Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Colapso da População do Reino Unido é ‘Bom para o Planeta’, declara Sarah Harper, conselheira do WEF

Lembrem-se de como o despovoamento do planeta foi chamado de teoria da conspiração da direita  (e dos “conservadores”) ? As coisas mudaram, e o ‘colapso populacional’, que não pode mais ser negado, agora é bom para o planeta ! O Telégraph escolheu o mensageiro perfeito  para comunicar a nova maneira como devemos pensar sobre o declínio da população. Mais um consultor de alto nível do WEF-Fórum Econômico Mundial declarou abertamente essa ideia!

Colapso da População do Reino Unido é ‘Bom para o Planeta’, declara Sarah Harper, conselheira do WEF

Fonte: Dailysceptic.org

A professora de Oxford  Sarah Harper  é uma pessoa “muito importante”. O artigo do Telegraph listando suas credenciais  esqueceu de mencionar que ela atua no Conselho da Agenda Global sobre Sociedades Envelhecidas do Fórum Econômico Mundial.

A professora Harper está entusiasmado com os recentes declínios na fertilidade no Reino Unido:

Harper disse ao Telegraph : “Acho bom que os países de alta renda e alto consumo do mundo estejam reduzindo o número de filhos que estão tendo. Estou bastante confiante sobre isso.”

A acadêmica disse que a queda da fertilidade nos países ricos ajudaria a enfrentar o “excesso de consumo geral que temos no momento”, que tem um impacto negativo no planeta.

Mais importante ainda, o declínio nos nascimentos trará  “importantes reduções nas emissões de CO2”  das nações ricas, ressalta a professora Harper:

A pesquisa descobriu que  os países ricos tendem a ter pegadas de carbono muito maiores do que os países mais pobres, pois os ricos podem comprar mais bens, viajar mais e fazer outras atividades que geram “as terríveis” emissões de carbono.

As emissões de carbono dos países de alta renda foram 29 vezes maiores do que as dos países de baixa renda per capita em 2020, mostram os números do Banco Mundial.

Declínio da população ou substituição da população?

Aqui está a parte estranha: se a liderança do WEF-Fórum Econômico Mundial quisesse reduzir as emissões dos países ricos, eu poderia entender como eles esperariam que as reduções populacionais  levassem a um  declínio na produção econômica. Além das implicações morais, é matemática simples dizer que  menos pessoas significa menos carros  nas ruas, menos alimentos consumidos e assim por diante.

No entanto, algo totalmente diferente está acontecendo! Enquanto a população de nativos nascidos no local não está mais se reproduzindo nos níveis necessários para manter a população estável,  uma nova imigração  aumenta. É responsável por uma parcela cada vez maior de nascimentos!

Enquanto o  número de nascimentos na Grã-Bretanha está diminuindo, a proporção de crianças nascidas de pais que imigraram de fora da Grã-Bretanha atingiu um recorde.

Quase uma em cada três crianças nascidas no RU no ano no passado foram entregues por crianças de mães de fora do Reino Unido. O número de nascimentos de mulheres nascidas fora do Reino Unido aumentou 3.600 em relação ao ano anterior, representando 30,3% de todos os nascimentos. O pico anterior era de 29,3% em 2020.

Ao incluir o pai, mais de uma em cada três crianças nascidas no ano passado teve pelo menos um dos pais nascido no exterior. Em Londres, o número foi de dois terços.

Este desenvolvimento é  inconsistente  com o desejo de reduzir as populações dos países de alto consumo. Parece autodestrutivo  comemorar a redução da natalidade  e, ao mesmo tempo, comemorar o aumento da chegada de novos imigrantes  que trabalham duro para viver bem, consomem muito, têm muitos filhos e realizam o ‘sonho britânico’.

Os humanos agora são animais hackeaveis. Toda a ideia de que humanos tem “alma” ou “espírito” e ninguém sabe o que está acontecendo dentro deles, e eles (os animais hackeaveis) têm livre arbítrio – isto acabou”, decretou um ativista LGBTQ+, casado com outro homem [“Toda árvore que não der frutos será cortada”…], um judeu khazar, professor e historiador em Israel, conselheiro do WEF.

Por favor, não me interpretem mal apontando a inconsistência acima como minha hostilidade para com os imigrantes : imigrei para os Estados Unidos, trabalhei duro para ter uma vida boa e fui abençoado com uma linda família e dois filhos adultos. Sou imensamente grato pela oportunidade de viver nesta maravilhosa terra de liberdade – e tenho certeza de que a maioria dos outros imigrantes quer viver bem e trabalhar duro, nos países que escolheram viver assim como eu.

No entanto, embora eu seja igualmente solidário com os imigrantes, assim como sou com os nativos, não posso deixar de sentir que a Profª. Harper e o WEF têm uma inconsistência entre os  objetivos declarados  e as suas ações que não consigo explicar facilmente.

Essa inconsistência não é algo que eu consiga entender: os novos imigrantes querem consumir tanto quanto os residentes nativos. Por que incentivar a imigração  de países pobres para países ricos  se o objetivo é a redução de carbono e outras emissões que ocorreriam devido ao declínio da população dos países ricos?

Me ajude a entender esse quebra-cabeça! Estamos perdendo alguma coisa? o que eles realmente querem?


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores.  Como a receita de anúncios foi “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site.  Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante.  Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *