Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

BRICS+5 criará Sistema de Pagamento Baseado em Blockchain – assessor de Putin

O grupo BRICS de economias emergentes planeja criar um sistema de pagamento baseado em tecnologias digitais, disse Yury Ushakov, assessor sênior de política externa do presidente russo Vladimir Putin, à TASS em entrevista publicada na terça-feira. Segundo Ushakov, o sistema estaria “fora da política” e não dependeria de agendas nacionais ou das moedas fiduciárias de países ao redor do mundo.

A medida estaria em linha com os planos do grupo de países do BRICS+5 para reduzir a dependência de moedas e mecanismos financeiros ocidentais, especialmente o ‘armado’ dólar dos EUA.

Fonte: Rússia Today

“Acreditamos que um objetivo importante para o futuro é a criação, no âmbito do BRICS+5, de um sistema de liquidação de pagamentos independente que seja baseado nas tecnologias mais modernas, como moedas digitais e blockchain”, afirmou Ushakov. “Seria confortável para qualquer estado, pessoa e empresa e não exigiria custos significativos.” O assessor presidencial de Putin não especificou os detalhes nem o prazo para o desenvolvimento do novo sistema.

Ushakov observou que o BRICS+5 pretende concentrar-se em 2024 no aumento do seu papel nos sistemas monetários e financeiros internacionais. A Rússia detém atualmente a presidência rotativa do grupo e Moscou tem sublinhado repetidamente que a sua prioridade é aumentar os pagamentos em moedas nacionais dentro do bloco em detrimento do dólar dos EUA.

“Continuaremos a trabalhar no desenvolvimento do Arranjo Contingente de Reservas (CRA), principalmente em termos da utilização de moedas alternativas ao dólar americano”, afirmou Ushakov. O CRA dos BRICS+5 é essencialmente uma reserva comum de moedas à disposição dos membros em caso de crise de liquidez, concebida para lhes proporcionar os meios para negociarem sem problemas, mesmo sob intensa pressão, como sanções internacionais.

Os BRICS+5, que anteriormente incluíam Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, registaram uma grande expansão este ano, quando a Arábia Saudita, o Irã, a Etiópia, o Egito e os Emirados Árabes Unidos aderiram em Janeiro ao bloco. Ao longo do ano passado, os países BRICS abandonaram rapidamente a utilização do dólar e do euro em liquidações entre países dentro do bloco.

Em vez disso, impulsionaram a utilização de suas próprias moedas nacionais, especialmente porque as sanções ocidentais relacionadas com a guerra na Ucrânia tornaram quase impossível para a Rússia realizar transações transfronteiriças utilizando dinheiro ocidental e sistemas de pagamento como o SWIFT e com o Irã, também sancionado, acontece o mesmo. A participação das moedas nacionais nos acordos da Rússia com os países BRICS+5 saltou para 85% no final de 2023, contra apenas 26% há dois anos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *