Irã Ferve o ‘Sapo judeu Khazar’ Lenta, Paciente e Metodicamente.

A aparente contenção do Irã face à agressão dos sionistas judeus Khazares não deve ser confundida com fraqueza. Há anos Teerã exerce pressão constante sobre os sionistas de Tel Aviv através dos seus próprios métodos, preparando metódica e cuidadosamente o terreno para o desmoronamento final do “Povo Eleito” de Israel, é apenas uma questão de tempo e de superioridade matemática e emocional.

Irã Ferve o ‘Sapo judeu Khazar’ Lenta, Paciente e Metodicamente.

Fonte: The Cradle

Diz a lenda que um sapo colocado em uma panela rasa com água aquecida no fogão permanecerá feliz na panela com água enquanto a temperatura continua a subir e não pulará mesmo quando a água atingir lentamente o ponto de ebulição e matar o sapo. A mudança de um grau de temperatura por vez é tão gradual e sutil que o sapo só percebe que está sendo fervido quando já é tarde demais.

Embora essa história seja um apólogo – uma bela fábula destinada a transmitir uma lição significativa – é frequentemente invocada por  militares  e geopolíticos para descrever o “longo jogo” para alcançar objetivos estratégicos.

Hoje, são o Irã e os seus aliados regionais no Oriente Médio que estão utilizando uma abordagem comedida para aumentar as temperaturas na Ásia Ocidental até que a água ferva os “sapos” de Israel e dos seus lacaios servis dos EUA até à morte. Estratégia, disciplina, comedimento e rara paciência – a antítese da visão de curto prazo ocidental e dos fanáticos sionistas – trarão a vitória aos muçulmanos aliados do Irã. Citando  o Talibã : “Os americanos têm relógios, mas nós temos o tempo, e o Afeganistão comprovou isto depois de pacientes 20 anos.

O tempo está agora do lado do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC) e dos seus aliados regionais. Dois exemplos interligados mostram como o IRGC está calibrando as temperaturas de “cozimento” dos genocidas khazares como cientistas num laboratório. 

O sapo ianque

Após o lançamento da operação de resistência liderada pelo Hamas, Al-Aqsa Flood, em 7 de Outubro do ano passado, o Presidente dos EUA, o senil [‘Dementia’ Joe] Biden, enviou frotas da Marinha dos EUA para o Golfo Pérsico e o Mar Mediterrâneo para “defender” o fanfarrão anão moral e pária do Oriente Médio, Israel. 

No dia 26 de novembro, o porta aviões USS Eisenhower e a sua escolta navegaram pelo Estreito de Ormuz, ancorando no Golfo Pérsico, do lado da Arábia Saudita. As forças navais do Iêmen alinhadas com Ansarallah inicialmente atacaram navios israelenses e o porto judeu de Eilat com seus primeiros tiros em 19 de outubro. Mas em 29 de Novembro, os seus ataques escalaram para incluir navios com destino ou origem em Eilat, independentemente da bandeira ou propriedade. 

Este padrão culminou no anúncio do Pentágono, pelos lacaios de Israel, da “Operação Guardião da Prosperidade” em 18 de Dezembro, destinada a salvaguardar os interesses econômicos de Israel à custa de uso de pessoal militar dos EUA, pois sem a ajuda dos idiotas americanos Israel não se sustenta uma semana no Oriente Médio. Posteriormente, o USS Eisenhower e as suas escoltas navais deslocaram-se do Golfo Pérsico para o Mar Vermelho e o Golfo de Aden, supostamente para “defender” os interesses de Israel.

Em vez disso, o posicionamento dos meios da Marinha dos EUA no Mar Vermelho e no Golfo de Aden deixou-os susceptíveis e expostos a potenciais ataques do Irã ou de armamento fornecido pelo Irã aos seus procuradores na região, incluindo mísseis de cruzeiro, mísseis balísticos e drones. 

Apesar dos esforços da Marinha dos EUA (USN) e da Força Aérea dos EUA (USAF), o Ansarallah permanece invicto. Os ataques aéreos anglo-americanos anteriores no Iémen revelaram-se ineficazes, enquanto o ritmo contínuo e  o âmbito crescente  das operações no Iémen estão sobrecarregando os recursos navais e a diminuir o moral dos marinheiros ocidentais à serviço de seus mestres judeus khazares.

Ao contrário das “armas de Hollywood”, os navios da Marinha dos EUA não possuem ilimitados mísseis interceptadores, nem podem ser recarregados no mar. Quanto ao moral do pessoal americano, irá quebrar a longo prazo, especialmente porque muitos, se não a maioria, dos marinheiros e fuzileiros navais simplesmente não estão investidos na luta pelos interesses de Israel. 

No mês passado, o capitão Chris Hill, comandante do porta aviões USS Eisenhower, declarou que : “Os marinheiros precisam de pausas, precisam ir para casa”. 

Enquanto marinheiros, fuzileiros navais e aviadores ficam impacientes esquivando-se diariamente dos drones e mísseis Houthis do Ansarallah, o ‘Sapo Ianque’ está remando alegremente em sua banheira de hidromassagem em Washington, acreditando que o ‘poder’ da marinha dos EUA derrotará os incômodos mísseis dos rebeldes ‘Houthis’.

Esta foi sem dúvida uma medida bem calibrada apoiada pelo Irã que alcançou dois objetivos: primeiro, tirou o grupo de combate de porta-aviões do Golfo Pérsico e, segundo, sugou os EUA para uma armadilha crescente. O ‘Sapo Ianque’ está no hotspot do Mar Vermelho/Golfo de Aden. Não pode vencer. 

Ou saltará e fugirá humilhado, destruindo ainda mais a credibilidade das forças armadas dos EUA após o seu humilhante desastre de 2021 no Afeganistão ; ou permanecerá imerso na água na panela quente e será fervido até à morte – com a perda de navios e de inúmeras vidas. 

Com qualquer resultado, o Irã vence. Da mesma forma, uma derrota iraniana dos EUA será bem recebida pela China, pela Rússia e por vários estados adversários dos EUA, especialmente em todo o sul global. Como observou um astuto utilizador do Twitter/X,  Armchair Warrior  (descrevendo as prováveis ​​respostas da Rússia às provocações ucranianas), pelas suas ações, o Irã demonstrou “autocontrole reflexivo” sobre as ações de Washington e seu patrão Israel.

Com isso, ele quer dizer: “Se cada ação militar que você realizar obtiver uma reação simétrica, então você poderá controlar a natureza, o local e o ritmo do conflito em seu benefício”. Isto é precisamente o que o IRGC está a fazer de forma inteligente. 

O sapo jueu khazar sionista de Israel

A pequenina “Rã Israelita” [com complexo de “Povo Eleito” por deus], entretanto, sonolento na água quente, sonha com o seu novo “Grande Israel”, desde o Rio Nilo até o rio Eufrates – o Israel que existirá quando tiver feito a limpeza étnica de Gaza. Ele tem planos de desenvolver Gaza, construir condomínios de luxo à beira-mar e construir unidades habitacionais para novos colonos judeus khazares. 

Neste mapa uma “diferente” visão do ORIENTE MÉDIO: O GRANDE ISRAEL: Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: “Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas terras históricas, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”. UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel hoje: “Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação”. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).

Os arquitetos estão agora elaborando planos. O genro do ex-presidente e atual candidato republicano Donald Trump, o judeu khazar Jared Kushner, um netanyahuista e benfeitor do partido Likud, está medindo cortinas para seu  condomínio à beira-mar em Gaza . 

No entanto, os militares israelitas não derrotaram o Hamas, que continua a infligir danos significativos ao equipamento militar e aos recursos humanos israelitas. Segundo uma estimativa, o Hamas só foi degradado em 15-20 por cento. O exército de ocupação judeu depende totalmente dos EUA e dos seus estados vassalos europeus para obter armamentos e munições, uma vez que as suas capacidades industriais de produção interna são limitadas. 

De acordo com uma estimativa, cerca de 500 mil colonos regressaram às suas terras natais, abandonando Israel; a maioria não retornará. Desde 7 de Outubro, o recrutamento militar deixou de ser um requisito seguro, mas inconveniente, de três anos: os pais judeus temem pelos seus filhos e filhas. 

O adormecido movimento “recusnik” que emergiu da invasão israelita do Líbano em 1982 voltou a despertar. Os jovens judeus recrutados se recusam a servir e, como resultado, são presos pelo governo de Netahyahu. A  isenção de recrutamento  para judeus ultraortodoxos expirou em 1º de abril; eles estão ameaçando fugir de Israel, cuja sobrevivência do minúsculo país depende da mudança de judeus para lá e não da fuga deles do país. 

Se os representantes dos judeus ultraortodoxos abandonarem a coligação do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, isso poderá derrubar o seu governo sionista extremista. As tensões internas na sociedade israelita estão aumentando exponencialmente, alimentadas por pressões socioeconomicas e pela desilusão com a forma como o governo sionista está lidando com a guerra e a negocição para liberação dos reféns judeus.

A economia israelense está em frangalhos. O shekel está diminuindo. É de 3,60 ILS para 1 USD, de máximos de 4,01 ILS para 1 USD, com probabilidade de novas quedas. Os déficits orçamentais e o endividamento dispararam. A Moody’s  rebaixou a classificação  do crédito de Israel de A1 para A2 em 9 de fevereiro. A indústria do turismo de Israel colapsou, pois ninguém visita um país em guerra contra todos os seus vizinhos.

A maioria das grandes companhias aéreas não voa mais para Israel. As bases industriais e agrícolas de Israel são pequenas. Israel tem acesso limitado aos recursos naturais e à energia; depende de linhas de vida terrestres para a Jordânia e o Egito, com o petróleo e o gás do Azerbaijão a chegarem a Haifa vindos da Turquia. 

O Irã está fazendo a Israel exatamente o que Israel lhe fez com sanções econômicas. Mas, ao contrário de Israel, o Irã tem reservas abundantes e imensas de petróleo e gás, população de 85 milhões de pessoas [quase dez vezes a população de Israel] alfabetizadas e instruídas que não planejam e não precisam fugir de seu país, e formidáveis ​​bases de produção agrícola, tecnológica e industrial muito maiores do que o “anão judeu khazar”. 

Teerã está estrangulando metódica e pacientemente a economia de Israel. O porto de Haifa está na lista de alvos do Hezbollah. Se o porto de Haifa for encerrado ao lado de Eilat, Israel só terá linhas de vida terrestres para abastecimento de alimentos e energia, todos oriundos de países muçulmanos, porque Israel só produz, em abundância, sal do Mar Morto, areia dos desertos e sangue. O Aeroporto Internacional Ben Gurion e outros aeroportos judeus poderão ser alvos no futuro.

Aumentando o calor, um grau de cada vez

O recente ataque israelita à missão diplomática iraniana em Damasco, supostamente em resposta a um drone iraquiano que atingiu Eilat, reflete as apreensões e frustrações de Netanyahu  – de que “o mundo inteiro está a unindo-se contra nós” [como nós somos vítimas…].

A estratégia de Netanyahu parece ser incitar o Irã a uma escalada de tensões, potencialmente levando-o a atacar ativos militares americanos na região, atraindo assim os EUA diretamente para a Guerra de Gaza. No entanto, não se sabe se Teerã morderá a isca do “sapo anão khazar”

Embora seja provável que o IRGC responda em alguma medida, tentará evitar cair na armadilha de Netanyahu. Em vez disso, o Irã pode optar por reforçar o seu domínio econômico sobre Israel, possivelmente visando locais estratégicos como Eilat, Haifa e o Aeroporto Ben Gurion. 

O IRGC compreende que a minúscula economia de Israel não pode sustentar um conflito prolongado. Portanto, a sua estratégia pode envolver uma escalada gradual – efetivamente fervendo lentamente o “sapo anão khazar” – através de ações coordenadas envolvendo o Hezbollah, o Ansarallah e várias facções baseadas na Síria e no Iraque. 

Como observou o economista Herbert Stein: “Se algo não pode durar para sempre, irá parar”. Embora Israel esteja longe de estar à beira do colapso, as ações disciplinadas e calculadas do IRGC estão aumentando continuamente as tensões regionais. Se não for controlado, isto poderá ter repercussões significativas para a sociedade do país do “Povo Eleito” e a sua economia – tudo sem que ela se aperceba, como uma “minúscula rã pária fervendo”.


2 respostas

  1. Mas o resultado dessa guerra não muda em nada a situação do mundo, afinal quem verdadeiramente manda no planeta Terra já ascenderam acima do universo material a muito tempo. Esse sábios ascendido do passado ainda vão continuar governando o destino desse planeta se ninguém se envolver no nível espiritual para nós ajudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth