Casa Branca mentiu ao Congresso sobre Israel-Gaza, oficial renuncia em protesto

Uma funcionária do Departamento de Estado renunciou em protesto, dizendo que a Casa Branca (SARKEL) de ‘Dementia’ Joe Biden mentiu ao Congresso sobre um relatório crítico para que as armas americanas pudessem continuar fluindo para as Forças de Defesa de Israel (IDF) para sua guerra de genocídio em Gaza.    

Fonte: Zero Hedge

Essa autoridade é Stacy Gilbert, funcionária do Departamento de Estado durante 20 anos que foi conselheira civil-militar no Departamento de População, Refugiados e Migração. Em Fevereiro, uma diretiva de memorando de segurança nacional incumbiu os departamentos de Estado e de Defesa de redigir um relatório avaliando se Israel estava cumprindo as Convenções de Genebra e se Israel estava impedindo o fluxo de assistência humanitária aos palestinos em Gaza. Trabalhando com outros especialistas, Gilbert foi encarregada de responder a esta última pergunta

Esta questão TEM enormes implicações:  a Lei de Assistência Externa dos EUA proíbe a ajuda a países que impeçam o fluxo de ajuda humanitária dos EUA . Gilbert diz que ela e outros especialistas formaram um consenso claro de que Israel bloqueou a ajuda “de muitas maneiras” e que começaram a elaborar um relatório com essa conclusão. 

No entanto, com o relatório ainda em rascunho, Gilbert disse que altos funcionários excluíram ela e outros especialistas no assunto do projeto e começaram a reescrever o relatório nos dias seguintes, antes de ele ser apresentado ao Congresso. 

Gilbert disse à PBS : 

“Quando o relatório foi publicado em 10 de maio, e li a conclusão… de que Israel não estava bloqueando a assistência humanitária, decidi que renunciaria, porque essa não era absolutamente a opinião dos especialistas no assunto do Departamento de Estado, da USAID, da comunidade humanitária, das organizações que trabalham em Gaza.” 

O número estimado de mortos palestinos em Gaza ultrapassou 36.000, em sua maioria mulheres e crianças. Após a invasão do sul de Israel pelo Hamas, em 7 de outubro, o ministro da defesa israelense, Yoav Gallant, anunciou um “cerco completo” à longa faixa de 40 quilômetros. Ele declarou;

“Não haverá eletricidade, nem alimentos, nem combustível, tudo está fechado”, disse ele . “Estamos a lutar contra os animais humanos e estamos agindo em conformidade.”

No início deste mês, o Programa Alimentar Mundial da ONU  disse que o norte de Gaza está no meio de uma  “fome total”. 

Apesar de receber dezenas de milhares de bilhões de dólares em armas e dinheiro [sem a imensa ajuda dos EUA o exército do “povo eleito” não existe] para a sua guerra de genocídio, Israel ignorou os apelos de misericórdia de Washington e frustrou o fluxo de ajuda humanitária através de travessias terrestres – ao ponto de o Presidente Biden ter ordenado a construção de um cais ao largo da costa de Gaza para fazer uma tentativa final de contornar as IDF – gastando US$ 320 milhões e  ferindo gravemente um militar no processo. Após a conclusão, o cais desmoronou imediatamente devido ao mau tempo e está sendo removido para reparos e o preço aumenta. 

Os cidadãos israelitas sionistas judeus khazares fizeram a sua parte para impedir o fluxo de ajuda: 

Os “colonos” israelitas continuaram a atacar caminhões de ajuda que passavam pela Cisjordânia, impedindo que os alimentos chegassem a Gaza, enquanto grupos humanitários alertavam que os civis estão passando fome. Na semana passada, manifestantes israelitas pisotearam caixas de comida e incendiaram vários caminhões.

Em uma declaração explicando sua renúncia, Gilbert  escreveu :

“Existem provas abundantes que mostram que Israel é responsável pelo bloqueio da ajuda. Negar isto é absurdo e vergonhoso… Alguns membros do governo dos EUA… fizeram uma escolha consciente de negar os fatos no terreno em Gaza, a fim de continuarem as operações militares. apoio à conduta desastrosa de Israel nesta guerra…

Outro funcionário do Departamento de Estado que já havia renunciado em protesto contra a gestão da guerra Israel-Gaza pelo governo Biden, usou a renúncia de Gilbert como uma oportunidade para renovar sua própria condenação. “No dia em que a Casa Branca anunciou que a última atrocidade em Rafah não ultrapassou a linha vermelha, esta renúncia demonstra que a Administração Biden fará tudo para evitar a verdade ” escreveu Josh Paul, ex-funcionário do Bureau de Assuntos Políticos do Departamento de Estado.

Em 9 de março, Biden alertou Israel contra um grande ataque à cidade de Rafah, no extremo sul de Gaza , para onde mais de um milhão de palestinos fugiram em busca de segurança – chamando-o explicitamente de “linha vermelha”. No domingo, um ataque israelita em Rafah matou pelo menos 45 pessoas, incluindo 12 mulheres e 8 crianças.

Já houve um mentiroso mais desprezível? Sulaiman Ahmed Repórter: “Quantos mais cadáveres carbonizados ele precisa ver antes de considerar uma mudança na política?” Kirby: “Fico ofendido com a pergunta”

Muitas das vítimas foram incineradas em tendas. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que foi um “erro trágico”.  A Casa Branca (SARKELdisse que o ataque não ultrapassou a linha vermelha e não afetaria a política dos EUA.   

Gilbert diz que sua motivação para renunciar vai além da restrição da ajuda humanitária:  

“A morte de pelo menos 36.000 palestinos por Israel, a destruição deliberada da maioria dos edifícios e os ataques a todas as principais instalações médicas, escolas e lojas, vidas e meios de subsistência, não podem ser ignorados… Não posso continuar a trabalhar para um governo que nega e permite a carnificina deliberada de Israel em Gaza.” 

Entretanto, à medida que as demissões se acumulam, as bombas dos EUA continuam a cair sobre militantes palestinianos e também contra inocentes… enquanto membros da IDF festejam . . .

Ei! Novo vídeo da armadilha da sede da IDF acabou de ser lançado e é imperdível…


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth