browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Complexo Industrial Militar pesquisa propulsão antigravidade há cerca de 70 anos

Posted by on 26/11/2019

A verdade é que os militares dos EUA e a indústria aeroespacial do Complexo Industrial Militar pesquisam propulsão antigravidade há quase 70 anos. Perguntas antigas de décadas sobre a possível existência de tecnologias fantásticas de propulsão antigravitacional ressurgiram após a própria divulgação da Marinha de encontros com fenômenos aéreos não identificado se nosso próprio relatório original sobre uma série de patentes bizarras atribuídas à Marinha dos EUA que parecem  desafiar nossa atual compreensão da física e propulsão de aeronaves espaciais.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Complexo Industrial Militar pesquisa propulsão antigravidade há cerca de 70 anos

Fonte:  https://www.thedrive.com/the-war-zone/30499/the-truth-is-the-military-has-been-researching-anti-gravity-for-nearly-70-years

Enquanto a discussão continua sobre se essas tecnologias são viáveis, a verdade é que os conceitos teóricos por trás deles são tudo menos novos. De fato, as forças armadas dos EUA, o governo federal pesquisam formalmente esses conceitos radicais desde a década de 1950 e, de acordo com nossa própria pesquisa, esses esforços continuaram até hoje, através dos grandes conglomerados da indústria aeroespacial do Complexo Industrial Militar.

Em nosso mergulho no que parece uma espécie de “buraco do coelho sem fundo” de estudos governamentais para esse domínio científico exótico, reunimos um corpo de pesquisa, reportagens e relatos em primeira mão. Eles estabelecem o fato de que os tipos de tecnologias “anti-gravidade”, propulsão sem foguetes de combustão e redução de massa descritos nas recentes patentes “OVNI” da Marinha se baseiam em pelo menos mais de 60 anos de pesquisa revisada por pares do Instituto Americano de Física, conduzida e publicada por pessoas do mesmo gênero, funcionários da NASA, Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica e Laboratório de Pesquisa da Força Aérea.

Embora não possamos dizer que qualquer uma dessas pesquisas tenha levado à capacidade de realmente utilizar tecnologias “antigravidade” ou de propulsão de última geração extremamente avançadas, em qualquer medida útil, os laboratórios mais avançados sob controle das forças armadas e do mundo do meio acadêmico certamente tem tentado o seu melhor para chegar lá na maior parte de um século. Além disso, lembre-se de que todas essas informações são provenientes de fontes não classificadas e, definitivamente, há muito mais do que apenas o que é apresentado aqui. Podemos apenas imaginar quanto trabalho foi feito no campo classificado sobre o que antes era considerado abertamente a próxima grande revolução na tecnologia aeroespacial.

A incursão precoce da Lockheed Martin Corporation contra a gravidade

Em termos das primeiras pesquisas antigravitacionais da Força Aérea, um intrigante relato em primeira mão vem do Dr. Louis Witten, professor de física da Universidade de Cincinnati de 1968 a 1991. Ao longo de sua carreira, Witten conduziu pesquisas sobre gravitação, gravidade quântica e relatividade geral. A última delas é a teoria proposta por Albert Einstein, que propõe que a gravidade é essencialmente uma distorção ou curva na geometria do espaço-tempo causada pela massa.

Durante uma mesa redonda intitulada “Recordações da Revolução da Astrofísica Relativística”, realizada no 27º Simpósio do Texas em Astrofísica Relativística, em 2013, Witten relatou seu próprio trabalho sobre o que ele de maneira intrigante se refere como “a descoberta da antigravidade”.

Em sua parte da mesa redonda, Witten lembra-se de ter sido recrutado por George S. Trimble, depois atuando como vice-presidente de aviação e sistemas de propulsão avançados da Glenn L. Martin Company, que evoluiu primeiro para Martin-Marietta e, eventualmente, se fundiu com a Lockheed em 1995 para formar a Lockheed Martin Co. O projeto para o qual Witten foi recrutado passaria a ser conhecido como Instituto de Pesquisa para Estudos Avançados (RIAS) e foi oficialmente fundado em 1955 por George Bunker, presidente da Lockheed Martin Co, com o objetivo de promover a ciência e o desenvolvimento aeroespacial.

Um UFO (da raça Alien Tall Whites/Nórdicos) pousado no hangar do Porta Aviões USS NIMITZ (EUA), em manchete de jornal canadense de 18 de fevereiro de 1992 …

“O vice-presidente [Trimble] teve a maravilhosa ideia de desenvolver um sistema de propulsão antigravidade”, diz Witten, observando que imediatamente se recusou a aceitar a proposta. “Quando ele tentou a ideia em público, você pode imaginar a saudação que recebeu dos cientistas. Então ele disse a si mesmo ‘esses pobres bastardos, eu vou mostrar a eles’.” Apesar de seu ceticismo, Witten acabou aceitando a oferta da Trimble de se juntar ao grupo do projeto do poderoso executivo da Lockheed Martin Co.

Ao longo de seu breve discurso proferido na mesa redonda, Witten diz que, apesar de ter sido ridicularizado pela comunidade científica da academia por sua pesquisa, não havia escassez de pessoas que lhe diriam que sabiam como alcançar a antigravidade:

“Algumas delas eram idéias muito simples. As idéias simples são sempre difíceis de combater.  Suponha que alguém vá até você e diga ‘Eu tenho uma pedra de bismuto que demonstra antigravidade’. O que você faz?

Houve um vice-presidente da Martin Company que disse isso: “Eu li sobre um cara em Indiana que diz uma pedra de bismuto …” Eu disse: “Não faz sentido”. Ele disse: ‘Como você sabe que é bobagem? Como você sabe que não há isótopo de bismuto que mostre a antigravidade? O que você sabe sobre isso?”

O discurso de Witten começa em torno da marca 1:49:10:

Witten encerra seu discurso, ressaltando que, apesar da constante quantidade de disparates que se pretende investigar, “o poder de um vice-presidente de uma grande empresa é tão grande que a razão pela qual havia um laboratório em Wright Field [hoje conhecidas Áreas A e C da gigantesca Base da Força Aérea de Wright Patterson] foi descobrir o que estávamos fazendo e nos ajudar a fazê-lo, e eu recebi um contrato da Wright Field para fazer isso – controlar a gravidade. O que fiz, muito feliz. “

Não se sabe o que, se alguma coisa, veio da pesquisa de Witten ou de outras pesquisas relacionadas ao programa.  Embora não tenhamos encontrado um registro dele em Wright Patterson para confirmar seu relato, Witten publicou de fato vários artigos teóricos sobre a relatividade geral ao longo desse período, incluindo “Invariantes da Relatividade Geral e a Classificação dos Espaços”, “Geometria da Gravitação e Eletromagnetismo” e “invariância conformável na física”, todos os quais listam Witten como funcionário do Instituto de Pesquisa para Estudos Avançados estabelecido pela Lockheed Martin Corporation.

O trabalho antigravitacional que Witten afirma ter realizado na RIAS em nome da Lockheed Martin é corroborado por uma série de três artigos escritos pelo jornalista de aviação Ansel Talbert e publicados no New York Herald Tribune em 20, 21 e 22 de novembro de 1956. Talbert serviu como correspondente de aviação dHerald Tribune de 1953 até o jornal ser encerrado em 1966, após o qual escreveu para várias revistas de aviação e publicações comerciais.

Os artigos no New York Herald Tribune descrevem vários institutos de pesquisa focados em desvendar os segredos da antigravidade na década de 1950, incluindo várias grandes universidades e laboratórios privados. Uma parte essencial de grande parte da pesquisa realizada nessas instalações envolveu tópicos relativamente simples, como eletromagnetismo, massas rotativas em alta velocidade e vários métodos para tentar reduzir/anular o peso da massa de uma aeronave.

A Ansel Talbert foi oferecida uma visão em primeira mão da pesquisa realizada em muitos dos laboratórios criados na década de 1950 para pesquisar a gravidade e tentar superá-la. Sua série de artigos explorando o assunto menciona os interesses antigravitacionais e a pesquisa de alguns dos maiores nomes da aviação da época: William P. Lear (fundados da Learjet), Lawrence D. Bell, Dr. Igor I. Sikorsky (fundador da Sikorsky Aircraft Corporation),  Trimble, o vice-presidente da Martin e até o magnata dos alimentos congelados Clarence Birdseye. “Birdseye deu ao mundo seus primeiros alimentos congelados rapidamente e lançou as bases para a atual indústria de alimentos congelados”, escreveu Talbert, “mais recentemente ele se interessou por estudos antigravitacionais”.

A série de matérias de Talbert oferece uma visão fascinante dos muitos esforços de pesquisa antigravitacional que estavam em andamento em meados já na década de 1950, mas, como todos os relatos de pesquisas antigravitacionais ou de propulsão inovadora, nenhum dos assuntos entrevistados por Talbert ofereceu alguma sugestão de que estudos conclusivos das tecnologias antigravidade surgiram desses esforços. Ainda assim, Talbert ressalta que algumas das mentes mais brilhantes da engenharia aeroespacial e da física se dedicavam ao estudo da antigravidade da época, estudos que levaram a importantes descobertas na relatividade geral:

“Os esforços atuais para entender a gravidade e a gravitação universal, tanto no nível subatômico quanto no nível  universal, têm hoje o apoio positivo de muitos dos físicos destacados da América. Estes estudos incluem o Dr. Edward Teller, da Universidade da Califórnia, que recebeu os principais créditos pelo desenvolvimento da bomba de hidrogênio; Dr. J. Robert Oppenheimer, diretor do Instituto de Estudos Avançados de Princeton; Dr. Freeman J. Dyson, físico teórico do Instituto, e Dr. John A. Wheeler, professor de física da Universidade de Princeton, que fez importantes contribuições ao primeiro projeto de fissão nuclear dos Estados Unidos”.

“É preciso enfatizar que os cientistas desse grupo abordam o problema apenas do ponto de vista da pesquisa pura. Eles se recusam a prever exatamente em quais direções a pesquisa levará ou se será bem-sucedida além da ampliação do conhecimento humano em geral”.

Uma das maiores conclusões da série de matérias de Talbert é o otimismo compartilhado por muitos dos envolvidos no projeto, bem como o estigma em torno de tal empreendimento, mesmo naquela época:

“Grover Loening, que foi o primeiro graduado em aeronáutica em uma universidade americana e o primeiro engenheiro contratado pelos irmãos Wright, tem opiniões semelhantes. Por um período de quarenta anos, Loening teve uma carreira distinta como projetista e construtor de aeronaves e foi recentemente condecorado pela Força Aérea dos Estados Unidos por seu trabalho como consultor científico especial. “Acredito firmemente que em breve o homem adquirirá a capacidade de construir um mecanismo de anti-gravidade eletromagnética que funcione”, disse ele. “A mesma linha de raciocínio que permitiu aos cientistas dividir estruturas atômicas também lhes permitirá aprender a natureza da atração gravitacional e maneiras de superá-la”.

“No momento, há uma considerável diferença de opinião entre os que trabalham para descobrir o segredo da antigravidade e a gravitação universal sobre exatamente quanto tempo o projeto levará. George S. Trimble, um jovem cientista brilhante que é chefe da nova divisão de design avançado da (Lockheed) Martin Aircraft em Baltimore e membro do subcomitê de aerodinâmica de alta velocidade do Comitê Consultivo Nacional de Aeronáutica, acredita que isso poderia ser feito relativamente rápido se recursos e impulso suficientes fossem colocados como suporte ao programa”.

“Acho que poderíamos fazer o trabalho no tempo necessário para construir a primeira bomba atômica, se um número suficiente de intelectuais científicos treinados começasse a pensar e trabalhar em direção a uma solução”, disse ele. “Na verdade, o maior impedimento ao progresso científico é a recusa de algumas pessoas, inclusive a maioria dos cientistas, de acreditar que coisas que parecem surpreendentes podem realmente acontecer … Eu sei que se Washington decidir que é vital para a nossa sobrevivência nacional ir aonde queremos e fazendo o que deve ser feito sem ter que se preocupar com a gravidade, encontraríamos a resposta rapidamente”.

Versões em texto completo transcritas dos artigos de Talbert “A conquista da gravidade é a busca dos principais cientistas dos EUA”, “Maravilhas da nave espacial se a gravidade for superada” e “Novo sonho aéreo – aviões voando além da gravidade” podem ser  encontrados on-line aqui , enquanto versões  digitais dos artigos que apareceram no New York Herald Tribune podem ser encontradas nos arquivos do Herald Tribune, disponíveis no banco de dados ProQuest ou no sistema da Biblioteca Pública de Nova York.

Laboratórios de Pesquisa Aeroespacial na Base da Força Aérea de Wright Patterson

George Trimble, Clarence Birdseye e Lawrence Bell não eram os únicos interessados ​​em pesquisar a utilização da antigravidade. A série de Talbert relatou que quase todas as grandes empresas aeroespaciais da época estavam envolvidas de alguma maneira com a pesquisa do “problema da gravidade”: Convair, Lear (fundador da Lear Jet), Sikorsky (Helicópteros), Sperry-Rand Corp., General Dynamics e Avro Canada. Assim como o Dr. Louis Witten mencionou de improviso nos segundos finais de seu discurso no 27º Simpósio de Astrofísica Relativística do Texas, a Força Aérea dos Estados Unidos também estabeleceu seu próprio projeto de pesquisa de antigravidade na Base da Força Aérea de Wright Patterson.

O projeto foi inicialmente conhecido como Laboratório Geral de Física dos Laboratórios de Pesquisa Aeronáutica (ARL), mas seu nome foi alterado para Laboratórios de Pesquisa Aeroespacial em algum momento. Para liderar o projeto, a Força Aérea contratou o físico Joshua N. Goldberg, recém-doutorado na Universidade de Syracuse. De acordo com o Curriculum Vitae de Goldberg , ele trabalhou como físico de pesquisa nos Laboratórios de Pesquisa Aeroespacial de Wright Patterson, de 1956 a 1962, além de ensinar mecânica clássica de pós-graduação na Extensão da Universidade Estadual de Ohio, em Wright Patterson.

As publicações de Goldberg daquele período mostram que ele publicou vários artigos teóricos em revistas acadêmicas enquanto trabalhava na Base da USAF em Wright Patterson, incluindo títulos como ” Leis de Conservação na Relatividade Geral “, ” Medição da Distância na Relatividade Geral ” e ” Espaços de Einstein com Quatro parâmetros Holonomy Group “.

Muitos colegas de Goldberg na Wright Patterson também produziram pesquisas revisadas por pares na relatividade geral, enquanto trabalhando na base de Wright Patterson. Os números variam, mas alguns relatos dizem que dezenas de estudos foram produzidos pelo grupo de Goldberg. Alguns dos relatórios publicados daquela época incluem publicações densas em equações, como “ Algumas extensões do segundo método de Liapunov “, de JP LaSalle, e “ Campo gravitacional de uma massa giratória, como exemplo de métricas algebricamente especiais “, de Roy Kerr.

Os pontos de vista diferem sobre a natureza da pesquisa realizada na Base de Wright-Patterson no âmbito deste programa. Alguns afirmaram que isso tem a ver com a tentativa de desenvolver um sistema de propulsão antigravitacional, enquanto outros dizem que seus objetivos eram muito mais mundanos.

No entanto, a pesquisa apoiada pela Força Aérea (USAF) levou ao que alguns historiadores da ciência chamaram de “Era de Ouro da Relatividade”, um título disputado por outros , como o físico alemão Hubert Goenner, que argumenta que “em grande parte o que foi chamado de ‘Era de ouro da relatividade’ nos Estados Unidos, pode ter sido apenas uma característica de uma tendência geral da física após o choque do ‘Sputnik’.” Costuma-se afirmar que o instituto de Wright Patterson e outros laboratórios associados da Força Aérea foram criados apenas para investigar relatos de pesquisas antigravitacionais efetuadas por cientistas da Rússia para ver se os adversários dos EUA haviam conseguido o que os Estados Unidos não haviam conseguido.

A pesquisa antigravitacional realizada em Wright Patterson foi concluída no início dos anos 70 com a aprovação das alterações de Mansfield. A primeira delas, aprovada em 1970, limitou o “financiamento militar de pesquisas que não tinham uma relação direta ou aparente com uma função militar específica”.

De acordo com um relatório do Office of Technology Assessment entregue à Câmara dos Deputados dos EUA em 1991, essas emendas de Mansfield por alguns anos diminuíram um pouco a taxa de investimentos em pesquisas militares dos EUA sobre os tipos de tópicos elevados e abstratos estudados em Wright Patterson durante as décadas de 1950 e 1960. Após essas emendas, a estratégia de pesquisa do Departamento de Defesa mudou mais para o modelo de concessão de propostas visto hoje em universidades e laboratórios privados.

Isso não quer dizer que a pesquisa das forças armadas dos EUA sobre propulsão antigravitacional terminou com as alterações de Mansfield ou se limitou apenas ao grupo de Goldberg em Wright Patterson. Há muitas pesquisas no domínio público que mostram que a pesquisa da Força Aérea sobre esses conceitos continuou muito tempo depois que os cientistas daquela base passaram as suas longas carreiras na academia.

Em 1972, um grupo ad hoc com Franklin Mead, então engenheiro aeroespacial sênior dos Laboratórios de Pesquisa Aeroespacial da Força Aérea, atuando como editor publicou um relatório técnico intitulado “Conceitos avançados de propulsão – superação de projeto” para o Laboratório de Propulsão de Foguetes da Força Aérea da Edwards Air Force Base da Califórnia. O documento discute vários conceitos avançados de propulsão, que vão da propulsão tradicional de foguetes de combustão à “propulsão antigravitacional”, à qual é dedicado um capítulo inteiro.

Duas abordagens principais são descritas no Projeto Outgrowth: aquelas que usam absorção gravitacional e aquelas baseadas na teoria de campo unificado que une electromagnetismo e gravitação. Enquanto o documento observa que essas abordagens “exigiriam grandes avanços nos materiais”, ele indica que “nenhuma mudança nova ou radical na física fundamental” seria necessária para tornar essas descobertas em realidade. Em outras palavras, Mead e o restante do grupo de estudo acreditavam que esses tipos de conceitos inovadores de propulsão podem ser possíveis quando as ciências dos materiais alcançaram os conceitos desenvolvidos na física teórica.

Em todo o extenso documento do Project Outgrowth, Mead e os outros cientistas também exploraram a propulsão de campo, definida como os conceitos que usam “campos elétricos e / ou magnéticos para acelerar a força de um fluido ionizado ou reagir diretamente com o meio ambiente por efeitos elétricos ou magnéticos“. Embora uma série de abordagens teóricas de propulsão de campo tenha sido analisada, eles concluíram que “seria impossível, dentro dos limites de tempo deste estudo, avaliar completamente a área de propulsão de campo”, observando, no entanto, que “conceitos mais radicais podem ser encontrados na literatura aberta por interessados ​​em persegui-las.”

Ainda assim, o documento contém algumas curiosidades. Um capítulo, intitulado “Efeitos eletrostáticos”, descreve o uso de geradores elétricos para carregar esferas metálicas gigantes enterradas no solo a 10 quilômetros de distância em arranjos simétricos. Outra esfera seria colocada no topo do solo, no centro desse arranjo de esferas, que seria disparado a mais de 620 milhas no espaço quando as outras esferas fossem carregadas com uma intensa corrente elétrica, de acordo com o documento. Alega-se também que os veículos que voam no espaço com couraças carregadas podem ser usados ​​para fazer com que as esferas mudem de direção instantaneamente, sem perda de velocidade ou uso de propulsor.

Por mais fascinante que pareça esse experimento, não há nada no documento que sugira que a Força Aérea realmente envie esferas metálicas voando para o céu, e o documento aponta que “a análise desse conceito ignora completamente o efeito dos imensos campos elétricos no ambiente e arredores”, observando que os íons ambientais que se acumulam ao redor das esferas anulariam o efeito de repulsão. “O manuseio e a produção de objetos carregados da magnitude assumida para a análise podem estar muito além do alcance da tecnologia nas próximas décadas” e “todas as idéias discutidas carecem de mérito teórico e técnico”, concluiu o grupo de estudo.

O mesmo documento descreve abordagens teóricas no uso de supercondutores para obter sistemas de propulsão eletromagnéticas para espaçonaves, observando que as aplicações de campos eletromagnéticos de alta energia vão muito além da propulsão (também é possível se viajar no tempo):

A maior vantagem desse conceito é que o sistema é inicialmente carregado na Terra com uma tremenda quantidade de energia sem massa que é armazenada em um sistema de propulsão de baixa perda ou perda nula. […] Semelhante a outros veículos de baixo impulso, esse sistema é capaz de acelerar a velocidades muito altas ao operar grandes distâncias por períodos substanciais de tempo. […] Este sistema poderia ser usado para desacelerar veículos que se aproximam da Terra em alta velocidade.  Militarmente, esse conceito poderia, com seu alto campo magnético, bloquear, destruir, desviar ou danificar gravemente os projéteis de alta velocidade recebidos.

O documento de Desenvolvimento do Project Outgrowth conclui argumentando que, embora muitos desses conceitos ainda estivessem fora do alcance da USAF, os avanços no desenvolvimento de materiais e na engenharia podem tornar o que em 1972 parecia fantasia uma realidade nas próximas décadas:

Obviamente, os avanços em certas áreas da tecnologia podem tornar vários conceitos repentinamente muito atraentes. Melhorias nos lasers de alta energia por várias ordens de magnitude da produção de energia ou novos conceitos envolvendo transferência de energia a longa distância tornariam a propulsão a laser e a infinita ramjet Isp muito atrativas. O desenvolvimento de supercondutores de densidade de corrente mais alta, hidrogênio sólido ou mesmo supercondutores de temperatura ambiente tornaria muitos dos conceitos magnéticos mais atraentes. […]

Desvios radicais de abordagens comprovadas e consagradas pelo tempo são descartados ou carecem de visualização. Possivelmente, até o homem realmente se tornar uma criatura do espaço, as restrições impostas à sua imaginação serão removidas e radicalmente novos conceitos de propulsão serão criados.  Estamos apenas começando a entender a verdadeira natureza do espaço/tempo e a tentar utilizar esse ambiente para nossas necessidades de propulsão.

Os mesmos conceitos explorados no documento do Project Outgrowth foram examinados posteriormente por estudos subsequentes financiados pela Força Aérea. Em 1988, a Veritay Technology, Inc., sediada em Nova York, enviou o documento “Conceito de propulsão do século XXI” ao Laboratório de Astronáutica da Força Aérea (AFAL) na Base da Força Aérea de Edwards (Califórnia). O documento analisa o efeito Biefield-Brown, uma teoria controversa que afirma que os campos elétricos podem produzir forças propulsivas às vezes chamadas de vento iônico. O AFAL conseguiu gerar medidas minúsculas de propulsão com o conceito, mas concluiu que “os efeitos de propulsão de íons eram desprezíveis”.

Um relatório semelhante de 1989, intitulado “Estudo de propulsão elétrica“, também foi aceito pelo Laboratório de Astronáutica da Edwards AFB, descrevendo uma variedade de teorias e experimentos que exploram as interações entre campos gravitacionais, elétricos e eletromagnéticos. São discutidos conceitos como vento iônico, efeito Mach e várias aplicações de campos eletromagnéticos de alta energia.

Um breve capítulo explora o conceito de variação de massa inercial usando um cilindro rotativo cheio de mercúrio. A Força Aérea concluiu que o experimento mostrou pouca promessa e que “nenhuma ação da AFAL é sugerida no momento”, mas que “se um experimento de agências externas for realizado com resultados positivos, essa área deverá ser reconsiderada”. Por fim, o documento conclui que, embora grande parte da pesquisa citada ainda esteja em sua infância, as técnicas de redução de massa inercial podem oferecer os resultados mais promissores com mais estudos:

“Recomenda-se que políticas e planos levem em consideração estudos de longo prazo na área de gravidade, massa e inércia. Essas áreas merecem mais ênfase. É provável que seja mais importante do que qualquer programa experimental único. Como a propulsão química (combustão) está atingindo seus limites teóricos e a propulsão nuclear tem dificuldades políticas, é mais provável que estudos gravitacionais e eletromagnéticos levem a descobertas futuras do que qualquer estudo de força nuclear (com a possível exceção de trabalhos recentes de fusão a baixa temperatura)”.

A Força Aérea continua a procurar formas de desafiar e superar a gravidade sem o uso de propulsores e alguns relatórios técnicos afirmam que isso será possível em breve. De acordo com o estudo de 2006, “Tecnologia avançada e física inovadora para veículos aeroespaciais militares de 2025 e 2050, publicado pelo Instituto Americano de Física, alguns cientistas afirmam que a propulsão da próxima geração pode ser alcançada nas próximas três décadas.

O estudo foi compilado a pedido do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA (AFRL) e examina as descobertas tecnológicas que os pesquisadores acreditavam que poderiam ser desenvolvidas e implementadas em 2025 e 2050.

AMERICAN INSTITUTE OF PHYSICS: O conceitual “veículo 2050”, apresentando uma tecnologia hipotética de redução de massa inercial, teorizada para extrair energia do vácuo quântico.

Enquanto a maior parte do relatório se concentra em reatores de fusão compactos (Nota Thoth: encontrados em espaçonaves alienígenas recuperadas e analisados para engenharia reversa) e no desenvolvimento de novos materiais compostos de alta temperatura, a seção “Veículo 2050” prevê que os sistemas de propulsão a jato e de energia desta hipotética aeronave virão na forma de campo sem propulsor baseado no princípio de indução de flutuações de massa usando campos eletromagnéticos de alta frequência:

Um exemplo de propulsão de campo sem propulsor propõe […] o uso de pulsações de campo eletromagnético (em) de alta tensão e alta frequência para induzir flutuações de massa dentro da estrutura eletrônica e iônica de materiais dielétricos – para causar um campo “gravitacional-inercial” favorável acoplamento com matéria próxima e distante que resulta em força unidirecional.

Certamente, como sabemos agora, a USAF não é o único ramo das forças armadas que estuda abertamente veículos hipotéticos de próxima geração, baseados em conceitos de campos eletromagnéticos e variação de massa inercial.  Com base no anúncio recente declarando uma parceria com a TTSA, sabemos que até o Exército dos EUA também está explorando conceitos semelhantes para veículos terrestres da próxima geração que exploram os mesmos princípios que a USAF explorou por décadas: manipulação em massa, guias de ondas eletromagnéticos metamateriais e física quântica .

Pesquisa civil sobre gravitação, eletromagnetismo e propulsão

As forças armadas não são o único setor que há décadas realiza pesquisas que exploram os limites da propulsão aeroespacial e da relatividade geral. Em 1996, a NASA financiou um projeto conhecido como Programa de Física de Propulsão Avançada (BPP), que convidou algumas das mentes mais brilhantes da física e da engenharia aeroespacial a propor novas idéias radicais para impulsionar o voo espacial para um novo paradigma.

Em um documento descrevendo o programa BPP apresentado no Segundo Simpósio sobre Missões Científicas Avançadas Espaciais Realistas de Curto Prazo em 1998, seu diretor, Marc Miller, ofereceu uma visão geral dos objetivos da NASA para o projeto, observando que “é conhecido pelos fenômenos da física estabelecida da Relatividade Geral, que gravidade, eletromagnetismo e espaço-tempo são fenômenos inter-relacionados ”e que essas idéias levaram a questionar se forças gravitacionais ou inerciais podem ser criadas ou modificadas usando o electromagnetismo”.

Muitas das idéias que Miller e o programa BPP da NASA descrevem foram desenvolvidas ou são melhor compreendidas graças à pesquisa financiada por Wright Patterson, incluindo o conceito de massa negativa de Hermann Bondi (o grupo de Bondi no Kings College, em Londres, recebeu financiamento da Força Aérea dos EUA) e A teoria da radiação gravitacional de Joshua Goldberg.

Na tentativa de obter uma propulsão inovadora com base nesses conceitos, o projeto da NASA identificou TRÊS barreiras principais que impediam seu principal objetivo de alcançar viagens interestelares:

(1) MASS: Descubra novos métodos de propulsão que eliminam ou reduzem drasticamente a necessidade de propulsor. Isso implica descobrir maneiras fundamentalmente novas de criar movimento, presumivelmente manipulando a inércia, a gravidade ou qualquer outra interação entre matéria, campos de energia e espaço-tempo.

(2) VELOCIDADE: Descubra como obter as melhores velocidades de trânsito possíveis para reduzir drasticamente os tempos de viagem. Isso implica descobrir um meio de mover um veículo no limite de velocidade máxima real ou próximo ao movimento no espaço ou através do movimento do próprio espaço-tempo (se possível, isso significa contornar e superar o limite da velocidade da luz).

(3) ENERGIA: descubra fundamentalmente novos modos de geração de energia a bordo para alimentar esses dispositivos de propulsão. Esse terceiro objetivo é incluído, pois as duas primeiras descobertas podem exigir descobertas na geração de energia e, já que a física subjacente às metas de propulsão está intimamente ligada à física da energia.

Em 1997, o Lewis Research Center da NASA, agora conhecido como John H. Glenn Research Center em Lewis Field, realizou uma conferência sobre esses conceitos inovadores de propulsão, cujos procedimentos valem a pena ser lidos e contêm títulos como “Massa inercial como reação do Vácuo ao Movimento Acelerado” , “Propulsão do Campo de Força” e “O Campo de Ponto Zero e o Desafio da NASA para Criar a Unidade Espacial”.

Pelo pouco que sabemos ou pensamos saber sobre o cientista Dr. Salvatore Cezar Pais, o inventor das recentes, novas e intrigantes patentes anti-gravidade ‘UFO’ obtidas em nome da Marinha dos EUA, que são intrigantes, que exploramos em nosso relatório anterior, ele estava trabalhando em sua dissertação de doutorado na Case Western Reserve University, enquanto servia como bolsista de pesquisa da NASA no Centro de Pesquisa John H. Glenn da NASA, em Lewis Field, no momento da conferência.

Não há evidências concretas de que o cientista Dr. Salvatore Cezar Pais participou do workshop, mas, de acordo com o prefácio do documento, 12 alunos estavam presentes. O índice dos procedimentos da conferência lista um total de 449 páginas, a última das quais é uma lista dos participantes do workshop. No entanto, as versões disponíveis online param na página 389. Atualmente, estamos solicitando através da Lei da Liberdade de Informação (FOIA) para obter as páginas ausentes.

Vídeo de uma espaçonave do projeto Haunebu desenvolvido pelos nazistas e pelos EUA, com sistema de propulsão antigravidade pousando em base aérea da USAF no Novo México:

Confirmando a presença do cientista Dr. Salvatore Cezar Pais na conferência seria significativo porque exatamente muitas dos mesmos conceitos revolucionários que a NASA estava explorando em termos de desbloquear novas formas de propulsão e viagens espaciais são os mesmos tipos de conceitos encontrados em toda as patentes concedidas para sua “aeroespacial-submarina híbrido embarcação” e “gerador de campo eletromagnético de alta energia“. Muitos dos participantes do workshop da NASA também são citados em todas as patentes e publicações do  cientista Dr. Salvatore Cezar Pais. A colocação de Pais na conferência aumentaria o conjunto de evidências que sugerem que as tecnologias nas patentes da Marinha podem estar sendo pesquisadas nos últimos 20 anos, pelo menos no que diz respeito ao seu inventor. Na realidade, como expusemos aqui, muitos dos conceitos das patentes do cientista Dr. Salvatore Cezar Pais são semelhantes aos que foram pesquisados ​​em Wright-Patterson e outras instalações na década de 1950 e estão ainda sendo exploradas hoje.

Além da NASA, laboratórios acadêmicos e independentes têm pesquisado os mesmos princípios e abordagens da Força Aérea e de outros laboratórios militares há décadas. Uma das áreas mais comumente pesquisadas é a hipótese de reduzir a massa de uma aeronave usando o eletromagnetismo, de preferência a campo zero, e vários pesquisadores da Lockheed Martin se envolveram com alguns estudos teóricos sobre a alteração da massa inercial (ver Haisch, Rueda e Puthoff, 1998 ; Rueda e Haisch, 1998 ; Haisch e Rueda, 1999 ; e Woodward, Mahood e março de 2001 ).

Um grande conjunto de pesquisas revisadas por pares sobre redução de massa envolve o uso de materiais supercondutores avançados, como óxido de cobre e ítrio-bário ou YBCO (ver Podkletnov e Nieminen, 1992 ;   Li et al, 1997 ; e Podkletnov e Modanese, 2001 ). Alguns desses estudos, muitos deles com mais de 20 anos, relataram observar reduções de massa de até dois por cento. Obviamente, apenas porque os cientistas relatam um resultado revisado por pares não significa que seus dados não possam ser contestados ou que tenham sido impactados por fatores espúrios.

Outras tentativas de superar e aproveitar a gravidade se concentram no uso de campos eletromagnéticos. Na publicação de 2007 “ A conexão entre forças inerciais e o potencial vetorial “, os pesquisadores descobriram uma conexão entre campos elétricos e magnéticos, escrevendo que existe uma “possibilidade de manipular massa inercial” e potencialmente “alguns mecanismos para possíveis aplicações à propulsão eletromagnética e o desenvolvimento da física avançada de propulsão espacial. ”

Em 2010, um estudo da Universidade da Flórida, financiado pela USAF, alavancou esses princípios para projetar e testar um ” Veículo Aéreo Eletromagnético Sem Asa (WEAV) “, que afirma não empregar “nenhuma peça móvel e garantir tempo de resposta quase instantâneo”. O estudo escreve que este veículo foi projetado para apoiar a estratégia do Laboratório de Pesquisa da USAF de “fornecer efeitos de precisão: onipresentes sensores e atiradores” até 2015-2030.

O estudo conseguiu produzir um disco que “foi capaz de pairar alguns milímetros acima da superfície por um período prolongado (cerca de três minutos)” e observou que “protótipos de raio variável também foram ‘levitados’ com sucesso, demonstrando que o WEAV é escalável”.

AIR FORCE OFFICE OF SCIENTIFIC RESEARCH

Muitas outras abordagens focaram nas propriedades únicas de novos materiais. A publicação de 2007 “ Evidência Experimental Direta de Impulso de Manipulação de Inércia Eletromagnética” relata “novos resultados experimentais sugerindo que a propulsão ‘sem propulsor’ sem assistência externa convencional (motos à combustão convencional) foi alcançada por meio da manipulação de inércia eletromagnética” usando materiais piezoelétricos, compostos que mudam de forma quando submetidos a uma Carga elétrica.

De fato, vários pesquisadores relataram resultados significativos na manipulação de massa usando um composto piezoelétrico específico, titanato de zirconato de chumbo (PZT), encontrado em várias patentes recentes da Marinha (USNAVY). Um físico em particular, o Dr. James Woodward, da Califórnia State Fullerton, encontrou sucesso repetido na alteração da massa de pequenas amostras de teste de PZT.

Embora os níveis de redução de massa observados por Woodward sejam pequenos, o mesmo ocorre com as amostras e os níveis de energia que ele usou. Ainda assim, em um estudo publicado com o engenheiro aeroespacial Paul T. March, na Lockheed Martin, os autores observam que “efeitos muito grandes de flutuação de massa devem ser produzidos com níveis de potência apenas modestos”, mas estão além do escopo e da escala de seus estudos. .

Mesmo assim, os resultados de Woodward foram tão promissores que pelo menos dois estudos da USAF, o relatório técnico de 1989 Estudo de propulsão elétrica e o artigo de 2017 Movimento e manobra no espaço profundo: uma estrutura para alavancar a propulsão avançada” chamam a atenção para sua pesquisa em particular e observa que sua abordagem parece mais promissora.

No entanto, o documento da Força Aérea de 2017 observa que “barreiras institucionais e de financiamento óbvias estão no caminho” e que “seriam necessários trabalhos de ciência e engenharia de materiais para produzir novos materiais piezoelétricos e compensar ressonância natural, fadiga mecânica e efeitos térmicos”.

Talvez por esse motivo e provavelmente por muitos outros, vários ramos das Forças Armadas pesquisem há anos ativamente metamateriais que podem propagar campos eletromagnéticos de alta energia. Os documentos orçamentários da Marinha mostram que, entre 2011 e 2016, o programa de Pesquisa Independente do Laboratório Interno da Marinha realizou pesquisas sobre a “dispersão e controle de ondas eletromagnéticas (EM) na região de microondas (RF), usando estruturas metamateriais fabricadas”.

A partir de 2017, a Marinha combinou vários elementos do programa sob um título, alterando a maneira como os projetos individuais são relatados em seu orçamento e, assim, torna-se mais difícil saber se essa pesquisa metamaterial continua hoje.

Arranhando a superfície sem saber o que está por baixo dela

A pesquisa citada aqui é apenas uma breve olhada em alguns dos numerosos estudos que a USAF, outros ramos das forças armadas (especialmente a MARINHA) e vários laboratórios acadêmicos realizaram em “anti-gravidade” e vários métodos de propulsão sem propulsores CONVENCIONAIS, e somente aqueles que estão disponíveis para o público. Qualquer pessoa familiarizada com pesquisa e desenvolvimento militar sabe que existe uma vasta gama de projetos, dados associados e tecnologias que o público ainda não tem conhecimento e podem nunca ser mostrados.

Há décadas, há indícios dessas tecnologias secretas oferecidas por pessoas de dentro de algumas das instituições de pesquisa e desenvolvimento aeroespacial de mais alto nível dos Estados Unidos. Por exemplo, Ben Rich, o segundo diretor da Skunk Works da Lockheed Martin, disse à Popular Science em 1994 o seguinte:

“Temos algumas coisas novas. Nós não estamos estagnados. O que estamos fazendo é nos atualizar, sem publicidade. Existem alguns programas novos, e há certas coisas, algumas com 20 ou 30 anos de idade, que ainda são inovadoras e apropriadas para manter o silêncio [porque] outras pessoas ainda não as têm”.

Com isso em mente, é possível que existam certas tecnologias que foram desenvolvidas em absoluto segredo, mas que não sejam mais “coisas da ficção científica”Independentemente disso, quando se trata de aproveitar métodos exóticos de superação da gravidade, anulação de massa, campos eletromagnéticos, o interesse dos militares americanos em fazê-lo continua desde a década de 1950, e os laboratórios civis de pesquisa têm estado ativamente por trás deles.

Uma espaçonave movida à sistema de propulsão de plasma de mercúrio, gera campo eletromagnético antigravitacional …

Ainda estamos buscando respostas para o enigma em torno das recentes patentes da Marinha, mas dizer que elas surgiram do nada e não têm base científica, o que parece não ser totalmente preciso com base nas décadas de pesquisa que apresentamos aqui. Os mesmos princípios e muitos dos mesmos nomes citados nas patentes do cientista Dr. Salvatore Cezar Pais registradas para a Marinha dos EUA entre 2015 e 2018 aparecem em vários estudos da NASA, nas publicações da comunidade científica revisadas por pares e na longa história da pesquisa financiada pelo governo dos EUA. na relatividade geral e na ciência propulsora inovadora.

Temos que enfatizar mais uma vez que isso não significa que realmente realizar esses conceitos e colocá-los em uso seja possível neste momento, ou mesmo no futuro, para esse assunto. Mas mostra que houve uma história incrivelmente longa e detalhada de interesse das forças armadas dos EUA e da comunidade científica nesse campo “exótico” que resultou em quantidades significativas de pesquisas que se estendem por quase sete décadas. Tudo isso ocorreu apesar do fato de os cientistas perceberem, na década de 1950, que o tópico era em grande parte tabu e muitas vezes ridicularizado pela comunidade científica (ignorante) em geral.

Mais uma vez, o que existe por trás da cortina do domínio classificado e top secret é o grande curinga aqui. Com tanta pesquisa presente no ambiente não classificado, é possível adivinhar até que ponto as forças armadas e seus parceiros da indústria realmente foram em um esforço para obter o ‘Santo Graal’ da engenharia aeroespacial. Para alguns, essa resposta especulativa pode não estar muito longe. Para outros, pode ser bem o contrário. O fato é que simplesmente não sabemos. Mas pelo menos sabemos que o tópico, em geral, não é tão estranho quanto possa parecer.

Entre em contato com o editor: Tyler@thedrive.com


“Somos confrontados em todo o mundo por uma Conspiração Monolítica e Implacável que se baseia principalmente em meios secretos para expandir sua esfera de influência – em infiltração em vez de invasão, em subversão em vez de eleições, em intimidação em vez de livre escolha, em guerrilhas pela noite em vez de luta com exércitos à luz do dia. Seus preparativos  são ocultos, secretos, não são publicados. Seus erros estão enterrados, não são noticiados. Seus dissidentes são silenciados, ninguém ora por eles. Nenhuma despesa é questionada, nenhum rumor é impresso, nenhum segredo é revelado. Ela induz à Guerra Fria, em suma, com uma disciplina de tempo de guerra, nenhuma democracia jamais esperaria ou desejaria ter que enfrentar tal situação.” –  John F. Kennedy, uma semana antes de ser assassinado …


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.