Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Pesquisadores confirmam Existência de Poderoso Estado judaico (os Khazares não semitas) na Crimeia medieval

reino-judeu-khazaria

Estudos realizados na península da Crimeia desenterraram itens do século VIII pertencentes ao Canato Cazar, ou Khazária. Eles lutavam pela influência e domínio regional com o Império Bizantino cristão. Apesar de professarem a religião judaica, eram povos nômades não semitas. No século VII, a tribo turca dos Khazares fundou o canato no norte do Cáucaso, entre os mares Negro e Cáspio, onde o judaísmo acabaria se tornando a sua religião oficial, dando origem aos judeus Khazares, de povos nômades não semitas.

Pesquisadores confirmam Existência de Poderoso Estado judaico (os Khazares não semitas) na Crimeia medieval

Fonte: Sputnik

Os pesquisadores encontraram túmulos na Crimeia e concluíram que eles pertencem aos khazares, um povo caucasiano de origem turcomana seminômade, não semita, que adotou a religião judaica que habitou vastos territórios no sul da atual Rússia e da atual Ucrânia no início da Idade Média, e que é a primeira evidência arqueológica da presença do Canato Khazar na Crimeia.

No século VII, a tribo turca dos Khazares fundou o canato no norte do Cáucaso, entre os mares Negro e Cáspio, onde o judaísmo acabaria se tornando a sua religião oficial. Durante seu auge, eles e seus tributários controlavam grande parte do que hoje é o sul da Rússia, o oeste do Cazaquistão, o leste da Ucrânia, o norte e uma parte significativa do sul do Cáucaso e o norte do Cáucaso.

Fontes escritas contam que, no século VIII, logo após os hunos destruírem o Império Romano Ocidental, a Crimeia foi ocupada pelos cazares, que competiam com o Império Romano Oriental, ou Império Bizantino, pelo direito de influenciar a península.

Os túmulos dos khazares, encontrados em 2021 nas proximidades da cidade de Simferopol, no centro da península da Crimeia, pertenciam à aristocracia dos khazares, confirmam cientistas do Instituto de Arqueologia da Crimeia da Academia de Ciências da Rússia, que acrescentam que as estepes da Crimeia eram percorridas por khazares nômades, incluindo sua aristocracia. Eles mantinham relações amigáveis com o Império Bizantino até a década de 860.

Sarkel (ou Šarkel , literalmente CASA BRANCA na língua Khazar era uma grande fortaleza de calcário e tijolo no que hoje é o Oblast de Rostov, na Rússia, na margem esquerda do baixo rio Don. Foi construído pelos judeus khazares com assistência bizantina nas décadas de 830 ou 840. Foi chamada de Sarkel, ou CASA BRANCA, por causa dos tijolos de calcário branco usados ​​em sua construção. Foto aérea das escavações realizadas em Sarkel na década de 1930.

“Infelizmente, os túmulos medievais próximos aos arredores de Simferopol foram roubados várias vezes desde o século VIII. Entretanto, até mesmo os fragmentos preservados de armaduras e equipamentos equestres nos permitem falar da riqueza do inventário de sepultamentos. Com base em outros locais de sepultamento escavados no Volga e no Don, podemos imaginar como esse inventário poderia ser”, contou Vadim Maiko, diretor do Instituto de Arqueologia da Crimeia da Academia de Ciências da Rússia.

Assim, a estrutura interior desenterrada foi construída com pedra cinzelada, cujos afloramentos são encontrados nas proximidades. A pedra foi unida com rolos de terra, morteiro de argila e terra em massa, e não foi usada nenhum morteiro de ligação especial. Segundo os arqueólogos, a construção provou ser bastante forte.

Esqueleto em um dos túmulos cazarianos na península da Crimeia. © Foto / Instituto de Arqueologia da Crimeia da Academia de Ciências da Rússia

Ele acrescenta que os cazares controlavam claramente a fronteira cazar-bizantina. O controle bem-sucedido dessa fronteira, que coincidiu com o período de ouro do canato dos judeus caucasianos da Khazaria, era muito importante para o Estado cazariano, acreditam os pesquisadores.

Os cientistas ainda não descobriram como e por que o alto comando dos nômades cazares foi parar na Crimeia no terceiro quarto do século VIII.

No entanto, cronistas bizantinos e árabes relatam uma forte aliança política firmada entre o Império Bizantino e a Khazaria para combater a expansão do califado árabe no segundo quarto desse século.

8 respostas

  1. A Russia e Ucrania teve origem no império Khazar, apesar dos burocratas soviéticos terem lutado para apagar essa herança russa das páginas da história. Não deu certo. Para os que acreditam na teoria de que os judeus de Israel são khazares, lembrem-se do DNA mitocondrial, que não muda durante as gerações, e o DNA dos judeus de Israel e o DNA dos Palestinos, que sempre estiveram na Palestina é o mesmo, podendo-se rastrear a origem temporal até o ancestral comum dos dois povos. Portanto, o DNA mitocondrial invalida esta teoria da conspiração anti-semita.

    1. Meu filhinho Eliel, aprenda a escrever direitinho! Assim: “A Rússia e a Ucrânia TIVERAM origem no…”. Um erro feio de concordância verbal. O que você escreveu é interessante, você é inteligente, por isso mesmo não pode cometer erros grosseiros de português. Correção ortográfica agora: a palavra “Anti-semitismo” não existe em português. Esta existe: “Antissemitismo”.

  2. Amiguinhos do Thoth, por que vocês escrevem “Cazar”, “Cazariano” e logo escrevem Khazaria” ?? Uma incoerência… Prefiram a forma aportuguesada desse topônimo, que se escreve assim: “Cazária”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *