Como o Iêmen mudou tudo

Quer tenha sido inventado no norte da Índia, no leste da China ou na Ásia Central – da Pérsia ao Turquestão – o xadrez é um jogo asiático. No xadrez, sempre chega um momento em que um simples peão é capaz de virar todo o tabuleiro, geralmente por meio de um movimento na última fila, cujo efeito simplesmente não pode ser calculado. Sim, um único e solitário (e solidário) peão pode impor um xeque-mate sísmico. É onde estamos, geopoliticamente, neste momento. 

Num único movimento, o Ansarallah do Iémen deu um xeque-mate no imperialismo do Ocidente e na sua ordem baseada em regras…

Fonte: The Cradle – De autoria de Pepe Escobar

Os efeitos em cascata de um único movimento no tabuleiro de xadrez – o bloqueio impressionante e cuidadosamente direcionado do Ansarallah do Iêmen através do Bab al-Mandeb (ponto mais estreito: 33 km) na entrada do Mar Vermelho – vão muito além do transporte global, das cadeias de abastecimento e da Guerra de Corredores Econômicos. Sem mencionar a redução da tão elogiada “projeção” da força da Marinha dos EUA à irrelevância.

O movimento de resistência do Iêmen, Ansarallah, deixou bem claro que qualquer embarcação afiliada a Israel ou com destino a Israel será interceptada. Enquanto o Ocidente se irrita com isto e se imagina um alvo, o resto do mundo compreende perfeitamente que todos os outros navios de todos os demais países podem passar livremente.

Os navios-tanque russos – bem como os navios chineses, iranianos e do Sul Global – continuam a mover-se sem serem perturbados através do Bab al-Mandeb (ponto mais estreito: 33 km) e do Mar Vermelho. 

Apenas o Hegemon e Israel estão sendo perturbados por este desafio à sua “ordem baseada em regras”. É indignante que os navios ocidentais que entregam energia ou mercadorias a Israel, que viola a lei e pratica genocídio em Gaza, possam ser impedidos e que a cadeia de abastecimento tenha sido cortada e mergulhada numa crise profunda.

O alvo central identificado é a economia israelense, que já está sangrando muito. Um único movimento iemenita revela-se mais eficiente do que uma torrente de estúpidas sanções imperiais. 

É a possibilidade tentadora de este movimento único se transformar numa mudança de paradigma – sem retorno – que está a aumentar a apoplexia dos psicopatas do Hegemon. Especialmente porque a humilhação imperial imposta aos judeus khazares está profundamente enraizada na mudança de paradigma. 

O presidente russo, Vladimir Putin, está oficialmente enviando uma mensagem inequívoca: esqueçam o Canal de Suez. O caminho a seguir é a Rota do Mar do Norte – que os chineses, no âmbito da parceria estratégica Rússia-China, chamam de Rota da Seda do Ártico.

Para os estupefatos europeus, os russos detalharam três opções: primeiro, navegar 24 mil milhas ao redor do Cabo da Boa Esperança para contornar a África. Em segundo lugar, usar a Rota Marítima do Norte, mais barata e rápida da Rússia. Terceiro, envie a carga pela Russian Railways. 

A Rosatom, que supervisiona a Rota do Mar do Norte, enfatizou que navios que não são da classe de quebra gelo podem navegar durante o verão e o outono, e a navegação durante todo o ano [incluindo o inverno] será em breve possível com a ajuda de uma frota de quebra-gelos nucleares da Rússia. 

Tudo isso como consequência direta do movimento único de xadrez geopolítico do pequeno Iêmen. Qual será o próximo? O Iêmen entrará no BRICS+5 na cúpula em Kazan no final de 2024, sob a presidência russa?

A nova arquitetura será enquadrada na Ásia Ocidental 

A Armada liderada pelos EUA, reunida para a “Operação Proteção” contra o Genocídio, que ruiu ainda antes de nascer, pode ter sido criada para “alertar o Irã”, além de dar um susto ao Ansarallah. Tal como os Houthis, Teerã dificilmente se deixa intimidar porque, como disse sucintamente o ás do analista da Ásia Ocidental, Alastair Crooke: “Sykes-Picot está morto”

Esta é uma mudança quântica no tabuleiro de xadrez. Significa que as potências da Ásia Ocidental irão enquadrar a nova arquitetura regional a partir de agora, e não a “projeção” de força da Marinha dos EUA. 

Isto acarreta um corolário inefável: essas onze frotas navais capitaneadas por forças-tarefas de porta-aviões dos EUA, para todos os efeitos práticos, são essencialmente inúteis.   

Todos em toda a Ásia Ocidental estão bem cientes de que os mísseis de Ansarallah são capazes de atingir os campos de petróleo da Arábia Saudita e dos Emirados e deixá-los fora de serviço. Portanto, não é de admirar que Riad e Abu Dhabi nunca aceitariam tornar-se parte de uma força marítima liderada pelos EUA a favor dos interesses de Israel para desafiar a resistência iemenita.   

Acrescente-se a isso o papel dos drones subaquáticos agora na posse da Rússia e do Irã. Pense em cinquenta deles direcionados a um porta-aviões dos EUA: ele não tem defesa. Embora os americanos  ainda tenham submarinos muito avançados, eles não conseguem manter o Bab al-Mandeb e o Mar Vermelho [e tampouco o Estreito de Ormuz, caso o Irã venha bloqueá-lo] abertos aos operadores marítimos ocidentais. 

Na frente energética, Moscou e Teerã nem sequer precisam pensar – pelo menos ainda não – em usar a opção “nuclear” ou cortar potencialmente pelo menos 25 por cento, ou mais, do fornecimento mundial de petróleo. Como descreve sucintamente um analista do Golfo Pérsico, “isso implodiria irremediavelmente o sistema financeiro internacional [controlado pelos judeus khazares]”.

Para aqueles que ainda estão determinados a apoiar o genocídio em Gaza, houve avisos. O primeiro-ministro iraquiano, Mohammed Shia al-Sudani mencionou isso explicitamente. Teerã já apelou a um embargo total de petróleo e gás contra todas as nações que apoiam Israel em seu extermínio dos palestinos na Faixa de Gaza. 

Um bloqueio naval total de Israel, meticulosamente planejado, continua sendo uma possibilidade distinta. O comandante do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC), Hossein Salami, disse que Israel pode “em breve enfrentar o fechamento do Mar Mediterrâneo e do Estreito de Gibraltar e outras vias navegáveis.”

Lembre-se de que ainda nem estamos falando sobre um possível bloqueio do Estreito de Ormuz; ainda estamos no Mar Vermelho/Bab al-Mandeb. 

Porque se os neoconservadores judeus khazares em Washington DC ficarem realmente perturbados pela mudança de paradigma e agirem em desespero para “ensinar uma lição” ao Irã, um ponto de estrangulamento dos estreitos Ormuz-Bab al-Mandeb pode disparar o preço do petróleo para pelo menos 500 dólares por barril, desencadeando a implosão do mercado de derivados de $ 618 bilhões de dólares e destruindo todo o sistema bancário internacional [o cassino do hospício ocidental controlado por judeus khazares]. 

O tigre de papel está em apuros 

Afinal de contas, Mao Zedong tinha razão: os EUA podem ser de fato um tigre de papel. Putin, porém, é muito mais cuidadoso, frio e calculista. Com este presidente russo, trata-se de uma resposta assimétrica, exatamente quando ninguém a espera. Isto leva-nos à principal hipótese de trabalho talvez capaz de explicar o jogo de sombras que mascara o único movimento de Ansarallah no tabuleiro de xadrez.       

Quando o jornalista investigativo Sy (Seymour) Hersh, vencedor do Pulitzer, provou como os falcões da guerra dos EUA explodiram os oleodutos Nord Stream 1 e 2, não houve resposta russa ao que foi, na verdade, um ato de guerra e de terrorismo contra a Gazprom, contra a Rússia, contra a Alemanha, contra a UE, e contra um monte de empresas europeias. No entanto, o Iémen, agora, com um simples bloqueio de um estreito, vira o transporte marítimo global de cabeça para baixo. 

Então, o que é mais vulnerável?

As redes físicas de fornecimento global de energia (Oleogasodutos) ou a Talassocracia, estados que derivam seu poder da supremacia naval? 

A Rússia privilegia o Oleogasodutos: veja-se, por exemplo, os Nord Streams 1 e 2 e o Power of Sibéria 1 e 2. Mas os EUA, o Hegemon, sempre confiaram no seu poder talassocrático, herdeiro do lema “a Britânia governa as ondas”.  Bem, não mais. E, surpreendentemente, chegar lá nem sequer implicou a opção “nuclear”, o bloqueio do Estreito de Ormuz, que os jogos de guerra e alarmistas de Washington enlouquecem.

É claro que não teremos uma prova definitiva. Mas é uma proposição fascinante que o movimento único do Iêmen possa ter sido coordenado no mais alto nível entre três membros do BRICS – Rússia, China e Irã, os neoconservadores novo “eixo do mal” – além de outros dois BRICS+, potências energéticas, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Como se acordado com o Iêmem fosse “se você fizer isso, nós protegeremos você”. 

Nada disso, claro, diminui a intensão iemenita: a sua defesa do povo da Palestina é um dever sagrado. 

O imperialismo ocidental e depois o turbocapitalismo sempre foram obcecados em devorar o Iêmen, um processo que Isa Blumi, em seu esplêndido livro Destruindo o Iêmen, descrito como “retirando necessariamente aos iemenitas o seu papel histórico como motor econômico, cultural, espiritual e político de grande parte do mundo do Oceano Índico”. 

O Iêmen, porém, é invencível e, fiel a um provérbio local, também é “mortal” (Yemen Fataakah). Como parte do Eixo da Resistência, o Ansarallah do Iêmen é agora um ator-chave num drama complexo que abrange toda a Eurásia e que redefine a conectividade do Heartland; e junto com a Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) da China, o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC) liderado pela Índia-Irã-Rússia e a nova Rota Marítima do Norte da Rússia, também inclui controle sobre pontos de estrangulamento estratégicos ao redor do Mar Mediterrâneo e da Península Arábica. 

Este é outro paradigma de conectividade comercial, destruindo em pedaços o controle colonial e neocolonial ocidental da Afro-Eurásia. Então, sim, o BRICS+5 apoia o Iêmen, que com um único movimento presenteou a ‘Pax Americana’ do Hegemon com A Mãe de Todos os Jams Geopolíticos.

Pepe Escobar, é um jornalista brasileiro, correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores”.  Mateus 24:6-8


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth