Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Comércio não petrolífero do Irã com nações do BRICS se aproxima de US$ 40 bilhões

O comércio não petrolífero entre o Irã e os membros da aliança BRICS de economias emergentes – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – atingiu  US$ 38,43 bilhões  no ano fiscal de 2022-23, segundo dados divulgados pela Administração Aduaneira da República Islâmica. Isso representa um aumento de 14% em relação ao ano fiscal anterior, apesar das pesadas sanções dos EUA sobre a economia do pais .

Comércio não petrolífero do Irã com nações do BRICS se aproxima de US$ 40 bilhões

Fonte: The Cradle

A China continua sendo o principal parceiro comercial do Irã na aliança BRICS, com US$ 30,32 bilhões em comércio, um aumento de 37%. A Índia vem em seguida com US$ 4,99 bilhões, um aumento de 47%; A Rússia segue com US$ 2,32 bilhões, o Brasil com US$ 466,55 milhões e a África do Sul com US$ 322,04 milhões.

O relatório econômico vem poucos dias depois que Teerã revelou que o comércio com as nações africanas aumentou  2,24% no ano fiscal de 2022-23, atingindo US$ 1,2 bilhão.

Apesar de uma campanha de sanções de “pressão máxima” do Ocidente – e uma pressão dos psicopatas de  Washington  para apreender mais navios de petróleo iranianos – a República Islâmica conseguiu superar as restrições unilaterais e reforçar a sua capacidade industrial.

Nos últimos meses, o BRICS também viu uma onda de interesse das nações do Sul Global que buscam se livrar do dólar americano e do hegemônico e agora tirânico sistema financeiro ocidental. O Irã, ao lado de cinco nações árabes,  solicitou formalmente  a adesão à aliança. Os ministros das Relações Exteriores do BRICS realizarão uma cúpula anual na Cidade do Cabo durante a primeira semana de junho para discutir os pedidos de adesão.

“Estamos recebendo pedidos de adesão todos os dias”, disse o embaixador da África do Sul no bloco à  Bloomberg  no mês passado. Bloomberg  revelou que o BRICS deve  superar  os estados do G-7 nas expectativas de crescimento econômico . Até 2028, espera-se que o G7 represente apenas 27,8% da economia global, enquanto o BRICS representará 35%.

Em janeiro, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que o BRICS está em negociações para  criar  uma moeda comum.

Referindo-se ao sistema financeiro dominado pelos EUA, Lavrov disse que “países sérios e que se prezam estão bem cientes do que está em jogo, veem a incompetência dos ‘mestres’ do atual sistema monetário e financeiro internacional e querem criar seu mecanismos próprios para garantir o desenvolvimento sustentável , que será protegido de ditames externos”.

No dia 13 de abril, o presidente do Brasil, Inácio Lula da Silva, convocou os estados membros do BRICS e os países que pretendem fazer parte dele para substituir o dólar no comércio exterior. “Todas as noites, eu me pergunto por que todos os países têm que basear seu comércio no dólar”, disse ele, acrescentando a pergunta: “Por que não podemos negociar com base em nossas próprias moedas”.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *