Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Ninguém Prevalecerá numa 3ª Guerra Mundial, mas ‘Ela já Está em Curso’: Explorando os 7 Campos de Batalha Principais

A II Guerra Mundial entre as maiores potências mundiais do século XX que remodelou a ordem internacional definiu as guerras mundiais posteriores. Uma guerra total entre as maiores potências dos dias atuais – A Rússia, China e os EUAsignificará um Armagedom Nuclear Radioativo e o fim da raça humana, onde não existirá vencedores e haverá apenas perdedores.

Ninguém Prevalecerá numa 3ª Guerra Mundial, mas ela já esta em curso: Explorando os 7 Campos de Batalha Principais

Fonte: InternationalMan.com – De autoria de Nick Giambruno

Isso ainda pode acontecer apesar de ninguém querer, mas não é o resultado mais provável. É improvável que a Terceira Guerra Mundial seja uma guerra cinética direta entre militares dos exércitos dos EUA, da Rússia e da China.

Em vez disso, o conflito desenrolar-se-á em diferentes níveis –

  • Guerras por procuração,
  • Guerras econômicas,
  • Guerras financeiras,
  • Guerras cibernéticas,
  • Guerras biológicas,
  • Sabotagem negável e
  • Guerras de informação.

E todos estes níveis JÁ ESTÃO SENDO USADOS. Nesse sentido, a Terceira Guerra Mundial já está bem encaminhada e em desenvolvimento, embora a imensa maioria de “distraídos” não a reconheça e sequer percebam. A seguir, examinaremos os sete domínios em que a Terceira Guerra Mundial já está acontecendo e analisaremos qual lado tem vantagem.

Domínio nº 1: Guerra Financeira

A guerra financeira refere-se ao uso de métodos financeiros como estratégia para alcançar objetivos militares e/ou políticos. Uma ferramenta comum da guerra financeira é a imposição de sanções ou embargos. Isto pode envolver o congelamento de ativos, a restrição do comércio ou a limitação do acesso aos sistemas financeiros internacionais. O objetivo é prejudicar a economia do país alvo, enfraquecendo a sua capacidade de prosseguir determinadas políticas ou ações.

A imposição de controles sobre o movimento de capitais e investimentos também pode servir como arma na guerra financeira. Isto poderia envolver a restrição de investimentos estrangeiros em setores específicos ou a limitação da capacidade dos investidores estrangeiros de levantarem os seus fundos.

Vejamos, por exemplo, as ações do governo dos EUA após a invasão russa da Ucrânia em 2022. O governo dos EUA e seus lacaios europeus e do G-7 lançou a sua campanha de guerra financeira mais agressiva de todos os tempos. Ultrapassando até o Irã, Venezuela, Cuba e a Coreia do Norte, a Rússia é hoje a nação mais sancionada do mundo.

“Esta é uma guerra nuclear financeira e o maior evento de sanções da história”, disse um antigo funcionário do Departamento do Tesouro. Ele prosseguiu dizendo: “A Rússia deixou de fazer parte da economia global e passou a ser o maior alvo de sanções globais e um pária financeiro em menos de duas semanas”.

Aqui está um breve resumo do que aconteceu.

  • Os governos dos EUA e da Europa congelaram/sequestraram as reservas russas em dólares e euros – as poupanças acumuladas da nação – no valor de cerca de 300 bilhões de dólares.
  • Expulsaram os bancos russos do SWIFT, o sistema de envio de transferências bancárias internacionais.
  • Uma debandada de empresas ocidentais deixou a Rússia e proibiu os cidadãos russos comuns de utilizarem as suas plataformas.
  • A popular bolsa de criptomoedas Coinbase bloqueou mais de 25.000 contas vinculadas à Rússia.
  • Visa, MasterCard e American Express retiraram a Rússia das suas redes.
  • Expulsaram os bancos russos do BIS, Banco de Compensações Internacionais

Estes são apenas alguns exemplos de como a OTAN & Friends isolaram a Rússia do sistema financeiro global dominado pelos EUA [leia-se judeus khazares Rothschilds].

Embora os países BRICS+5 estejam tentando construir um sistema financeiro internacional paralelo, este , ainda não está pronto para o “horário nobre”. Na guerra financeira, a OTAN e os Amigos têm hoje uma clara vantagem, embora o BRICS+5 a esteja a desgastar.

Resultado:  Vantagem da OTAN & Friends [Japão, Coreia do Sul, Austrália, Israel, et caterva]

Domínio nº 2: Guerra Econômica

Os países podem envolver-se numa guerra econômica controlando o acesso a produtos e matérias primas estratégicos como o petróleo, o gás, os elementos de terras raras (REE), microprocessadores, chips de computadores e as principais rotas comerciais. Um país pode exercer pressão econômica sobre outros, limitando o acesso a esses recursos ou influenciando os seus preços.

O BRICS+5 domina as commodities estratégicas, com o Brasil, China, Índia e Rússia como grandes produtores de alimentos e energia.

Vejam a Rússia, por exemplo.

Os políticos e os meios de comunicação social nos EUA e G-7/OTAN ridicularizam frequentemente a Rússia como nada mais do que “um posto de gasolina com armas nucleares”, uma representação imprecisa de desenho animado da arrogância típica de mentes dementes dos psicopatas do Hospício Ocidental e judeu khazar.

  • A Rússia é o maior exportador mundial de gás natural, madeira serrada, trigo, fertilizantes e paládio (um componente crucial dos automóveis).
  • É o segundo maior exportador de petróleo e alumínio e o terceiro maior exportador de níquel e carvão.
  • A Rússia é um grande produtor e processador de urânio para usinas nucleares. Está finalizando a construção de um reator no Egito. O urânio enriquecido da Rússia e dos seus aliados fornece eletricidade a 20% das casas nos EUA.
  • Maior produtor de diamantes do mundo.
  • Possui desenvolvimento tecnológico em todas as esferas. É o único país do mundo com mísseis hipersônicos NUCLEARES impossíveis de serem interceptados.
  • É o único pais do mundo que possui torpedos [drones submarinos Poseidon] com capacidade NUCLEAR
  • Além da China, a Rússia produz mais ouro do que qualquer outro país, respondendo por mais de 10% da produção global.
  • Vinte e três (23) cidadãos russos foram agraciados com o PRÊMIO NOBEL, desde a Literatura, passando pela Física, Química, Fisiologia e Medicina e pela Paz.

Estes são apenas alguns exemplos. Existem muitas mercadorias estratégicas que a Rússia domina. Em suma, a Rússia não é apenas uma potência do petróleo e do gás, mas também uma potência das matérias-primas e de tecnologia de ponta na indústria de armas, nuclear, foguetes e aeroespacial.

Depois, há as REEs – Rare Earth Elements [Terras Raras].

Muitos não estão familiarizados com os REEs, uma coleção de 17 elementos obscuros da Tabela Periódica, apesar do seu papel indispensável na vida moderna. Em suma, os militares dos EUA e os consumidores americanos dependem inteiramente destes elementos de Terras Raras.

A China controla cerca de 60% da produção de REE e 95% do processamento de REE. Pequim também consome cerca de 67% do fornecimento mundial de REE. Ninguém pode desafiar seriamente o monopólio chinês sobre REE-Terras Raras, uma vez que este país pode manter preços mais baixos durante mais tempo do que qualquer concorrente consegue permanecer solvente.

Depois, há o Irã, que domina o Estreito de Ormuz, o corredor energético mais crucial do mundo, por onde passa diariamente cerca de 25% de todo o petróleo consumido no planeta. De acordo com a Administração de Informação sobre Energia dos EUA, todos os dias, mais de 40% das exportações globais de petróleo (cerca de 21 milhões de barris) transitam pelo Estreito de Ormuz.

Graças à sua geografia dominante e à sua experiência em guerra não convencional e assimétrica, o Irã pode facilmente bloquear o Estreito de Ormuz e não há muito que alguém possa fazer a respeito.

A ideia é nivelar o campo de jogo contra um inimigo superior com enxames de lanchas suicidas carregadas de explosivos, aviões voando baixo carregando mísseis anti-navio, minas navais e mísseis balísticos anti-navio baseados em terra, entre outros produtos de baixo custo, mas medidas altamente eficazes.

Os analistas acreditam que seriam necessárias semanas para que os militares dos EUA reabrissem essa rota, mas ninguém sabe se conseguiriam se forem atacados pelos iranianos. Os estrategistas militares conhecem esta situação há décadas. Mas ninguém encontrou uma forma realista de neutralizar o poder do Irã sobre o tráfego de petroleiros pelo Estreito. É o trunfo geopolítico do Irã.

No Mar Vermelho, os aliados do Irã no movimento Houthis no Iémen fecharam recentemente o transporte marítimo neste corredor econômico vital a todos os navios judeus, americanos e britânicos, e recentemente tendo afundado um cargueiro britânico e danificado outro seriamente.

Quando se junta tudo isto, o BRICS+5 tem grande vantagem na guerra econômica.

Resultado:  Vantagem BRICS+5

Domínio nº 3: Guerra Cibernética

A guerra cibernética refere-se à utilização de ataques digitais por uma nação para perturbar os sistemas informáticos de outra, muitas vezes com o objetivo de causar danos, perturbações, caos ou medo.

Estes ataques podem atingir vários setores, incluindo redes governamentais, sistemas financeiros e serviços de utilidade pública como eletricidade e abastecimento de água. Por exemplo, um ataque cibernético bem-sucedido a uma rede elétrica poderia deixar milhões de pessoas sem eletricidade ou água potável por um longo período em grandes centros urbanos.

Atacar a infra-estrutura financeira de uma nação, como bancos ou bolsas de valores, através de meios cibernéticos é outra forma de guerra cibernética. Tais ataques podem perturbar a estabilidade econômica, criar incerteza e potencialmente levar a perdas financeiras significativas. Os objetivos da guerra cibernética podem variar desde o roubo de informações sensíveis, causando danos econômicos, perturbando serviços essenciais, ou criando caos e pânico entre a população.

A guerra cibernética pode ser tão prejudicial como a guerra tradicional, mas é muitas vezes mais barata, menos arriscada e pode ser conduzida de forma anônima e remota. Isto torna-a uma opção atraente para nações que desejam causar danos e, ao mesmo tempo, minimizar o risco de confronto direto.

Esperamos que a guerra cibernética seja proeminente à medida que a Terceira Guerra Mundial evolui em seus desenvolvimentos. Neste quesito, devemos notar que um navio do Irã e os rebeldes Houthis do Iêmen estão sendo acusados de romperem cabos submarinos de transmissão de dados no Golfo de Áden, responsável pela queda de cerca de 25% do tráfego de dados via internet entre a Ásia, Oriente Médio e Europa.

Neste cenário, vale destacar que a Rússia criou uma internet INTERNA, já testada, independente da internet Global e também desenvolveu sistema de navegação independente, o GLONASS, em substituição ao sistema ocidental GPS. O sistema GLONASS tem sido utilizado como uma alternativa ao sistema NAVSTAR/GPS já que este, sendo controlado pelos EUA e não possuindo garantias de operação, pode ser desativado ou ter seu sinal degradado conforme a conveniência dos EUA.

A OTAN & Friends e o BRICS+5 são especialistas em guerra cibernética. No entanto, não vejo nenhum dos lados tendo uma vantagem decisiva.

Resultado:  Incerto

Domínio nº 4: Guerra de Informação

A guerra de informação abrange uma série de táticas destinadas a influenciar, perturbar, manipular, censurar ou corromper o panorama da informação para afetar o processo de tomada de decisão de um adversário, minar a confiança nas instituições ou influenciar a opinião pública. Pretende influenciar os resultados tanto no campo de batalha como na opinião pública.

Este tipo de guerra aproveita a propagação de narrativas falsas e enganosas, propaganda e operações psicológicas para criar confusão, semear discórdia e manipular percepções e implementar agendas ocultas. A guerra de informação pode influenciar eleições, moldar a opinião pública sobre questões críticas e até incitar à violência ou à agitação social, incitar ódio racial, racismo, promover a censura, etc. O objetivo muitas vezes é desestabilizar um oponente por dentro.

Com a crescente dependência dos meios de comunicação social e de outras plataformas digitais, o papel da guerra de informação deverá tornar-se ainda mais significativo na definição dos cenários militares e geopolíticos. Os EUA [judeus khazares] têm enorme influência e controle quase total sobre a grande mídia global, a indústria do entretenimento [controlam Hollywood] e as plataformas de Big Tech. Isto dá-lhes um amplo alcance mundial de uma forma que a Rússia e a China não têm.

Como resultado, a OTAN e os Amigos têm vantagem na guerra de informação.

Resultado:  Vantagem OTAN & Friends

Domínio nº 5: Sabotagem negável

Sabotagem refere-se a danificar, destruir ou prejudicar deliberadamente propriedades vitais de um país, sem declaração de guerra. Sabotagem negável é uma ação hostil realizada para que o perpetrador não possa ser identificado de forma conclusiva ou vinculado ao ataque. A identidade do agressor permanece oculta ou há negação plausível.

Significa que embora possa haver suspeitas ou mesmo provas circunstanciais sobre quem é o responsável por um ataque, não há provas concretas. Como resultado, o alegado perpetrador pode negar o envolvimento de forma credível.

Os alvos típicos de sabotagem incluem infraestruturas como pontes e ferrovias, sistemas de comunicação, depósitos de abastecimento, depósitos de munições e serviços essenciais como sistemas de abastecimento de energia e água. A destruição do gasoduto Nord Stream 1 e 2 da Rússia e o corte de cabos submarinos de fibra óptica em torno da Noruega são exemplos prováveis ​​de sabotagem recente e negável.

A OTAN & Friends e o BRICS+5 são hábeis em sabotagem negável. No entanto, não vejo nenhum dos lados tendo uma vantagem decisiva.

Resultado:  Incerto

Domínio nº 6: Guerra Biológica

A guerra biológica é o uso de toxinas biológicas ou agentes infecciosos, como bactérias, vírus e fungos, para incapacitar ou matar humanos, animais ou plantas. Os agentes causadores de doenças liberados intencionalmente podem se espalhar pelo ar, pela água ou por fontes alimentares e muitas vezes são difíceis de rastrear.

O uso de armas biológicas remonta a séculos. Na época medieval, os exércitos sitiantes catapultavam cadáveres infectados por doenças sobre as muralhas da cidade sendo invadida.

Hoje, os EUA, a China e a Rússia assinaram a Convenção sobre Armas Biológicas, que supostamente proíbe a guerra biológica. No entanto, não esperamos que isso impeça a guerra biológica à medida que a Terceira Guerra Mundial se espalhar e se intensificar.

A histeria da Covid quase certamente foi provocada intencionalmente por vírus geneticamente modificado em laboratório e liberado no que poderia ser considerado a um ato de guerra biológica.

Em qualquer caso, os EUA, a Rússia e a China mantêm programas robustos e secretos de armas biológicas. No entanto, não percebemos nenhum pais com uma vantagem decisiva, exceto que os militares dos EUA possuem vários laboratórios de nível BSL-4, o de segurança mais alta, em instalações subterrâneas, como em Fort Detrick.

Resultado:  Incerto

Domínio nº 7: Guerra por procuração

As guerras por procuração são um método pelo qual as grandes potências travam as suas batalhas indiretamente, utilizando nações ou grupos mais pequenos de marionetes como substitutos, em vez de se confrontarem diretamente.

As grandes potências apoiam, equipam e financiam grupos ou nações mais pequenos numa guerra por procuração para lutar contra um adversário comum. Este apoio pode incluir treino militar, armas, financiamento e outros recursos. O ponto crítico é que as grandes potências não se envolvem diretamente no combate.

Esperamos que as guerras por procuração sejam um fator decisivo para decidir quem vencerá a Terceira Guerra Mundial.

Existem inúmeras guerras por procuração em andamento. No entanto, há três que acreditamos que serão fundamentais para determinar qual lado tem a vantagem geral.

Guerra por procuração nº 1: Ucrânia

A Ucrânia tem sido a arena preferida da OTAN & Friends para confrontar a Rússia. Enquanto escrevemos isto, no início de 2024, o conflito na Ucrânia parece estar diminuindo com a provável derrota da mesma. A Ucrânia sofreu sérios reveses no campo de batalha, uma vez que a sua tão elogiada contra-ofensiva de 2023 falhou total e completamente.

Mais remessas de armas dos países da OTAN não vão trazer a vitória à Ucrânia. Na melhor das hipóteses, apenas prolongará o conflito sem alterar o resultado final, ao mesmo tempo que esgotará os inventários da OTAN e os homens em idade militar da Ucrânia, que já sofreu pesadas perdas em vidas de soldados.

O financiamento dos EUA também está secando. Os eleitores americanos e europeus estão cada vez mais cansados ​​da guerra. Quando juntarmos tudo isso, suspeitamos que veremos um movimento sério em direção a um acordo este ano que será em grande parte favorável à Rússia.

Resultado:  Vantagem BRICS+5

Guerra por procuração nº 2: Oriente Médio

O Oriente Médio está à beira da maior guerra regional em mais de 50 anos. A região está aproximadamente dividida em dois grupos geopolíticos diferentes. O primeiro são Israel e os seus aliados EUA, com a Turquia, Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Bahrein relativamente neutros.

O segundo grupo se descreve como o Eixo da Resistência. É constituída pelo Irã, pela Síria, pelos Houthis no Iémen, pelo Hezbollah no Líbano, por vários grupos palestinos, incluindo o Hamas, e por uma variedade de milícias no Iraque. A Rússia e a China apoiam o Eixo da Resistência.

No contexto da 3ª Guerra Mundial e da situação geopolítica global, os EUA, Israel e os seus aliados representam os interesses da OTAN & Friends, e o Eixo da Resistência representa o BRICS+5. Se houver uma guerra regional no Oriente Médio, será sem dúvida entre estes dois grupos.

Na ausência de uma guerra regional, haverá provavelmente uma competição geopolítica contínua e conflitos de baixa intensidade no Oriente Médio. Quando se dá um passo atrás e se junta tudo, parece claro que a dinâmica geopolítica está com o Eixo da Resistência no Oriente Médio. Israel sem o contumaz apoio dos EUA deixa de existir pois não tem condições de fazer frente à uma guerra total contra 1,5 bilhões de muçulmanos, esta é uma situação perdida para os judeus se os sionistas não mudarem de atitude em relação aos povos islâmicos.

No entanto, uma grande guerra regional poderia mudar a situação para os EUA, Israel e os seus aliados. A OTAN & Friends podem tentar uma guerra em grande escala com o Irã como uma última tentativa de impedir a emergência de uma ordem mundial multipolar.

Mas também é mais provável que uma guerra em grande escala com o Irã e o Eixo da Resistência termine em desastre para os EUA, o anão Israel e os seus aliados. Essa é provavelmente uma grande razão pela qual ainda não aconteceu de o barril de pólvora explodir completamente no Oriente Médio, apesar de não faltarem intenções hostis.

Entretanto, a vantagem no Oriente Médio vai para os BRICS+5. A matemática aqui é atroz: Israel tem menos de 10 milhões de habitantes, O BRICS+5 tem mais da metade da população mundial se somado aos povos islâmicos . . .

Resultado:  Vantagem BRICS+5

Guerra por procuração nº 3: Taiwan

A China vê a ilha de Taiwan como uma província separatista e prometeu reunificá-la com o continente pela força, se necessário. Recentemente, Xi Jinping avisou em privado Biden que a China reunificará Taiwan, mas que o momento disso ainda não foi decidido.

Embora não se comprometam explicitamente com a defesa de Taiwan, os EUA têm sido um fornecedor significativo de equipamento militar para Taiwan. Uma invasão chinesa poderia desencadear uma resposta dos EUA, embora a extensão e a natureza desta resposta sejam incertas.

A China tem o maior e cada vez mais moderno exército do mundo. Taiwan tem forças armadas bem treinadas, embora muitíssimo menores e menos equipadas que as da China. Parece-nos que o tempo e a matemática estão do lado da China. Tudo o que Pequim tem de fazer é esperar; eventualmente, será capaz de obrigar Taiwan a reunificar-se pacificamente.

No caso de um conflito militar, parece-nos que a China leva vantagem. A única maneira de Taiwan rezar seria se os EUA se juntassem diretamente ao conflito. No entanto, é pouco provável que os EUA arrisquem uma guerra em grande escala com a China por causa de Taiwan. Quando se junta tudo isso, parece que a China leva vantagem.

Resultado:  Vantagem BRICS+5

Provavelmente haverá outras guerras por procuração à medida que a Terceira Guerra Mundial avança e se espalha pelo planeta, mas as que acreditamos que se revelarão decisivas serão na Ucrânia, no Oriente Médio e em Taiwan. As outras guerras por procuração são periféricas em comparação com estas três.

Todas as três guerras por procuração decisivas tendem para a derrota da OTAN & Friends. Portanto, a vantagem no domínio global da guerra por procuração – que acredito que será o domínio mais decisivo na Terceira Guerra Mundial – está com os BRICS+5.

Resultado:  Vantagem BRICS+5

E no continente africano, a OTAN & Friends esta sendo expulsa, país por país de sua nefasta e predatória influência colonialista imperialista e buscando aproximação com a Rússia e a China, com a única nação africana nunca tendo sido colonizada, a Etiópia como um novo membro do BRICS+5 juntamente com o EGITO . . .


Uma resposta

  1. Cenário muito bem analisado. Probabilidades bem acertivas…. só sera capaz de ocorrer alguma mudança se der merda…. além da que já esta ocorrendo….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *