BlackRock e o ‘Great Reset’ do WEF: Uma Colossal Pirâmide Financeira

Uma empresa de investimento praticamente não regulamentada hoje exerce mais influência política e financeira do que o Federal Reserve e a maioria dos governos dos países deste planeta. A empresa, BlackRock Inc [controlada pelos khazares Rothschild], a maior gestora de ativos do mundo, investe impressionantes US$ 9 trilhões em fundos de clientes em todo o mundo, uma soma mais que o dobro do PIB anual da República Federal da Alemanha.

BlackRock e o ‘Great Reset’ do WEF: Uma Colossal Pirâmide Financeira

Fonte: New Eastern Outlook

“Dê-me o controle do dinheiro de uma Nação e pouco me importa quem faça suas leis.”  –  Mayer Amschel ROTHSCHILD

Esse colosso fica no topo da pirâmide da propriedade corporativa mundial, inclusive na China mais recentemente. Desde 1988, a empresa se colocou em posição de controlar de fato o Federal Reserve, a maioria dos megabancos de Wall Street, incluindo o Goldman Sachs, o Davos World Economic Forum Great Reset, a administração [de “Dementia’ Joe] Biden e, se não for controlado e desmantelado, o futuro econômico de nosso mundo. A BlackRock é o epítome do que Mussolini chamou de Corporativismo, onde uma elite corporativa não eleita dita de cima para baixo sua agenda à população e seus países.

Como o maior “banco sombra” do mundo exerce esse enorme poder sobre o mundo deve nos preocupar. A BlackRock desde que o khazar Larry Fink a fundou em 1988 conseguiu montar softwares financeiros e ativos exclusivos que nenhuma outra entidade possui. 

O sistema de gerenciamento de risco Aladdin da BlackRock, uma ferramenta de software que pode rastrear e analisar negociações, monitora mais de US$ 18 trilhões em ativos de 200 empresas financeiras, incluindo o Federal Reserve e bancos centrais europeus. Aquele que “monitora” também sabe, podemos imaginar. A BlackRock foi chamada de “canivete suíço do exército – investidor institucional, gestor de dinheiro, empresa de private equity e parceiro do Governo [NWO] Global em um só ”. No entanto, as pre$$tituta$ da grande mídia trata a empresa como apenas mais uma empresa financeira de Wall Street.

Há uma interface perfeita que une a Agenda 2030 da ONU com a “Grande – Great Reset – Reinicialização” do Fórum Econômico Mundial-WEF de Davos e as políticas econômicas nascentes do governo [do ‘Dementia’ Joe] Biden. Essa interface é a BlackRock.

Equipe [do ‘Dementia’ Joe] Biden e a BlackRock

A essa altura, deve estar claro para qualquer um que se dê ao trabalho de pesquisar, que a pessoa que afirma ser o presidente dos EUA, [o ‘Dementia’ Joe] Biden, de 78 anos, não está tomando nenhuma decisão. Ele ainda tem dificuldade em ler um teleprompter ou responder perguntas preparadas das pre$$tituta$ da mídia amigável sem confundir Síria e Líbia ou mesmo se ele é o presidente. Ele está sendo microgerenciado por um grupo de manipuladores para manter uma “imagem” roteirizada de um presidente enquanto a política é feita nos bastidores por outros e sua agenda. Ele lembra assustadoramente o personagem do filme de Peter Sellers de 1979, Chauncey Gardiner, em Being There .

O que é menos público são as pessoas-chave que administram a política econômica de [‘Dementia’ Joe] Biden Inc. Eles são simplesmente nomeados, BlackRock. Assim como os khazares do Goldman Sachs dirigiram a política econômica sob Obama e também no governo Trump, hoje os khazares da BlackRock e seus lacaios estão desempenhando esse papel fundamental. O acordo aparentemente foi selado em janeiro de 2019, quando [‘Dementia’ Joe] Biden, então candidato para derrotar Trump, foi se encontrar com Larry Fink em Nova York, que teria dito a “classe trabalhadora Joe” que: “ Eu estou aqui para ajudar .”

Agora como presidente em uma de suas primeiras indicações, [‘Dementia’ Joe] Biden nomeou Brian Deese para ser o diretor do Conselho Econômico Nacional, o principal conselheiro do presidente para a política econômica. Uma das primeiras Ordens Executivas Presidenciais tratou de economia e política climática. Isso não é surpreendente, já que Deese veio da BlackRock de Fink, onde era Diretor Global de Investimentos Sustentáveis

Antes de ingressar na BlackRock, Deese ocupou altos cargos econômicos sob o governo do também fantoche Obama, incluindo a substituição de John [pedófilo] Podesta como conselheiro sênior do presidente, onde trabalhou ao lado de Valerie Jarrett. Sob Obama, Deese desempenhou um papel fundamental na negociação  dos Acordos de Paris sobre o “Aquecimento Global”.

No cargo-chave de política como vice-secretário do Tesouro da secretária Janet [khazar] Yellen, encontramos Adewale “Wally” Adeyemo, nascido na Nigéria. Adeyemo também vem da BlackRock, onde de 2017 a 2019 foi consultor sênior e chefe de gabinete do CEO da BlackRock, o khazar Larry Fink, depois de deixar o governo Obama. Seus laços pessoais com Obama são fortes, pois Obama o nomeou o primeiro presidente da Fundação Obama em 2019.

E uma terceira pessoa sênior da BlackRock administrando a política econômica no governo agora também é incomum em vários aspectos. Michael Pyle é o consultor econômico sênior da vice-presidente Kamala Harris. Ele veio para Washington do cargo de estrategista-chefe de investimentos globais da BlackRock, onde supervisionou a estratégia de investir cerca de US$ 9 trilhões em fundos. Antes de ingressar na BlackRock no mais alto nível, ele também esteve no governo Obama como consultor sênior do Subsecretário do Tesouro para Assuntos Internacionais e, em 2015, tornou-se consultor da candidatura presidencial de Hillary Clinton.

É digno de nota o fato de que três das nomeações econômicas mais influentes do governo Biden sejam da BlackRock e, antes disso, todos do governo Obama. Há um padrão definido e sugere que o papel da BlackRock em Washington é muito maior do que nos dizem.

O que é a BlackRock?

Nunca antes uma empresa financeira com tanta influência nos mercados mundiais esteve tão escondida do escrutínio público. Isso não é acidente. Como tecnicamente não é um banco que faz empréstimos bancários ou recebe depósitos, ela foge da supervisão regulatória do Federal Reserve, embora faça o que a maioria dos megabancos como o HSBC ou o JP MorganChase fazem – comprar, vender títulos para obter lucro. 

Quando houve um esforço do Congresso para incluir gestores de ativos como BlackRock e Vanguard [também dos khazares Rothschild] Funds sob a lei Dodd-Frank pós-2008 como “instituições financeiras sistemicamente importantes” ou SIFIs, um grande “esforço de lobby” da BlackRock acabou com a ameaça. A BlackRock é essencialmente uma lei em si mesma. E, de fato, é “sistemicamente importante” como nenhuma outra, com possível exceção da Vanguard, que também é considerada a maior acionista da BlackRock.

O fundador e CEO da BlackRock, Larry Fink, está claramente interessado em comprar influência globalmente. Ele nomeou o ex-deputado alemão da CDU Friederich Merz chefe da BlackRock Alemanha quando parecia que ele poderia suceder a chanceler Merkel e o ex-chanceler britânico do Tesouro George Osborne como “consultor político”. Fink nomeou a ex-chefe de gabinete de Hillary Clinton Cheryl Mills para o conselho da BlackRock quando parecia certo que Hillary logo estaria na Casa Branca.

Ele nomeou ex-banqueiros centrais para seu conselho e passou a garantir contratos lucrativos com suas antigas instituições. Stanley Fisher, ex-chefe do Banco de Israel e também mais tarde vice-presidente do Federal Reserve, é agora consultor sênior da BlackRock. Philipp Hildebrand, ex-presidente do Swiss National Bank, é vice-presidente da BlackRock, onde supervisiona o BlackRock Investment Institute. Jean Boivin, ex-vice-governador do Banco do Canadá, é o chefe global de pesquisa do instituto de investimentos da BlackRock.

BlackRock e o Fed

Foi essa equipe do ex-banco central da BlackRock que desenvolveu um plano de resgate de “emergência” para o presidente do Fed, Powell, em março de 2019, quando os mercados financeiros pareciam à beira de outro colapso da “crise do Lehman” de 2008. Como “obrigado”, o presidente do Fed, Jerome Powell, nomeou a BlackRock como uma função sem licitação para gerenciar todos os programas de compra de títulos corporativos do Fed, incluindo títulos em que a própria BlackRock investe. Conflito de interesses? Imagina . . .

Um grupo de cerca de 30 ONGs escreveu ao presidente do Fed, Powell: “Dando à BlackRock o controle total desse programa de compra de dívidas, o Fed… torna a BlackRock ainda mais importante sistemicamente para o sistema financeiro. No entanto, a BlackRock não está sujeita ao escrutínio regulatório de instituições financeiras sistemicamente importantes ainda menores .”

Em um relatório detalhado em 2019, um grupo de pesquisa sem fins lucrativos de Washington, Campaign for Accountability, observou que “a BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, implementou uma estratégia de lobby, contribuições de campanha e contratações de porta giratória para combater a regulamentação do governo e estabelecer-se como uma das empresas financeiras mais poderosas do mundo.”

O Fed de Nova York contratou a BlackRock em março de 2019 para gerenciar seu programa de títulos lastreados em hipotecas comerciais e suas compras primárias e secundárias de US$ 750 bilhões em títulos corporativos e ETFs em contratos sem licitação. Os jornalistas financeiros dos EUA Pam e Russ Martens, ao criticar o sombrio resgate do Fed de 2019 a Wall Street, observaram:

“pela primeira vez na história, o Fed contratou a BlackRock para “ir direto” e comprar US$ 750 bilhões em títulos corporativos primários e secundários e Bond ETFs (Exchange Traded Funds), um produto do qual a BlackRock é um dos maiores fornecedores do mundo.” 

Eles continuaram: “Acrescentando mais indignação, o programa administrado pela BlackRock receberá US$ 75 bilhões dos US$ 454 bilhões em dinheiro dos contribuintes para comer as perdas em suas compras de títulos corporativos, que incluirão seus próprios ETFs, que o Fed está permitindo Comprar…”

O chefe do Fed Jerome Powell e Larry Fink se conhecem bem, aparentemente. Mesmo depois de Powell ter dado à BlackRock o negócio extremamente lucrativo sem lances, Powell continuou a fazer com que a mesma BlackRock administrasse cerca de US$ 25 milhões dos investimentos em títulos privados de Powell. Registros públicos mostram que, nessa época, Powell mantinha ligações telefônicas confidenciais diretas com o CEO da BlackRock, Fink. De acordo com a divulgação financeira exigida, a BlackRock conseguiu dobrar o valor dos investimentos de Powell em relação ao ano anterior! Nenhum conflito de interesse ? Imagine . . .

A BlackRock no México

A história “obscura” da BlackRock no México mostra que os conflitos de interesse e a construção de influência com as principais agências governamentais não se restringem apenas aos EUA. O candidato presidencial do PRI Peña Nieto foi a Wall Street durante sua campanha em novembro de 2011. Lá ele conheceu Larry Fink. O que se seguiu à vitória de Nieto em 2012 foi uma relação estreita entre Fink e Nieto que estava repleta de conflito de interesses , clientelismo e corrupção.

Provavelmente para ter certeza de que a BlackRock estava do lado vencedor no novo regime corrupto de Nieto, Fink nomeou Marcos Antonio Slim Domit, de 52 anos, filho bilionário do homem mais rico e provavelmente mais corrupto do México, Carlos Slim, para o conselho da BlackRock. Marcos Antonio, junto com seu irmão Carlos Slim Domit, comandam hoje o enorme império empresarial do pai. Carlos Slim Domit, o filho mais velho, foi co-presidente do Fórum Econômico Mundial da América Latina em 2015 e atualmente atua como presidente do conselho da América Móvil, onde a BlackRock é um dos principais investidores. Pequeno mundo acolhedor.

O pai, Carlos Slim, na época nomeado pela Forbes como a pessoa mais rica do mundo, construiu um império baseado em sua aquisição da Telemex (mais tarde America Móvil). O então presidente, Carlos Salinas de Gortari, na verdade deu o império das telecomunicações a Slim em 1989. Salinas mais tarde fugiu do México sob a acusação de roubar mais de US$ 10 bilhões dos cofres do Estado.

Como acontece muito no México desde a década de 1980, o dinheiro das drogas aparentemente desempenhou um grande papel com o ancião Carlos Slim, pai do diretor da BlackRock, Marcos Slim. Em 2015, o WikiLeaks divulgou e-mails internos da empresa de inteligência privada, Stratfor. 

A Stratfor escreve em um e-mail de abril de 2011, quando a BlackRock está estabelecendo seus planos para o México, que um agente especial da DEA dos EUA, William F. Dionne, confirmou os laços de Carlos Slim com os cartéis de drogas mexicanos. Stratfor pergunta a Dionne: “Billy, o bilionário MX (mexicano) Carlos Slim está ligado aos narcotraficantes?” Dionne responde: “Em relação à sua pergunta , o bilionário das telecomunicações MX está”. Em um país onde 44% da população vive na pobreza, você não se torna o homem mais rico do mundo em apenas duas décadas vendendo biscoitos Girl Scout.

Fink e PPP mexicano

Com Marcos Slim em sua diretoria da BlackRock e o novo presidente Enrique Peña Nieto, o sócio mexicano de Larry Fink na aliança PublicPrivatePartnership (PPP) de US$ 590 bilhões de Nieto Peña, BlackRock, estava pronto para colher os frutos. Para ajustar suas novas operações mexicanas, Fink nomeou o ex-subsecretário de Finanças mexicano Gerardo Rodriguez Regordosa para dirigir a Estratégia de Mercados Emergentes da BlackRock em 2013. Então, em 2016, Peña Nieto nomeou Isaac Volin, então chefe da BlackRock México, para ser o número 2 na PEMEX, onde ele presidiu a corrupção, escândalos e a maior perda na história da PEMEX, de US$ 38 bilhões.

Peña Nieto abriu o enorme monopólio estatal do petróleo, PEMEX, para investidores privados pela primeira vez desde a nacionalização na década de 1930. O primeiro a se beneficiar foi o BlackRock de Fink. Em sete meses, a BlackRock garantiu US$ 1 bilhão em projetos de energia da PEMEX, muitos como o único licitante. 

Durante o mandato de Peña Nieto, um dos presidentes mais polêmicos e menos populares, a BlackRock prosperou pelos laços aconchegantes. Logo se envolveu  em projetos de infraestrutura altamente lucrativos (e corruptos) sob Peña Nieto, incluindo não apenas oleodutos e gasodutos e poços, mas também estradas com pedágio, hospitais, gasodutos e até prisões.

Notavelmente, o “amigo” mexicano da BlackRock, Peña Nieto, também era “amigo” não apenas de Carlos Slim, mas também do chefe do notório Cartel de Sinaloa, “El Chapo” Guzman. Em depoimento no tribunal em 2019 em Nova York, Alex Cifuentes, um traficante colombiano que se descreveu como o “braço direito” de El Chapo, testemunhou que logo após sua eleição em 2012, Peña Nieto havia solicitado US$ 250 milhões do Cartel de Sinaloa antes de se estabelecer em US$ 100 milhões. Só  podemos adivinhar para quê.

Larry Fink e WEF Grande Reinicialização

Em 2019, Larry Fink ingressou no Conselho do Fórum Econômico Mundial de Davos, a organização com sede na Suíça que há cerca de 40 anos promove a “globalização econômica”. Fink, que está próximo do chefe tecnocrata do WEF, o khazar Klaus Schwab, do notorio “Great Reset”, agora está posicionado para usar o enorme peso da BlackRock para criar o que é potencialmente, se não entrar em colapso antes, o maior golpe Ponzi do mundo, o investimento corporativo ESG. 

Fink com US$ 9 trilhões para alavancar está levando a maior mudança de capital da história para um golpe conhecido como ESG Investing. A agenda da “economia sustentável” da ONU está sendo realizada silenciosamente pelos mesmos bancos globais que criaram as crises financeiras em 2008. Desta vez eles estão preparando o Great Reset de Klaus Schwab do WEF direcionando centenas de bilhões e logo trilhões em investimentos para suas mãos – empresas “acordadas” escolhidasa dedo, e longe dos “não acordados”, como empresas de petróleo e gás ou carvão. 

A BlackRock desde 2018 está na vanguarda para criar uma nova infraestrutura de investimento que escolhe “vencedores” ou “perdedores” para investimento de acordo com a seriedade da empresa em relação a ESG – Meio Ambiente, Valores Sociais e Governança.

Por exemplo, uma empresa obtém avaliações positivas pela seriedade de sua contratação de funcionários e gerentes com “diversidade de gênero”, ou toma medidas para eliminar sua “pegada” de carbono tornando suas fontes de energia verdes ou sustentáveis ??para usar o termo da ONU. 

Como as corporações contribuem para uma governança global sustentável é o mais vago do ESG, e pode incluir qualquer coisa, desde doações corporativas ao Black Lives Matter até o apoio a agências da ONU, como a OMS. Empresas de petróleo como a ExxonMobil ou empresas de carvão, não importa o quão claro estejam, estão condenadas, já que Fink e seus amigos agora promovem seu Great Reset financeiro ou “Green New Deal”. É por isso que ele fez um acordo [takeover] com a presidência de Biden em 2019.

Siga o dinheiro. E podemos esperar que o New York Times torça pela BlackRock enquanto ela destrói as estruturas financeiras mundiais. Desde 2017, a BlackRock é a maior acionista do jornal. Carlos Slim foi o segundo maior. Até Carl Icahn, um implacável stripper de ativos de Wall Street, uma vez chamou  a BlackRock, de “uma empresa extremamente perigosa… Eu costumava dizer, você sabe, a máfia tem um código de ética melhor do que vocês”

Nota aos leitores: Por favor, clique nos botões de compartilhamento acima ou abaixo. Siga-nos no Instagram, @crg_globalresearch. Encaminhe este artigo para suas listas de e-mail. Crosspost em seu site de blog, fóruns de internet. etc.

F. William Engdahl é consultor de risco estratégico e palestrante, é formado em política pela Princeton University e autor best-seller sobre petróleo e geopolítica, exclusivamente para a revista online  “New Eastern Outlook”  onde este artigo foi originalmente publicado. Ele é um pesquisador associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.309 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth