Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Congelamento das águas do Ártico ainda não começou, um atraso “sem precedentes”

Animated map of the Arctic melt - YouTubePesquisador da Colorado State University disse que as mudanças climáticas em 2020 é mais um ano consistente com as rápidas e radicais mudanças do Círculo Polar Ártico:  Percebeu-se que pela primeira vez na história, pelo menos desde que os cientistas começaram a manter registros, na Sibéria o água do mar do Círculo Polar Ártico ainda não começou a congelar e isso tem gerado crescentes preocupações entre os pesquisadores.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O congelamento anual das águas do Círculo Polar Ártico ainda não começou, um atraso “sem precedentes” está confundindo os cientistas

Por Bhaswati Guha Majumder – Fonte:  IB Times

  • O Ártico deverá ter seu primeiro verão sem gelo, o que ocorrerá entre 2030 e 2050, disseram os cientistas pesquisadores

De acordo com os cientistas do clima, o atraso neste evento natural, observado no Mar de Laptev, foi causado pelo calor assustadoramente prolongado este verão na região norte da Rússia e a intrusão das águas do Atlântico. Os cientistas também alertaram sobre o impacto de tais incidentes na região do círculo polar ÁRTICO.

A temperatura do oceano no Ártico está mais de 5° Celsius acima da média histórica . Na verdade, os pesquisadores observaram uma onda de calor recorde no Ártico Siberiano entre janeiro e junho de 2020. Os cientistas também notaram o declínio incomum do gelo marinho no ano passado.

Um evento sem precedentes

gráfico da extensão do gelo marinho de Laptev mostra um pulso sazonal saudável que tem uma linha plana no final de outubro, o que não é comum. Agora, há uma quantidade recorde de mar Ártico aberto sem superfície de gelo. 

Zachary Labe, um pesquisador de pós-doutorado na Colorado State University, disse que esse congelamento anual atrasado “não tem precedentes” na área do Ártico Siberiano e isso está de acordo com o impacto esperado das mudanças ambientais causadas pelo homem.

O pesquisador disse ao The Guardian que “2020 é outro ano consistente com as rápidas mudanças do Círculo Polar Ártico”. A menos que os gases do efeito estufa sejam sistematicamente reduzidos, “a probabilidade de nosso primeiro verão ‘sem gelo’ na região do polo norte continuará a aumentar em meados do século 21”, disse ele .

As tribos Inuit [os “esquimós] é indígena que vive no Ártico canadense, na Groenlândia, na Sibéria russa e no Alasca americano. Os mais velhos escreveram para a Administração Nacional do Espaço e Aeronáutica (a NASA) para lhes dizer que o eixo da Terra mudou.  Os mais velhos não acreditam que as emissões de carbono efetuada pela civilização planetária dos seres humanos estão causando as mudanças climáticas atuais. Eles sentem que é exatamente o contrário, que a mudança do eixo da Terra é que esta causando as mudanças climáticas. FONTE
Mas junto com a temperatura mais quente na região, a dramática mudança climática também está empurrando as correntes de águas quentes do Atlântico amenas em direção ao mar Ártico – o que está dificultando a formação de gelo, já que o arranjo usual entre a superfície mais fria e as águas profundas quentes está se rompendo .

Walt Meier, um cientista pesquisador sênior do Data Center Nacional de Neve e Gelo dos Estados Unidos, disse que uma enorme quantidade de gelo antigo do Ártico está desaparecendo. Segundo ele, a tendência de queda continuaria até que o Ártico tenha seu primeiro verão sem gelo – o que ocorrerá entre 2030 e 2050, mostraram os dados.

Como você mede um fenômeno gigante como o derretimento do gelo ártico? Os satélites conjuntos da NASA / US Geological Survey Landsat estão ajudando os cientistas a estudar este problema desde o espaço. Um novo estudo documenta décadas de coleta de dados – chegando a uma conclusão preocupante. Produzido por Zach Wasser e Rebecca Harrington. Vídeo cortesia da NASA. Consulte Mais informação: https://www.techinsider.io/

O líder da maior missão do mundo ao Pólo Norte, Markus Rex alertou que sua expedição mostrou claramente sinais de morte no Ártico, enquanto outro pesquisador Matthew Shupe, disse que o gelo está diminuindo “muito rápido”. De acordo com Shupe, “precisamos entender o Ártico para entender como ele está atuando junto com o resto da mudança global”.

Os cientistas estão preocupados que esse atraso na formação do gelo possa acelerar o declínio e o fim da calota polar [com graves consequências ao equilíbrio entre os polos norte e sul]. Os pesquisadores explicaram várias vezes que uma camada de gelo maior significa que mais quantidade de calor do sol pode ser enviada de volta ao espaço e isso é extremamente necessário para equilibrar a atmosfera.

Bases subterrâneas construídas pela ELITE:

Citando o atraso no congelamento das águas do Círculo Polar do Ártico, o Dr. Stefan Hendricks, um especialista em física do gelo marinho do Instituto Alfred Wegener, disse:

“É mais frustrante do que chocante, pois a ocorrência desta exata situação foi prevista há muito tempo, mas houve pouco resposta substancial por parte dos tomadores de decisão”.


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas na medida em que o TEMPO da GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais: AQUI


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *