browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Como a CIA criou o GOOGLE (2)

Posted by on 31/08/2017

cia-yahoo-microsoft-apple-whatsappInsurgé INTELLIGENCE, um novo projeto de jornalismo de investigação financiados pela multidão, quebra a história exclusiva de como a comunidade de inteligência dos Estados Unidos financiou, alimentou e incubou a criação do Google como parte de um esforço para dominar o mundo através do controle de informações. Startup financiada pela NSA e CIA, o Google foi apenas o primeiro entre uma pletora de startups do setor privado cooptado pela inteligência dos EUA para manter a “superioridade da informação” no planeta.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Como a CIA fez o Google. Dentro da rede secreta por trás da vigilância em massa, guerra interminável e a rede Skynet – Parte 2

Por Nafeez Ahmed – Fonte: https://medium.com/insurge-intelligence

As origens dessa estratégia engenhosa remonta a um grupo secreto patrocinado pelo Pentágono que, nas últimas duas décadas, funcionou como uma ponte entre o governo dos EUA e as elites em todos os setores de negócios, indústria, finanças, corporações e mídia. O grupo permitiu que alguns dos mais poderosos interesses especiais na América corporativa contornassem sistematicamente a responsabilidade democrática e o Estado de Direito para influenciar as políticas governamentais, bem como a opinião pública nos EUA e em todo o mundo. Os resultados foram catastróficos: a vigilância em massa da N.S.A. (National Security Agency-Agência de Segurança Nacional), um estado permanente de guerra global e uma nova iniciativa para transformar os militares dos EUA em Skynet.

GOOGLE: SEMEADO PELO PENTÁGONO

Darpa-logoEm 1994 – no mesmo ano, o Highlands Forum foi fundado sob a direção do Escritório da Secretaria de Defesa, da ONA e da DARPA – dois jovens estudantes de doutorado da Universidade de Stanford, Sergey Brin e Larry Page, fizeram seu avanço no primeiro sistema automatizado rastreamento NA Web e aplicação de classificação de página. Essa aplicação continua a ser o componente central do que eventualmente se tornou o serviço de pesquisa do Google. Brin e Page tinhaM realizado o seu trabalho com o financiamento da Iniciativa Biblioteca Digital (DLI), um programa multi-agência da National Science Foundation (NSF), a NASA e DARPA.

Mas isso este é apenas um lado da história.

Durante todo o desenvolvimento do motor de busca Google, Sergey Brin relatou regularmente e diretamente a duas pessoas que não eram professores de Stanford em nada: a Dra. Bhavani Thuraisingham e Dr. Rick Steinheiser. Ambos eram representantes de um programa de pesquisa sensível da comunidade de inteligência dos EUA sobre segurança da informação e garimpo de dados.

Thuraisingham é atualmente ilustre professor e diretor executivo do Cyber Security Research Institute da Universidade do Texas, em Dallas, e um procurado especialista em data mining (GARIMPO), gerenciamento de dados e questões de segurança da informação. Mas na década de 1990, ela trabalhou para a MITER Corp., empresa líder em defesa dos EUA, onde gerenciou a iniciativa Massive Digital Data Systems, um projeto patrocinado pela NSA, CIA e o Diretor da Central Intelligence, para promover pesquisas inovadoras em tecnologia da Informação.

“Nós financiamos a Universidade de Stanford por meio do cientista da computação Jeffrey Ullman, que tinha vários estudantes de pós-graduação promissores trabalhando em muitas áreas emocionantes”, disse a Professora. Thuraisingham. “Um deles era Sergey Brin, o fundador do Google. O programa MDDS da comunidade de inteligência proporcionou essencialmente o financiamento de sementes para Brin, que foi complementado por muitas outras fontes, incluindo o setor privado”.

Este tipo de financiamento certamente não é incomum, e Sergey Brin ser capaz de recebê-lo por ser um estudante de pós-graduação em Stanford parece ter sido incidental. O Pentágono estava em tudo sobre a pesquisa de ciência da computação neste momento. Mas ilustra o quanto a cultura do Vale do Silício está profundamente enraizada nos valores da comunidade de inteligência dos EUA.

Em um extraordinário documento hospedado pelo site da Universidade do Texas, Thuraisingham relata que a partir de 1993 a 1999, “a Comunidade de Inteligência [IC] começou um programa chamado Massive Digital Data Systems (MDDS) que eu estava administrando para a Comunidade de Inteligência quando eu estava na MITRE Corporation. “O programa financiou 15 esforços de pesquisa em várias universidades, incluindo Stanford. Seu objetivo era desenvolver “tecnologias de gerenciamento de dados para gerenciar vários terabytes a petabytes de dados”, incluindo o “processamento de consultas, gerenciamento de transações, gerenciamento de metadados, gerenciamento de armazenamento e integração de dados”.

Na época, Thuraisingham foi cientista-chefe de gerenciamento de dados e informações no MITRE, onde liderou esforços de pesquisa e desenvolvimento de equipes para a NSA, CIA, Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA, bem como o Comando de Sistemas de Guerra Espacial e Naval da Marinha dos Estados Unidos (SPAWAR ) e Comunicações e Comando Eletrônico (CECOM). Ela passou a ensinar cursos para funcionários do governo dos EUA e contratistas de defesa em mineração de dados em contra-terrorismo.

google-cia-bhavani

Dra. Bhavani Thuraisingham é do Louis A. Beecherl, Jr. Professor Distinto de ciência da computação e Diretora Executiva do Instituto de Pesquisa e Educação de Segurança Cibernética da Universidade do Texas em Dallas

Em seu artigo da Universidade do Texas, ela anexa a cópia de um resumo do programa MDDS da comunidade de inteligência dos EUA que havia sido apresentado ao “Simpósio Anual de Comunidade de Inteligência” em 1995. O resumo revela que os principais patrocinadores do programa MDDS eram três agências : A NSA, o Gabinete de Investigação e Desenvolvimento da CIA e o pessoal de gestão da comunidade de inteligência (CMS), que funciona sob o diretor da CIA. Os administradores do programa, que financiaram cerca de 3-4 milhões de dólares por ano durante 3-4 anos, foram identificados como Hal Curran (NSA), Robert Kluttz (CMS), Dra. Claudia Pierce (NSA), Dr. Rick Steinheiser (ORD – representando o Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento da CIA) e a própria Dra. Thuraisingham.

A Dra Thuraisingham continua em seu artigo para reiterar que este programa conjunto da CIA-NSA financiou em parte Sergey Brin para desenvolver o núcleo do Google, através de uma concessão para Stanford gerenciado pelo supervisor de Brin, Prof. Jeffrey D. Ullman:

“Na verdade, o fundador do Google Sr. Sergey Brin foi parcialmente financiado por este programa, enquanto ele era um estudante de doutorado em Stanford. Ele, juntamente com seu conselheiro, Jeffrey Ullman e meu colega no MITRE, Dr. Chris Clifton, desenvolveu o Query Flocks System, que produziu soluções para a extração de grandes quantidades de dados armazenados em bancos de dados. Lembro-me de ter visitado Stanford com o Dr. Rick Steinheiser da Comunidade de Inteligência e o Sr. Brin se apressava em patins, fazia sua apresentação e saía correndo. Na verdade, a última vez que nos encontramos em setembro de 1998, o Sr. Brin demonstrou para nós seu motor de busca que se tornou o Google logo depois”.

Brin e Page incorporaram oficialmente o Google como uma empresa em setembro de 1998, exatamente no mês em que foram relatados pela última vez a Thuraisingham e Steinheiser. ‘‘Query Flocks’’ também fez parte da papente do Google PageRank um sistema “de busca, que Brin desenvolveu em Stanford sob o programa da CIA-NSA-MDDS, bem como com o financiamento do NSF, IBM e Hitachi. Naquele ano, o Dr. Chris Clifton, do MITER, que trabalhou com Thuraisingham para desenvolver o sistema de “Query Flocks”, foi co-autor de um artigo com o supervisor de Brin, Prof. Ullman, e Rick Steinheiser da CIA. Intitulado “Descoberta de Conhecimento em Texto ‘, o paperl foi apresentado em uma conferência acadêmica.

“O financiamento do MDDS que apoiou Brin foi significativo no que diz respeito ao financiamento de empresas sementes, mas provavelmente foi compensado pelos outros fluxos de financiamento”, disse Thuraisingham. “A duração do financiamento para Brin foi de cerca de dois anos ou algo assim. Nesse período, eu e meus colegas do MDDS visitaríamos Stanford para ver Brin e monitorar seu progresso a cada três meses ou assim. Nós não o supervisionávamos exatamente, mas queríamos verificar o progresso, apontar possíveis problemas e sugerir idéias. Nessas sessões, Brin apresentou-nos sobre a pesquisa ‘Query Flocks’, e também demonstrou para nós versões do motor de busca do Google. “

Brin continuou relatando a Dra. Thuraisingham e a Steinheiser regularmente sobre seu trabalho que desenvolveu o Google.


UPDATE 2.05PM GMT [2 de fevereiro de 2015]:

Desde a publicação deste artigo, a Professora Thuraisingham alterou seu artigo acima mencionado. A versão alterada inclui uma nova declaração modificada, seguida de uma cópia da versão original da sua conta do MDDS. Nesta versão emendada, Thuraisingham rejeita a idéia de que a CIA financiou o Google, e diz em vez disso:

“Na verdade, o Prof. Jeffrey Ullman (em Stanford) e o meu colega no MITRE Dr. Chris Clifton, juntamente com alguns outros desenvolveu o Query Flocks System, como parte do MDDS, que produziu soluções para a mineração de grandes quantidades de dados armazenados em bancos de dados. Além disso, o Sr. Sergey Brin, o co-fundador do Google, fazia parte do grupo de pesquisa do Prof. Ullman na época. Lembro-me de visitar Stanford com Dr. Rick Steinheiser da Comunidade de Inteligência periodicamente e Sr. Brin iria correr em patins, dar a sua apresentação e sair correndo. Durante a nossa última visita a Stanford em setembro de 1998, o Sr. Brin demonstrou-nos o seu motor de busca que eu acredito que se tornou o Google logo depois …

Há também várias imprecisões no artigo do Dr. Ahmed (datado de 22 de janeiro de 2015). Por exemplo, o programa MDDS não era um programa “sensível” como afirmado pelo Dr. Ahmed; era um programa não classificado que financiou universidades nos EUA. Além disso, Sergey Brin nunca me relatou nem ao Dr. Rick Steinheiser; ele só fez apresentações para nós durante nossas visitas ao Departamento de Ciência da Computação em Stanford durante a década de 1990. Além disso, o MDDS nunca financiou o Google; ele financiou a Universidade de Stanford. “

Aqui, não há diferença substancial de fato nos relatos de Thuraisingham, a não ser afirmar que asua afirmação associando Sergey Brin ao desenvolvimento de “‘Query Flocks’” está equivocada. Notavelmente, este reconhecimento é derivado não de seu próprio conhecimento, mas a partir deste artigo, citando um comentário de um porta-voz do Google.

sergey-brin-google

Sergey Brin Mikhaylovich, nascido em Moscou, em 21 de agosto de 1973 é um Soviético- americano cientista da computação, empresário internet . Juntamente com Larry Page, é co-fundador do Google

No entanto, a tentativa bizarra de desassociar o Google do programa MDDS perde a marca. Em primeiro lugar, o MDDS nunca financiou o Google, porque durante o desenvolvimento dos principais componentes do motor de busca do Google, não havia nenhuma empresa incorporada com esse nome. Em vez disso, a concessão foi concedida à Universidade de Stanford por intermédio do Prof. Ullman, através do qual alguns fundos do MDDS foram usados para apoiar Brin, que estava desenvolvendo o Google na época.

Em segundo lugar, Thuraisingham acrescenta que Brin nunca “relatou” a ela ou à Steinheiser sobre a CIA, mas admite que “fez apresentações durante nossas visitas ao Departamento de Ciência da Computação em Stanford durante a década de 1990”. A distinção está aqui entre o relato, e entregando uma apresentação detalhada – de qualquer forma, Thuraisingham confirma que ela e a CIA tinham tido um grande interesse no desenvolvimento da Brin do Google. Em terceiro lugar, Thuraisingham descreve o programa MDDS como “não classificado”, mas isso não contradiz sua natureza “sensível”. Como alguém que trabalhou por décadas como um contratador de inteligência e conselheiro, Thuraisingham está certamente ciente de que há muitas maneiras de categorizar a inteligência, incluindo “sensível, mas não classificado”.

Um número de ex-funcionários de inteligência dos EUA com quem falei disse que a quase total falta de informação pública sobre a CIA e a iniciativa MDSA da NSA sugere que, embora o programa não tenha sido classificado, é provável que seu conteúdo fosse considerado sensível, o que explicaria os esforços para minimizar a transparência sobre o programa e a forma como ele voltou a desenvolver ferramentas para a comunidade de inteligência dos EUA. Em quarto lugar, e finalmente, é importante ressaltar que o sumário do MDDS que Thuraisingham inclui em seu documento da Universidade do Texas afirma claramente não só que o Diretor da CMS, CIA e NSA da Central Intelligence Agency eram os superintendentes da iniciativa MDDS, mas que a Clientes do projeto eram “DoD, IC e outras organizações governamentais”: o Pentágono, a comunidade de inteligência dos EUA e outras agências governamentais relevantes dos EUA.

Em outras palavras, a provisão do financiamento do MDDS para a Brin através da Ullman, sob a supervisão de Thuraisingham e Steinheiser, foi fundamentalmente porque eles reconheceram a potencial utilidade do trabalho da Brin, desenvolvendo o Google para o Pentágono, a comunidade de inteligência e o governo federal em geral.

O programa MDDS é realmente referenciado em vários artigos em co-autoria de Brin and Page, enquanto em Stanford, especificamente destacando o seu papel em patrocinar financeiramente Brin no desenvolvimento do Google. Em seu 1998 paper publicado no Bulletin of the IEEE Computer Society Technical Committeee on Data Engineering, eles descrevem a automação de métodos para extrair informações da web via “Dual Iterative Pattern Relation Extraction,” o desenvolvimento de “um ranking global de páginas Web Chamado de PageRank”, e o uso de PageRank” para desenvolver um novo mecanismo de busca chamado Google. “Por meio de uma nota de rodapé de abertura, Sergey Brin confirma que ele foi” parcialmente apoiado pelo Community Management Staff’s Massive Digital Data Systems Program, NSF grant IRI-96–31952″- confirmando que o trabalho de Brin desenvolvendo o Google foi parcialmente financiado pelo programa CIA-NSA-MDDS.

Esta concessão NSF identificados ao lado do MDDS, cujo projecto de relatório lista Brin entre os alunos apoiados (sem mencionar o MDDS), foi diferente para a concessão NSF para Larry Page, que incluiu o financiamento da DARPA e da NASA. O relatório do projeto, de autoria do supervisor de Brin, o Prof. Ullman, continua dizendo na seção “Indicações de Sucesso” que “há algumas novas histórias de startups baseadas em pesquisas apoiadas pela NSF”: “Finalmente, o projeto google também se tornou comercial como o Google.com”.

O relato da Dra Thuraisingham, incluindo sua nova versão emendada, demonstra, portanto, que o programa CIA-NSA-MDDS não estava só parcialmente financiando Brin durante todo o seu trabalho com Larry Page desenvolvendo o Google, mas que altos representantes de inteligência dos EUA incluindo um funcionário da CIA supervisionaram a evolução do Google nesta fase de pré-lançamento, todo o caminho até que a empresa estava pronta para ser oficialmente fundada. O Google, então, tinha sido habilitado com uma quantidade “significativa” de financiamento de empresa semente sob supervisão do Pentágono: a CIA, a NSA e a DARPA.

Não foi possível localizar o DoD para comentar.

Quando eu pedi ao Prof. Ullman para confirmar se Brin foi ou não parcialmente financiado pelo programa de MDDS da comunidade de inteligência, e se Ullman estava ciente de que Brin estava regularmente informando a Rick Steinheiser da CIA sobre seu progresso no desenvolvimento do mecanismo de busca do Google, ele perguntou; “Posso saber quem você representa e por que você está interessado nestas questões? Quem são suas ‘fontes’?” Ele também negou que Brin tenha desempenhado um papel significativo no desenvolvimento do sistema de “Query Flocks”, embora seja claro a partir de papéis de Brin que ele se baseou nesse trabalho em co-desenvolvimento do sistema PageRank com Page.

Quando perguntei a Ullman se ele estava negando o papel da comunidade de inteligência norte-americana em apoiar Brin durante o desenvolvimento do Google, ele disse: “Não vou dignificar esse disparate com uma negação. Se você não vai explicar o que sua teoria é, e A que ponto você está tentando chegar, eu não vou ajudá-lo em nada.”

pentagono-eua

O Pentágono, sede do comando estratégico das forças armadas dos EUA

O resumo MDDS publicado online na Universidade do Texas, confirma que a justificativa para o projeto CIA-NSA foi “proporcionar capital inicial para o desenvolvimento de tecnologias de gerenciamento de dados que são de alto risco e alto financiamento”, incluindo técnicas de “consulta, navegação e filtragem; processamento de transações; métodos de acesso e indexação; gerenciamento de metadados e modelagem de dados; e integração de bases de dados heterogêneas; bem como o desenvolvimento de arquiteturas adequadas”. A visão final do programa era proporcionar o acesso e fusão contínuos de enormes quantidades de dados, informações e conhecimento em um ambiente heterogêneo e em tempo real” para uso do Pentágono, a comunidade de inteligência e potencialmente através do governo.

Estas revelações corroboram as afirmações de Robert Steele, ex-oficial da CIA e um director-adjunto civil fundador do Marine Corps Intelligence Activity, que eu entrevistei para o The Guardian no ano passado sobre a inteligência de fonte aberta. Citando fontes na CIA, Steele havia dito em 2006 que Steinheiser, um velho colega dele, era a principal ligação da CIA no Google e tinha arranjado financiamento desde cedo para a empresa de TI pioneira. Na época, a fundador da Wired, John Battelle manobrou para obter a negação de um porta-voz do Google em resposta às afirmações de Steele: “As declarações relacionadas ao Google são completamente falsas.”

Desta vez, apesar de vários pedidos e conversas, um porta-voz do Google se recusou a comentar.

ATUALIZAÇÃO: A partir das 5.41 GMT GMT [22 de janeiro de 2015], o diretor de comunicação corporativa do Google entrou em contato e pediu-me para incluir a seguinte declaração:

“Sergey Brin não fazia parte do Query Flocks Program em Stanford, nem teve nenhum de seus projetos financiados por órgãos de Inteligência dos EUA”.

Isto é o que eu escrevi de volta:

Minha resposta a essa declaração seria a seguinte: o próprio Brin, em seu próprio trabalho, reconhece o financiamento da equipe de gerenciamento comunitário da iniciativa Massive Digital Data Systems (MDDS), que foi fornecida através da NSF. O MDDS era um programa comunitário de inteligência criado pela CIA e pela NSA. Tenho também no registro, como notado na peça, da Profª. Thuraisingham da Universidade do Texas que ela gerenciou o programa MDDS em nome da comunidade de inteligência dos EUA, e que ela e Rick Steinheiser da CIA se encontravam com Brin a cada três meses ou mais durante dois anos para serem informados sobre seu progresso no desenvolvimento do Google e PageRank. Se Brin trabalhou em “Query Flocks” não esta nem aqui nem lá.

Nesse contexto, você pode considerar as seguintes perguntas:

1) O Google nega que o trabalho de Brin foi parcialmente financiado pelo MDDS através de uma subvenção da NSF?

2) Será que o Google nega que Brin relatou regularmente a Thuraisingham e Steinheiser de cerca de 1996 a 1998 até setembro daquele ano, quando ele apresentou o mecanismo de busca do Google para eles?

CONSCIENTIZAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO 

A chamada de trabalhos para o MDDS foi enviada via lista de e–mail em 3 de novembro de 1993 da autoridade da inteligência dos EUA David Charvonia, diretor do escritório de coordenação de pesquisa e desenvolvimento de CMS da comunidade de inteligência. A reação de Tatu Ylonen (célebre inventor do protocolo de proteção de dados de SSH) para seus colegas na lista de e-mails está dizendo: “A relevância do cripto? Faz você pensar se você deve proteger seus dados”. O e-mail também confirma que a SAIC, empresa de defesa e sócio da Highlands Forum,  foi gerir a apresentação do processo do MDDS, com resumos devendo ser enviados para Jackie Booth do Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento da CIA através de um  endereço de e-mail da SAIC.

Em 1997, Thuraisingham revela, pouco antes de o Google ser incorporado e enquanto ela ainda supervisionava o desenvolvimento de seu software de busca em Stanford, seus pensamentos se voltaram para as aplicações de segurança nacional do programa MDDS. Nos agradecimentos a seu livro, Web Data Mining and Applications in Business Intelligence and Counter-Terrorism (2003) , Thuraisingham escreve que ela e o “Dr. Rick Steinheiser da CIA, iniciou discussões com a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa sobre a aplicação de mineração de dados para o combate ao terrorismo “, uma idéia que resultou diretamente do programa MDDS que financiou em parte o Google. “Essas discussões acabaram por se desenvolver no atual programa EELD (Evidence Extraction and Link Detection) da DARPA.”

Assim, o mesmo funcionário sênior da CIA e o contratado da CIA-NSA envolvidos em fornecer o financiamento de start-up para o Google estavam simultaneamente contemplando o papel da mineração de dados para fins de combate ao terrorismo e estavam desenvolvendo idéias para ferramentas avançadas pela DARPA.

cia-google-annita-jones

Dr. Anita Jones, diretora da DARPA de 1993 a 1997 e co-presidente do Pentágono Highlands Forum de 1995 a 1997, durante o qual os responsáveis pelo programa CIA-NSA-MDSS financiaram o Google e em comunicação com a DARPA sobre Mineração de dados para o contraterrorismo

Hoje, como ilustrado pela sua recente abertura no New York Times, a Profª Thuraisingham continua a ser uma firme defensora de mineração de dados para fins de combate ao terrorismo, mas também insiste que esses métodos devem ser desenvolvidos pelo governo em cooperação com as liberdades civis advogados e defensores da privacidade para assegurar que sejam implementados procedimentos robustos para prevenir potenciais abusos. Ela aponta, condenadamente, que com a quantidade de informações coletadas há um alto risco de falsos positivos.

Em 1993, quando o programa MDDS foi lançado e administrado pela MITER Corp. em nome da comunidade de inteligência dos EUA, a cientista de computação da Universidade de Virginia, Anita K. Jones – uma administradora do MITRE – conseguiu o cargo de diretora e chefia de pesquisa e Engenharia da DARPA em todo o Pentágono. Ela havia estado no conselho de MITRE desde 1988. De 1987 a 1993, Jones serviu simultaneamente no conselho de administração da SAIC. Como a nova chefe da DARPA de 1993 a 1997, também co-presidiu o Highlands Forum do Pentágono durante o período de desenvolvimento e pré-lançamento do Google em Stanford sob o MDSS.

Assim, quando Thuraisingham e Steinheiser estavam conversando com a DARPA sobre as aplicações antiterrorismo da pesquisa do MDDS, Jones foi diretor do DARPA e co-presidente do Highlands Forum. Naquele ano, Jones deixou a DARPA para retornar ao seu posto na Universidade de Virgina. No ano seguinte, ela ingressou na diretoria da National Science Foundation, que obviamente também havia financiado Brin e Page, e também retornou ao conselho de administração da SAIC. Quando ela deixou o DoD, o senador Chuck Robb pagooo seguinte tributo  a Jones: “Ela trouxe a tecnologia e as comunidades militares operacionais em conjunto para desenhar planos detalhados para sustentar o domínio dos EUA no campo de batalha para o próximo século.”

Na placa da National Science Foundation 1992-1998 (incluindo um período como presidente de 1996) esta Richard N. Zare. Este foi o período em que a NSF patrocinou Sergey Brin e Larry Page em associação com a DARPA. Em Junho de 1994, o Prof. Zare, um químico da Universidade de Stanford, participou com o Prof. Jeffrey Ullman (que supervisionou a pesquisa de Sergey Brin), em um painel patrocinado pela Stanford e do Conselho Nacional de Pesquisa discutir a necessidade de cientistas para mostrar como o seu trabalho “se enlaçava com as necessidades nacionais”. O painel reuniu cientistas e formuladores de políticas, incluindo “insiders de Washington”. O programa EELD da DARPA, inspirado no trabalho de Thuraisingham e Steinheiser sob o comando de Jones, foi rapidamente adaptado e integrado com um conjunto de ferramentas para conduzir a vigilância abrangente sob o governo Bush.

De acordo com o oficial da DARPA Ted Senator, que liderou o programa EELD para o programa de curta duração Information Awareness da agência, EELD estava entre uma série de “técnicas promissoras” que estavam sendo preparadas para a integração “no sistema TIA protótipo.” TIA representava Total Information Awareness e foi o principal programa de espionagem eletrônica e de mineração de dados mundial implantado pela administração Bush após o ataque de 11/09. A TIA foi criada pelo almirante John Poindexter, conspirador Irã-Contras, nomeado em 2002 por Bush para liderar o novo Escritório de Informação da DARPA.

O Palo Alto Research Center da Xerox (PARC) foi outro contratante entre 26 empresas (incluindo também a SAIC) que receberam contratos milionários da DARPA (as quantidades específicas permaneceram classificadas) sob Poindexter, para fazer avançar o programa de vigilância TIA em 2002 em diante. A pesquisa incluiu “perfilamento baseado em comportamento”, “detecção automatizada, identificação e rastreamento” da atividade terrorista, entre outros projetos de análise de dados. Nessa época, o diretor e cientista-chefe do PARC era John Seely Brown. Tanto Brown quanto Poindexter eram participantes do Fórum Highlands do Pentágono – Brown em uma base regular até recentemente.

A TIA foi supostamente fechada em 2003 devido à oposição pública após o programa ter sido exposto na mídia, mas no ano seguinte Poindexter participou de uma sessão do Highlands Forum do Pentágono  em Cingapura, juntamente com o departamento da defesa e funcionários de segurança de todo o mundo. Enquanto isso, Ted Senator continuou a administrar o programa EELD entre outros projetos de mineração e análise de dados na DARPA até 2006, quando saiu para se tornar vice-presidente da SAIC. Ele é agora um companheiro técnico da SAIC / Leidos.

Fim da segunda parte…


“O medo é a emoção predominante das massas que ainda estão presas no turbilhão da negatividade da estrutura de crença da (in)consciência de massa. Medo do futuro, medo da escassez, do governo, das empresas, de outras crenças religiosas, das raças e culturas diferentes, e até mesmo medo da ira divina. Há aversão e medo daqueles que olham, pensam e agem de modo diferente (os que OUVEM e SEGUEM a sua voz interior), e acima de tudo, existe medo de MUDAR e da própria MUDANÇA.” –  Arcanjo Miguel

“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”.  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

One Response to Como a CIA criou o GOOGLE (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *