Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

BlackRock se gaba de ‘Controlar a Carteira do Presidente’ e diz que ‘compra senadores’ nos EUA

A BlackRock tem lucrado com a guerra na Ucrânia e usa seus $ 20 trilhões em ativos para ‘comprar pessoas’, incluindo senadores dos EUA por apenas $ 10.000, afirma um funcionário da empresa em imagens de câmeras escondidas obtidas por O’Keefe Media Group  (OMG). Serge Varlay, um recrutador da BlackRock, explicou a um repórter disfarçado “não é quem é o presidente, é quem está controlando a carteira do presidente”. São os fundos de hedge, a BlackRock, os bancos. A gabação ocorre quando o presidente Joe Biden enfrenta questões sobre subornos ucranianos e de dinheiro misterioso.

Funcionário da BlackRock flagrado em filmagem secreta se gabando de manipular a política nos EUA e lucrar com a guerra

Fonte: NaturalNewsTheNationalPulse.com

Um funcionário da BlackRock, a maior empresa de gerenciamento de ativos do mundo, foi pego em uma filmagem secreta do O’Keefe Media Group  (OMG) se gabando de como a empresa supostamente opera nos bastidores. A filmagem, gravada secretamente em Nova York, expôs as alegações do funcionário de manipular sistemas políticos e lucrar com a guerra na Ucrânia.

Serge Varlay, recrutador da BlackRock, foi filmado explicando o envolvimento da empresa em atividades [suborno] políticas. Ele disse: “Você pode pegar essa porra de dinheiro e comprar pessoas. Eu trabalho para uma empresa chamada BlackRock … Não é quem é o presidente; é quem está controlando a carteira do presidente.[quem realmente governa]” Ele citou fundos de hedge, bancos e a BlackRock como exemplos.

O recrutador alegou que os senadores dos EUA poderiam ser comprados por apenas $ 10.000, e ele até se ofereceu para dar ao jornalista $ 500.000 para influenciar os políticos. Suas declarações sugeriram que a BlackRock busca garantir que os políticos se alinhem com seus interesses, independentemente de quem esteja no poder.

Além disso, Varlay revelou que a BlackRock também capitaliza em guerras, mencionando explicitamente a guerra Ucrânia-Rússia. Ele descreveu a guerra como “realmente boa para os negócios”, explicando que se a Rússia destruir os silos de grãos da Ucrânia, o preço do trigo aumentará, levando a lucros substanciais para os envolvidos no comércio de commodities. Varlay destacou a volatilidade e as oportunidades de ganho financeiro que surgem de tais conflitos.

Varlay revelou ainda que a BlackRock administra impressionantes US$ 20 trilhões em todo o mundo, enfatizando a escala inimaginável das operações da empresa. “São números incompreensíveis”, comentou.

O funcionário da BlackRock também disse que a BlackRock preferia ficar de fora dos holofotes da mídia e manter a discrição. “Eles [BlackRock] não querem estar no noticiário. Eles não querem que as pessoas falem sobre eles. Eles não querem estar em nenhum lugar no radar.” 

(Relacionado:  Tudo o que você precisa saber sobre a BlackRock, a empresa que é dona do mundo .) 

BREAKING: “Recrutador da @BlackRock que “decide o destino das pessoas” divulga informações sobre o impacto mundial da empresa “Não é quem é o presidente [que manda], é quem está controlando a carteira do presidente” “Você tem $ 10.000? Você pode comprar um senador” “A guerra é muito boa para os negócios” #BlackRockExposed

Existe uma conexão entre a família do crime de Biden e a BlackRock?

Essas alegações vieram à tona em um momento em que o senil marionete presidente (‘Dementia’ Joe) Biden já está enfrentando escrutínio sobre subornos ucranianos e transações financeiras não reveladas.

Em 2020, o presidente teria recebido US$ 5 milhões de um executivo da empresa ucraniana de gás natural Burisma Holdings. A fonte, descrita como “altamente confiável”, forneceu detalhes de um esquema criminoso de suborno envolvendo o então vice-presidente Biden e Mykola Zlochevsky, um alto executivo da Burisma, com o objetivo de influenciar as decisões políticas dos EUA. 

O formulário FD-1023, datado de 30 de junho de 2020, relata as interações do denunciante com Zlochevsky de 2015 em diante. De acordo com o documento, Zlochevsky explicou que os pagamentos foram feitos aos Bidens devido a uma investigação em andamento liderada pelo promotor ucraniano Viktor Shokin.

Zlochevsky afirmou que a Burisma teve que “pagar aos Bidens” para enfrentar os desafios de entrar no mercado dos EUA durante a investigação. A fonte sugeriu um pagamento de US$ 50.000 cada aos Bidens, ao que o executivo teria respondido afirmando que o valor era na verdade “US$ 5 milhões”.

O documento sugere que os pagamentos de US$ 5 milhões foram destinados como um “retentor” para envolver os Bidens na abordagem de várias questões, incluindo a investigação de Shokin. Algumas fontes descreveram o arranjo como um esquema “pay-to-play”. Com base em conversas com Zlochevsky, a fonte confidencial acredita que os pagamentos de US$ 5 milhões a Joe Biden e Hunter Biden ocorreram.

Durante seu mandato como vice-presidente de Obama, Biden reconheceu publicamente ter pressionado a Ucrânia para demitir Shokin, que estava investigando a Burisma Holdings. Após a intervenção, Biden ameaçou reter US$ 1 bilhão em ajuda dos EUA, a menos que Shokin fosse demitido. Apoiadores de Biden sustentam que ele agiu de acordo com a posição dos Estados Unidos e da comunidade internacional contra a corrupção, alegando que Shokin foi leniente no tratamento de casos de corrupção.

De acordo com as revelações sobre as atividades da BlackRock, as evidências da “fonte altamente confiável” do FBI levantam mais questões sobre a relação entre as grandes finanças e a tomada de decisões políticas. As implicações dessas reivindicações, se verdadeiras, seriam significativas, pois poderiam minar a integridade do sistema político e do processo democrático. 

Assista a este vídeo de Serge Varlay expondo como a empresa BlackRock compra senadores, manipula a política e lucra com a guerra.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *