browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Os anos 20 vão rugir: ‘impeachment’ global das Elites e o fim do liberalismo

Posted by on 24/10/2020

Agora que mais uma década do novo século XXI já passou e o mundo aguardou a chegada do novo ano de 2020, é muito apropriado olhar para os ‘Roaring Twenties’ do século passado, há cem anos atrás. Esses anos mil novecentos e vinte começaram com a “globalização” [buscada pelos Illuminati e sua Elite de marionetes corruptos]; estes próximos anos vinte verão inapelavelmente o fim da sua era e, mais importante, da sua agenda.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Os anos 20 novamente estão RUGINDO: um ‘impeachment global’ das “Elites” e o fim da era da globalização liberal e globalista

Fonte: https://www.rt.com/op-ed/477112-roaring-twenties-globalization-end-era/

Fyodor Lukyanov, é o editor-chefe da Rússia em Assuntos Globais, presidente do Presidium do Conselho de Política Externa e de Defesa e diretor de pesquisa do Valdai International Discussion Club.

Quando o mundo entrou em 1920, ele já havia passado pela devastadora Primeira Guerra Mundial e pela sanguinária revolução bolchevique na Rússia. “A 1ª guerra mundial, que foi a guerra para acabar com todas as guerras”, foi um dos conflitos mais mortais da história, deixando todos chocados e gravemente feridos e países destroçados – mas também abrigando esperança de que a humanidade “nunca mais” tivesse que passar por algo assim novamente. A década de 1920 começou como um período de crescimento econômico vigoroso e vital.

A globalização começou com a introdução de viagens por telégrafo, telefone, rádio, avião e carro. As grandes cidades continuaram a crescer como centros internacionais de comércio e negócios, dominando também as cenas políticas e culturais. Os anos ‘Roaring Twenties’ terminaram com a Grande Depressão [intencionalmente fabricada], a mais grave da nossa história, até aqui, com a depressão de 1929 e a espetacular queda e a quebra dos mercados de ações, seguida logo após pela Segunda Guerra Mundial, aquele conflito do “nunca mais”, acontecia de novo.

Hoje, um século depois, a esperança parece ausente do radar global, substituída por um sentimento de crescente apreensão e INDIGNAÇÃO. E isso é provavelmente uma boa notícia; quanto mais cautelosos e conscientes somos, menores são as chances de entrarmos em uma “nova” grande catástrofe. O mundo está passando por mudanças radicais e maciças a uma escala muito maior do que nunca antes, e temos em nossas mãos conflitos e desafios que podem ser comparados a alguns dos piores episódios do século XX.

Hoje, com muita frequência, o mundo parece estar pronto para explodir a qualquer momento. No entanto, ninguém espera uma nova [se houver será a última] grande guerra. O sistema global é mantido vivo por desafios mundiais, como as mudanças climáticas que atingem TODO O PLANETA e TODA A SUA POPULAÇÃO, assim como a dissuasão nuclear, a multipolaridade emergente e a crescente interdependência entre as nações.

Pode ser uma falha, mas a esperança é que esses mecanismos à prova de falhas [???] sejam suficientes para nos manter à tona. Caso contrário, isso significa apenas que o sistema está tão contaminado que não pode mais continuar funcionando.

Eu diria que 2019 foi o ano do “impeachment generalizado”. Os prolongados esforços dos democratas americanos [marionetes do establishment político que a eleição do outsider Trump pôs abaixo] para se livrar do presidente republicano se espalharam como fogo, consumindo não apenas os EUA, mas o mundo inteiro. Em outro nível, e em um sentido muito mais amplo da palavra, o “impeachment” [dos marionetes das Elites] se tornou uma tendência global.

A dissidência pública e os movimentos de protesto nas ruas de inúmeras grandes cidades, de forma GENERALIZADA se tornaram virais e GLOBAIS. Lugares distantes e tão diferentes entre si, como a Venezuela, Moldávia, Geórgia, Catalunha, Hong Kong, Irã, Iraque, Líbano, Egito, França, Chile, Bolívia, Colômbia, Equador, Inglaterra – esses nomes apareceram em todas as notícias em 2019. Isso é um acréscimo ao avanço das forças anti-establishment em várias eleições. No nível local, os motivos podem diferir, mas globalmente a tendência é clara – as pessoas estão fartas de manipulação, corrupção, achaques, impostos, sacrifícios, etc… e estão saindo às ruas para dizer às “autoridades” políticas que eles falharam com elas.

No mundo digital e das mídias sociais, tudo funciona muito mais simples e muito mais rápido do que antes. Anteriormente, para organizar um movimento de protesto, você precisava primeiro de um núcleo: um partido, uma organização secreta, um líder ou uma ideia. Com o financiamento adequado, isso poderia crescer com o tempo. Hoje, o público mundial está ali, celular ou Smartphone na mão, navegando no espaço da mídia social, e um apelo de um ativista com uma boa causa na hora certa é suficiente para provocar uma reação. Mesmo quando não é global, ainda é grande o suficiente.

Não há mais necessidade de grandes discursos; basta uma pessoa apontar uma injustiça e, se isso soa um acorde, o protesto decola e a massa vai para as ruas protestar, às vezes com violência. Funciona da mesma forma em diferentes cantos do mundo, a ponto de nos fazer pensar se há alguma força coordenando isso nos bastidores. Mas lembre-se, tudo funciona muito mais simples e mais rápido no mundo digital. Com total transparência e acesso à informação, as pessoas compartilham e aprendem em qualquer lugar e muito mais rápido.

O ano de 1989 (*) com a queda do muro de Berlkim, foi um dos anos mais fatídicos da história recente. Trouxe grandes transformações políticas para o cenário global, com muitos estados saindo do bloco comunista em favor da [pseudo] democracia. Olhando para os últimos 30 anos, podemos dizer que o sistema político internacional realmente se tornou muito mais democrático, embora não no sentido implícito no “Fim da História” do escritor Fukuyama – ou seja, com o triunfo da [pseudo] democracia “liberal” ocidental.

(*) A queda do Muro de Berlim, em 9 de novembro de 1989, foi um evento crucial na história mundial que marcou a queda da Cortina de Ferro e o início da queda do comunismo na Europa Central e Oriental. A queda da fronteira interna da Alemanha ocorreu pouco depois. O fim da Guerra Fria foi declarado na Cúpula de Malta três semanas depois, e a reunificação da Alemanha ocorreu no ano seguinte.

Dois anos após a queda do muro de Berlim e a reunificação da Alemanha, vimos o fim do bloco soviético com a desintegração e colapso da URSS terminando, em dezembro de 1991, com um dos dois principais blocos que sustentavam a Guerra Fria e colocava o ocidente (capitalista) contra os países do leste europeu (comunista).  

O mundo agora tem muito mais vozes; muitíssimos outros jogadores engajados estão falando no cenário global. As pessoas estão mais conscientes politicamente e querem participar, em vez de simplesmente serem governadas como ovelhas. Até 1989, o mundo tinha uma ordem fixa, uma ideologia fixa de ambos os lados, e a vida de todo o planeta era definida pelos confrontos políticos e militares de dois blocos, em um sistema completamente manipulado buscando implantar uma agenda nefasta de controle total por um governo global único e totalitário.

Todas as instituições existiam [e existem, como a ONU, FMI, BIS, Bco Mundial, etc…] com um único objetivo: manter o status quo e implantar a agenda oculta em busca de um governo único e global, cujas elites ocidentais eram os principais marionetes no jogo corrupto dos controladores do sistema.

O sistema bipolar era estável o suficiente para suportar várias crises domésticas e internacionais por um longo tempo e desgastar os povos das nações envolvidas. Até que não fosse mais possível mantê-lo de pé e as peças do dominó finalmente começaram a cair estrondosamente …. para desespero das Z-Elites …

Eu diria que hoje estamos testemunhando o “Gran Finale” estrondoso daquele velho sistema [pseudo] robusto cujo declínio começou tão dramaticamente.

As crises vão se suceder até que todas as máscaras tenham caído e o “REI” [os corruptos políticos marionetes] ficará NU e exposto e veremos que ele sempre foi um inútil …


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.