Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Como o lançamento dum CBDC criou o Caos e a Pobreza na Nigéria

Não é por acaso que a Nigéria, com uma população de mais de duzentos milhões, se tornou o primeiro campo de testes global sério para a implementação de moedas digitais de banco central (CBDC). Não só é o país mais rico do continente onde os globalistas estão fazendo e testando suas agendas, como a Nigéria também possui reservas significativas de hidrocarbonetos e metais e cidadãos talentosos. Por estas razões, pode servir como um exemplo relativamente bom para o resto dos continentes mais pobres.

Como o lançamento dum CBDC, o eNaira criou o Caos e a Pobreza na Nigéria

Fonte: Mises Institute

As considerações geopolíticas não são insignificantes. Os globalistas do WEF de Davos, que estão presentes na Nigéria há algum tempo, sentem que se não cuidarem da Nigéria, os russos, presentes lá desde a era soviética, fá-lo-ão. 

Os interesses políticos na Nigéria também estão sendo procurados pelos chineses, que têm construído estradas-de-ferro, rodovias, aeroportos e empresas mineiras na Nigéria, ao mesmo tempo que cultivam boas relações com líderes tribais e políticos.

Um calendário

Aqui está o cronograma do estabelecimento do eNaira, o CBDC nigerianoEmbora a tentativa de digitalizar a moeda nigeriana tenha terminado em fracasso, ela traz uma lição para o resto do mundo e para os globalistas.

Em 25 de outubro de 2022, um ano após o referendo nacional sobre o estabelecimento do CBDC na Nigéria, no qual 99,5 por cento dos cidadãos votaram contra a digitalização da moeda, o então presidente do país, Muhammadu Buhari da tribo Fulani, emitiu um decreto que apesar da oposição da maioria absoluta da nação, a revolução financeira digital ainda ocorreria.

Em Dezembro de 2022, o governo de Abuja lançou um ataque total ao dinheiro físico. A situação assemelhava-se aos acontecimentos de 2016 na Índia, quando o governo desmonetizou as notas de maior valor. O governador do Banco Central da Nigéria (CBN) anunciou que até o final de janeiro de 2023 (posteriormente prorrogado até 10 de fevereiro), a Nigéria faria a transição completa do dinheiro físico (naira) para o eNaira, a moeda digital CBDC do banco central. 

As pessoas foram obrigadas a transferir os seus haveres em dinheiro para o CBN, que os serviria sob o novo regime monetário. A ordem executiva foi executada pelo então governador do CBN, Godwin Emefiele, da tribo Ibo, um general e o único cristão na elite governante islâmica do país. Fontes bem informadas afirmam que as orientações, tanto em matéria de know-how como de supervisão da digitalização, foram fornecidos por círculos globalistas próximos ao Fundo Monetário Internacional (FMI), ao Fórum Económico Mundial (WEF) e até mesmo ao Bureau de Indústria e Segurança.

Quando chegou o dia 10 de Fevereiro de 2023 e cerca de 80% dos 7,2 bilhões de dólares, anteriormente em mãos privadas, acabaram em contas digitais como CBDC, o segmento mais pobre da população (mais de metade da população do país) ainda não tinha contas bancárias. 

Apesar das garantias do CBN de que o dinheiro físico não seria eliminado até que o CBDC estivesse totalmente operacional, metade da nação ficou com notas velhas e sem valor! Os passageiros de e para a capital ficaram sem dinheiro para pagar o transporte de regresso. Muitas pequenas empresas, uma parte significativa da economia que depende de pagamentos em dinheiro em espécie, fecharam porque os seus clientes não tinham dinheiro para pagar.

É fácil compreender porque é que  eclodiram tumultos violentos  no país em 16 de Fevereiro de 2023, resultando em vítimas. Privados de toda a sua riqueza, pessoas desesperadas e famintas saíram às ruas exigindo o  restabelecimento  da validade do antigo papel-moeda. Circularam rumores de que o governo Buhari havia emitido um novo papel-moeda, “nova naira”, para ser usado temporariamente.

No final de Janeiro de 2023, as transacções utilizando o eNaira funcionavam sem problemas, mas limitavam-se a representantes da classe média – totalizando cerca de trinta e cinco a quarenta milhões de pessoas na Nigéria. A grande maioria dos nigerianos que usavam dinheiro na sua vida quotidiana andavam por aí à procura infrutífera de trocar o seu dinheiro antigo por qualquer coisa que pudessem comer. O boato de que o governo de Buhari emitiu nova moeda foi confirmado nos últimos dias de janeiro de 2023.

O problema era que o novo dinheiro não estava em lugar nenhum. Mesmo hoje, quando o banco central se retirou da experiência, a oferta de novo dinheiro não atingiu sequer 10% de toda a oferta de moeda nigeriana. Não há dinheiro novo em parte alguma; mesmo que assim fosse, não há possibilidade de troca em massa da velha e invalidada naira pela nova. Apesar dos acontecimentos de 16 de Fevereiro, o governo reconheceu que a “moeda recentemente emitida se destina a satisfazer as exigências dos manifestantes e a restaurar o seu poder de compra”.

Mesmo os nigerianos mais brilhantes não conseguiram compreender como é que o governo planejava eliminar o dinheiro existente e emitir dinheiro novo apenas algumas semanas antes das eleições gerais marcadas para 24 de Fevereiro de 2023. O governo não arriscou uma derrota óbvia no meio do caos? Bem não! O novo dinheiro era a garantia da vitória eleitoral: destinava-se a ser distribuído aos pobres, mas a uma maioria significativa, para que soubessem em quem votar democraticamente.

Tal como previsto, o novo presidente da Nigéria é um representante do partido no poder, o mesmo responsável pelo caos. É importante notar que estamos falando de um país que já estava a debater-se com uma crise monetária, inflação crescente e escassez de combustível (apesar de ser o maior produtor de petróleo da África), onde uma grave falta de dinheiro e filas intermináveis ​​em caixas multibanco têm prevalecido há anos. Até os dólares eram escassos, apesar dos prémios do mercado negro.

Fim da experiência

A situação de incerteza e perigo persistiu durante três meses e meio até à tomada de posse do novo presidente, Bola Ahmed Tinubu, da tribo Yoruba, antigo governador civil do estado de Lagos. Em 29 de maio de 2023, aproximadamente 108 dias após a eliminação efetiva do dinheiro, o Presidente Tinubu  restaurou  a validade da moeda antiga, juntamente com a nova naira e a eNaira.

O que levou Tinubu a fazer tal gesto? Foi forçado a fazê-lo pelos superintendentes da experiência do FMI, do Fed ou do WEF, ou todos? Se assim for, porque é que demoraram três meses e meio a condenar cem milhões de pessoas à fome?

Os observadores políticos em Abuja acreditam que ninguém interveio. O presidente Bola Tinubu pôs fim à experiência e manteve a sua posição. Depois de invalidar o CBDC, ele ordenou uma investigação no CBN, resultando na detenção sem precedentes do ex-governador do CBN, Godwin Emefiele, em 10 de junho de 2023. No final de julho, o tribunal o libertou da custódia, mas o serviço de segurança o prendeu novamente e o mantém sob custódia. A investigação está em andamento. Protetores influentes do FMI, do Fed e até da Casa Branca, que destacaram a Nigéria como o estreante global da digitalização monetária, permanecem em silêncio.

Da perspectiva do início da experiência monetária digital na Nigéria, parece que o governo de Abuja não tinha apetite nem um plano claro para esta digitalização. Os conselheiros do WEF-Fórum Econômico Mundial, do FMI, ou talvez mesmo do Gabinete de Indústria e Segurança, também não tinham um plano, apesar da sua forte adesão às estratégias de digitalização. Porque é que estes supervisores não reagiram e travaram a digitalização? Havia outro propósito para isso? Privar cem milhões de pessoas dos seus meios para viver durante três meses e meio equivale a um ato de genocídio.

Sobrevivência

No entanto, uma tragédia não ocorreu. Como é que os nigerianos pobres sobreviveram durante três meses e meio sem dinheiro, reservas ou qualquer ajuda do Estado? Os nigerianos, ao contrário da maioria dos residentes dos países do Grupo dos Sete, não acreditam numa palavra que os seus representantes governamentais dizem. Sentindo-se novamente enganados, quando ficou claro que nem a antiga nem a nova naira funcionavam, as pessoas saíram às ruas. Tiros foram disparados e algumas pessoas morreram.

Em resposta às recusas em aceitar o seu dinheiro antigo, invalidado no final de Janeiro, as pessoas sem contas bancárias, dinheiro legal ou quaisquer poupanças recorreram aos métodos tradicionais: permuta e crédito comercial. Os detentores de palitos de fósforo trocavam-nos por inhame com os agricultores. Os produtores de sabão negociaram por combustível e os proprietários de pequenas empresas concederam prazos de crédito mais longos aos seus contratantes. Professores e faxineiros das escolas locais buscaram ajuda, principalmente alimentação, das famílias de seus alunos.

A natural falta de fé dos nigerianos no estado, algo que os cidadãos ricos da Alemanha ou do Canadá poderiam considerar imprudente, impediu um resultado semelhante ao do Canadian Freedom Convoy. Afinal de contas, é devido à política monetária do seu país que os reformados alemães estão a passar por dificuldades.

De acordo com os nigerianos, um Estado pequeno e fraco pode não ajudá-los, mas pelo menos o imposto sobre o valor acrescentado na Nigéria é de no máximo 5 por cento e a arrecadação de impostos não excede 25 por cento. Os cuidados de saúde podem ser deficientes, mas as pessoas confiam mais nos seus xamãs do que nos médicos entediados e corrompidos pelas grandes empresas farmacêuticas do ocidente.  Multas por excesso de velocidade são raras por falta de policiais, estradas e veículos, mas não há fiscalização do trabalho e ninguém obriga ninguém a tomar vacina experimental mRNA.

Grupos tribais, autoridades rurais e vizinhos prestaram assistência. As famílias, que na vida africana são o apoio máximo, ajudaram. A auto-ajuda e a solidariedade foi a base da sobrevivência dos nigerianos privados de qualquer assistência. Estou escrevendo isto porque em breve muito mais nações ocidentais passarão por uma digitalização monetária semelhante.

Epílogo

A situação em Lagos, Abuja e Port Harcourt está a voltar ao normal e a eNaira é uma das várias moedas legais. Depois que a taxa de câmbio do dólar americano foi liberada, os preços no mercado negro caíram para o nível oficial. O Grupo de Câmbio Nigeriano, expresso em dólares americanos, aumentou 37 por cento até agora em 2023. A inflação naira está a diminuir mais rapidamente do que a inflação nos EUA. 

Desde a prisão de Emefiele, o espectro do monopólio do CBDC desapareceu. Aqueles que consideram o dinheiro eletrônico mais conveniente o utilizam. Quando essa conveniência for perdida, eles mudarão para dinheiro ou sua alternativa digital. As pessoas sabem agora que não teria havido tanto caos se a digitalização da moeda fosse voluntária e não acompanhada pela eliminação do dinheiro físico.

Será que o caso da Nigéria ajudará outros banqueiros centrais e cidadãos globais a chegar a uma conclusão semelhante? Provavelmente não, por isso aguardamos o próximo desastre econômico sendo fabricado.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *