Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Boicote ao Pagamento de Hipotecas na China: Compradores de Imóveis se Recusam a Pagar seus Financiamentos

“Nós Decidimos parar de pagar”. O Jubileu da Grande Dívida Global parece estar ganhando velocidade, com o boicote de pagamentos de hipotecas de compradores de casas e apartamentos da China, que levou o PCC de Pequim a lutar para evitar um colapso potencialmente devastador em seu setor financeiro no que é o maior ativo do mundo…

Boicote ao Pagamento de Hipotecas na China: Compradores de Imóveis se Recusam a Pagar seus Financiamentos

Fonte: Zero Hedge

A crise está se espalhando e, de acordo com a Bloomberg, alguns fornecedores de promotores imobiliários chineses também estão se recusando a pagar empréstimos bancários por causa de contas não pagas devido a eles, um sinal de que o boicote aos empréstimos que começou com os compradores de imóveis está começando a se espalhar e “contaminar” a área financeira do gigante asiático.

Em um estudo de caso chocante sobre o que acontece quando um esquema ponzi é revertido, centenas de empreiteiros do setor imobiliário reclamaram que não podem mais pagar suas próprias contas  porque desenvolvedores, incluindo o China Evergrande Group, ainda devem dinheiro a eles, informou Caixin, citando uma declaração que recebeu de um fornecedor na terça-feira.

Semelhante aos compradores de casas que se posicionaram e se recusam a pagar por propriedades que permanecem incompletas, um grupo de pequenas empresas e fornecedores circulou uma carta on-line dizendo que deixarão de pagar dívidas depois que a crise de caixa da Evergrande os deixou sem dinheiro.

“Decidimos parar de pagar todos os empréstimos em atrasos e aconselhamos nossos pares a recusar qualquer pedido de pagamento de crédito ou fatura comercial”, disse o grupo na carta datada de 15 de julho, enviada ao escritório do desenvolvedor em Hubei. “A Evergrande deve ser responsabilizada por qualquer consequência que se seguir por causa da reação em cadeia da crise da cadeia de suprimentos.”

Como a Bloomberg [oh tão perspicaz] coloca, “o protesto contra os pagamentos é o mais recente sinal de como um movimento de compradores de imóveis para boicotar as hipotecas de casas inacabadas na China está se espalhando para afetar outros setores da economia”.

Sim, é, e é também por isso que Pequim deveria estar enlouquecendo (se já não estiver), porque o que está acontecendo na China é muito pior do que o que ocorreu em março de 2020, quando a maquinaria de crédito global parou, apenas de volta então é porque não havia outra opção, agora é um desenvolvimento voluntário e nem mesmo o medo de represálias da ditadura implacável, autoritária do PCC e amada por ‘Joe Dementia’ está impedindo milhões de pessoas de pedir um boicote sistêmico, que pode derrubar todo o sistema financeiro de US$ 60 trilhões da China em instantes.

A situação é tão ruim que até a Bloomberg desistiu de tentar passar batom nesse porco em particular:

O desenvolvimento ressalta um dilema para o governo de Xi Jinping, enquanto luta com quem socorrer à medida que a crise imobiliária do país se aprofunda e contamina todo o sistema: o alívio para alguns mutuários pode provocar ameaças de não pagamento por uma série de outros. Embora ceder às demandas de apoio possa sobrecarregar as finanças do Estado, ignorá-las pode levar a uma espiral de inadimplência, à medida que mais e mais mutuários se recusam a cumprir suas obrigações.

A greve de pagamento das hipotecas, que começou no final de junho em um empreendimento paralisado da gigante Evergrande em Jingdezhen, cresceu rapidamente para pelo menos 301 projetos em cerca de 91 cidades. Os protestos exacerbaram os problemas do setor imobiliário do país e ameaçam inviabilizar as tentativas de reviver o mercado em meio a uma desaceleração econômica. De acordo com algumas estimativas, milhões de hipotecas estão agora envolvidas na espiral de atraso de pagamentos.

Na segunda-feira, informamos que, à medida que aumenta a pressão sobre Pequim para tomar medidas, as autoridades do PCC instaram os bancos a aumentar os empréstimos a construtoras para ajudar a concluir os projetos e também estão considerando dar aos proprietários um período de carência nos pagamentos de seus financiamentos.

A recusa dos compradores de imóveis em pagar as hipotecas decorre da prática generalizada na China de vender apartamentos “na planta” antes deles serem construídos. Essa prática implodiu no ano passado, quando as incorporadoras chinesas superalavancadas foram varridas por uma onda de insolvência e entraram em crise devido ao pagamento de dívidas à medida que os fundos se esgotavam e a construção parava em mais e mais projetos.

Os bancos chineses alegam que os riscos do não pagamento dos empréstimos à habitação são controláveis ??e, até agora, divulgaram apenas 2,1 bilhões de yuans (US$ 311 milhões) de crédito em risco. Isso, é claro, é uma mentira: a GF Securities Co. espera que até 2 trilhões de yuans em hipotecas possam ser impactados pelo boicote. São milhões de hipotecas.

No geral, os bancos chineses têm 38 trilhões de yuans de hipotecas residenciais pendentes e 13 trilhões de yuans de empréstimos para os empreendedores imobiliários situados do país.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *