleito. No entanto, o presidente republicano ainda tem uma chance de reter o controle da Casa Branca, revertendo sua situação, mas muito depende da disposição dos tribunais em examinar as evidências, bem como da firmeza e vontade dos seus aliados.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Roteiro para uma reeleição do Trump (SIM ainda é possível)

Fonte:  Strategic Culture

Antes de considerar o ‘roteiro’ que permitiria a Donald Trump obter a vitória legal e constitucional das garras da derrota, é necessário considerar uma questão importante primeiro: há motivos para sugerir que as eleições presidenciais de 3 de novembro foram crivadas de fraude e corrupção tantas estão reivindicando? A resposta aqui é ‘absolutamente’ SIM. Em primeiro lugar, nada contribui matematicamente para apoiar a afirmação de uma vitória de Biden.

Aqui estão apenas algumas das inúmeras anomalias estatísticas que fizeram os pesquisadores coçarem a cabeça:

  • De acordo com os resultados das pesquisas, Joe Biden recebeu mais votos do que qualquer outro candidato presidencial na história dos Estados Unidos, mas ganhou apenas 524 condados em todo o país (17%). 
  • Em comparação, Barack Obama ganhou 873 condados em 2008, mas somos informados de que Biden recebeu mais votos do que seu ex-chefe; 

O nível de apoio de Biden entre os negros americanos caiu para menos de 90%, o que geralmente significa derrota certa para qualquer candidato democrata; ao mesmo tempo, o candidato democrata obteve um aumento massivo de votos negros em algumas cidades não conhecidas por seus altos padrões de votação: Detroit, Filadélfia e Milwaukee – exatamente aquelas cidades que eram necessárias para garantir a vitória de Biden.

Escrevendo no The Spectator, Patrick Basham observou que Biden “não recebeu níveis comparáveis ??de apoio entre grupos demográficos comparáveis ??em estados comparáveis, o que é altamente incomum para o vencedor presidencial”.

Quanto a Donald Trump, ele obteve mais votos do que qualquer outro candidato à presidência – espantosos 11 milhões de votos a mais do que a democrata Hillary Clinton em 2016. Esse nível massivo de apoio popular foi facilmente visível pelas enormes manifestações de apoio e entusiasmo pelo republicano participante em comícios políticos em todo o país antes do dia da eleição. Em comparação, o mesmo nível de apoio simplesmente não existia para Joe Biden, que fez grande parte de sua campanha fora da vista do público em seu porão.

Apesar das inconsistências matemáticas, ocorreu uma fraude total para levar Biden à aparente vitória? A julgar pelo que se sabe até agora, a resposta parece ser SIM. Pelo menos a alegação merece uma investigação intensiva. A título de exemplo, há agora uma grande batalha legal em andamento no condado de Antrim, Michigan, um local fortemente conservador que inesperadamente virou azul em favor de Joe Biden em 3 de novembro.

Essa anomalia gerou uma investigação, que concluiu que “UM funcionário eleitoral” falhou para “atualizar o software da máquina de votação”, concedendo assim milhares de votos a Joe Biden em vez de Trump. Em outras palavras, de acordo com o estado de Michigan, a culpa foi do “erro humano” e não das “máquinas”.

Deperno e sua equipe foram capazes de conduzir uma investigação forense nas máquinas do Sistema de votação Dominion que foram usadas durante a eleição presidencial. O que sua equipe descobriu foi chocante, para dizer o mínimo. “O programa [Dominion] foi projetado para gerar erros”disse Deperno à Wendy Bell Radio, de Pittsburgh. “Você coloca uma cédula na máquina e sua cédula tem 65% de chance de ser um ‘erro’. Se for um erro, não é rejeitado”.

Ele continuou: “O que acontece é que a cédula vai para um “arquivo para julgamento” e esse arquivo é enviado para algum lugar – pode ser em algum lugar no prédio do condado, pode estar em outro lugar, pode ser na Alemanha, pode ser na Espanha … Depois alguém pode clicar nesse arquivo e muitos julgam milhares de cédulas de uma só vez, para qualquer candidato que escolherem”.

E aqui está o que a evidência forense [prova legal] mostrou: “Às 6h31, 54.199 cédulas foram injetadas no sistema de votação”, confirmou Deperno, indicando o pico vertical que raramente é visto em gráficos. “Todos eles, 100% deles para Joe Biden na [manhã de] 4 de novembro.”

Biden não apenas obteve uma vitória total impossível na contagem de votos, mas também votos suficientes para lhe dar uma vitória em um importante condado de Michigan. Os republicanos argumentam que os eleitores de Trump chegaram em números tão inesperados que realmente “quebraram o algoritmo”, o que levou ao misterioso fechamento da contagem de votos na noite da eleição em todos os “estados indecisos”, de modo a dar-lhes tempo para ‘recuperar o atraso’. O estado da Geórgia culpou a interrupção na contagem dos votos por causa de uma “tubulação de água quebrada”, uma desculpa que já foi desmentida.

Agora, quando se considera que 47 outros condados no estado, e mais centenas em todo o país, usam este mesmo software Dominion, é mais fácil entender por que alegações de possível fraude não podem ser casualmente descartadas como ‘teoria da conspiração’, como ambos Democratas e Sistemas de Votação Dominion sugeriram que seria esse o caso.

Em meio a esse clima tóxico de recriminações e acusações mútuas, deve haver algum tipo de fechamento, por assim dizer, da eleição presidencial mais acalorada em muito tempo. Isso só acontecerá se os republicanos estiverem convencidos de que suas alegações de fraude e malversação foram devidamente consideradas nos tribunais. A partir de agora, a direita quase não tem recursos para abordar publicamente suas queixas. Em vez disso, a grande mídia pre$$titute e as mídias socias [Big Tech] de propriedade corporativa, sem nunca apresentar as alegações para seus leitores, descartou as alegações como “infundadas” e “desmascaradas”.

O último dia de acerto de contas chegará em 6 de janeiro, quando a Câmara e o Senado entrarão em uma sessão conjunta para contar formalmente os votos do Colégio Eleitoral. Neste momento, o vice-presidente [de Donald Trump] Mike Pence, que terá plena autoridade sobre a assembleia conforme estabelecido pela Constituição, ouvirá quaisquer objeções dos membros do Congresso. 


E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu recentemente, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana”.]

Não podemos sentar e permitir que fraude eleitoral flagrante, ilegal e coordenada roube esta nação


Caso alguma objeção seja “apoiada” por outro legislador, a Câmara e o Senado se reunirão para o debate antes de realizar uma votação. Se chegar a esse cenário, há uma chance de Donald Trump ser reeleito, considerando que a votação na Câmara está limitada a apenas um voto por delegação, por estado, e não por deputado. Os republicanos têm 30 votos de delegação, enquanto os democratas têm apenas 20.

A pergunta de um milhão de dólares, no entanto, é se o Partido Republicano pode encontrar a espinha dorsal para lançar luz tão necessária sobre as alegações perturbadoras, ou se eles simplesmente permitirão que Joe Biden acesse a Casa Branca sob uma nuvem negra de uma fraude controversa, deixando milhões dos americanos sem nenhuma confiança em sua forma democrática de governo.

Vários congressistas já sugeriram fortemente que estarão entre os opositores e contestadores do resultado em 6 de janeiro. Esta semana, o deputado Morris ‘Mo’ Brooks (R-AL) enviou uma carta que foi assinada por 18 colegas solicitando audiências de fraude eleitoral antes das submissões de votação de 6 de janeiro .

Se a moção de Brooks for negada, isso colocará uma pressão considerável sobre ele para se opor à contagem dos votos em janeiro. Mais cedo, o legislador republicano disse ao apresentador da Fox News Lou Dobbs sobre seu esforço para desafiar o Colégio Eleitoral, o que certamente não é um ato sem precedentes.

“Bem, isso já aconteceu muitas vezes no passado”, disse Brooks. “Aparentemente, algumas pessoas [MSM Pre$$titute] não fizeram sua pesquisa da história. A título de exemplo, os democratas na Câmara tentaram em 2017, quando tentaram conquistar os votos do Alabama ou Donald Trump. Geórgia, da mesma forma, os democratas da Câmara tentaram atacá-la.  Barbara Boxer tentou bater em Ohio por George Bush em 2005, então isso não é incomum”.

“A lei é muito clara, a Câmara dos Representantes, em combinação com o Senado dos Estados Unidos, tem autoridade legal para aceitar ou rejeitar propostas de voto do Colégio Eleitoral de estados que têm sistemas eleitorais tão falhos que não são dignos de nossa confiança”, ele adicionou.

Pelo menos o senador republicano, Tommy Tuberville, da Geórgia, sugeriu que faria objeções à votação do Colégio Eleitoral em 6 de janeiro. “É impossível. É impossível pelo que aconteceu“, o ex-treinador de futebol da Universidade de Auburn,  disse , referindo-se a vitória de Biden. “Mas vamos corrigir isso.” “Vou te dizer: não desista dele”, disse Tuberville sobre Trump. “Não desista dele.”


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


 Mais informação adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *