Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘A Hegemonia Ocidental acabou’, alega primeiro-ministro húngaro

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, também disse que os países que lutam para permanecer soberanos enfrentam uma pressão crescente para aderir a vários blocos e seguir “várias agendas”. A era de dominação ocidental terminou e uma nova organização mundial está emergindo [multipolaridade], afirmou o primeiro-ministro húngaro. Ele acrescentou que Budapeste manterá o seu próprio caminho independente e soberano, apesar da crescente pressão para se alinhar com blocos maiores. 

‘A hegemonia ocidental acabou’, alega primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban’

Fonte: Rússia Today

O primeiro-ministro húngaro tem criticado sistemática e veementemente as políticas ocidentais sobre o conflito na Ucrânia, denunciando as sanções à Rússia como contraproducentes e as entregas de armas a Kiev como perigosas e escalonadas. Budapeste também apelou a ambas as partes para negociarem o fim das hostilidades para evitar mais derramamento de sangue, algo que Kiev se recusou a aceitar.   

Falando numa reunião anual de embaixadores na terça-feira, Orban disse que o consenso geral agora é que a hegemonia ocidental acabou, segundo a agência de notícias MTI. Ele instou os diplomatas húngaros a monitorar e analisar constantemente as tendências em evolução à medida que uma nova ordem mundial toma forma.  

Orban disse que o seu país, embora faça parte da União Europeia e da OTAN, continuará a prosseguir com suas políticas soberanas. Ele explicou que agrupamentos geopolíticos rígidos deixam “pouca margem de manobra” para nações como a Hungria.   

Orban descreveu na segunda-feira o conflito na Ucrânia como uma “guerra por procuração [dos psicopatas do Hospício do G-7/OTAN]”, alegando que “todos” compreendem isto e que o Ocidente não tem hipóteses de vencê-la. Para apoiar a sua afirmação, ele citou a forte dependência da Ucrânia da ajuda externa à defesa.    

Segundo o líder húngaro, “só há uma solução: as negociações de paz devem começar mais cedo ou mais tarde” e envolver os EUA de alguma forma. Ele também criticou o fracasso da UE em aproveitar a oportunidade para selar um acordo de paz entre Kiev e Moscou no início do conflito, de acordo com a TASS russa.    

No fim de semana, o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, alertou que “quanto mais tarde for convocado um cessar-fogo e começarem as negociações para a paz, pior será para a Ucrânia”.  

No mês passado, Orban teria dito aos membros da sua facção parlamentar no poder, o Fidesz-KDNP, que, à luz do crescente fardo financeiro sobre as nações europeias devido ao conflito na Ucrânia, “quase ninguém acredita” que Kiev vencerá. 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *