Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Como o trem do BRI-Nova Rota da Seda da China “Pegou a Estrada” para Shangri-La

Em menos de uma década, o projeto BRI (Belt and Road Initiative, conhecido na China como One Belt One Road-Nova Rota da Seda) da China transformou fundamentalmente a geopolítica global. Já é tarde demais para o hospício do ocidente competir… É importante reconhecer que a guerra por procuração dos EUA/OTAN contra a Rússia na Ucrânia é simultaneamente também uma guerra destinada a interromper o progresso da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) da China.

Como o trem do BRI-Nova Rota da Seda da China “pegou a estrada” para Shangri-La

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

À medida que nos aproximamos do 10º aniversário da criação do BRI-Nova Rota da Seda, a ser marcado pelo terceiro Fórum do Cinturão e Rota no final deste ano em Pequim, fica claro que o original Cinturão Econômico da Rota da Seda – anunciado pelo presidente Xi Jinping em Astana, Cazaquistão, em setembro de 2013 – percorreu um longo caminho.

Em janeiro deste ano, 151 nações já haviam assinado adesão ao BRI: nada menos que 75% da população mundial, que representa mais da metade do PIB global. Mesmo um grupo atlantista, como o  Centro de Pesquisa Econômica e Empresarial, com sede em Londres, admite que a iniciativa BRI pode aumentar o PIB global em US$ 7,1 trilhões por ano até 2040, distribuindo benefícios “generalizados”.

Incluído na Constituição chinesa desde 2018, o BRI constitui a estrutura de política externa chinesa abrangente de fato até 2049, marcando o centenário da tomada do comunismo e da República Popular da China.

A BRI avança ao longo de vários corredores de conectividade terrestre – do Transiberiano ao “corredor do meio” ao longo do Irã e Turquia e do Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC) até o Mar Arábico.  Enquanto isso, na frente das vias navegáveis, a Rota Marítima da Seda oferece uma rede paralela do sudeste da China ao Golfo Pérsico, Mar Vermelho, Costa Suaíli e Mar Mediterrâneo.

Tudo isso é espelhado pela Rota Marítima do Norte, conduzida pela Rússia, conectando os lados leste e oeste do Ártico e reduzindo o tempo de navegação da Europa para a Ásia de um mês para menos de duas semanas.

Tal projeto massivo Make Trade Not War, centrado na conectividade, construção de infraestrutura, desenvolvimento sustentável e perspicácia diplomática – com foco no Sul Global – não poderia deixar de ser interpretado pelas elites ocidentais como uma ameaça geopolítica e geoeconômica suprema.

E é por isso que toda turbulência geopolítica no tabuleiro de xadrez está direta ou indiretamente ligada a iniciativa do BRI. Incluindo a guerra na Ucrânia.

“Uma nova escolha”

No Fórum Lanting em Xangai no mês passado, o ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, apresentou à vontade a um seleto público estrangeiro as principais linhas gerais da “modernização, o jeito chinês” e como ela pode ser aplicada em todo o Sul Global.

De sua parte, os especialistas do Sul Global tiveram a chance de se debruçar sobre os motivos subjacentes à paranóia constante de “ameaça” do Ocidente coletivo. O ponto principal é que, para os EUA e seus lacaios aliados vassalos, é um anátema que Pequim – com base em seu próprio sucesso – esteja oferecendo um modelo de desenvolvimento alternativo em comparação com o único produto no mercado desde 1945.

A ex-presidente brasileira Dilma Rousseff, atualmente a nova presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) com sede em Xangai – o banco dos BRICS – explicou ao fórum como o neoliberalismo foi forçado na América Latina como um falso caminho para o sucesso econômico. Já o modelo chinês, como destacou, oferece agora uma “nova escolha”, que respeita as peculiaridades nacionais.

Zhou Qiangwu, o vice-presidente chinês do NDB, espera que isso leve o FMI e o Banco Mundial a dar mais voz ao Sul Global em sua tomada de decisões como parte de novas “soluções de governança”.

No entanto, é improvável que isso aconteça porque os EUA e seus países vassalos não estão mentalmente preparados para se livrar [de seus psicopatas e] de sua bagagem de preconceito secular e se sentar à mesma mesa com representantes do Sul Global e aceitá-los como iguais, bem como partes interessadas qualificadas.

O Sul Global, porém, não espera por ninguém. As mesas redondas já se sucedem a uma velocidade vertiginosa. Um caso importante foi a cúpula China-Ásia Central de 18 a 19 de maio na antiga capital imperial, Xi’an, quando o presidente Xi se reuniu com os presidentes do Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão – as cinco ex-repúblicas da URSS no coração da Terra (Heartland).

Isso se seguiu ao encontro do presidente russo, Vladimir Putin, com os mesmos cinco “stans” em Moscou no extremamente significativo dia 9 de maio, o Dia da Vitória contra os nazistas e Alemanha.

Diplomaticamente, isso sugere um eixo 5+2 já em evolução unindo Rússia, China e os cinco stans operando por meio de seu próprio secretariado de uma maneira ligeiramente diferente da BRI, da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e da União Econômica da Eurásia (EAEU).

E por que isto? Por causa de um problema que afetará todas essas novas organizações multilaterais lideradas pelo Sul Global: atritos internos. E isso nos leva à presença da Índia dentro da SCO, uma organização que privilegia o consenso em todas as decisões.

Esse é um grande problema quando comparado com o intratável conflito Índia-Paquistão, e ainda mais sensível quando se trata da posição vacilante de Nova Délhi em relação a Quad e AUKUS. Pelo menos os indianos não se submeteram totalmente à OTAN em sua guerra híbrida contra a Rússia-China e seu sonho de ditar termos no Indo-Pacífico.

“Uma parceria eurasiana em grande escala”

Xi e Putin entenderam completamente os riscos estratégicos de energia: o aumento das remessas de petróleo e gás russo para a China significa muito mais trânsito pelo Heartland. Portanto, uma estratégia totalmente integrada é obrigatória. E terá que ser integrado ao nível da interação BRI e EAEU, mesmo que haja uma “lacuna” dentro da SCO.

Exemplos práticos incluem a aceleração da construção da ferrovia ultra estratégica Xinjiang-Quirguistão-Uzbequistão, que está atrasada há anos: isso aumentará ainda mais a conectividade com o Afeganistão, Paquistão e Irã.

Paralelamente, o CPEC será estendido ao Afeganistão: isso foi finalmente decidido durante uma reunião ministerial AfPak-China em Islamabad em 5 de maio. Embora ainda reste um dossiê muito espinhoso: como lidar, persuadir e satisfazer a liderança do Talibã em Cabul. Xi e os líderes do Heartland em Xi’an comprometeram-se vigorosamente a impedir a “interferência estrangeira” e as proverbiais tentativas de revolução colorida. Estes são todos projetados para perturbar o BRI.

Agora compare com a  reunião do G-7 em Hiroshima  – que foi mais um exercício mal disfarçado sobre “conter” a China. O comunicado de Hiroshima, emitido em 20 de maio, um dia depois de Xi e da Ásia Central em Xi’an, foi pesado em “eliminar os riscos” – o novo mantra ocidental que substitui o “desacoplamento”.

A UE já havia telegrafado a medida por meio da notória presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen: A decepção impera, porque o conceito que realmente importa, “coerção econômica”, persiste. No entanto, nenhum jogador sério do Sul Global pensa que está sendo “coagido” a ingressar no BRI.

O alívio cômico foi oferecido por meio do compromisso do G-7 de arrecadar US$ 600 bilhões em financiamento para construir “infraestrutura de qualidade” por meio da chamada Parceria Global de Investimento em Infraestrutura: Chame isso de resposta do fardo do homem branco europeu ao BRI.

O fato é que ninguém – desde o apelido ocidental de “Indo-Pacífico” até a ASEAN e o Fórum das Ilhas do Pacífico (PIF) – está demonstrando qualquer sinal de ser “coagido” pela China, para não mencionar qualquer interesse em abandonar ou antagonizar uma riqueza de perspectivas de comércio e conectividade.

Na cúpula da EAEU em Moscou no final de maio, coube a Putin ir direto ao ponto enfatizando a cooperação ativa da Rússia com BRICS, SCO, ASEAN, GCC e organizações multilaterais na África e na América Latina.

Putin referiu-se explicitamente à “construção de novas cadeias logísticas sustentáveis” e ao desenvolvimento da conexão fundamental entre a EAEU e o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INTSC). Fica melhor. Ele também enfatizou o trabalho com a China para “vincular os processos de integração” da EAEU e da BRI, “implementando assim a ideia em larga escala de construir uma parceria eurasiana em larga escala”.

Está tudo aqui: Tudo o que faz as elites atlantistas uivarem em desespero. O velho presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, que viu de tudo desde seus dias na URSS, resumiu assim: A combinação de esforços de integração – EAEU, SCO, BRICS – “contribuirá para a criação da maior coalizão de estados”.

E ele apresentou a cotação do dinheiro que certamente reverberará em todo o Sul Global: “Se perdermos tempo, nunca o recuperaremos. Aquele que corre mais rápido agora estará na vanguarda por algumas décadas.”

O tigre de jade ataca

Tudo isso nos leva ao Shangri-La, a principal plataforma de diálogo do Leste Asiático em Cingapura, no fim de semana passado. O verdadeiro destaque foi o Conselheiro de Estado e Ministro da Defesa, General Li Shangfu, explicando detalhadamente a “Nova Iniciativa de Segurança” da China.

Li enfatizou o conceito de “segurança comum, abrangente, cooperativa e sustentável”. Lembre-se: isso é exatamente o que Moscou estava propondo a Washington em dezembro de 2021, que foi recebido com uma resposta sem resposta.

Ele observou que a China está “pronta para trabalhar com todas as partes” para fortalecer a consciência de uma “comunidade Ásia-Pacífico com um futuro compartilhado” (Nota: Ásia-Pacífico é a denominação que todos na região entendem, não “Indo-Pacífico” ).

E então ele chegou ao âmago da questão: Taiwan é o Taiwan da China. E como resolver a questão de Taiwan é assunto do povo chinês. A mensagem não poderia ser mais direta:

“Se alguém ousar separar Taiwan da China, os militares chineses protegerão resolutamente a soberania nacional e a integridade territorial da China sem qualquer hesitação, a todo custo e sem temer qualquer oponente.”

A delegação chinesa no Shangri-La rejeitou totalmente a “chamada ‘estratégia Indo-Pacífico’” como um discurso hegemônico espalhafatoso.

O que Shangri-La revelou foi, de fato, a resposta clara e concisa de Pequim a todas as demissões do BRI, toda aquela reclamação sobre “armadilha da dívida” e “coerção econômica”, toda aquela retórica de “reduzir o risco” e todas aquelas crescentes insinuações de bandeiras falsas em Taiwan levando à guerra “real” com a qual sonham os neocons encarregados da política externa dos EUA.

Obviamente, tipos de Washington DC intelectualmente superficiais, psicopatas “liderados” por um pedófilo demente, não entenderão a mensagem. Especialmente porque Li Shangfu foi tão polido quanto um tigre de jade – saltando elegantemente sobre uma avalanche de mentiras. Você quer mexer com a gente? Estamos prontos. Os bárbaros previsivelmente continuarão batendo no portão. O tigre de jade espera.


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 respostas

  1. … o jornalista pepe escobar, é falastrão e muito bom no que faz… é um entusasta da eurásia, um comunista fofoqueiro da política e nem chega a compreender o que passa internamente no Brasil, de 10 aos para cá…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *