browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

China (o Dragão do Apocalipse) esta prestes a se revelar ao Mundo

Posted by on 24/09/2019

A China está meticulosamente implementando um plano estratégico de 100 anos que visa superar os Estados Unidos como a superpotência ou hegemonia dominante no mundo até 2049, de acordo com o autor do livro best-seller nacional de 2015 de Michael Pillsbury, The Hundred Year Marathon. As perspicazes descobertas de Pillsbury não apenas fornecem uma base para entender como a China planeja suplantar os EUA, mas também como está respondendo secretamente ao conhecimento que tem da existência de Programas Espaciais Secretos (SSP) desenvolvidos pelo complexo industrial militar dos EUA, pela Marinha (USNAVY) e pela Força Aérea (USAF) e o que a China planeja fazer em resposta para alcançar o domínio militar tanto na Terra como no espaço exterior.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Plano secreto da China de superar a hegemonia dos EUA para se tornar o maior poder planetário e espacial (e o último instrumento de implantação de uma agenda de controle TOTAL do planeta)

Fonte:  https://www.exopolitics.org/

Michael Pillsbury é um especialista em China que trabalha com o Departamento de Defesa, Departamento de Estado e Congresso dos EUA há mais de quatro décadas, desde 1975. Falante fluente em mandarim, ele teve acesso incomparável aos principais líderes políticos e militares chineses durante sua carreira profissional e está muito familiarizado com as políticas e os planos da “Elite do Partido Comunista da China”, especialmente os falcões militares que exercem grande influência nos bastidores. Atualmente, Pillsbury é um dos principais conselheiros do presidente Donald Trump nas relações EUA-China.

Pillsbury começa seu livro altamente detalhado, descrevendo como os principais líderes chineses usam astuciosamente o período histórico dos Estados chineses Combatentes (475-221 a.C.) para desenvolver seu planejamento estratégico para se envolver com os EUA. Em suma, o período dos Reinos Combatentes foi um período em que até sete reinos étnicos chineses competiram entre si por hegemonia e domínio sobre seus rivais.

Pillsbury explica como uma hegemonia dominante (os EUA nos tempos contemporâneos) seria minado por um novo aspirante a hegemonia (China) global, por meio de furtividade, astúcia e decepção, como praticado por diferentes reinos durante o período histórico de conflitos entre os Reinos Combatentes. Ele explica de maneira convincente como esses objetivos exigem um pensamento de longo prazo da China como aspirante a hegemonia que carece do poder político e militar para confrontar diretamente a hegemonia atual dominante dos EUA até que o pais norte americano seja suficientemente enfraquecido por conflitos internos e externos.

Os líderes militares e políticos chineses começaram sua maratona de 100 anos em 1949, explica Pillsbury, após a vitória do Partido Comunista e o estabelecimento da República Popular da China. Inicialmente, a China confiou na União Soviética para ajudá-la a se industrializar e para modernizar suas vastas forças armadas. Depois da disputa política interna na década de 1960 e dos confrontos militares ao longo de suas fronteiras, o Partido Comunista da China iniciou aberturas secretas para o Ocidente.

Foi o presidente Mao quem procurou secretamente o presidente Nixon, observa Pillsbury, e não o contrário, como muitos acreditaram erroneamente. As relações iniciais entre a China e os EUA foram genuinamente positivas, pois ambos tinham muito a temer da União Soviética. Tudo isso mudou com os protestos da Praça da Paz Celestial (Tiananmende 1989 e o colapso da União Soviética em 1991.

Os livros escolares chineses mudaram dramaticamente. Descrições anteriormente positivas da história e dos ideais democráticos dos EUA, que haviam sido amplamente citadas por estudantes chineses nos protestos de Tiananmen, eram agora extremamente negativas. As gerações futuras de estudantes chineses foram doutrinadas a acreditar que os EUA têm humilhado e abusado da China desde meados do século XIX.

O plano do governo chinês para desenvolver um sistema de reconhecimento facial para todos os seus 1,3 bilhão de cidadãos, leva o Sistema de Crédito Social ainda mais longe no campo da ficção científica e no CONTROLE TOTAL de sua população. Foto / iStock / Ilustração Nacional. FONTE


“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome {ou um smartphone}. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.  –  Apocalipse 13:16-18


Descrições anteriormente positivas do Presidente Lincoln (1861-1865), por exemplo, eram agora extremamente negativas. Pillsbury explicou como os estudantes chineses receberam a ridícula proposta de que Lincoln estava ocupado minando a soberania da China durante a Guerra Civil dos EUA. 

Essencialmente, o Partido Comunista da China estava assegurando que não houvesse repetição do protesto da Praça da Paz Celestial se os jovens citassem ideais e personalidades democráticas positivas dos EUA, o que havia sido profundamente embaraçoso para os membros mais velhos do Partido Comunista. 

Pillsbury então explica como a China abriu suas portas para a instalação das indústrias ocidentais e a inovação econômica, em troca oferecendo a mão de obra mais barata e servil do planeta,  como parte de seu esforço de modernização tecnológica. Usando estratégias tiradas diretamente do período histórico dos Estados chineses Combatentes (475-221 a.C.), o Partido Comunista fingiu abertura a ideais políticos democráticos, enquanto reprimia implacavelmente minorias étnicas e dissidentes políticos internos e bloqueia reformas democráticas genuínas.

Por trás da “GUERRA de TARIFAS” existente entre os EUA e a China, existe MUITO MAIS do que a mídia controlada pode contar ….

O objetivo era atrair as nações ocidentais para um falso senso de complacência, onde a suposição comum era de que a China mudaria inevitavelmente no futuro à medida que sua enorme economia se abrisse à influência ocidental. Pillsbury enfatizou que tais mudanças democráticas futuras eram uma quimera, uma vez que a elite militar e política chinesa era movida não pelos ideais ocidentais, mas pela compreensão do que a história revelava sobre como um pais aspirante a hegemonia precisava primeiro minar e depois substituir o pais dominante.

Ele ressalta que a China não tem a intenção de ajudar os EUA e seus aliados a estabelecer uma ordem mundial estável, mas, em vez disso, visa miná-la para inaugurar uma NOVA ordem mundial em que a China será a potência dominante e com base na Ideologia Comunista de controle TOTAL.

Pillsbury fornece muitos exemplos de como a China ajudou vários estados e grupos desonestos em todo o mundo, como o Taliban do Afeganistão. Assim como os EUA secretamente usaram grupos extremistas para enfraquecer a União Soviética durante a Guerra Fria, agora a China fazia secretamente o mesmo através do desenvolvimento econômico e do fornecimento de armas a nações que desafiavam as políticas dos EUA.

No que diz respeito ao desenvolvimento econômico, Pillsbury explica como a China está na vanguarda da espionagem industrial, esforços de falsificação, roubo de propriedade intelectual, hackers e outras práticas inescrupulosas generalizadas nas suas relações com os demais países do planeta. O objetivo é ajudar as empresas estatais da China (que somavam mais de 140.000 empresas em 2011, totalmente controladas pelo “estado”/Partido Comunista) a enganar, roubar, manipular e trapacear as empresas ocidentais e seus melhores cérebros que estabeleçam uma presença comercial na China continental.

Quando se trata do espaço exterior, Pillsbury explica como a China tem usado essas práticas inescrupulosas para desenvolver seu próprio programa espacial convencional, com o objetivo de projetar uma presença militar no espaço. Enquanto o governo Trump está no meio da criação de uma Força Espacial como o novo sexto ramo das forças armadas dos EUA, a China JÁ TEM uma “Força Aeroespacial” em funcionamento desde 2014 .

A Força Aeroespacial da China foi criada como o quinto ramo do Exército de Libertação Popular (PLA), conforme explicado em um artigo intitulado “Forças Armadas da China Criam Nova Força Espacial”, publicado no The Diplomat por Zachary Keck em 10 de setembro de 2014. Um discurso do Presidente Xi Jinping foi resumido por um especialista em espaço chinês citado por Keck como um claro apoio à militarização chinesa do espaço em resposta aos EUA e outras nações que já o fizeram:

“Os Estados Unidos prestaram atenção e recursos consideráveis ​​à integração de capacidades aéreas e no espaço exterior, e outras potências também avançaram progressivamente em direção à militarização espacial … Embora a China tenha afirmado que adere ao “uso pacífico do espaço”, devemos garantir que temos a capacidade de lidar com as operações de outros países no espaço”.

O problema é que Pillsbury, e o público dos EUA de maneira geral, desconhecem amplamente a verdadeira presença (mantida em segredo) das forças norte americanas no espaço sideral e assumem erroneamente que a nova Força Espacial será apenas “o início oficial” da militarização espacial pelo país. No entanto, como tenho documentado extensivamente em minha série de Livros sobre o Programa Espacial Secreto desenvolvido pelos EUA, a Força Aérea dos EUA e a Marinha dos EUA têm programas espaciais secretos independentes que projetaram seu respectivo poder militar no espaço profundo.

Esses dois programas espaciais paralelos, comandados por militares dos EUA, estão em operação desde os anos 1970, enquanto o público em geral acreditava que a única presença norte-americana no espaço era através do programa espacial convencional da NASA.

A China, no entanto, está bem ciente da verdade por trás das operações espaciais militares dos EUA, uma vez que começou a enviar satélites para a órbita terrestre na década de 1970. As crescentes capacidades de vigilância espacial da China permitiram rastrear as operações espaciais militares dos EUA, especialmente a construção de estações espaciais militares secretas operadas pela USAF e pelo National Reconnaissance Office (NRO).

Livros também na AMAZON

No Livro Quatro de minha série, o Programa Espacial Secreto  da  USAF , discuto 825 documentos NRO desclassificados que mostram como a USAF e a NRO usaram o projeto do Manned Orbiting Laboratory (Laboratório de Órbita Manejada) supostamente “descontinuado” como cobertura para o envio de módulos de laboratório para o espaço que poderia ser configurado para estabelecer Estações espaciais do tipo idealizado pelo cientista nazista, criador da NASA, Wernher von Braun, ou seja, módulos montados em uma configuração circular.

Essas estações espaciais secretas da USAF / NRO fornecem plataformas de armas ideais, capazes de estender a força militar dos EUA para todo o planeta a partir do espaço exterior. A China, como outras grandes nações com capacidade de vigilância por satélite, conhece bem as estações espaciais secretas da USAF / NRO e suas potenciais capacidades militares.

A China insiste que está apenas tentando igualar a militarização espacial dos EUA, mas, dada a diferença entre o desenvolvimento da presença militar dos EUA no espaço e os esforços mais recentes da China, o pais levará muitos anos para se atualizar. É por isso que o livro de Pillsbury é importante, pois descreve as práticas inescrupulosas que a China está praticando há décadas para colmatar a lacuna nas tecnologias espaciais e em todas as demais áreas.

Por exemplo, o verdadeiro escândalo por trás do hackeamento dos servidores de email de Hillary Clinton durante seu mandato como Secretária de Estado (2009-2013), é o papel desempenhado pela China e a probabilidade de que tudo isso fizesse parte de um elaborado programa e esquema de transferência de tecnologias aeroespaciais classificadas dos EUA para a China. Como escrevi anteriormente , Clinton tinha acesso de segurança às tecnologias espaciais do Talent Keyhole classificadas nos SAPs (Programas de Acesso Especial) e as discutiu em emails armazenados em seus servidores.

Isso foi corroborado pelo Inspetor Geral da Comunidade de Inteligência dos EUA, que identificou os vários níveis de segurança dos emails armazenados nos servidores invadidos por Clinton:

“Até o momento, recebi duas declarações juramentadas de um elemento [da comunidade de inteligência]  Essas declarações abrangem várias dezenas de e-mails contendo informações classificadas determinadas pelo elemento IC nos níveis CONFIDENCIAL, SECRETO e TOP SECRET / SAP. Segundo o declarante, esses documentos contêm informações derivadas de fontes classificadas de elementos de IC”.

File:Proposed USAF Manned Orbiting Laboratory - GPN-2003-00094.jpg

Uma imagem conceitual de 1960 do Laboratório de Órbita Tripulada (MOL) proposto pela Força Aérea dos Estados Unidos, destinado a testar a utilidade militar de ter seres humanos (leia-se militares) em órbita. A configuração da linha de base da estação era a de uma espaçonave Gemini B de duas pessoas que serviria de veículo do laboratório. FONTE

De acordo com o grupo de inteligência militar anônimo QAnon , Hillary Clinton estava realmente envolvida em um esquema de pay-to-play com a China para vazar segredos de tecnologia espacial avançada.

Conclusão

As conclusões de Pillsbury ditam os diferentes passos que os EUA precisam tomar para impedir a China de atingir seus objetivos e parecem muito sensatos, dado o que ele descreveu. Sua influência pode ser vista nas políticas cada vez mais difíceis do presidente Trump sobre a China, que deram início a uma nova era nas relações EUA-China.

Apesar da análise incisiva fornecida por Pillsbury, há várias deficiências em seu livro que refletem amplamente uma visão convencional do mundo de que os comportamentos de Estado-nação são conduzidos por funcionários públicos, nominalmente encarregados das principais instituições políticas, militares e econômicas e desconhece completamente o “jogo de poder” subjacente em todos os níveis de governo existente nas principais nações do mundo, controladas por membros do DEEP STATE..

Pillsbury não mostra nenhum entendimento ou reconhecimento da existência de um governo paralelo, continuado e oculto, o Estado (Deep State) Profundo e como ele manipula funcionários públicos para aprovar políticas que promovem uma agenda oculta global. Um bom exemplo é como os dois primeiros anos de mandato do presidente Trump foram prejudicados pelas alegações de conluio da Rússia que envenenaram as perspectivas de Trump e Putin colaborando para resolver os principais problemas do mundo, contrários à agenda do Deep State. 

O Estado Profundo não tem a menor intenção de deixar que os EUA e a Rússia colaborem no cenário mundial e usou funcionários públicos comprometidos para promover uma narrativa falsa que foi ajudada e incentivada pela grande mídia mainstream controlada pelo próprio Deep State.

O mais preocupante é a crescente evidência de que o Deep State está ajudando ativamente a China em seus esforços secretos de mentir, roubar e enganar em seu caminho para obter a superioridade tecnológica com os EUA, tanto na Terra quanto no espaço sideral. 

Não é por acaso que Clinton e outros políticos (marionetes) americanos “importantes”, como Joe Biden e Diane Feinstein , foram acusados ​​de ajudar a China a ter acesso a tecnologias sensíveis, que é precisamente o que o Deep State quer, como a QAnon vem revelando há mais de um ano.

É bom ou ruim se a China continuar usando práticas inescrupulosas para alcançar o que as forças armadas americanas desenvolveram e implantaram secretamente no espaço? Do ponto de vista da segurança nacional chinesa, é perfeitamente compreensível que a China esteja fazendo o possível para colmatar uma lacuna tecnológica no espaço sideral, uma vez que essa lacuna torna a China vulnerável à pressão política e militar dos EUA.

Do ponto de vista da segurança nacional dos EUA, a China é um estado comunista totalitário que lucra com a ingenuidade do Ocidente em abrir suas economias na esperança infundada de que a China inaugure reformas democráticas. O perigo é que, à medida que a China crescer como a maior economia do mundo, ela usará sua influência econômica para sustentar sistemas políticos repressivos que serão aliados naturais de seu sistema totalitário de partido único COMUNISTA e ateu.

O sistema totalitário da China é algo que o Estado Profundo deseja desesperadamente expandir para o cenário mundial, uma vez que uma concentração de poder político será muito mais fácil de se infiltrar e dominar do que os sistemas políticos democráticos com seu complexo sistema de freios e contrapesos, como exemplificado nos EUA. 

Membros do DEEP STATE, consciente e secretamente, nos últimos governos dos EUA, vem secretamente transferindo tecnologia e informações vitais para que a CHINA possa assumir o controle do planeta em substituição aos EUA.

É por isso que o Deep State está atualmente ajudando a China a preencher a lacuna tecnológica com os EUA e a ajudá-los a desenvolver um programa espacial secreto que rivaliza com o que a Força Aérea e a Marinha dos EUA e os grandes conglomerados industriais do Complexo Militar Industrial desenvolveram secretamente. 

O espaço é onde a última e verdadeira batalha entre o hegemonia dominante (os EUA, em uma intensa luta interna para se livrar do controle do Deep State) e o aspirante a hegemonia (a China, com um sistema de governo COMUNISTA perfeito para o Deep State assumir o controle do planeta inteiro) será determinada e onde os planos da China de suplantar os EUA como o atual pais dominante serão finalmente resolvidos.

© Michael E. Salla, Ph.D.


{Nota de Thoth: E neste fato reside a visão que o apóstolo João teve e que esta narrada no último livro do Novo Testamento, o Apocalipse (Revelação):

“E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um GRANDE DRAGÃO (símbolo maior da CHINA) VERMELHO, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas“.  Apocalipse 12:3

“E foi precipitado o GRANDE DRAGÃO, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na Terra, e os seus anjos (extraterrestres) foram lançados com ele. E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite”.  Apocalipse 12:9,10 }


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):   “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… 

Image result for puppet gifAs mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

  • Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

    www.thoth3126.com.br

 

 

6 Responses to China (o Dragão do Apocalipse) esta prestes a se revelar ao Mundo

  1. Fernando

    “Plano secreto da China de superar a hegemonia dos EUA para se tornar o maior poder planetário e espacial (e o último instrumento de implantação de uma agenda de controle TOTAL do planeta).´´
    Essa foi boa kkk, um dos artigos mais engraçados dos últimos tempos. É ridículo alguém querer superar os EUA em qualquer aspecto que seja. No máximo tudo isso é um roteiro de filme de ficção.

    • Thoth3126

      Caro Fernando, antes de “KKKK” sugiro que voce se informe mais a respeito dos assuntos que voce quiser dar a sua opinião. Usar “KKKK” é muito comum para indivíduos que não tem CONSCIÊNCIA e vivem com MEDO da própria IGNORÂNCIA … Muita Luz e Paz.

      “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento?” – Provérbios 1:22

      • Fernando

        Na verdade o “KKKK´´ é usado por pessoas que acham algo engraçado na internet mesmo, nada mais, sem teoria cósmica de consciência ou medo por trás disso. Mas você é livre pra bitolar o que quiser. No mais vamos ver o que o tempo vai dizer, tô esperando sentado alguém ultrapassar os EUA em qualquer aspecto imaginável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.